Pular para o conteúdo principal

O melhor e o pior prefeito



Quem viveu em Chapadinha o alvorecer do século XXI se impressionou com a mudança trazida pelas gestões do Dr Magno Bacelar. Do atraso para o pagamento adiantado, avenidas recebiam asfalto pela primeira vez depois de décadas, de quatro professores graduados a rede municipal de ensino pulou para mais trezentos com apenas um convênio entre a Prefeitura e a Universidade Estadual do Piauí (Uespi), postos de saúde eram inaugurados em diferentes bairros e o atendimento hospitalar era satisfatório. Foram oito anos tão bem administrados que ele conseguiu fazer como sua sucessora a ex-vereadora Danubia Carneiro, que era muito rejeitada na época.

Então como é possível que este mesmo cidadão lidere hoje uma administração tão rejeitada no mesmo município onde antes ele era cogitado até para disputar o governo do estado? Por que até os servidores públicos tão priorizados voltam a ver salários sendo atrasados. O que foi que mudou?


Simples: “É a economia, estúpido”. Magno governou oito anos consecutivos com fortes aumentos do Fundo de Participação do Município num país que crescia espantando os olhos do mundo. No seu primeiro ano de gestão Magno teve um FPM 15,06% maior do que aquele do ultimo ano do seu antecessor. Os anos seguintes foram sempre de crescimento. Respectivamente 22,42%, 6,17%, 11,49%, 25,53%, 11,08%, 23,99% e 12,96%. De R$ 5 milhões em 2000, o FPM de Chapadinha saltou para R$ 16,4 milhões em 2008.

Danúbia estreou com queda 4,63% e teve crescimentos de 7,15%, 28,83% e 3,01% nos anos seguintes. Belezinha só conheceu aumento no FPM em todos os seus anos: 7,28%, 8,32%, 5,93% e 16,15%. Já Magno voltou com queda 3,61% em 2017 e crescimento de 2,89% em 2018, menor que a inflação de 3,59% acumulada no ano.


Em resumo, Magno não é o gênio da administração pública que parecia nos seus dois primeiros mandatos, nem a catástrofe que parece ser agora. É apenas um prefeito normal, que governa bem quando tem mais recursos e governa mal quando tem menos recursos.

Todos os dados apresentados neste texto foram recolhidos por mim no Demonstrativo Financeiro do Bando do Brasil. Quem quiser pode tentar desmentir qualquer informação neste link. Pode também tentar desmentir que o município ficou engessado com a convocação de mais concursados pela ex-prefeita depois dela ter perdido a eleição em 2016, ou que aumentaram substancialmente os preços da energia elétrica e dos combustíveis, produtos que impactam severamente as despesas de um ente com centenas de imóveis e grande frota de veículos.

O cidadão chapadinhense pode perceber que o município já conta com quase duas dezenas de pré-candidatos à Prefeitura e nenhum deles está criticando publicamente o prefeito pelo atraso dos salários. Porque eles sabem o que aguarda a qualquer um que lograr êxito nas urnas em 2020: Um município inviabilizado financeiramente.

Duvide de quem prometer saída fácil para a crise que o município vive e espere para ver se alguém poderá se eleger assim e não se desmoralizar logo depois.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PACIENTES E PROFISSIONAIS DA SAÚDE RELATAM COLAPSO NA UPA DE CHAPADINHA

Os últimos dias têm sido de exaustão para quem está trabalhando na linha de frente do combate à Covid em Chapadinha. Profissionais da UPA relatam que a unidade entrou em colapso, os leitos estão lotados, pacientes aguardando nos corredores e os funcionários se sentindo impotentes diante o quadro. “Imagina o que é você se doar, prestar um serviço, ver gente morrendo todo dia e as pessoas continuarem suas vidas aglomerando”, desabafou um deles em rede social. Com quadro reduzido de funcionários, os servidores buscam fazer o que é possível, mas as dificuldades estão aumentando num grau insuportável. Enquanto isso pipocam nas redes sociais fotos e vídeos de pacientes e acompanhantes denunciando os problemas que estão enfrentando, principalmente com falta de médicos para atender a demanda crescente. A escala publicada pela Prefeitura mostra o quanto tem sido exigido dos profissionais. Apenas um médico por dia, sendo ora Dr. Kingsley Ifly, que na mesma data atende no HAPA , ora o Dr. Felipe

DE CORPO PRESENTE: FLÁVIO DINO REBATE BELEZINHA SOBRE INVESTIMENTO EM SAÚDE E AINDA QUER ASSUMIR A UPA

Durante cerimônia de inauguração de asfalto aplicado no município com emendas da deputada Dra. Thaiza, o governador Flávio Dino respondeu os ataques que a prefeita Belezinha fez contra ele no início da semana. A gestora havia afirmado em pronunciamento oficial que ainda não teve ajuda do governo do estado para cuidar da Saúde em Chapadinha nos seus primeiros meses de administração. Relembre: No seu discurso, a deputada Thaiza já havia criticado a gestão municipal por Chapadinha ter tido o maior número de óbitos por Covid no estado, mas Belezinha tentou evitar polêmica. Tigrona na internet, ela virou tchuchuca na frente do governador falando até em parcerias do estado com o município através do vice-governador Carlos Brandão. Veja: Flávio Dino estranhou a diferença de comportamento do mundo virtual para o mundo real. “Há pessoas que se transformam na internet. Elas na nossa frente são pessoas de bom senso, mas quando chegam na internet se transformam e se danam a mentir”: Mais a

2022: NOVOS E ANTIGOS NOMES ARTICULAM CANDIDATURAS À ASSEMBLEIA LEGISLATIVA EM CHAPADINHA E REGIÃO

Políticos e jornalistas só pensam naquilo: a próxima eleição. Os mandatos dos prefeitos eleitos no ano passado mal começaram e os grupos políticos já se preparam para medir forças na disputa pelas cadeiras dos deputados estaduais do Maranhão. Vejamos a situação dos principais nomes olhando a briga: Aluizio Santos : O articulador político do governo municipal não esconde sua pretensão e usa a mini-prefeitura instalada no antigo comitê de Belezinha para preparar sua pré-candidatura. Principal liderança do PL na região, Aluizio conta com a simpatia do deputado federal Josimar de Maranhãozinho e, segundo seus aliados, de 80% do grupo da prefeita. Projeta-se que ele partiria, em Chapadinha, dos 12.400 votos que Belezinha teve em 2018. Karoll Pontes : Carismática, a primeira-filha também é cogitada para a disputa. Teria quase todas as vantagens de Aluizio, além da simpatia do eleitor evangélico e uma relação inquebrantável com a mãe prefeita. Filiada ao antigo PRB, é mais próxima ao vice