Pular para o conteúdo principal

O Jogo Agora É Outro



A decisão monocrática do ministro Roberto Barroso, que absolveu a ex-prefeita Ducilene Belezinha da acusação de compra de votos, ainda pode ser revertida no plenário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), mas as consequências políticas já são sentidas na cidade.

Aquela ruma de pré-candidatos que apostava num cenário arejado, sem Belezinha e sem Magno, já não demonstra empolgação em ficar no meio da “nega” que eles devem disputar no ano que vem (como candidatos ou cabos eleitorais)

Ela o derrotou em 2012, ele empatou em 2016 e ninguém parece ter força para evitar uma nova polarização. Nos casos anteriores, a vitória foi de quem estava fora do poder. Ele teve a maior derrota em número de votos (5.361) e ela teve o menor percentual de votos de um candidato a reeleição já recebeu em Chapadinha (38,7%).

Pela lógica, a favorita é Belezinha. Em 2018 ela se tornou a candidata a deputada estadual mais bem votada da história do município (12.403 votos) e conta com a rejeição do governo atual para ajudar as pessoas a esquecerem os motivos que a fizeram ser escorraçada da Prefeitura.

Por outro lado, Magno não está morto. Ele foi o único prefeito que já conseguiu se reeleger por aqui (em 2004) e, com a máquina na mão, é quem tem condições de enfrentá-la. Para isso, contudo, ele terá três tarefas vitais que se interlaçam: Governar, informar e unir.

O primeiro é mais fácil. Mesmo quem faz oposição tem dificuldade de dizer que o governo não tem trabalhado. A Maternidade era principal promessa de campanha e foi inaugurada com 3 meses de gestão, UPA reaberta com recurso próprio, muito asfalto em vários bairros, rodoviária e Hapa com ótimas reformas. Se parte do recurso da cessão onerosa for destinada para resolver o problema da iluminação pública, a gestão pode reverter o desgaste acumulado.

Só que Belezinha tinha uma gestão bem avaliada e foi derrotada pela rejeição pessoal que acumulou. Para evitar o mesmo fenômeno, Magno precisa usar o carisma pessoal que tem para se comunicar com o povo de maneira eficiente e profissional, mas só conseguirá fazer isso se parar de tratar a Secretária de Comunicação como a Secretaria de Saúde era tratada no governo Danubia.

Por fim: o prefeito precisará reunificar a ampla coligação que o elegeu em 2016, depois de ter passado o governo todo descumprindo os acordos com os principais aliados. Mas este é um desafio tão difícil que tratarei dele em texto específico.

Olhando de hoje, parece que em janeiro de 2021 teremos funil de volta: filha de prefeita na folha de pagamento, empresa da família fornecendo para a Prefeitura, traições, vinganças e perseguição para todo lado. Não me espantaria se Magno voltasse como salvador em 2024, e Belezinha em 2028, e Magno em 2032, e Belezinha em 2036...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que não te disseram sobre a "farra dos contracheques"

Enquanto a gritaria tomava conta das redes sociais, me dediquei a estudar a folha de pagamento da Prefeitura de Chapadinha e verifiquei alguns dados que precisam ser esclarecidos.
Primeiro, nenhum vigia “recebe” R$ 6 mil. O presente do indicativo é usado para demonstrar ação continuada. E o vigia Marcelo Costa Abreu, segundo este mesmo Portal da Transparência que serve de fonte para pinçar informações pela metade e causar alvoroço, tem um salário de R$ 1.247,50. Nos meses de Setembro e Outubro ele recebeu gratificações para compensar outros serviços que ele teria prestado à administração municipal, segundo relato dele mesmo em áudio que circula nos grupos de WhatsApp.
A realização destes trabalhos deve ser atestada, mas essa checagem desmonta a tese segunda qual ele receberia um grande salário para dividir com um ex-prefeito e um vereador.
Outro dado que tem aparecido de maneira muito distorcida é a lotação de todos os servidores como funcionários do gabinete do prefeito. Na verdade…

EM PRIMEIRA MÃO: EX-PREFEITA PERDE O MANDATO DE DEPUTADA

Durou pouco a passagem da ex-prefeita Ducilene Belezinha (PL) na Assembleia Legislativa do Maranhão. Ela havia sido empossada no cargo de deputada estadual no mês passado devendo favor ao deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL) que determinou que a esposa, Detinha (PL), saísse de licença. Ocorre que Belezinha foi apenas a quinta suplente da coligação, e sua a posse dependeu do falecimento de um deputado e a nomeação de três parlamentares no secretariado do governador Flávio Dino, mas um deles voltou ontem (6) para o legislativo, aliás, uma secretária: Ana do Gás (PCdoB).
Parlamentar com votação expressiva em Chapadinha na eleição de 2014, quando teve o apoio do hoje prefeito Magno Bacelar, a comunista ocupava a Secretaria de Estado da Mulher, mas decidiu reassumir o mandato de deputada levando a ex-prefeita de volta à condição de suplente.Festejado com carreata organizada por seus apoiadores com pouquíssima participação popular, o mandato de Belezinha na Assembleia durou 13 dias.…

ORINALDO ANUNCIA ROMPIMENTO COM MAGNO E APOIO A HIGOR ALMEIDA

O ex-vereador Orinaldo Araújo, esposo da vereadora Missecley, gravou hoje mensagem para anunciar seu desligamento do grupo político do prefeito Magno Bacelar.Ao lado de três dos seus quatro filhos Orinaldo afirmou que ainda não conversou com o Higor Almeida, mas apoiará sua candidatura. “É o que candidato que representa realmente aquilo que a gente pensa, aquilo que a gente quer pro nosso município”, afirmou.Havia chamado a atenção do meio político as ausências de Orinaldo e Missecley do primeiro comício de campanha do prefeito, realizado no bairro em que eles moram e têm forte base eleitoral.A insegurança jurídica da candidatura do prefeito e o forte desgaste apresentado nas pesquisas de opinião devem gerar novas adesões nos próximos dias.