Pular para o conteúdo principal

Iluminação pública: mais um ano na escuridão?



No final do ano passado muito se discutia sobre a iluminação das ruas de Chapadinha. Com oito anos sem atualização da Contribuição de Iluminação Pública (CIP) e seguidos reajustes no preço pago pela Prefeitura à Cemar pelo serviço, o município perdeu a capacidade de investimento e manutenção da rede.

Com ruas escuras em todos os bairros, o poder executivo municipal tentou até o último dia do ano aprovar na Câmara Municipal proposta de atualização que repunha a perda do período sem reajuste, mas forte reação nas redes sociais fez os vereadores sinalizarem que rejeitariam o projeto e ele foi retirado de pauta para que pudesse ser melhor discutido durante 2018 e entrasse em vigor em 2019.

Nós já estamos em novembro e até agora não houve discussão pública sobre o assunto, que é de interesse de todos. O valor do consumo dos pontos de iluminação pública permanece maior do que aquilo que é arrecadado pela Cemar nas nossas contas mensais. Ao invés de repassar para a Prefeitura o valor que sobraria do consumo, os cofres públicos estão tendo que pagar o déficit todos os meses com recursos que poderiam estar sendo destinados para a saúde, a educação ou a outras áreas da infraestrutura do municípios. Não dá mais pra continuar assim.

Medidas impopulares como ajuste da CIP devem ser tomadas no início do mandato, quando o prefeito ainda tem capital político para aguardar os bons resultados que veem delas, mas quanto mais demorar para tomar uma atitude mais dura ela terá que ser e, portanto, precisa ser agora. Nem histeria em rede social nem demagogia da oposição que apresentou o atual código tributário quando estava no governo podem ser a bússola da gestão.

Inelegível pelas três condenações transitadas em julgado no Tribunal de Contas da União (TCU), o prefeito Magno Bacelar tem a liberdade de fazer o que precisa ser feito sem pensar nas consequências eleitorais da sua atuação.

Mesmo se a simples duplicação dos valores da CIP tiver a aprovação inviabilizada, Executivo e Legislativo precisam encontrar juntos a saída para esta armadilha. Seja com diferentes reajustes para diferentes faixas de consumo, cobrança percentual no valor consumido, etc. Todas as opções devem ser jurídica e politicamente estudadas, menos nós continuarmos no escuro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DE NOVO: BELEZINHA TENTA COMPRAR CANDIDATO A VEREADOR E É DENUNCIADA À POLÍCIA

Dinheiro entregue à Polícia Festejada nas redes sociais pela ex-prefeita Belezinha e seus partidários, a adesão do candidato a vereador Lucídio se revelou mais um escândalo que abuso de poder econômico. Anúncio de adesão pela manhã Horas depois do anúncio, Lucídio registrou Boletim de Ocorrência acusando a coligação adversária de lhe ter entregado R$ 5 mil para ele se deixar fotografar ao lado da candidata e apoiá-la. Ao registrar o BO, o candidato apresentou aos policiais o valor que lhe foi entregue, e áudios das conversas entre ele e intermediários da ex-prefeita. Num deles o conhecimento da candidata sobre as negociações é confirmado. A versão foi confirmada por uma testemunha que presenciou a entrega do dinheiro. Após perícias as provas deverão ser encaminhadas para o Ministério Público Eleitoral e nova denúncia de abuso de poder econômico deve ser apresentada contra a candidata. Denúncia feita à tarde Belezinha responde no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ação semelhante p

O que não te disseram sobre a "farra dos contracheques"

Enquanto a gritaria tomava conta das redes sociais, me dediquei a estudar a folha de pagamento da Prefeitura de Chapadinha e verifiquei alguns dados que precisam ser esclarecidos. Primeiro, nenhum vigia “recebe” R$ 6 mil. O presente do indicativo é usado para demonstrar ação continuada. E o vigia Marcelo Costa Abreu, segundo este mesmo Portal da Transparência que serve de fonte para pinçar informações pela metade e causar alvoroço, tem um salário de R$ 1.247,50. Nos meses de Setembro e Outubro ele recebeu gratificações para compensar outros serviços que ele teria prestado à administração municipal, segundo relato dele mesmo em áudio que circula nos grupos de WhatsApp. A tese de "rachadinha" cai por terra A realização destes trabalhos deve ser atestada, mas essa checagem desmonta a tese segunda qual ele receberia um grande salário para dividir com um ex-prefeito e um vereador. Outro dado que tem aparecido de maneira muito distorcida é a lotação de todos os

EM PRIMEIRA MÃO: EX-PREFEITA PERDE O MANDATO DE DEPUTADA

Durou pouco a passagem da ex-prefeita Ducilene Belezinha (PL) na Assembleia Legislativa do Maranhão. Ela havia sido empossada no cargo de deputada estadual no mês passado devendo favor ao deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL) que determinou que a esposa, Detinha (PL), saísse de licença. Ocorre que Belezinha foi apenas a quinta suplente da coligação, e sua a posse dependeu do falecimento de um deputado e a nomeação de três parlamentares no secretariado do governador Flávio Dino, mas um deles voltou ontem (6) para o legislativo, aliás, uma secretária: Ana do Gás (PCdoB). Parlamentar com votação expressiva em Chapadinha na eleição de 2014, quando teve o apoio do hoje prefeito Magno Bacelar, a comunista ocupava a Secretaria de Estado da Mulher, mas decidiu reassumir o mandato de deputada levando a ex-prefeita de volta à condição de suplente. Festejado com carreata organizada por seus apoiadores com pouquíssima participação popular, o mandato de Belezinha na Assembleia durou 13 dia