Pular para o conteúdo principal

Trump, os muros e os Republicanos




Quando o orçamento anual não é aprovado no Brasil o governo segue funcionando mensalmente com 1/12 do orçamento do ano anterior. Nos EUA, se o Congresso não aprovar o orçamento e/ou o presidente não sancionar, o governo é paralisado (shut down). Agências governamentais param de funcionar, espaços públicos fecham, servidores federais não recebem seus salários.

Eles estão nessa situação agora porque o Congresso, com a Câmara dos Deputados controlada pelos democratas, não concorda com a proposta do presidente republicano Donald Trump de construir um muro de US$ 5 bilhões na fronteira com o México.

Esta foi uma das principais propostas de campanha de Trump. Ele usou o medo para energizar sua base social e mantém a tese de que uma barreira física é o melhor caminho para combater a entrada de imigrantes ilegais.

Mesmo a maioria dos imigrantes ilegais dos EUA tendo chegado lá de avião, com visto e simplesmente ficando mais do que era autorizado, o discurso dele fala mais alto aos conservadores porque o principal combustível é o preconceito com minorias, como mexicanos e outros latinos.

A queda de braço com os democratas poderia não ser tão ruim para Trump. Mesmo sendo obrigado a recuar ele poderia ir para a campanha do ano que vem mostrando que fez tudo que podia para manter sua promessa e pedindo para ser reeleito com uma maioria republicana no Congresso.

O problema é que ele se vendeu aos eleitores como um grande dealer, um negociador capaz de ganhar rios de dinheiro na iniciativa privada e de driblar os entraves de Washington. Os democratas não têm nenhuma intenção de permitir que ele mostre essa habilidade, principalmente porque a pressão do shut down está toda no colo dele, depois de afirmar que deixaria o governo fechado por até mais de um ano em nome de construir o muro.

Noutra hipótese, se os democratas cedessem, Trump ainda teria que explicar porque na campanha dizia que o muro seria pago pelo próprio México e na prática teve que usar US$ 5 bilhões do contribuinte americano para fazer essa construção. Não é surpresa que o índice de aprovação do presidente já estava abaixo de 40% antes mesmo da paralisação do governo começa, há 20 dias.

Parte dos republicanos do Senado, onde eles têm maioria, já aprovaram proposta democrata de orçamento sem os US$ 5 bilhões do muro e deixaram para o presidente a tarefa de negociar com a maioria democrata da Câmara uma saída. Enquanto isso, Republicanos mais moderados como o governador de Ohio John Kasich e o próprio vice-presidente Mike Pence já são vistos como alternativa para o partido não ser engolido como começou a acontecer nas eleições legislativas de 2018.

O mesmo partido Republicano de Ronald Reagan, famoso entre outras frases por aquela onde desafiava o líder soviético Mikhail Gorbatchov a derrubar o muro de Berlin, hoje está preso a um presidente que pode derrubar a si e ao partido pela obsessão de levantar outro muro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DE NOVO: BELEZINHA TENTA COMPRAR CANDIDATO A VEREADOR E É DENUNCIADA À POLÍCIA

Dinheiro entregue à Polícia Festejada nas redes sociais pela ex-prefeita Belezinha e seus partidários, a adesão do candidato a vereador Lucídio se revelou mais um escândalo que abuso de poder econômico. Anúncio de adesão pela manhã Horas depois do anúncio, Lucídio registrou Boletim de Ocorrência acusando a coligação adversária de lhe ter entregado R$ 5 mil para ele se deixar fotografar ao lado da candidata e apoiá-la. Ao registrar o BO, o candidato apresentou aos policiais o valor que lhe foi entregue, e áudios das conversas entre ele e intermediários da ex-prefeita. Num deles o conhecimento da candidata sobre as negociações é confirmado. A versão foi confirmada por uma testemunha que presenciou a entrega do dinheiro. Após perícias as provas deverão ser encaminhadas para o Ministério Público Eleitoral e nova denúncia de abuso de poder econômico deve ser apresentada contra a candidata. Denúncia feita à tarde Belezinha responde no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ação semelhante p

EM PRIMEIRA MÃO: EX-PREFEITA PERDE O MANDATO DE DEPUTADA

Durou pouco a passagem da ex-prefeita Ducilene Belezinha (PL) na Assembleia Legislativa do Maranhão. Ela havia sido empossada no cargo de deputada estadual no mês passado devendo favor ao deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL) que determinou que a esposa, Detinha (PL), saísse de licença. Ocorre que Belezinha foi apenas a quinta suplente da coligação, e sua a posse dependeu do falecimento de um deputado e a nomeação de três parlamentares no secretariado do governador Flávio Dino, mas um deles voltou ontem (6) para o legislativo, aliás, uma secretária: Ana do Gás (PCdoB). Parlamentar com votação expressiva em Chapadinha na eleição de 2014, quando teve o apoio do hoje prefeito Magno Bacelar, a comunista ocupava a Secretaria de Estado da Mulher, mas decidiu reassumir o mandato de deputada levando a ex-prefeita de volta à condição de suplente. Festejado com carreata organizada por seus apoiadores com pouquíssima participação popular, o mandato de Belezinha na Assembleia durou 13 dia

ORINALDO ANUNCIA ROMPIMENTO COM MAGNO E APOIO A HIGOR ALMEIDA

O ex-vereador Orinaldo Araújo, esposo da vereadora Missecley, gravou hoje mensagem para anunciar seu desligamento do grupo político do prefeito Magno Bacelar. Ao lado de três dos seus quatro filhos Orinaldo afirmou que ainda não conversou com o Higor Almeida, mas apoiará sua candidatura. “É o que candidato que representa realmente aquilo que a gente pensa, aquilo que a gente quer pro nosso município”, afirmou. Havia chamado a atenção do meio político as ausências de Orinaldo e Missecley do primeiro comício de campanha do prefeito, realizado no bairro em que eles moram e têm forte base eleitoral. A insegurança jurídica da candidatura do prefeito e o forte desgaste apresentado nas pesquisas de opinião devem gerar novas adesões nos próximos dias.