Pular para o conteúdo principal

Iluminação pública: mais um ano na escuridão?



No final do ano passado muito se discutia sobre a iluminação das ruas de Chapadinha. Com oito anos sem atualização da Contribuição de Iluminação Pública (CIP) e seguidos reajustes no preço pago pela Prefeitura à Cemar pelo serviço, o município perdeu a capacidade de investimento e manutenção da rede.

Com ruas escuras em todos os bairros, o poder executivo municipal tentou até o último dia do ano aprovar na Câmara Municipal proposta de atualização que repunha a perda do período sem reajuste, mas forte reação nas redes sociais fez os vereadores sinalizarem que rejeitariam o projeto e ele foi retirado de pauta para que pudesse ser melhor discutido durante 2018 e entrasse em vigor em 2019.

Nós já estamos em novembro e até agora não houve discussão pública sobre o assunto, que é de interesse de todos. O valor do consumo dos pontos de iluminação pública permanece maior do que aquilo que é arrecadado pela Cemar nas nossas contas mensais. Ao invés de repassar para a Prefeitura o valor que sobraria do consumo, os cofres públicos estão tendo que pagar o déficit todos os meses com recursos que poderiam estar sendo destinados para a saúde, a educação ou a outras áreas da infraestrutura do municípios. Não dá mais pra continuar assim.

Medidas impopulares como ajuste da CIP devem ser tomadas no início do mandato, quando o prefeito ainda tem capital político para aguardar os bons resultados que veem delas, mas quanto mais demorar para tomar uma atitude mais dura ela terá que ser e, portanto, precisa ser agora. Nem histeria em rede social nem demagogia da oposição que apresentou o atual código tributário quando estava no governo podem ser a bússola da gestão.

Inelegível pelas três condenações transitadas em julgado no Tribunal de Contas da União (TCU), o prefeito Magno Bacelar tem a liberdade de fazer o que precisa ser feito sem pensar nas consequências eleitorais da sua atuação.

Mesmo se a simples duplicação dos valores da CIP tiver a aprovação inviabilizada, Executivo e Legislativo precisam encontrar juntos a saída para esta armadilha. Seja com diferentes reajustes para diferentes faixas de consumo, cobrança percentual no valor consumido, etc. Todas as opções devem ser jurídica e politicamente estudadas, menos nós continuarmos no escuro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que não te disseram sobre a "farra dos contracheques"

Enquanto a gritaria tomava conta das redes sociais, me dediquei a estudar a folha de pagamento da Prefeitura de Chapadinha e verifiquei alguns dados que precisam ser esclarecidos.
Primeiro, nenhum vigia “recebe” R$ 6 mil. O presente do indicativo é usado para demonstrar ação continuada. E o vigia Marcelo Costa Abreu, segundo este mesmo Portal da Transparência que serve de fonte para pinçar informações pela metade e causar alvoroço, tem um salário de R$ 1.247,50. Nos meses de Setembro e Outubro ele recebeu gratificações para compensar outros serviços que ele teria prestado à administração municipal, segundo relato dele mesmo em áudio que circula nos grupos de WhatsApp.
A realização destes trabalhos deve ser atestada, mas essa checagem desmonta a tese segunda qual ele receberia um grande salário para dividir com um ex-prefeito e um vereador.
Outro dado que tem aparecido de maneira muito distorcida é a lotação de todos os servidores como funcionários do gabinete do prefeito. Na verdade…

PRIMEIRA CHAPA CONFIRMADA: HIGOR E MARCELO MARINHEIRO

Nem o isolamento social imposto pela pandemia de Covid-19 freou as articulações políticas. Respeitando as restrições e orientações da Organização Mundial da Saúde, o empresário Higor da Universidade Infantil e o vereador Marcelo Marinheiro se encontraram na manhã desta segunda-feira (30) e definiram que formarão chapa visando as pré-candidaturas a prefeito e vice-prefeito de Chapadinha nas eleições de 2020.
Em contato com o Blog do Braga, a dupla afirmou que já vinha conversando nas últimas semanas e que tomaram a decisão após análise das últimas pesquisas de intenção de voto, que indicariam a viabilidade da composição.
Em meio às incertezas jurídicas de outros concorrentes, Chapadinha ganha a primeira chapa 100% definida e ficha-limpa para as próximas eleições. Após o término do período de isolamento social proposto pela OMS os pré-candidatos informarão o calendário de eventos destinados à propagação das suas plataformas políticas.
“Por enquanto, nos cabe apenas desejar a todos mui…

Uma decisão que não se sustenta

Há tempos o município dava sinais de que conseguiria manter o calendário de pagamento dos servidores públicos de acordo com a promessa de campanha do prefeito Magno Bacelar, com 10 dias dentro do mês trabalho. Ontem a Prefeitura anunciou que todos os servidores receberão no limite previsto em lei e as reações foram instantâneas.
Até a aliada presidente da Câmara, professora Vera, já se pronunciou duramente repudiando a decisão do prefeito. “Não vejo justificativa para a medida da Prefeitura de transferir os pagamentos para o 5º dia útil do mês subsequente”, declarou em redes sociais.
Apesar de não haver ilegalidade no anúncio, algumas considerações precisam ser feitas. A primeira, e mais importante neste momento de pandemia, é que nunca foi tão necessário escalonar o pagamento. Para evitar aglomerações ainda maiores nas agências bancárias, os servidores de diferentes órgãos deveriam receber em dias alternados.
Em segundo lugar, a crise econômica agravada pela pandemia de Covid-19 po…