Pular para o conteúdo principal

O diesel aumentou e os caminhoneiros têm culpa nisso


A política de preço implementada pelo então presidente da Petrobras, Pedro Parente, definiu que diariamente o preço dos combustíveis poderia ser alterado de acordo com as oscilações dos preços do barril de petróleo e do dólar no mercado financeiro. Desta maneira, o óleo diesel S-10 sofreu um reajuste de 21,4% em dois meses. O resultado foi a greve dos caminhoneiros que parou o país em maio do ano passado.

Para encerrar a greve os caminheiros não exigiram a mudança na política de preço, apenas que o preço do combustível diminuísse. Mirando no efeito e não na causa, eles deram margem para o governo Temer resolver o problema anunciando subsídio no preço do diesel até o final do ano. Ou seja, o preço continuaria sendo aumentado pela Petrobrás, mas o governo pagaria à estatal a diferença para o consumidor não sentir a diferença diretamente no bolso.

Paradoxalmente, estes mesmos caminhoneiros apoiavam o então pré-candidato e hoje presidente Jair Bolsonaro que já se abraçava com a agenda econômica liberal para ganhar simpatia do mercado financeiro e já tinha Paulo Guedes como ministro da economia anunciado esbravejando contra qualquer política de subsídio. Ou seja, os grevistas lutavam por uma solução que tinha data certa para acabar.  

Vamos aos números para entender como andamos em círculos:

Em março de 2018, quando a Petrobras distribuía o diesel a R$ 2,26, o barril do petróleo era comercializado a US$ 65,49 e o dólar estava em R$ 3,25. Ou seja, o barril do petróleo custava R$ 212.

Em maio, mês no qual estourou a greve, o diesel era distribuído por R$ 2,75. Um reajuste acumulado de 21,4% porque o barril do petróleo passou para US$ 78,51 e o dólar estava em R$ 3,74. Ou seja, o barril do petróleo custava R$ 293.

Até ontem o diesel estava sendo distribuído a R$ 2,51, mas o barril de petróleo bateu a máxima do ano em US$ 72,27 e o dólar está em R$ 3,94. Ou seja, o barril do petróleo está custando R$ 284.

Se o preço do diesel até ontem estava 8,7% abaixo daquele que gerou a crise no ano passado, mas o preço do petróleo está apenas 3% abaixo daquele tempo, o governo federal tinha três opções:

1. Congelar o preço do diesel sacrificando o lucro da Petrobras e desagradando o mercado;
2. Pagar a diferença com os nossos impostos;
3. Reajustar o preço do combustível.

O reajuste, que impacta os preços dos fretes e, portanto, de todos os produtos brasileiros, é fruto da falta de uma política energética que dê ao país autonomia em relação ao mercado internacional.

Temos reservas naturais e conhecimento técnico para resolver nosso problema internamente, mas só no ano passado compramos do exterior 21,9 BILHÕES DE DÓLARES de produtos derivados de petróleo. Isto representa 12,1% de todas as nossas importações. Dinheiro que poderia estar sendo investido aqui gerando os empregos precisamos.

O governo Dilma errou em não construir as refinarias Premium de Bacabeira e de Pecém, o governo Temer aumentou a dependência brasileira do mercado externo e o governo atual, eleito com apoio dos caminhoneiros, tem como projeto central fazer a entrega total da nossa matriz enérgica.

Que Deus tenha misericórdia dessa nação.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ALUIZIO SANTOS FALA SOBRE SUA SAÚDE

O secretário Aluizio Santos concedeu entrevista ao programa Alerta Geral, apresentado pelo jornalista Luis Carlos Jr. na rádio Cultura de Chapadinha, nesta manhã (10) e tratou do assunto que já estava dominando as rodas de conversa da política local: seu estado de saúde. Segundo o relato, desde o mês de junho ele estava acompanhando o aumento de dois linfonodos na sua virilha e decidiu, com a equipe de médicos que o acompanha em Chapadinha, pela remoção cirúrgica de ambos. O procedimento aconteceu no dia 25 de outubro e desde então ele ficou em repouso. O diagnóstico conclusivo sobre o tratamento de saúde ao qual ele precisará se submeter deverá ser apresentado em 10 dias, mas Aluizio tem voltado às atividades políticas, inclusive às articulações da sua pré-candidatura a deputado estadual. Assista o vídeo da entrevista no final da matéria.   ENTENDA O QUADRO A íngua é o inchaço dos linfonodos, pequenos órgãos do sistema linfático que atuam na defesa do organismo humano prod

DE CORPO PRESENTE: FLÁVIO DINO REBATE BELEZINHA SOBRE INVESTIMENTO EM SAÚDE E AINDA QUER ASSUMIR A UPA

Durante cerimônia de inauguração de asfalto aplicado no município com emendas da deputada Dra. Thaiza, o governador Flávio Dino respondeu os ataques que a prefeita Belezinha fez contra ele no início da semana. A gestora havia afirmado em pronunciamento oficial que ainda não teve ajuda do governo do estado para cuidar da Saúde em Chapadinha nos seus primeiros meses de administração. Relembre: No seu discurso, a deputada Thaiza já havia criticado a gestão municipal por Chapadinha ter tido o maior número de óbitos por Covid no estado, mas Belezinha tentou evitar polêmica. Tigrona na internet, ela virou tchuchuca na frente do governador falando até em parcerias do estado com o município através do vice-governador Carlos Brandão. Veja: Flávio Dino estranhou a diferença de comportamento do mundo virtual para o mundo real. “Há pessoas que se transformam na internet. Elas na nossa frente são pessoas de bom senso, mas quando chegam na internet se transformam e se danam a mentir”: Mais a

PREFEITURA INFORMA: VACINAÇÃO ATRASADA EM CHAPADINHA

Sábado meio-dia. Fim de expediente no comércio e quem ainda não foi pro interior está se preparando para o descanso merecido. Foi neste momento a Prefeitura de Chapadinha foi às redes sociais publicar informações sobre a vacinação no município e acabou revelando dados preocupantes. Já se suspeitava que os números não seriam positivos desde o dia em que o governo do estado liberou do uso de máscaras os moradores de municípios com mais de 70% de vacinação. A ausência de Chapadinha da lista era um sinal e a confirmação veio neste final de semana. Segundo o texto veiculado pela Prefeitura, apenas 60% dos adultos estariam vacinados no município e, ainda assim, este número considera os maiores de 18 anos. O índice usado pelo governo estadual considera a vacinação dos maiores de 12 anos. Mais gente para ser considerada faz com que o percentual seja, na verdade, ainda menor. Para efeito de comparação, a Áustria vive agora sua maior onda de mortes por ser o país com menor vacinação na Eur