Pular para o conteúdo principal

A Câmara e o Zapzap


Uns seis meses antes de morrer Umberto Eco fez sua crítica mais contundente ao papel das novas tecnologias na sociedade atual: “As redes sociais dão o direito à palavra a uma legião de imbecis que antes falavam apenas em um bar e depois de uma taça de vinho, sem prejudicar a coletividade".

A frase dita por tão renomado escritor italiano nos dá a certeza que o processo de disseminação de informações sem critério que nos espanta no Brasil não tem fronteira, é global. Com a pulverização da capacidade de gerar e distribuir conteúdo, qualquer um em qualquer lugar pode atingir os 15 minutos de fama que Andy Warhol nos prometeu sem ter responsabilidade com o que é dito. É um drama que silencia o preparo, diminui a importância do esforço e da técnica ao dar relevância para a gritaria vazia.

Na última sessão da Câmara Municipal de Chapadinha ganhou destaque o bate-boca entre dois representantes eleitos pelo povo e um ex-candidato a vereador na coligação da ex-prefeita Belezinha. Como qualquer cidadão numa democracia, o suplente tem todo o direito de manifestar suas opiniões independentemente dos 239 votos que conquistou de maneira honrosa na última eleição ou dos que poderá alcançar no ano que vem.

Os atacados é que precisam escutar os alertas feitos pelo vereador Nonato Baleco no seu pronunciamento: 1. Quem está na vida pública será atacado. O que extrapola deve ser questionado na Justiça. 2. Com a aproximação do processo eleitoral as críticas serão ainda maiores por quem deseja ocupar suas cadeiras. 3. A obrigação deles é governar a cidade para 80 mil habitantes, e não para um grupo de WhatsApp com 256 pessoas.

É difícil manter a noção de proporção quando até senadores da República se prestam ao papel ridículo de decidirem voto em matérias legislativas com base em enquetes de internet. Não podemos confundir a obrigação que os agentes públicos têm de ouvir sociedade com a condição de reféns de grupos virtuais. Isto não é mais do que o velho populismo que marca a política brasileira, agora digitalizado.

Cobrada por um vereador a dar satisfação sobre “um membro da mesa diretora” que foi “jogado nas redes sociais com denúncias de falcatruas”, a presidente professora Vera fez muito bem em não responder e pedir que o questionamento fosse feito de maneira simples e direta. Como chefe de um poder ela demonstrou saber que deve satisfação ao povo, às instituições e às leis, não ao “disse me disse” do zap zap. Que sirva de lição.

Comentários

Marlyson Matos disse…
Li um belo texto! Muito bem argumentado e persuasivo na crítica que o autor se propôs a fazer. A política no Brasil é uma palhaçada sem limites. O pior é que uma boa parte da população sustente esse cenário, seja por "falta de conhecimento" ou interesses próprios.

Postagens mais visitadas deste blog

DE NOVO: BELEZINHA TENTA COMPRAR CANDIDATO A VEREADOR E É DENUNCIADA À POLÍCIA

Dinheiro entregue à Polícia Festejada nas redes sociais pela ex-prefeita Belezinha e seus partidários, a adesão do candidato a vereador Lucídio se revelou mais um escândalo que abuso de poder econômico. Anúncio de adesão pela manhã Horas depois do anúncio, Lucídio registrou Boletim de Ocorrência acusando a coligação adversária de lhe ter entregado R$ 5 mil para ele se deixar fotografar ao lado da candidata e apoiá-la. Ao registrar o BO, o candidato apresentou aos policiais o valor que lhe foi entregue, e áudios das conversas entre ele e intermediários da ex-prefeita. Num deles o conhecimento da candidata sobre as negociações é confirmado. A versão foi confirmada por uma testemunha que presenciou a entrega do dinheiro. Após perícias as provas deverão ser encaminhadas para o Ministério Público Eleitoral e nova denúncia de abuso de poder econômico deve ser apresentada contra a candidata. Denúncia feita à tarde Belezinha responde no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ação semelhante p

PACIENTES E PROFISSIONAIS DA SAÚDE RELATAM COLAPSO NA UPA DE CHAPADINHA

Os últimos dias têm sido de exaustão para quem está trabalhando na linha de frente do combate à Covid em Chapadinha. Profissionais da UPA relatam que a unidade entrou em colapso, os leitos estão lotados, pacientes aguardando nos corredores e os funcionários se sentindo impotentes diante o quadro. “Imagina o que é você se doar, prestar um serviço, ver gente morrendo todo dia e as pessoas continuarem suas vidas aglomerando”, desabafou um deles em rede social. Com quadro reduzido de funcionários, os servidores buscam fazer o que é possível, mas as dificuldades estão aumentando num grau insuportável. Enquanto isso pipocam nas redes sociais fotos e vídeos de pacientes e acompanhantes denunciando os problemas que estão enfrentando, principalmente com falta de médicos para atender a demanda crescente. A escala publicada pela Prefeitura mostra o quanto tem sido exigido dos profissionais. Apenas um médico por dia, sendo ora Dr. Kingsley Ifly, que na mesma data atende no HAPA , ora o Dr. Felipe

EXPOSTA A MÁQUINA DE COMPRA DE APOIOS DE BELEZINHA

Quem dizia que já estava com a eleição decidida abriu a carteira para tentar vencer na força do dinheiro.  O Blog do Alexandre Pinheiro publicou uma séria de mensagens e áudios envolvendo personagens da campanha da ex-prefeita Belezinha que explicam as últimas declarações de apoio à candidata. Leia aqui a matéria. Só sorrisos Denunciada à Polícia por ter tentado comprar o apoio do candidato a vereador Lucídio Santos por R$ 5 mil, Belezinha tem alegado ter sido alvo de uma armação, mas os diálogos expostos agora comprovam que a iniciativa de negociar com ele partiu de um dos seus partidários presente na foto que anunciava a adesão de Lucídio. (Áudios no final deste texto) Nos áudios o candidato chega a descartar a possibilidade de acordo (vídeo 1), mas o articulador Aluízio Santos insiste em conversar pessoalmente e noutro momento Lucídio aparece agradecendo a Shicleiton Sousa (vídeo 2) pelos R$ 5 mil posteriormente entregues à Polícia. Sem imagens e com áudio de pouca qualidade,