Pular para o conteúdo principal

E O TAL DO MUNDO NÃO SE ACABOU... NEM VAI SE ACABAR

Foto: Agência Brasil 

Anunciaram e garantiram que o mundo ia se acabar para quem discorda do capitão Jair Bolsonaro com sua eleição para Presidência da República, mas nós ainda estamos aqui e sem nenhuma disposição para deixar a luta em defesa do que acreditamos, apesar das incertezas que nos cercam.

É incerto o futuro de um país cujo presidente eleito faz três pronunciamentos na noite da vitória com três mensagens diferentes. Ora, de improviso, mantendo o tom de confronto com os derrotados, ora, lendo, falando em compromisso com a Constituição e a democracia.

Não é provável que haja ditadura no Brasil no próximo período. Claro que pelo desejo do presidente eleito sua posse já seria com um Congresso fechado, imprensa controlada e adversários cassados, mas nada disso é necessário para implementar o projeto de poder vencedor. Você sabe de quem é o projeto vencedor e ele não é de Bolsonaro, um ex-militar medíocre que mistura traços de Jânio Quadros com Fernando Collor.

Diferentemente dos outros dois, ele não deve cair na ilusão de ter sido eleito porque é um líder de massas. Depois de mostrar viabilidade ele foi abraçado por quem detém o poder real no país, a elite financeira que sempre se readapta ao ocupante do Palácio do Planalto.

É a agenda deles que ele terá que implementar e pelas declarações do vice-presidente eleito e do futuro ministro da Economia, colocando a reforma da Previdência como primeira prioridade do novo governo, parece que eles sabem a missão dos próximos quatro anos.

ENQUANTO ISSO                                   

A missão do lado de cá é se reinventar. O mundo não acabou, mas não será como antes. O Congresso e os governos estaduais estão partidariamente pulverizados porque os partidos não importam mais. Aliás, tudo que pareça formal, tradicional, moldado (como este texto) parece inútil frente ao meme que traga a mentira mais recente e de acordo com os preconceitos do interlocutor.

Quem quiser enfrentar Bolsonaro terá que colocar a política analógica em segundo plano. O mundo é cada vez mais virtual e quem não entender isso está fadado ao fracasso. Nenhum método ou conteúdo deve ficar de pé sem ser questionado. Precisamos deixar de lado nossas certezas e reconhecermos que nós sequer entendemos a frustação que está no coração do povo e que ele tenta expressar desde as jornadas de junho de 2013.


Saiba que você precisa falar menos e ouvir mais (o povo) se você falou ou mesmo pensou alguma das seguintes frases: “O Alckmin vai crescer quando começar o programa eleitoral”, “O despreparo dele vai ficar evidente e o eleitor vai escolher outra maneira de demonstrar sua indignação”, “O PT acabou”, “O Lula elege qualquer um lá de dentro da cadeia”. E eu confesso que a segunda frase era a maior certeza que eu tinha.

Mas nem tudo são espinhos. O capitão ficou muito longe dos pretendidos 60% de votos que marcaram as eleições de Lula. Até em números absolutos, 12 anos depois, ele não superou a marca de 58 milhões de votos da reeleição. Aliás, ele não teve nem 50% dos votos totais no segundo turno. O povo não lhe deu um cheque em branco e sua eleição é muito mais fruto do antipetismo do que da concordância do eleitor com o que ele pensa.

Ao cumprir a tarefa de aprofundar a agenda econômica de Temer num país com as características do Brasil, o governo Bolsonaro está fadado ao fracasso e mais do que dizer “eu avisei” (e nós diremos!) será necessário apontar novos caminhos.

A história não tem um fim, não há episódio final, não há vitória ou derrota definitiva na política e a primeira tarefa de quem defende um país justo e democrático é aprender com próprios erros para poder reencantar o povo, manter a fé no brasileiro e fazer o país voltar a acreditar num futuro melhor para todos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DE NOVO: BELEZINHA TENTA COMPRAR CANDIDATO A VEREADOR E É DENUNCIADA À POLÍCIA

Dinheiro entregue à Polícia Festejada nas redes sociais pela ex-prefeita Belezinha e seus partidários, a adesão do candidato a vereador Lucídio se revelou mais um escândalo que abuso de poder econômico. Anúncio de adesão pela manhã Horas depois do anúncio, Lucídio registrou Boletim de Ocorrência acusando a coligação adversária de lhe ter entregado R$ 5 mil para ele se deixar fotografar ao lado da candidata e apoiá-la. Ao registrar o BO, o candidato apresentou aos policiais o valor que lhe foi entregue, e áudios das conversas entre ele e intermediários da ex-prefeita. Num deles o conhecimento da candidata sobre as negociações é confirmado. A versão foi confirmada por uma testemunha que presenciou a entrega do dinheiro. Após perícias as provas deverão ser encaminhadas para o Ministério Público Eleitoral e nova denúncia de abuso de poder econômico deve ser apresentada contra a candidata. Denúncia feita à tarde Belezinha responde no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ação semelhante p

O que não te disseram sobre a "farra dos contracheques"

Enquanto a gritaria tomava conta das redes sociais, me dediquei a estudar a folha de pagamento da Prefeitura de Chapadinha e verifiquei alguns dados que precisam ser esclarecidos. Primeiro, nenhum vigia “recebe” R$ 6 mil. O presente do indicativo é usado para demonstrar ação continuada. E o vigia Marcelo Costa Abreu, segundo este mesmo Portal da Transparência que serve de fonte para pinçar informações pela metade e causar alvoroço, tem um salário de R$ 1.247,50. Nos meses de Setembro e Outubro ele recebeu gratificações para compensar outros serviços que ele teria prestado à administração municipal, segundo relato dele mesmo em áudio que circula nos grupos de WhatsApp. A tese de "rachadinha" cai por terra A realização destes trabalhos deve ser atestada, mas essa checagem desmonta a tese segunda qual ele receberia um grande salário para dividir com um ex-prefeito e um vereador. Outro dado que tem aparecido de maneira muito distorcida é a lotação de todos os

EM PRIMEIRA MÃO: EX-PREFEITA PERDE O MANDATO DE DEPUTADA

Durou pouco a passagem da ex-prefeita Ducilene Belezinha (PL) na Assembleia Legislativa do Maranhão. Ela havia sido empossada no cargo de deputada estadual no mês passado devendo favor ao deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL) que determinou que a esposa, Detinha (PL), saísse de licença. Ocorre que Belezinha foi apenas a quinta suplente da coligação, e sua a posse dependeu do falecimento de um deputado e a nomeação de três parlamentares no secretariado do governador Flávio Dino, mas um deles voltou ontem (6) para o legislativo, aliás, uma secretária: Ana do Gás (PCdoB). Parlamentar com votação expressiva em Chapadinha na eleição de 2014, quando teve o apoio do hoje prefeito Magno Bacelar, a comunista ocupava a Secretaria de Estado da Mulher, mas decidiu reassumir o mandato de deputada levando a ex-prefeita de volta à condição de suplente. Festejado com carreata organizada por seus apoiadores com pouquíssima participação popular, o mandato de Belezinha na Assembleia durou 13 dia