Pular para o conteúdo principal

Governo isolado, oposição sem rumo e a necessidade de haver alternativa

A menos de um ano das eleições municipais, Chapadinha clama por uma alternativa ao que está posto. 

O governo perdido em picuinhas, perseguições e mentiras construiu o isolamento político da prefeita. Ela criou brigas desnecessárias com todo mundo por achar que poderia mandar na cidade como mandava nas suas empresas. Brigou com o governo do estado, com os dois deputados estaduais da região, com o ex-prefeito que a apoiou e até com a presidente da Câmara que ela ajudou a eleger. 

Já são nove dos quinze vereadores a se declarar abertamente fora da base aliada à prefeita (mais um já seria número suficiente para pedir seu afastamento do cargo). Isso sem falar de um sem número de secretários e aliados que continuam no governo aguardando o momento certo para abandonar o barco. Ou a arca. 

Seria até de se duvidar que a prefeita tivesse a intenção de disputar a reeleição, mas, substituindo-a ou não, o grupo que hoje comanda a prefeitura parece apostar na força da máquina e do dinheiro para ganhar a eleição. Estão embriagados pelo poder, sem perceber que ele é passageiro.

Os "cachorros grandes" da oposição, por outro lado, estão completamente perdidos e não é de hoje que eu venho avisando. Motivados majoritariamente por ódio e vingança, seus líderes usam a tribuna da Câmara e os blog's para atacar a prefeita sem apresentar uma proposta concreta para a cidade e, não raro, com o uso de mentiras absurdas.

Falam em licitações como se fossem gastos realizado, anunciam construção de creches na periferia como se fosse erro do governo, comemoram derrotas do município. Já se chegou ao ponto de vereador dizer que iria a Brasília para tentar impedir a vinda do curso de medicina para o município para evitar que a prefeita lucrasse politicamente com a provável vitória que deveria ser de todos. 

Chefiada por quem já comandou prefeituras daqui e das redondezas, essa oposição não pode iludir ninguém. As figuras que a lideram não impõe a obrigação de cívica de união em torno delas, mas de se criar alternativa.

Me dedico hoje à construção de um programa de governo popular para ser apresentado ao povo de Chapadinha por uma candidatura do campo de esquerda. Aprendendo com os acertos de gestões passadas, mas sem repetir seus erros. 

Essa proposta institui a educação pública como prioridade máxima para a construção um futuro melhor e mais justo com um novo modelo que começa pelo Programa de Seleção dos Gestores Escolares, já apresentado por mim na Câmara, mas vai além com o aumento da autonomia pedagógica, administrativa e financeira escolar, com metas nos exames de avaliação, a nucleação do ensino no campo e a constante valorização dos professores, como ocorreu no governo Magno Bacelar, cujo legado positivo precisa ser lembrado.

Esse governo deve ter articulação, preparo e força para trazer obras e recursos federais e estaduais e por em práticas outras propostas já rejeitadas pela atual administração como a entrega da gestão do Instituto de Previdência aos servidores municipais e o orçamento participativo com audiências públicas nos bairros. Assim, o povo não terá tudo o que quer, mas terá aquilo que mais precisar. 

Três deverão ser os princípios fundamentais a orientar o novo governo: Transparência efetiva à administração pública, diálogo permanente com o cidadão e com as entidades da sociedade civil e a não perseguição a adversário (sim, ainda assim, haverá adversários). 

Essas propostas não encontram respaldo nos grupos tradicionais, pois eles formam duas faces da mesma moeda a duelar pelo poder municipal com os mesmos objetivos. Para fazer de Chapadinha uma cidade mais digna para todos, não basta derrotar Belezinha, é necessário derrotar também quem fez e quer voltar a fazer pior do que ela. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que não te disseram sobre a "farra dos contracheques"

Enquanto a gritaria tomava conta das redes sociais, me dediquei a estudar a folha de pagamento da Prefeitura de Chapadinha e verifiquei alguns dados que precisam ser esclarecidos.
Primeiro, nenhum vigia “recebe” R$ 6 mil. O presente do indicativo é usado para demonstrar ação continuada. E o vigia Marcelo Costa Abreu, segundo este mesmo Portal da Transparência que serve de fonte para pinçar informações pela metade e causar alvoroço, tem um salário de R$ 1.247,50. Nos meses de Setembro e Outubro ele recebeu gratificações para compensar outros serviços que ele teria prestado à administração municipal, segundo relato dele mesmo em áudio que circula nos grupos de WhatsApp.
A realização destes trabalhos deve ser atestada, mas essa checagem desmonta a tese segunda qual ele receberia um grande salário para dividir com um ex-prefeito e um vereador.
Outro dado que tem aparecido de maneira muito distorcida é a lotação de todos os servidores como funcionários do gabinete do prefeito. Na verdade…

PRIMEIRA CHAPA CONFIRMADA: HIGOR E MARCELO MARINHEIRO

Nem o isolamento social imposto pela pandemia de Covid-19 freou as articulações políticas. Respeitando as restrições e orientações da Organização Mundial da Saúde, o empresário Higor da Universidade Infantil e o vereador Marcelo Marinheiro se encontraram na manhã desta segunda-feira (30) e definiram que formarão chapa visando as pré-candidaturas a prefeito e vice-prefeito de Chapadinha nas eleições de 2020.
Em contato com o Blog do Braga, a dupla afirmou que já vinha conversando nas últimas semanas e que tomaram a decisão após análise das últimas pesquisas de intenção de voto, que indicariam a viabilidade da composição.
Em meio às incertezas jurídicas de outros concorrentes, Chapadinha ganha a primeira chapa 100% definida e ficha-limpa para as próximas eleições. Após o término do período de isolamento social proposto pela OMS os pré-candidatos informarão o calendário de eventos destinados à propagação das suas plataformas políticas.
“Por enquanto, nos cabe apenas desejar a todos mui…

Uma decisão que não se sustenta

Há tempos o município dava sinais de que conseguiria manter o calendário de pagamento dos servidores públicos de acordo com a promessa de campanha do prefeito Magno Bacelar, com 10 dias dentro do mês trabalho. Ontem a Prefeitura anunciou que todos os servidores receberão no limite previsto em lei e as reações foram instantâneas.
Até a aliada presidente da Câmara, professora Vera, já se pronunciou duramente repudiando a decisão do prefeito. “Não vejo justificativa para a medida da Prefeitura de transferir os pagamentos para o 5º dia útil do mês subsequente”, declarou em redes sociais.
Apesar de não haver ilegalidade no anúncio, algumas considerações precisam ser feitas. A primeira, e mais importante neste momento de pandemia, é que nunca foi tão necessário escalonar o pagamento. Para evitar aglomerações ainda maiores nas agências bancárias, os servidores de diferentes órgãos deveriam receber em dias alternados.
Em segundo lugar, a crise econômica agravada pela pandemia de Covid-19 po…