Pular para o conteúdo principal

Sobre Planejamento e UPA




A decisão de devolver a administração da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Chapadinha para o município, tomada pelo governo do estado e revelada em primeira mão pelo Blog do Braga, tem repercutido fortemente nas redes sociais entre os usuários da cidade.

O líder da oposição na Câmara Municipal, vereador Alberto Carlos (PR), acusou a atual gestão municipal de falta de planejamento por não ter se preparado durante a vigência do convênio com o estado para assumir a unidade. O parlamentar até tem razão dado que, questionada sobre o que aconteceria com a UPA, a secretária Mônica Pontes afirmou em dezembro de 2018 (1 ano e 8 meses depois do convênio de um ano ter sido assinado) que ainda estava vendo o que faria porque tudo havia acontecido muito rápido.

Porém, se o governo atual não se preparou para manter a UPA, o que poderia ser dito sobre o planejamento da gestão anterior que foi atrás de recurso do governo federal para construir o prédio sem ter dinheiro nem pra inaugurá-la? A mesma gestão, lembremos, que começou fechando dois hospitais no município.

Mais críticas

Ainda repercutindo a devolução e fechamento da UPA apareceu quem acusasse município e estado de politicagem por terem mantido a unidade aberta com data certa para encerrar o convênio, mas não há registro que alguém que tenha protestado contra a inauguração da UPA porque a parceria tinha prazo. Na época o contrato era de apenas um ano e isso era sabido por todos, inclusive os vereadores que aprovaram a cessão por unanimidade.

Nessas horas surgem até especialistas de ocasião em administração hospitalar para dizer que não precisaria de tanto recurso assim para manter a UPA funcionando com a mesma qualidade. Vamos fazer conta: A UPA estava funcionando com quatro médicos. A R$ 2 mil o valor do plantão, isto significa R$ 8 mil reais por dia, R$ 240 mil por mês só para pagar os médicos. São necessários ainda mais de 15 enfermeiros, técnicos, assistentes sociais, nutricionistas, maqueiros, recepcionistas, profissionais de segurança e de serviços gerais. É preciso pagar a conta de energia elétrica de um prédio que funciona 24h por dia climatizado. É necessários abastecer constantemente o estoque de remédios e insumos,  que nunca foram alvo de reclamações dos pacientes durante estes quase dois anos.

Mesmo que reabra por conta própria a UPA, uma Prefeitura em dificuldade para pagar até os salários dos servidores não tem recursos suficientes para manter o nível do serviço que vinha sendo prestado ali.

Não espere compreensão do povo

A população não quer saber se a Emenda Constitucional do Teto de Gastos congelou os investimentos já defasados em saúde por 20 anos. A maioria vê os valores que entram nos cofres do município sem se dar conta dos gastos obrigatórios e automáticos que uma Prefeitura como a de Chapadinha tem todos os meses.

Se a UPA permanecer fechada ou mesmo se reabrir sem a mesma qualidade, o desgaste fica no colo do prefeito Magno Bacelar e isso já se nota em comentários publicados em redes sociais até por antigos defensores da gestão.

Sobra desgaste também para o governador Flávio Dino, mesmo este tendo feito por quase dois anos aquilo que não era nem sua obrigação e agora investindo valores ainda maiores no Hospital Regional de Chapadinha, mas não é ele quem vai ter que enfrentar o processo eleitoral no ano que vem.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que não te disseram sobre a "farra dos contracheques"

Enquanto a gritaria tomava conta das redes sociais, me dediquei a estudar a folha de pagamento da Prefeitura de Chapadinha e verifiquei alguns dados que precisam ser esclarecidos.
Primeiro, nenhum vigia “recebe” R$ 6 mil. O presente do indicativo é usado para demonstrar ação continuada. E o vigia Marcelo Costa Abreu, segundo este mesmo Portal da Transparência que serve de fonte para pinçar informações pela metade e causar alvoroço, tem um salário de R$ 1.247,50. Nos meses de Setembro e Outubro ele recebeu gratificações para compensar outros serviços que ele teria prestado à administração municipal, segundo relato dele mesmo em áudio que circula nos grupos de WhatsApp.
A realização destes trabalhos deve ser atestada, mas essa checagem desmonta a tese segunda qual ele receberia um grande salário para dividir com um ex-prefeito e um vereador.
Outro dado que tem aparecido de maneira muito distorcida é a lotação de todos os servidores como funcionários do gabinete do prefeito. Na verdade…

PRIMEIRA CHAPA CONFIRMADA: HIGOR E MARCELO MARINHEIRO

Nem o isolamento social imposto pela pandemia de Covid-19 freou as articulações políticas. Respeitando as restrições e orientações da Organização Mundial da Saúde, o empresário Higor da Universidade Infantil e o vereador Marcelo Marinheiro se encontraram na manhã desta segunda-feira (30) e definiram que formarão chapa visando as pré-candidaturas a prefeito e vice-prefeito de Chapadinha nas eleições de 2020.
Em contato com o Blog do Braga, a dupla afirmou que já vinha conversando nas últimas semanas e que tomaram a decisão após análise das últimas pesquisas de intenção de voto, que indicariam a viabilidade da composição.
Em meio às incertezas jurídicas de outros concorrentes, Chapadinha ganha a primeira chapa 100% definida e ficha-limpa para as próximas eleições. Após o término do período de isolamento social proposto pela OMS os pré-candidatos informarão o calendário de eventos destinados à propagação das suas plataformas políticas.
“Por enquanto, nos cabe apenas desejar a todos mui…

Uma decisão que não se sustenta

Há tempos o município dava sinais de que conseguiria manter o calendário de pagamento dos servidores públicos de acordo com a promessa de campanha do prefeito Magno Bacelar, com 10 dias dentro do mês trabalho. Ontem a Prefeitura anunciou que todos os servidores receberão no limite previsto em lei e as reações foram instantâneas.
Até a aliada presidente da Câmara, professora Vera, já se pronunciou duramente repudiando a decisão do prefeito. “Não vejo justificativa para a medida da Prefeitura de transferir os pagamentos para o 5º dia útil do mês subsequente”, declarou em redes sociais.
Apesar de não haver ilegalidade no anúncio, algumas considerações precisam ser feitas. A primeira, e mais importante neste momento de pandemia, é que nunca foi tão necessário escalonar o pagamento. Para evitar aglomerações ainda maiores nas agências bancárias, os servidores de diferentes órgãos deveriam receber em dias alternados.
Em segundo lugar, a crise econômica agravada pela pandemia de Covid-19 po…