Pular para o conteúdo principal

Afinal, Higor cresceu tirando voto de Belezinha ou de Magno?



Quando ninguém levava a sério a candidatura de Higor Almeida os dois grupos tradicionais da política local achavam que poderiam ser beneficiados pela insistência do professor em levar adiante sua pretensão.

Brincaram, deram espaço para o crescimento dele e a uma semana da eleição os grupos partem para o ataque contra ele. Sem ter muito o que dizer sobre sua trajetória pública e profissional partem para o ataque pessoal e para o derramamento de pesquisas que não convencem nem seus próprios militantes.

Protagonista de áudios embaraçosos, o candidato a vice-prefeito de Higor, o vereador Marcelo Aguiar, foi o candidato mais votado na coligação da ex-prefeita na última eleição.

Mas não é só. Entre os secretários do governo dela, aderiram a Higor nomes como Antônio José Almeida (Agricultura), Francisco Paiva (Assistência Social), Herbert Castelo Branco (Cultura) e Adriana Pontes (Administração). Sendo esta última sobrinha da ex-prefeita. Registre-se que ela também perdeu apoios relevantes para o grupo de Magno Bacelar: Nágera Pontes (Cultura), George Gomes (Meio Ambiente), Armando Brito (Indústria e Comércio), Chiquinha Pessoa (Igualdade Racial), Francejane Magalhães (Educação) e Ilmar Mota (Administração).

Fora do primeiro escalão, Belezinha perdeu para Higor duas secretárias pessoais, Aurilane e Marcele, e até o seu motorista, Jadson. O ex-vereador Carlos Henrique Marques e seu pai Raimundo Marques, recebidos com pompa e circunstância por Belezinha também aderiram a Higor, assim como amigos empresários da relevância de Galdêncio Gomes, Geraldo Gomes Filho, Zé Baleco, Joana e Bacurau.

Falando nos “Baleco”, o vereador Nonato era figura de frente da sua última campanha, quando ela foi derrotada com 3.603 votos mesmo estando na prefeitura. E entre os vereadores houve ainda as perdas de Professora Vera e Luís Barbeiro.

Entre ex-apoiadores de Magno Bacelar, Higor recebeu o apoio da professora Nony Braga e, consequentemente, de muitos professores que acompanhavam o prefeito. Um dos seus coordenadores de campanha, o engenheiro Beto Dantas, foi secretário de Obras, eu de Comunicação, e os empresários Jefferson Aguiar de Trabalho e Gadiêggo Loiola de Esporte.

Com 972 votos na eleição passada, a vereadora Missecley também aderiu indiretamente à campanha de Higor com sua família e grupo de apoiadores assim como o atual vice-prefeito Talvane Hortegal, com sua esposa candidata a vereadora Lara Poliane e sua filha deputada estadual Thaiza Hortegal.

 

A ADVERSÁRIA

Milionária, dona de empresas e imóveis por toda a cidade, Belezinha tem fortuna para bancar qualquer campanha e ainda recebeu oficialmente R$ 600 mil do PL, presidido no Maranhão pelo deputado Josemar de Maranhãozinho. Com uma equipe de profissionais, ela ainda conta com um grupo que tem convicção na vitória tanto espalhando pesquisa falsa de madrugada ou quanto jogando de helicóptero.

Sem mostrar nenhum arrependimento pelos erros que lhe levaram a ser escorraçada da Prefeitura, Belezinha apostava no desgaste de Magno para ser eleita com facilidade, mas o surgimento de uma candidatura viável e sem rejeição como a de Higor lhe tirou o sossego. A aposta agora é no dinheiro, mas se ele fosse suficiente ela não teria perdido a eleição passada.

 

ADESÃO DO ELEITORADO

Para além do simbolismo de lideranças políticas e figuras reconhecidas, Higor cresceu entre ex-eleitores dos dois grupos chega na reta final com condições de enfrentar a máquina pública e a montanha de dinheiro da campanha da ex-prefeita.

O desgaste do prefeito Magno Bacelar, que ainda luta na Justiça para poder ser candidato, levará vários dos seus eleitores a votar em Higor para evitar a volta de Belezinha, inclusive membros do governo que não podem tornar o apoio público.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DE NOVO: BELEZINHA TENTA COMPRAR CANDIDATO A VEREADOR E É DENUNCIADA À POLÍCIA

Dinheiro entregue à Polícia Festejada nas redes sociais pela ex-prefeita Belezinha e seus partidários, a adesão do candidato a vereador Lucídio se revelou mais um escândalo que abuso de poder econômico. Anúncio de adesão pela manhã Horas depois do anúncio, Lucídio registrou Boletim de Ocorrência acusando a coligação adversária de lhe ter entregado R$ 5 mil para ele se deixar fotografar ao lado da candidata e apoiá-la. Ao registrar o BO, o candidato apresentou aos policiais o valor que lhe foi entregue, e áudios das conversas entre ele e intermediários da ex-prefeita. Num deles o conhecimento da candidata sobre as negociações é confirmado. A versão foi confirmada por uma testemunha que presenciou a entrega do dinheiro. Após perícias as provas deverão ser encaminhadas para o Ministério Público Eleitoral e nova denúncia de abuso de poder econômico deve ser apresentada contra a candidata. Denúncia feita à tarde Belezinha responde no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ação semelhante p

O que não te disseram sobre a "farra dos contracheques"

Enquanto a gritaria tomava conta das redes sociais, me dediquei a estudar a folha de pagamento da Prefeitura de Chapadinha e verifiquei alguns dados que precisam ser esclarecidos. Primeiro, nenhum vigia “recebe” R$ 6 mil. O presente do indicativo é usado para demonstrar ação continuada. E o vigia Marcelo Costa Abreu, segundo este mesmo Portal da Transparência que serve de fonte para pinçar informações pela metade e causar alvoroço, tem um salário de R$ 1.247,50. Nos meses de Setembro e Outubro ele recebeu gratificações para compensar outros serviços que ele teria prestado à administração municipal, segundo relato dele mesmo em áudio que circula nos grupos de WhatsApp. A tese de "rachadinha" cai por terra A realização destes trabalhos deve ser atestada, mas essa checagem desmonta a tese segunda qual ele receberia um grande salário para dividir com um ex-prefeito e um vereador. Outro dado que tem aparecido de maneira muito distorcida é a lotação de todos os

EM PRIMEIRA MÃO: EX-PREFEITA PERDE O MANDATO DE DEPUTADA

Durou pouco a passagem da ex-prefeita Ducilene Belezinha (PL) na Assembleia Legislativa do Maranhão. Ela havia sido empossada no cargo de deputada estadual no mês passado devendo favor ao deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL) que determinou que a esposa, Detinha (PL), saísse de licença. Ocorre que Belezinha foi apenas a quinta suplente da coligação, e sua a posse dependeu do falecimento de um deputado e a nomeação de três parlamentares no secretariado do governador Flávio Dino, mas um deles voltou ontem (6) para o legislativo, aliás, uma secretária: Ana do Gás (PCdoB). Parlamentar com votação expressiva em Chapadinha na eleição de 2014, quando teve o apoio do hoje prefeito Magno Bacelar, a comunista ocupava a Secretaria de Estado da Mulher, mas decidiu reassumir o mandato de deputada levando a ex-prefeita de volta à condição de suplente. Festejado com carreata organizada por seus apoiadores com pouquíssima participação popular, o mandato de Belezinha na Assembleia durou 13 dia