Pular para o conteúdo principal

E O TAL DO MUNDO NÃO SE ACABOU... NEM VAI SE ACABAR

Foto: Agência Brasil 

Anunciaram e garantiram que o mundo ia se acabar para quem discorda do capitão Jair Bolsonaro com sua eleição para Presidência da República, mas nós ainda estamos aqui e sem nenhuma disposição para deixar a luta em defesa do que acreditamos, apesar das incertezas que nos cercam.

É incerto o futuro de um país cujo presidente eleito faz três pronunciamentos na noite da vitória com três mensagens diferentes. Ora, de improviso, mantendo o tom de confronto com os derrotados, ora, lendo, falando em compromisso com a Constituição e a democracia.

Não é provável que haja ditadura no Brasil no próximo período. Claro que pelo desejo do presidente eleito sua posse já seria com um Congresso fechado, imprensa controlada e adversários cassados, mas nada disso é necessário para implementar o projeto de poder vencedor. Você sabe de quem é o projeto vencedor e ele não é de Bolsonaro, um ex-militar medíocre que mistura traços de Jânio Quadros com Fernando Collor.

Diferentemente dos outros dois, ele não deve cair na ilusão de ter sido eleito porque é um líder de massas. Depois de mostrar viabilidade ele foi abraçado por quem detém o poder real no país, a elite financeira que sempre se readapta ao ocupante do Palácio do Planalto.

É a agenda deles que ele terá que implementar e pelas declarações do vice-presidente eleito e do futuro ministro da Economia, colocando a reforma da Previdência como primeira prioridade do novo governo, parece que eles sabem a missão dos próximos quatro anos.

ENQUANTO ISSO                                   

A missão do lado de cá é se reinventar. O mundo não acabou, mas não será como antes. O Congresso e os governos estaduais estão partidariamente pulverizados porque os partidos não importam mais. Aliás, tudo que pareça formal, tradicional, moldado (como este texto) parece inútil frente ao meme que traga a mentira mais recente e de acordo com os preconceitos do interlocutor.

Quem quiser enfrentar Bolsonaro terá que colocar a política analógica em segundo plano. O mundo é cada vez mais virtual e quem não entender isso está fadado ao fracasso. Nenhum método ou conteúdo deve ficar de pé sem ser questionado. Precisamos deixar de lado nossas certezas e reconhecermos que nós sequer entendemos a frustação que está no coração do povo e que ele tenta expressar desde as jornadas de junho de 2013.


Saiba que você precisa falar menos e ouvir mais (o povo) se você falou ou mesmo pensou alguma das seguintes frases: “O Alckmin vai crescer quando começar o programa eleitoral”, “O despreparo dele vai ficar evidente e o eleitor vai escolher outra maneira de demonstrar sua indignação”, “O PT acabou”, “O Lula elege qualquer um lá de dentro da cadeia”. E eu confesso que a segunda frase era a maior certeza que eu tinha.

Mas nem tudo são espinhos. O capitão ficou muito longe dos pretendidos 60% de votos que marcaram as eleições de Lula. Até em números absolutos, 12 anos depois, ele não superou a marca de 58 milhões de votos da reeleição. Aliás, ele não teve nem 50% dos votos totais no segundo turno. O povo não lhe deu um cheque em branco e sua eleição é muito mais fruto do antipetismo do que da concordância do eleitor com o que ele pensa.

Ao cumprir a tarefa de aprofundar a agenda econômica de Temer num país com as características do Brasil, o governo Bolsonaro está fadado ao fracasso e mais do que dizer “eu avisei” (e nós diremos!) será necessário apontar novos caminhos.

A história não tem um fim, não há episódio final, não há vitória ou derrota definitiva na política e a primeira tarefa de quem defende um país justo e democrático é aprender com próprios erros para poder reencantar o povo, manter a fé no brasileiro e fazer o país voltar a acreditar num futuro melhor para todos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ALUIZIO SANTOS FALA SOBRE SUA SAÚDE

O secretário Aluizio Santos concedeu entrevista ao programa Alerta Geral, apresentado pelo jornalista Luis Carlos Jr. na rádio Cultura de Chapadinha, nesta manhã (10) e tratou do assunto que já estava dominando as rodas de conversa da política local: seu estado de saúde. Segundo o relato, desde o mês de junho ele estava acompanhando o aumento de dois linfonodos na sua virilha e decidiu, com a equipe de médicos que o acompanha em Chapadinha, pela remoção cirúrgica de ambos. O procedimento aconteceu no dia 25 de outubro e desde então ele ficou em repouso. O diagnóstico conclusivo sobre o tratamento de saúde ao qual ele precisará se submeter deverá ser apresentado em 10 dias, mas Aluizio tem voltado às atividades políticas, inclusive às articulações da sua pré-candidatura a deputado estadual. Assista o vídeo da entrevista no final da matéria.   ENTENDA O QUADRO A íngua é o inchaço dos linfonodos, pequenos órgãos do sistema linfático que atuam na defesa do organismo humano prod

BELEZINHA ASFALTOU ATÉ O CAMINHO PARA A REELEIÇÃO

Passada a eleição estadual, o único grupo vencedor em Chapadinha foi o que já ocupa a Prefeitura. O resto se dividiu entre sobreviventes, humilhados e aposentados. Após ter sido a candidata a deputada estadual mais votada da história do município em 2018, com 12.403 votos, Belezinha alargou o recorde com os 18.548 votos de Aluizio Santos, elegendo-o para o cargo e vendo os adversários absolutamente perdidos. Se na eleição anterior os demais grupos se dividiram em 8 candidaturas acima da faixa de 500 votos, somando 17.752, desta vez foram 11 candidaturas e apenas 15.109 votos. A pulverização e o desempenho fraco já demonstram que a oposição teria dificuldade de derrotar a prefeita mesmo se conseguisse uma improvável união para 2024. Entre os derrotados da eleição destacam-se os ex-prefeitos. Dr. Magno Bacelar passou pelo segundo constrangimento seguido (e desnecessário) sem conseguir mais do que 679 votos para Adriano Sarney e Isaías Fortes, que ficou aquém do prometido a Davi Bra

DE CORPO PRESENTE: FLÁVIO DINO REBATE BELEZINHA SOBRE INVESTIMENTO EM SAÚDE E AINDA QUER ASSUMIR A UPA

Durante cerimônia de inauguração de asfalto aplicado no município com emendas da deputada Dra. Thaiza, o governador Flávio Dino respondeu os ataques que a prefeita Belezinha fez contra ele no início da semana. A gestora havia afirmado em pronunciamento oficial que ainda não teve ajuda do governo do estado para cuidar da Saúde em Chapadinha nos seus primeiros meses de administração. Relembre: No seu discurso, a deputada Thaiza já havia criticado a gestão municipal por Chapadinha ter tido o maior número de óbitos por Covid no estado, mas Belezinha tentou evitar polêmica. Tigrona na internet, ela virou tchuchuca na frente do governador falando até em parcerias do estado com o município através do vice-governador Carlos Brandão. Veja: Flávio Dino estranhou a diferença de comportamento do mundo virtual para o mundo real. “Há pessoas que se transformam na internet. Elas na nossa frente são pessoas de bom senso, mas quando chegam na internet se transformam e se danam a mentir”: Mais a