Pular para o conteúdo principal

A Câmara e o Zapzap


Uns seis meses antes de morrer Umberto Eco fez sua crítica mais contundente ao papel das novas tecnologias na sociedade atual: “As redes sociais dão o direito à palavra a uma legião de imbecis que antes falavam apenas em um bar e depois de uma taça de vinho, sem prejudicar a coletividade".

A frase dita por tão renomado escritor italiano nos dá a certeza que o processo de disseminação de informações sem critério que nos espanta no Brasil não tem fronteira, é global. Com a pulverização da capacidade de gerar e distribuir conteúdo, qualquer um em qualquer lugar pode atingir os 15 minutos de fama que Andy Warhol nos prometeu sem ter responsabilidade com o que é dito. É um drama que silencia o preparo, diminui a importância do esforço e da técnica ao dar relevância para a gritaria vazia.

Na última sessão da Câmara Municipal de Chapadinha ganhou destaque o bate-boca entre dois representantes eleitos pelo povo e um ex-candidato a vereador na coligação da ex-prefeita Belezinha. Como qualquer cidadão numa democracia, o suplente tem todo o direito de manifestar suas opiniões independentemente dos 239 votos que conquistou de maneira honrosa na última eleição ou dos que poderá alcançar no ano que vem.

Os atacados é que precisam escutar os alertas feitos pelo vereador Nonato Baleco no seu pronunciamento: 1. Quem está na vida pública será atacado. O que extrapola deve ser questionado na Justiça. 2. Com a aproximação do processo eleitoral as críticas serão ainda maiores por quem deseja ocupar suas cadeiras. 3. A obrigação deles é governar a cidade para 80 mil habitantes, e não para um grupo de WhatsApp com 256 pessoas.

É difícil manter a noção de proporção quando até senadores da República se prestam ao papel ridículo de decidirem voto em matérias legislativas com base em enquetes de internet. Não podemos confundir a obrigação que os agentes públicos têm de ouvir sociedade com a condição de reféns de grupos virtuais. Isto não é mais do que o velho populismo que marca a política brasileira, agora digitalizado.

Cobrada por um vereador a dar satisfação sobre “um membro da mesa diretora” que foi “jogado nas redes sociais com denúncias de falcatruas”, a presidente professora Vera fez muito bem em não responder e pedir que o questionamento fosse feito de maneira simples e direta. Como chefe de um poder ela demonstrou saber que deve satisfação ao povo, às instituições e às leis, não ao “disse me disse” do zap zap. Que sirva de lição.

Comentários

Marlyson Matos disse…
Li um belo texto! Muito bem argumentado e persuasivo na crítica que o autor se propôs a fazer. A política no Brasil é uma palhaçada sem limites. O pior é que uma boa parte da população sustente esse cenário, seja por "falta de conhecimento" ou interesses próprios.

Postagens mais visitadas deste blog

O que não te disseram sobre a "farra dos contracheques"

Enquanto a gritaria tomava conta das redes sociais, me dediquei a estudar a folha de pagamento da Prefeitura de Chapadinha e verifiquei alguns dados que precisam ser esclarecidos.
Primeiro, nenhum vigia “recebe” R$ 6 mil. O presente do indicativo é usado para demonstrar ação continuada. E o vigia Marcelo Costa Abreu, segundo este mesmo Portal da Transparência que serve de fonte para pinçar informações pela metade e causar alvoroço, tem um salário de R$ 1.247,50. Nos meses de Setembro e Outubro ele recebeu gratificações para compensar outros serviços que ele teria prestado à administração municipal, segundo relato dele mesmo em áudio que circula nos grupos de WhatsApp.
A realização destes trabalhos deve ser atestada, mas essa checagem desmonta a tese segunda qual ele receberia um grande salário para dividir com um ex-prefeito e um vereador.
Outro dado que tem aparecido de maneira muito distorcida é a lotação de todos os servidores como funcionários do gabinete do prefeito. Na verdade…

EM PRIMEIRA MÃO: EX-PREFEITA PERDE O MANDATO DE DEPUTADA

Durou pouco a passagem da ex-prefeita Ducilene Belezinha (PL) na Assembleia Legislativa do Maranhão. Ela havia sido empossada no cargo de deputada estadual no mês passado devendo favor ao deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL) que determinou que a esposa, Detinha (PL), saísse de licença. Ocorre que Belezinha foi apenas a quinta suplente da coligação, e sua a posse dependeu do falecimento de um deputado e a nomeação de três parlamentares no secretariado do governador Flávio Dino, mas um deles voltou ontem (6) para o legislativo, aliás, uma secretária: Ana do Gás (PCdoB).
Parlamentar com votação expressiva em Chapadinha na eleição de 2014, quando teve o apoio do hoje prefeito Magno Bacelar, a comunista ocupava a Secretaria de Estado da Mulher, mas decidiu reassumir o mandato de deputada levando a ex-prefeita de volta à condição de suplente.Festejado com carreata organizada por seus apoiadores com pouquíssima participação popular, o mandato de Belezinha na Assembleia durou 13 dias.…

ORINALDO ANUNCIA ROMPIMENTO COM MAGNO E APOIO A HIGOR ALMEIDA

O ex-vereador Orinaldo Araújo, esposo da vereadora Missecley, gravou hoje mensagem para anunciar seu desligamento do grupo político do prefeito Magno Bacelar.Ao lado de três dos seus quatro filhos Orinaldo afirmou que ainda não conversou com o Higor Almeida, mas apoiará sua candidatura. “É o que candidato que representa realmente aquilo que a gente pensa, aquilo que a gente quer pro nosso município”, afirmou.Havia chamado a atenção do meio político as ausências de Orinaldo e Missecley do primeiro comício de campanha do prefeito, realizado no bairro em que eles moram e têm forte base eleitoral.A insegurança jurídica da candidatura do prefeito e o forte desgaste apresentado nas pesquisas de opinião devem gerar novas adesões nos próximos dias.