Pular para o conteúdo principal

A Câmara e o Zapzap


Uns seis meses antes de morrer Umberto Eco fez sua crítica mais contundente ao papel das novas tecnologias na sociedade atual: “As redes sociais dão o direito à palavra a uma legião de imbecis que antes falavam apenas em um bar e depois de uma taça de vinho, sem prejudicar a coletividade".

A frase dita por tão renomado escritor italiano nos dá a certeza que o processo de disseminação de informações sem critério que nos espanta no Brasil não tem fronteira, é global. Com a pulverização da capacidade de gerar e distribuir conteúdo, qualquer um em qualquer lugar pode atingir os 15 minutos de fama que Andy Warhol nos prometeu sem ter responsabilidade com o que é dito. É um drama que silencia o preparo, diminui a importância do esforço e da técnica ao dar relevância para a gritaria vazia.

Na última sessão da Câmara Municipal de Chapadinha ganhou destaque o bate-boca entre dois representantes eleitos pelo povo e um ex-candidato a vereador na coligação da ex-prefeita Belezinha. Como qualquer cidadão numa democracia, o suplente tem todo o direito de manifestar suas opiniões independentemente dos 239 votos que conquistou de maneira honrosa na última eleição ou dos que poderá alcançar no ano que vem.

Os atacados é que precisam escutar os alertas feitos pelo vereador Nonato Baleco no seu pronunciamento: 1. Quem está na vida pública será atacado. O que extrapola deve ser questionado na Justiça. 2. Com a aproximação do processo eleitoral as críticas serão ainda maiores por quem deseja ocupar suas cadeiras. 3. A obrigação deles é governar a cidade para 80 mil habitantes, e não para um grupo de WhatsApp com 256 pessoas.

É difícil manter a noção de proporção quando até senadores da República se prestam ao papel ridículo de decidirem voto em matérias legislativas com base em enquetes de internet. Não podemos confundir a obrigação que os agentes públicos têm de ouvir sociedade com a condição de reféns de grupos virtuais. Isto não é mais do que o velho populismo que marca a política brasileira, agora digitalizado.

Cobrada por um vereador a dar satisfação sobre “um membro da mesa diretora” que foi “jogado nas redes sociais com denúncias de falcatruas”, a presidente professora Vera fez muito bem em não responder e pedir que o questionamento fosse feito de maneira simples e direta. Como chefe de um poder ela demonstrou saber que deve satisfação ao povo, às instituições e às leis, não ao “disse me disse” do zap zap. Que sirva de lição.

Comentários

Marlyson Matos disse…
Li um belo texto! Muito bem argumentado e persuasivo na crítica que o autor se propôs a fazer. A política no Brasil é uma palhaçada sem limites. O pior é que uma boa parte da população sustente esse cenário, seja por "falta de conhecimento" ou interesses próprios.

Postagens mais visitadas deste blog

BELEZINHA ASFALTOU ATÉ O CAMINHO PARA A REELEIÇÃO

Passada a eleição estadual, o único grupo vencedor em Chapadinha foi o que já ocupa a Prefeitura. O resto se dividiu entre sobreviventes, humilhados e aposentados. Após ter sido a candidata a deputada estadual mais votada da história do município em 2018, com 12.403 votos, Belezinha alargou o recorde com os 18.548 votos de Aluizio Santos, elegendo-o para o cargo e vendo os adversários absolutamente perdidos. Se na eleição anterior os demais grupos se dividiram em 8 candidaturas acima da faixa de 500 votos, somando 17.752, desta vez foram 11 candidaturas e apenas 15.109 votos. A pulverização e o desempenho fraco já demonstram que a oposição teria dificuldade de derrotar a prefeita mesmo se conseguisse uma improvável união para 2024. Entre os derrotados da eleição destacam-se os ex-prefeitos. Dr. Magno Bacelar passou pelo segundo constrangimento seguido (e desnecessário) sem conseguir mais do que 679 votos para Adriano Sarney e Isaías Fortes, que ficou aquém do prometido a Davi Bra

ALUIZIO SANTOS FALA SOBRE SUA SAÚDE

O secretário Aluizio Santos concedeu entrevista ao programa Alerta Geral, apresentado pelo jornalista Luis Carlos Jr. na rádio Cultura de Chapadinha, nesta manhã (10) e tratou do assunto que já estava dominando as rodas de conversa da política local: seu estado de saúde. Segundo o relato, desde o mês de junho ele estava acompanhando o aumento de dois linfonodos na sua virilha e decidiu, com a equipe de médicos que o acompanha em Chapadinha, pela remoção cirúrgica de ambos. O procedimento aconteceu no dia 25 de outubro e desde então ele ficou em repouso. O diagnóstico conclusivo sobre o tratamento de saúde ao qual ele precisará se submeter deverá ser apresentado em 10 dias, mas Aluizio tem voltado às atividades políticas, inclusive às articulações da sua pré-candidatura a deputado estadual. Assista o vídeo da entrevista no final da matéria.   ENTENDA O QUADRO A íngua é o inchaço dos linfonodos, pequenos órgãos do sistema linfático que atuam na defesa do organismo humano prod

FLÁVIO DINO INAUGURA IEMA E PEDE QUE BELEZINHA ENTREGUE UPA AO ESTADO

Nesta manhã Chapadinha recebeu Flávio Dino pela última vez antes de deixar o cargo de governador. Antes de seguir para outros municípios da região entregando outros aparelhos públicos, o socialista inaugurou a unidade local do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IEMA), e a cerimônia foi movimentada, principalmente nos seus bastidores! Ausente do evento supostamente por motivo de saúde Belezinha foi representada pelo vice-prefeito que ouviu do governador novo apelo para que o município entregue a gestão da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) para o governo do estado. “Eu não olho quem é o prefeito, eu não olho partido. O meu partido é o Maranhão e por isso eu sempre estarei a disposição da cidade de Chapadinha”, disse em discurso. Confira:   O governador já tinha se colocado a disposição para assumir a responsabilidade da UPA na sua última visita a Chapadinha e o vice-prefeito até foi às redes sociais defender a entrega da unidade. Ambos foram ignorados por Be