Pular para o conteúdo principal

Os Três Fatores do Impeachment

Um presidente atrapalhado

Nas democracias mais sérias costumam tratar o impeachment presidencial como uma bomba atômica, uma arma que se tem para não utilizar. O presidente deve estar constantemente sob a ameaça da severa punição, mas ela só deve ser usada em casos extremos.

Com pouco mais de 30 anos de democracia o Brasil, país da política sem pudor, utilizou-se do impeachment por duas vezes. Fernando Collor e Dilma Rousseff conseguiram ter contra si dois terços da Câmara e do Senado e caíram.

Jair Bolsonaro, a crise anunciada que venceu a última eleição, escolheu como seu vice-presidente o general Hamilton Mourão para não ser o terceiro presidente cassado. Em tese, ninguém ia querer alguém ainda mais radical do que ele em seu lugar. Desde a posse, porém, Mourão virou comentarista de qualquer notícia ocupando espaço na mídia e suavizando a própria imagem, mas não é este o tema do texto.

Crime de responsabilidade é o ato do presidente da República que atenta contra a Constituição Federal. Portanto, um impeachment deve nascer de um fato jurídico, não da mágoa dos derrotados. Se não houver uma ação cometida pelo chefe de governo consciente e dolosamente contra as determinações constitucionais, não há porque se analisar as demais circunstâncias que levam a este processo.

Ainda assim, mesmo que haja um fato jurídico, é necessário que haja uma razão social. O sistema brasileiro exige que, para ser eleito presidente da República, o cidadão tenha a maioria absoluta dos votos válidos. A regra atual é diferente do que determinava a Constituição de 1946, onde era eleito aquele que tinha mais voto em turno único.

O sistema atual exige que, se não houver maioria absoluta, uma nova votação seja feita entre os dois mais votados para evitar casos como o de 1955, quando Juscelino Kubitschek teve 35% dos votos e venceu os anti-comunistas Juaréz Tavora (30%) e Adhemar de Barros (25%).

Eleito necessariamente pela maioria, o presidente da República não deve ser retirado do cargo se não houver uma clara mobilização social defendendo sua queda. Só, e somente só, nestas circunstâncias as forças políticas devem agir para viabilizar a votação nas duas casas do Congresso Nacional que recebem e julgam a denúncia com o cuidado que não tiveram nos dois casos anteriores.

Fato jurídico, mobilização social e inviabilidade política. Não há, até aqui, nenhum dos fatores necessários para tirar Bolsonaro do cargo. O que há é um governo atrapalhado e quatro longos anos pela frente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

BELEZINHA ASFALTOU ATÉ O CAMINHO PARA A REELEIÇÃO

Passada a eleição estadual, o único grupo vencedor em Chapadinha foi o que já ocupa a Prefeitura. O resto se dividiu entre sobreviventes, humilhados e aposentados. Após ter sido a candidata a deputada estadual mais votada da história do município em 2018, com 12.403 votos, Belezinha alargou o recorde com os 18.548 votos de Aluizio Santos, elegendo-o para o cargo e vendo os adversários absolutamente perdidos. Se na eleição anterior os demais grupos se dividiram em 8 candidaturas acima da faixa de 500 votos, somando 17.752, desta vez foram 11 candidaturas e apenas 15.109 votos. A pulverização e o desempenho fraco já demonstram que a oposição teria dificuldade de derrotar a prefeita mesmo se conseguisse uma improvável união para 2024. Entre os derrotados da eleição destacam-se os ex-prefeitos. Dr. Magno Bacelar passou pelo segundo constrangimento seguido (e desnecessário) sem conseguir mais do que 679 votos para Adriano Sarney e Isaías Fortes, que ficou aquém do prometido a Davi Bra

ALUIZIO SANTOS FALA SOBRE SUA SAÚDE

O secretário Aluizio Santos concedeu entrevista ao programa Alerta Geral, apresentado pelo jornalista Luis Carlos Jr. na rádio Cultura de Chapadinha, nesta manhã (10) e tratou do assunto que já estava dominando as rodas de conversa da política local: seu estado de saúde. Segundo o relato, desde o mês de junho ele estava acompanhando o aumento de dois linfonodos na sua virilha e decidiu, com a equipe de médicos que o acompanha em Chapadinha, pela remoção cirúrgica de ambos. O procedimento aconteceu no dia 25 de outubro e desde então ele ficou em repouso. O diagnóstico conclusivo sobre o tratamento de saúde ao qual ele precisará se submeter deverá ser apresentado em 10 dias, mas Aluizio tem voltado às atividades políticas, inclusive às articulações da sua pré-candidatura a deputado estadual. Assista o vídeo da entrevista no final da matéria.   ENTENDA O QUADRO A íngua é o inchaço dos linfonodos, pequenos órgãos do sistema linfático que atuam na defesa do organismo humano prod

FLÁVIO DINO INAUGURA IEMA E PEDE QUE BELEZINHA ENTREGUE UPA AO ESTADO

Nesta manhã Chapadinha recebeu Flávio Dino pela última vez antes de deixar o cargo de governador. Antes de seguir para outros municípios da região entregando outros aparelhos públicos, o socialista inaugurou a unidade local do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IEMA), e a cerimônia foi movimentada, principalmente nos seus bastidores! Ausente do evento supostamente por motivo de saúde Belezinha foi representada pelo vice-prefeito que ouviu do governador novo apelo para que o município entregue a gestão da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) para o governo do estado. “Eu não olho quem é o prefeito, eu não olho partido. O meu partido é o Maranhão e por isso eu sempre estarei a disposição da cidade de Chapadinha”, disse em discurso. Confira:   O governador já tinha se colocado a disposição para assumir a responsabilidade da UPA na sua última visita a Chapadinha e o vice-prefeito até foi às redes sociais defender a entrega da unidade. Ambos foram ignorados por Be