Pular para o conteúdo principal

Sérgio Moro e a Autorização Para Matar


Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

O artigo 23º do Código Penal, que trata da exclusão de ilicitude, define que não há crime quando o fato é praticado: I - em estado de necessidade; II - em legítima defesa; III - em estrito cumprimento de dever legal ou no exercício regular de direito.          

Diz ainda que mesmo assim a pessoa “responderá pelo excesso doloso ou culposo”.

O projeto apresentado hoje pelo ministro Sérgio Moro adiciona ao texto da lei que a pena pode não ser aplicada se o excesso decorrer de “escusável medo, surpresa ou violenta emoção”.

Medo e surpresa são palavras novas no Código Penal. “Violenta emoção” já aparece como atenuante quando o crime sob domínio dela e cometido logo após provocação da vítima, podendo diminuir pena de um sexto a um terço em homicídio simples ou lesão corporal seguida de morte.

Esta mudança não atinge apenas agentes policiais, mas todo cidadão. Sem exigir que a “violenta emoção” seja consequência de provocação da vítima, o projeto, se aprovado, leva homicidas emocionados à impunidade.

Para a Polícia, Acrescenta sem mudar nada
O Código Penal define como legítima defesa “quem, usando moderadamente dos meios necessários, repele injusta agressão, atual ou iminente, a direito seu ou de outrem”. O texto é da lei 7.209, de 1984, quando o Brasil ainda vivia na ditadura militar.

Sérgio Moro quer adicionar a esta definição um parágrafo com dois incisos afirmando que age em legítima defesa o policial que, em conflito armado ou risco iminente, previne injusta e iminente agressão a direito seu, de reféns ou de qualquer outra pessoa.

Exigindo dos policiais o que está no caput do artigo (o uso moderado dos meios necessários) o projeto é mais uma ação de perfumaria. Lembra muito o decreto presidencial que pretendia acabar com as dez exigências para comprar arma de fogo, mas manteve nove e ainda criou uma nova.

O projeto deve passar por alterações e adequações durante a tramitação no Congresso Nacional.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que não te disseram sobre a "farra dos contracheques"

Enquanto a gritaria tomava conta das redes sociais, me dediquei a estudar a folha de pagamento da Prefeitura de Chapadinha e verifiquei alguns dados que precisam ser esclarecidos.
Primeiro, nenhum vigia “recebe” R$ 6 mil. O presente do indicativo é usado para demonstrar ação continuada. E o vigia Marcelo Costa Abreu, segundo este mesmo Portal da Transparência que serve de fonte para pinçar informações pela metade e causar alvoroço, tem um salário de R$ 1.247,50. Nos meses de Setembro e Outubro ele recebeu gratificações para compensar outros serviços que ele teria prestado à administração municipal, segundo relato dele mesmo em áudio que circula nos grupos de WhatsApp.
A realização destes trabalhos deve ser atestada, mas essa checagem desmonta a tese segunda qual ele receberia um grande salário para dividir com um ex-prefeito e um vereador.
Outro dado que tem aparecido de maneira muito distorcida é a lotação de todos os servidores como funcionários do gabinete do prefeito. Na verdade…

EM PRIMEIRA MÃO: EX-PREFEITA PERDE O MANDATO DE DEPUTADA

Durou pouco a passagem da ex-prefeita Ducilene Belezinha (PL) na Assembleia Legislativa do Maranhão. Ela havia sido empossada no cargo de deputada estadual no mês passado devendo favor ao deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL) que determinou que a esposa, Detinha (PL), saísse de licença. Ocorre que Belezinha foi apenas a quinta suplente da coligação, e sua a posse dependeu do falecimento de um deputado e a nomeação de três parlamentares no secretariado do governador Flávio Dino, mas um deles voltou ontem (6) para o legislativo, aliás, uma secretária: Ana do Gás (PCdoB).
Parlamentar com votação expressiva em Chapadinha na eleição de 2014, quando teve o apoio do hoje prefeito Magno Bacelar, a comunista ocupava a Secretaria de Estado da Mulher, mas decidiu reassumir o mandato de deputada levando a ex-prefeita de volta à condição de suplente.Festejado com carreata organizada por seus apoiadores com pouquíssima participação popular, o mandato de Belezinha na Assembleia durou 13 dias.…

ORINALDO ANUNCIA ROMPIMENTO COM MAGNO E APOIO A HIGOR ALMEIDA

O ex-vereador Orinaldo Araújo, esposo da vereadora Missecley, gravou hoje mensagem para anunciar seu desligamento do grupo político do prefeito Magno Bacelar.Ao lado de três dos seus quatro filhos Orinaldo afirmou que ainda não conversou com o Higor Almeida, mas apoiará sua candidatura. “É o que candidato que representa realmente aquilo que a gente pensa, aquilo que a gente quer pro nosso município”, afirmou.Havia chamado a atenção do meio político as ausências de Orinaldo e Missecley do primeiro comício de campanha do prefeito, realizado no bairro em que eles moram e têm forte base eleitoral.A insegurança jurídica da candidatura do prefeito e o forte desgaste apresentado nas pesquisas de opinião devem gerar novas adesões nos próximos dias.