Pular para o conteúdo principal

Trump, os muros e os Republicanos




Quando o orçamento anual não é aprovado no Brasil o governo segue funcionando mensalmente com 1/12 do orçamento do ano anterior. Nos EUA, se o Congresso não aprovar o orçamento e/ou o presidente não sancionar, o governo é paralisado (shut down). Agências governamentais param de funcionar, espaços públicos fecham, servidores federais não recebem seus salários.

Eles estão nessa situação agora porque o Congresso, com a Câmara dos Deputados controlada pelos democratas, não concorda com a proposta do presidente republicano Donald Trump de construir um muro de US$ 5 bilhões na fronteira com o México.

Esta foi uma das principais propostas de campanha de Trump. Ele usou o medo para energizar sua base social e mantém a tese de que uma barreira física é o melhor caminho para combater a entrada de imigrantes ilegais.

Mesmo a maioria dos imigrantes ilegais dos EUA tendo chegado lá de avião, com visto e simplesmente ficando mais do que era autorizado, o discurso dele fala mais alto aos conservadores porque o principal combustível é o preconceito com minorias, como mexicanos e outros latinos.

A queda de braço com os democratas poderia não ser tão ruim para Trump. Mesmo sendo obrigado a recuar ele poderia ir para a campanha do ano que vem mostrando que fez tudo que podia para manter sua promessa e pedindo para ser reeleito com uma maioria republicana no Congresso.

O problema é que ele se vendeu aos eleitores como um grande dealer, um negociador capaz de ganhar rios de dinheiro na iniciativa privada e de driblar os entraves de Washington. Os democratas não têm nenhuma intenção de permitir que ele mostre essa habilidade, principalmente porque a pressão do shut down está toda no colo dele, depois de afirmar que deixaria o governo fechado por até mais de um ano em nome de construir o muro.

Noutra hipótese, se os democratas cedessem, Trump ainda teria que explicar porque na campanha dizia que o muro seria pago pelo próprio México e na prática teve que usar US$ 5 bilhões do contribuinte americano para fazer essa construção. Não é surpresa que o índice de aprovação do presidente já estava abaixo de 40% antes mesmo da paralisação do governo começa, há 20 dias.

Parte dos republicanos do Senado, onde eles têm maioria, já aprovaram proposta democrata de orçamento sem os US$ 5 bilhões do muro e deixaram para o presidente a tarefa de negociar com a maioria democrata da Câmara uma saída. Enquanto isso, Republicanos mais moderados como o governador de Ohio John Kasich e o próprio vice-presidente Mike Pence já são vistos como alternativa para o partido não ser engolido como começou a acontecer nas eleições legislativas de 2018.

O mesmo partido Republicano de Ronald Reagan, famoso entre outras frases por aquela onde desafiava o líder soviético Mikhail Gorbatchov a derrubar o muro de Berlin, hoje está preso a um presidente que pode derrubar a si e ao partido pela obsessão de levantar outro muro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DE NOVO: BELEZINHA TENTA COMPRAR CANDIDATO A VEREADOR E É DENUNCIADA À POLÍCIA

Dinheiro entregue à Polícia Festejada nas redes sociais pela ex-prefeita Belezinha e seus partidários, a adesão do candidato a vereador Lucídio se revelou mais um escândalo que abuso de poder econômico. Anúncio de adesão pela manhã Horas depois do anúncio, Lucídio registrou Boletim de Ocorrência acusando a coligação adversária de lhe ter entregado R$ 5 mil para ele se deixar fotografar ao lado da candidata e apoiá-la. Ao registrar o BO, o candidato apresentou aos policiais o valor que lhe foi entregue, e áudios das conversas entre ele e intermediários da ex-prefeita. Num deles o conhecimento da candidata sobre as negociações é confirmado. A versão foi confirmada por uma testemunha que presenciou a entrega do dinheiro. Após perícias as provas deverão ser encaminhadas para o Ministério Público Eleitoral e nova denúncia de abuso de poder econômico deve ser apresentada contra a candidata. Denúncia feita à tarde Belezinha responde no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ação semelhante p

PACIENTES E PROFISSIONAIS DA SAÚDE RELATAM COLAPSO NA UPA DE CHAPADINHA

Os últimos dias têm sido de exaustão para quem está trabalhando na linha de frente do combate à Covid em Chapadinha. Profissionais da UPA relatam que a unidade entrou em colapso, os leitos estão lotados, pacientes aguardando nos corredores e os funcionários se sentindo impotentes diante o quadro. “Imagina o que é você se doar, prestar um serviço, ver gente morrendo todo dia e as pessoas continuarem suas vidas aglomerando”, desabafou um deles em rede social. Com quadro reduzido de funcionários, os servidores buscam fazer o que é possível, mas as dificuldades estão aumentando num grau insuportável. Enquanto isso pipocam nas redes sociais fotos e vídeos de pacientes e acompanhantes denunciando os problemas que estão enfrentando, principalmente com falta de médicos para atender a demanda crescente. A escala publicada pela Prefeitura mostra o quanto tem sido exigido dos profissionais. Apenas um médico por dia, sendo ora Dr. Kingsley Ifly, que na mesma data atende no HAPA , ora o Dr. Felipe

EXPOSTA A MÁQUINA DE COMPRA DE APOIOS DE BELEZINHA

Quem dizia que já estava com a eleição decidida abriu a carteira para tentar vencer na força do dinheiro.  O Blog do Alexandre Pinheiro publicou uma séria de mensagens e áudios envolvendo personagens da campanha da ex-prefeita Belezinha que explicam as últimas declarações de apoio à candidata. Leia aqui a matéria. Só sorrisos Denunciada à Polícia por ter tentado comprar o apoio do candidato a vereador Lucídio Santos por R$ 5 mil, Belezinha tem alegado ter sido alvo de uma armação, mas os diálogos expostos agora comprovam que a iniciativa de negociar com ele partiu de um dos seus partidários presente na foto que anunciava a adesão de Lucídio. (Áudios no final deste texto) Nos áudios o candidato chega a descartar a possibilidade de acordo (vídeo 1), mas o articulador Aluízio Santos insiste em conversar pessoalmente e noutro momento Lucídio aparece agradecendo a Shicleiton Sousa (vídeo 2) pelos R$ 5 mil posteriormente entregues à Polícia. Sem imagens e com áudio de pouca qualidade,