Pular para o conteúdo principal

Sobre Planejamento e UPA




A decisão de devolver a administração da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Chapadinha para o município, tomada pelo governo do estado e revelada em primeira mão pelo Blog do Braga, tem repercutido fortemente nas redes sociais entre os usuários da cidade.

O líder da oposição na Câmara Municipal, vereador Alberto Carlos (PR), acusou a atual gestão municipal de falta de planejamento por não ter se preparado durante a vigência do convênio com o estado para assumir a unidade. O parlamentar até tem razão dado que, questionada sobre o que aconteceria com a UPA, a secretária Mônica Pontes afirmou em dezembro de 2018 (1 ano e 8 meses depois do convênio de um ano ter sido assinado) que ainda estava vendo o que faria porque tudo havia acontecido muito rápido.

Porém, se o governo atual não se preparou para manter a UPA, o que poderia ser dito sobre o planejamento da gestão anterior que foi atrás de recurso do governo federal para construir o prédio sem ter dinheiro nem pra inaugurá-la? A mesma gestão, lembremos, que começou fechando dois hospitais no município.

Mais críticas

Ainda repercutindo a devolução e fechamento da UPA apareceu quem acusasse município e estado de politicagem por terem mantido a unidade aberta com data certa para encerrar o convênio, mas não há registro que alguém que tenha protestado contra a inauguração da UPA porque a parceria tinha prazo. Na época o contrato era de apenas um ano e isso era sabido por todos, inclusive os vereadores que aprovaram a cessão por unanimidade.

Nessas horas surgem até especialistas de ocasião em administração hospitalar para dizer que não precisaria de tanto recurso assim para manter a UPA funcionando com a mesma qualidade. Vamos fazer conta: A UPA estava funcionando com quatro médicos. A R$ 2 mil o valor do plantão, isto significa R$ 8 mil reais por dia, R$ 240 mil por mês só para pagar os médicos. São necessários ainda mais de 15 enfermeiros, técnicos, assistentes sociais, nutricionistas, maqueiros, recepcionistas, profissionais de segurança e de serviços gerais. É preciso pagar a conta de energia elétrica de um prédio que funciona 24h por dia climatizado. É necessários abastecer constantemente o estoque de remédios e insumos,  que nunca foram alvo de reclamações dos pacientes durante estes quase dois anos.

Mesmo que reabra por conta própria a UPA, uma Prefeitura em dificuldade para pagar até os salários dos servidores não tem recursos suficientes para manter o nível do serviço que vinha sendo prestado ali.

Não espere compreensão do povo

A população não quer saber se a Emenda Constitucional do Teto de Gastos congelou os investimentos já defasados em saúde por 20 anos. A maioria vê os valores que entram nos cofres do município sem se dar conta dos gastos obrigatórios e automáticos que uma Prefeitura como a de Chapadinha tem todos os meses.

Se a UPA permanecer fechada ou mesmo se reabrir sem a mesma qualidade, o desgaste fica no colo do prefeito Magno Bacelar e isso já se nota em comentários publicados em redes sociais até por antigos defensores da gestão.

Sobra desgaste também para o governador Flávio Dino, mesmo este tendo feito por quase dois anos aquilo que não era nem sua obrigação e agora investindo valores ainda maiores no Hospital Regional de Chapadinha, mas não é ele quem vai ter que enfrentar o processo eleitoral no ano que vem.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DE NOVO: BELEZINHA TENTA COMPRAR CANDIDATO A VEREADOR E É DENUNCIADA À POLÍCIA

Dinheiro entregue à Polícia Festejada nas redes sociais pela ex-prefeita Belezinha e seus partidários, a adesão do candidato a vereador Lucídio se revelou mais um escândalo que abuso de poder econômico. Anúncio de adesão pela manhã Horas depois do anúncio, Lucídio registrou Boletim de Ocorrência acusando a coligação adversária de lhe ter entregado R$ 5 mil para ele se deixar fotografar ao lado da candidata e apoiá-la. Ao registrar o BO, o candidato apresentou aos policiais o valor que lhe foi entregue, e áudios das conversas entre ele e intermediários da ex-prefeita. Num deles o conhecimento da candidata sobre as negociações é confirmado. A versão foi confirmada por uma testemunha que presenciou a entrega do dinheiro. Após perícias as provas deverão ser encaminhadas para o Ministério Público Eleitoral e nova denúncia de abuso de poder econômico deve ser apresentada contra a candidata. Denúncia feita à tarde Belezinha responde no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ação semelhante p

EM PRIMEIRA MÃO: EX-PREFEITA PERDE O MANDATO DE DEPUTADA

Durou pouco a passagem da ex-prefeita Ducilene Belezinha (PL) na Assembleia Legislativa do Maranhão. Ela havia sido empossada no cargo de deputada estadual no mês passado devendo favor ao deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL) que determinou que a esposa, Detinha (PL), saísse de licença. Ocorre que Belezinha foi apenas a quinta suplente da coligação, e sua a posse dependeu do falecimento de um deputado e a nomeação de três parlamentares no secretariado do governador Flávio Dino, mas um deles voltou ontem (6) para o legislativo, aliás, uma secretária: Ana do Gás (PCdoB). Parlamentar com votação expressiva em Chapadinha na eleição de 2014, quando teve o apoio do hoje prefeito Magno Bacelar, a comunista ocupava a Secretaria de Estado da Mulher, mas decidiu reassumir o mandato de deputada levando a ex-prefeita de volta à condição de suplente. Festejado com carreata organizada por seus apoiadores com pouquíssima participação popular, o mandato de Belezinha na Assembleia durou 13 dia

ORINALDO ANUNCIA ROMPIMENTO COM MAGNO E APOIO A HIGOR ALMEIDA

O ex-vereador Orinaldo Araújo, esposo da vereadora Missecley, gravou hoje mensagem para anunciar seu desligamento do grupo político do prefeito Magno Bacelar. Ao lado de três dos seus quatro filhos Orinaldo afirmou que ainda não conversou com o Higor Almeida, mas apoiará sua candidatura. “É o que candidato que representa realmente aquilo que a gente pensa, aquilo que a gente quer pro nosso município”, afirmou. Havia chamado a atenção do meio político as ausências de Orinaldo e Missecley do primeiro comício de campanha do prefeito, realizado no bairro em que eles moram e têm forte base eleitoral. A insegurança jurídica da candidatura do prefeito e o forte desgaste apresentado nas pesquisas de opinião devem gerar novas adesões nos próximos dias.