Pular para o conteúdo principal

Nascer e se tornar mulher 70 anos depois


O livro “O segundo sexo”, de Simone de Beauvoir, completa 70 anos de sua publicação e continua sendo criticado por quem nunca o leu. Nele que é publicada pela primeira vez a frase “não se nasce mulher, torna-se mulher”, que voltou a gerar discussões depois de aparecer no Enem e recentemente ser citada por um ministro do Supremo Tribunal Federal num julgamento sobre homofobia.

É óbvio que Beauvoir não se referia ao aspecto biológico. Salvo as exceções, todos nascem com pipiu ou pepeca. O resultado dessa diferenciação natural que é o objeto de estudo e análise da filósofa francesa, a construção social em torno do ser feminino.

Homens não nascem gostando de futebol, de carros, vestindo azul e reafirmando a própria virilidade a cada frase. Mulheres também não nascem gostando novela, de boneca, vestindo rosa e com “tristeza de se saber mulher, feita apenas para amar, para sofrer pelo seu amor e pra ser só perdão”, para citar o poetinha.

Nós nos tornamos aquilo que o meio nos impõe sob vários aspectos e no início do século passado, o que se esperava das mulheres é que não tivessem acesso à educação formal, ao mercado de trabalho, que não tivessem direito de votar nem serem votadas, que vivessem para cuidar dos homens e suportar caladas tudo que fosse feito com elas. Subalternas, fraquejadas, um segundo sexo.

De lá pra cá, muito se avançou com a consciência de que as mulheres podem ser o que elas quiserem. E se ela quiser ser uma dona de casa que viva para cuidar da família ela tem esse direito tanto quanto um homem pode tomar essa mesma decisão para si, mas elas também podem sair e ganhar o mundo.

Subjugar metade da humanidade não é algo positivo nem para a outra metade privilegiada, é um atraso que precisa ser vencido por todos. A diferença inicial, biológica, dá a homens e mulheres diferentes níveis de dificuldade e de liberdade na vida e é nosso dever moral trabalhar para mitigá-los.

“Que nada nos defina, que nada nos sujeite. Que a liberdade seja a nossa própria substância, já que viver é ser livre” (Simone de Beauvoir)



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que não te disseram sobre a "farra dos contracheques"

Enquanto a gritaria tomava conta das redes sociais, me dediquei a estudar a folha de pagamento da Prefeitura de Chapadinha e verifiquei alguns dados que precisam ser esclarecidos.
Primeiro, nenhum vigia “recebe” R$ 6 mil. O presente do indicativo é usado para demonstrar ação continuada. E o vigia Marcelo Costa Abreu, segundo este mesmo Portal da Transparência que serve de fonte para pinçar informações pela metade e causar alvoroço, tem um salário de R$ 1.247,50. Nos meses de Setembro e Outubro ele recebeu gratificações para compensar outros serviços que ele teria prestado à administração municipal, segundo relato dele mesmo em áudio que circula nos grupos de WhatsApp.
A realização destes trabalhos deve ser atestada, mas essa checagem desmonta a tese segunda qual ele receberia um grande salário para dividir com um ex-prefeito e um vereador.
Outro dado que tem aparecido de maneira muito distorcida é a lotação de todos os servidores como funcionários do gabinete do prefeito. Na verdade…

PRIMEIRA CHAPA CONFIRMADA: HIGOR E MARCELO MARINHEIRO

Nem o isolamento social imposto pela pandemia de Covid-19 freou as articulações políticas. Respeitando as restrições e orientações da Organização Mundial da Saúde, o empresário Higor da Universidade Infantil e o vereador Marcelo Marinheiro se encontraram na manhã desta segunda-feira (30) e definiram que formarão chapa visando as pré-candidaturas a prefeito e vice-prefeito de Chapadinha nas eleições de 2020.
Em contato com o Blog do Braga, a dupla afirmou que já vinha conversando nas últimas semanas e que tomaram a decisão após análise das últimas pesquisas de intenção de voto, que indicariam a viabilidade da composição.
Em meio às incertezas jurídicas de outros concorrentes, Chapadinha ganha a primeira chapa 100% definida e ficha-limpa para as próximas eleições. Após o término do período de isolamento social proposto pela OMS os pré-candidatos informarão o calendário de eventos destinados à propagação das suas plataformas políticas.
“Por enquanto, nos cabe apenas desejar a todos mui…

Prefeitura com mais verbas, contratados ainda sem salário

Apesar da crise de saúde pública, o município de Chapadinha continua recebendo recursos do governo federal para manter os salários em dia. Esta é a conclusão que chegamos ao analisar os números disponíveis no Demonstrativo de Distribuição de Arrecadação do Banco do Brasil.
O Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) transferiu para os cofres da Prefeitura mais de 25 milhões de reais (R$ 25.428.087,96) nos quatro primeiros meses do ano. A cifra é 17,09% maior do que o valor recebido no mesmo período de 2019, que já apresentava crescimento de 23,6% em relação ao ano anterior.
Este blog não costuma usar números soltos de maneira sensacionalista. É necessário ler e interpretar com noção de proporção. Será se este valor é realmente grande? Será se é suficiente? Sim. Segundo o próprio prefeito em entrevista ao portal Papo Cidade a folha salarial mensal da Secretaria de Educação, comandada agora pela sua irmã, é de R$ 4.235.649,79. Ou seja, o valor que o município r…