Pular para o conteúdo principal

Os Três Fatores do Impeachment

Um presidente atrapalhado

Nas democracias mais sérias costumam tratar o impeachment presidencial como uma bomba atômica, uma arma que se tem para não utilizar. O presidente deve estar constantemente sob a ameaça da severa punição, mas ela só deve ser usada em casos extremos.

Com pouco mais de 30 anos de democracia o Brasil, país da política sem pudor, utilizou-se do impeachment por duas vezes. Fernando Collor e Dilma Rousseff conseguiram ter contra si dois terços da Câmara e do Senado e caíram.

Jair Bolsonaro, a crise anunciada que venceu a última eleição, escolheu como seu vice-presidente o general Hamilton Mourão para não ser o terceiro presidente cassado. Em tese, ninguém ia querer alguém ainda mais radical do que ele em seu lugar. Desde a posse, porém, Mourão virou comentarista de qualquer notícia ocupando espaço na mídia e suavizando a própria imagem, mas não é este o tema do texto.

Crime de responsabilidade é o ato do presidente da República que atenta contra a Constituição Federal. Portanto, um impeachment deve nascer de um fato jurídico, não da mágoa dos derrotados. Se não houver uma ação cometida pelo chefe de governo consciente e dolosamente contra as determinações constitucionais, não há porque se analisar as demais circunstâncias que levam a este processo.

Ainda assim, mesmo que haja um fato jurídico, é necessário que haja uma razão social. O sistema brasileiro exige que, para ser eleito presidente da República, o cidadão tenha a maioria absoluta dos votos válidos. A regra atual é diferente do que determinava a Constituição de 1946, onde era eleito aquele que tinha mais voto em turno único.

O sistema atual exige que, se não houver maioria absoluta, uma nova votação seja feita entre os dois mais votados para evitar casos como o de 1955, quando Juscelino Kubitschek teve 35% dos votos e venceu os anti-comunistas Juaréz Tavora (30%) e Adhemar de Barros (25%).

Eleito necessariamente pela maioria, o presidente da República não deve ser retirado do cargo se não houver uma clara mobilização social defendendo sua queda. Só, e somente só, nestas circunstâncias as forças políticas devem agir para viabilizar a votação nas duas casas do Congresso Nacional que recebem e julgam a denúncia com o cuidado que não tiveram nos dois casos anteriores.

Fato jurídico, mobilização social e inviabilidade política. Não há, até aqui, nenhum dos fatores necessários para tirar Bolsonaro do cargo. O que há é um governo atrapalhado e quatro longos anos pela frente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DE NOVO: BELEZINHA TENTA COMPRAR CANDIDATO A VEREADOR E É DENUNCIADA À POLÍCIA

Dinheiro entregue à Polícia Festejada nas redes sociais pela ex-prefeita Belezinha e seus partidários, a adesão do candidato a vereador Lucídio se revelou mais um escândalo que abuso de poder econômico. Anúncio de adesão pela manhã Horas depois do anúncio, Lucídio registrou Boletim de Ocorrência acusando a coligação adversária de lhe ter entregado R$ 5 mil para ele se deixar fotografar ao lado da candidata e apoiá-la. Ao registrar o BO, o candidato apresentou aos policiais o valor que lhe foi entregue, e áudios das conversas entre ele e intermediários da ex-prefeita. Num deles o conhecimento da candidata sobre as negociações é confirmado. A versão foi confirmada por uma testemunha que presenciou a entrega do dinheiro. Após perícias as provas deverão ser encaminhadas para o Ministério Público Eleitoral e nova denúncia de abuso de poder econômico deve ser apresentada contra a candidata. Denúncia feita à tarde Belezinha responde no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ação semelhante p

EM PRIMEIRA MÃO: EX-PREFEITA PERDE O MANDATO DE DEPUTADA

Durou pouco a passagem da ex-prefeita Ducilene Belezinha (PL) na Assembleia Legislativa do Maranhão. Ela havia sido empossada no cargo de deputada estadual no mês passado devendo favor ao deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL) que determinou que a esposa, Detinha (PL), saísse de licença. Ocorre que Belezinha foi apenas a quinta suplente da coligação, e sua a posse dependeu do falecimento de um deputado e a nomeação de três parlamentares no secretariado do governador Flávio Dino, mas um deles voltou ontem (6) para o legislativo, aliás, uma secretária: Ana do Gás (PCdoB). Parlamentar com votação expressiva em Chapadinha na eleição de 2014, quando teve o apoio do hoje prefeito Magno Bacelar, a comunista ocupava a Secretaria de Estado da Mulher, mas decidiu reassumir o mandato de deputada levando a ex-prefeita de volta à condição de suplente. Festejado com carreata organizada por seus apoiadores com pouquíssima participação popular, o mandato de Belezinha na Assembleia durou 13 dia

ORINALDO ANUNCIA ROMPIMENTO COM MAGNO E APOIO A HIGOR ALMEIDA

O ex-vereador Orinaldo Araújo, esposo da vereadora Missecley, gravou hoje mensagem para anunciar seu desligamento do grupo político do prefeito Magno Bacelar. Ao lado de três dos seus quatro filhos Orinaldo afirmou que ainda não conversou com o Higor Almeida, mas apoiará sua candidatura. “É o que candidato que representa realmente aquilo que a gente pensa, aquilo que a gente quer pro nosso município”, afirmou. Havia chamado a atenção do meio político as ausências de Orinaldo e Missecley do primeiro comício de campanha do prefeito, realizado no bairro em que eles moram e têm forte base eleitoral. A insegurança jurídica da candidatura do prefeito e o forte desgaste apresentado nas pesquisas de opinião devem gerar novas adesões nos próximos dias.