Pular para o conteúdo principal

O FIM DE UMA ERA?

Há duas décadas a política de Chapadinha gira em torno do ainda prefeito Magno Bacelar. Depois de comandar Aldeias Altas e se tornar o deputado estadual mais votado do interior do Maranhão em 1998 ele veio unir a oposição ao então prefeito Isaías Fortes em 2000 e, após vitória histórica, dominou a cena local.

O asfaltamento das principais avenidas começou nos primeiros dias do seu governo, os servidores acostumados com meses de salários atrasados passaram a receber com 10 dias de antecedência, o Galo da Chapada enchia o estádio, a rede municipal de ensino saltou de 4 professores com graduação para mais de 300, e tome Limão com Mel de graça para o povo! Até hoje a introdução do “vaqueiro bom demais” anima seus simpatizantes.

Mais do que os resultados objetivos daquela administração, o que se sentia era orgulho do prefeito que tínhamos. Um líder forte, cheio de energia, que sonhava (com legitimidade) em alcançar o posto de governador do estado.

O sucesso daquele governo fez Magno ser em 2004 o único prefeito reeleito da história de Chapadinha e na eleição seguinte ele ainda conseguiria eleger sua hoje esposa Danubia Carneiro. Bem, é verdade que ela teve 417 votos a menos que Isaías (cassado pela Justiça), mas contra três candidatos fortes e com o próprio grupo torcendo o nariz o resultado foi uma demonstração de prestígio no final daquele ciclo.

Em 2012 ele voltaria a ser candidato, mas Belezinha o derrotaria por 5.361 votos. Em 2016 ele deu o troco a derrotando por 3.603 votos. Nada se compara, porém, ao resultado da eleição de 2020. Se a regra em Chapadinha é o candidato da Prefeitura perder, ficar em 3º lugar foi inédito.

Magno foi superado por um candidato de primeira viagem, teve menos votos do que naquela eleição histórica de 20 anos atrás, ficou 6.632 votos atrás da primeira colocada e sumiu. Nenhuma aparição pública desde o dia 15 de novembro, nenhuma live, nenhuma palavra de agradecimento aos eleitores, amigos e apoiadores se ouviu da boca do prefeito. Um vácuo só preenchido pelo esforço de um ou outro membro do governo que ainda procura rebater os ataques que o prefeito sofre mesmo depois dele ter garantido a vitória da prefeita eleita.

A frente da transição ficou a secretária, esposa, ex-prefeita e “culpada-geral do município” Danubia Carneiro. Sempre apontada quando as coisas não dão certo, ela carrega até o último dia as piores tarefas. É claro que ela tem sua fatia de culpa, mas não nos enganemos: a última palavra é dele e a responsabilidade também.

Precisa ser registrado para a história: Magno NÃO fez uma administração desastrosa. Longe de ser ideal, este foi o governo que mais asfaltou ruas, refez a vergonhosa rodoviária que tínhamos, abriu a maternidade municipal, reformou parte do Hospital Antônio Pontes de Aguiar e colocou a UPA para funcionar com recursos próprios do município. Errou muito no início, é verdade, ao não anular a convocação ilegal de concursados que a prefeita anterior fez depois de perder a eleição, ao não resolver o problema da Iluminação Pública quando ainda estava forte e ao buscar o isolamento político. Magno viu aliados se afastarem e aderirem a outras candidaturas com desdém. Eleito por uma grande coalizão, terminou o mandato com a esposa da Assistência Social e a irmã da Educação. Fica difícil chamar adversário de “funil” assim.

A vitória consagradora de Belezinha tem muitos outros motivos, é claro. A lentidão da Justiça que não julgou a tempo o processo com mais provas de abuso de poder econômico que já se viu por aqui, o amadorismo e a vaidade dos seus adversários, a fuga dos debates, uma campanha com muito dinheiro e com um jeito profissional de espalhar mentiras, mas, ainda assim, ela poderia ter sido evitada (e onde estiver o prefeito sabe disso).

O que não se sabe ao certo é o motivo do seu sumiço. Decepção com o eleitor? Vergonha pelo resultado? Arrependimento pelos erros cometidos? Não dá para dizer. O abandono do próprio grupo no crepúsculo do seu governo parece anunciar o desinteresse de Magno em disputas futuras, mas este comportamento não é diferente do que aconteceu em 2012 e quatro anos depois ele estava de volta.

Seguindo na luta política ou encerrando por aqui suas participações, Magno Bacelar já tem seu lugar na história chapadinhense como protagonista. Como recordista de mandatos na Prefeitura, acumula erros e acertos que tornam impossível alguém ter por ele indiferença. Amado e odiado, o prefeito deve se recolher para aguardar uma nova chance que só Belezinha pode lhe conceder.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DE NOVO: BELEZINHA TENTA COMPRAR CANDIDATO A VEREADOR E É DENUNCIADA À POLÍCIA

Dinheiro entregue à Polícia Festejada nas redes sociais pela ex-prefeita Belezinha e seus partidários, a adesão do candidato a vereador Lucídio se revelou mais um escândalo que abuso de poder econômico. Anúncio de adesão pela manhã Horas depois do anúncio, Lucídio registrou Boletim de Ocorrência acusando a coligação adversária de lhe ter entregado R$ 5 mil para ele se deixar fotografar ao lado da candidata e apoiá-la. Ao registrar o BO, o candidato apresentou aos policiais o valor que lhe foi entregue, e áudios das conversas entre ele e intermediários da ex-prefeita. Num deles o conhecimento da candidata sobre as negociações é confirmado. A versão foi confirmada por uma testemunha que presenciou a entrega do dinheiro. Após perícias as provas deverão ser encaminhadas para o Ministério Público Eleitoral e nova denúncia de abuso de poder econômico deve ser apresentada contra a candidata. Denúncia feita à tarde Belezinha responde no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ação semelhante p

EM PRIMEIRA MÃO: EX-PREFEITA PERDE O MANDATO DE DEPUTADA

Durou pouco a passagem da ex-prefeita Ducilene Belezinha (PL) na Assembleia Legislativa do Maranhão. Ela havia sido empossada no cargo de deputada estadual no mês passado devendo favor ao deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL) que determinou que a esposa, Detinha (PL), saísse de licença. Ocorre que Belezinha foi apenas a quinta suplente da coligação, e sua a posse dependeu do falecimento de um deputado e a nomeação de três parlamentares no secretariado do governador Flávio Dino, mas um deles voltou ontem (6) para o legislativo, aliás, uma secretária: Ana do Gás (PCdoB). Parlamentar com votação expressiva em Chapadinha na eleição de 2014, quando teve o apoio do hoje prefeito Magno Bacelar, a comunista ocupava a Secretaria de Estado da Mulher, mas decidiu reassumir o mandato de deputada levando a ex-prefeita de volta à condição de suplente. Festejado com carreata organizada por seus apoiadores com pouquíssima participação popular, o mandato de Belezinha na Assembleia durou 13 dia

ORINALDO ANUNCIA ROMPIMENTO COM MAGNO E APOIO A HIGOR ALMEIDA

O ex-vereador Orinaldo Araújo, esposo da vereadora Missecley, gravou hoje mensagem para anunciar seu desligamento do grupo político do prefeito Magno Bacelar. Ao lado de três dos seus quatro filhos Orinaldo afirmou que ainda não conversou com o Higor Almeida, mas apoiará sua candidatura. “É o que candidato que representa realmente aquilo que a gente pensa, aquilo que a gente quer pro nosso município”, afirmou. Havia chamado a atenção do meio político as ausências de Orinaldo e Missecley do primeiro comício de campanha do prefeito, realizado no bairro em que eles moram e têm forte base eleitoral. A insegurança jurídica da candidatura do prefeito e o forte desgaste apresentado nas pesquisas de opinião devem gerar novas adesões nos próximos dias.