Pular para o conteúdo principal

Que rumo tomará a oposição municipal?


Na acalorada politica chapadinhense as charges têm ganhado destaque. Tem pra todo gosto. Há as deploráveis, que atingem questões pessoais dos envolvidos, há as engraçadas, há as sem sentido, mas a minha preferida é esta que escolhi para ilustrar este texto e foi originalmente publicada no "cola não", digo, colunão do Café Pequeno. 

Sem atingir a honra de ninguém, a montagem fez uma crítica pertinente à oposição municipal. Qual será o rumo a tomar? 

E assim como a charge bem apresenta, são quatro os caminhos apontados dentro da oposição, só errou os personagens. Três, dos quatro vereadores ilustrados, já apontam para o mesmo caminho.


Caso um Caso

A liderança da natural da oposição caberia ao candidato derrotado pela prefeita, o deputado Magno Bacelar, mas este abandonou a disputa politica da cidade há um ano e meio, dando espaço para florescerem outros nomes que estiveram aqui durante este tempo combatendo os desastres da administração. Além da ex-prefeita Danúbia Carneiro, suas relações políticas se restringiram hoje ao vereador Eduardo Sá.

De ter abandonado a cidade ninguém pode acusar aquele que foi seu candidato a vice-prefeito, o presidente do PSB, Irmão Gomes. Líder reconhecido entre os evangélicos da cidade, Gomes tem se dedicado menos à oposição municipal e mais à coordenação da pré-candidatura a deputado estadual do Dr. Levi Pontes, com quem divide a liderança da antiga "3 ª via".

Os mais recentemente convertidos à oposição são os liderados de Isaías Fortes. Fiadores públicos da eleição de Belezinha e enxotados da administração sob graves acusações, estes devem fazer a mais dura oposição pelo mandato do vereador Marcelo Menezes. Se preparam para lançar em 2014 a candidatura a deputada estadual de Isamara Menezes, ou da sua filha Luiza Rocha.

E há aqueles que defendem a renovação da política de Chapadinha. É entre estes que eu, Eduardo Braga, me encontro, ao lado do presidente da Câmara, vereador Nonato Baleco, da vereadora Missicley Araújo e de um grupo crescente de militantes sociais convictos da necessidade de nós ousarmos para podermos construir um novo caminho político para nossa cidade. Sem lideranças messiânicas que prometem resolver todos os problemas de uma hora pra outra, sem radicalismos infantis ou irresponsáveis, mas ao mesmo tempo sem titubear da tarefa de oposição construtiva e responsável ao governo Belezinha.  


2014 e 2016

A prefeita (acreditem!) já é candidata a reeleição e, apesar de unir tanta gente contra si, terá ainda mais dinheiro e poder para enfrentar a campanha do que teve em 2012. Será, portanto, um dos polos da disputa. A oposição estará unida para derrota-la ou continuará fragmentada?

Olhando de hoje é difícil apostar na união de grupos tão diferentes, mas tudo dependerá dos resultados eleitorais deste ano.  Enquanto mantém uma relação amistosa graças adversário comum que têm, cada grupo lançará uma candidatura diferente à Assembleia Legislativa neste ano em busca de se fortalecer para a disputa futura.

A decisão estará nas mãos do eleitor.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que não te disseram sobre a "farra dos contracheques"

Enquanto a gritaria tomava conta das redes sociais, me dediquei a estudar a folha de pagamento da Prefeitura de Chapadinha e verifiquei alguns dados que precisam ser esclarecidos.
Primeiro, nenhum vigia “recebe” R$ 6 mil. O presente do indicativo é usado para demonstrar ação continuada. E o vigia Marcelo Costa Abreu, segundo este mesmo Portal da Transparência que serve de fonte para pinçar informações pela metade e causar alvoroço, tem um salário de R$ 1.247,50. Nos meses de Setembro e Outubro ele recebeu gratificações para compensar outros serviços que ele teria prestado à administração municipal, segundo relato dele mesmo em áudio que circula nos grupos de WhatsApp.
A realização destes trabalhos deve ser atestada, mas essa checagem desmonta a tese segunda qual ele receberia um grande salário para dividir com um ex-prefeito e um vereador.
Outro dado que tem aparecido de maneira muito distorcida é a lotação de todos os servidores como funcionários do gabinete do prefeito. Na verdade…

PRIMEIRA CHAPA CONFIRMADA: HIGOR E MARCELO MARINHEIRO

Nem o isolamento social imposto pela pandemia de Covid-19 freou as articulações políticas. Respeitando as restrições e orientações da Organização Mundial da Saúde, o empresário Higor da Universidade Infantil e o vereador Marcelo Marinheiro se encontraram na manhã desta segunda-feira (30) e definiram que formarão chapa visando as pré-candidaturas a prefeito e vice-prefeito de Chapadinha nas eleições de 2020.
Em contato com o Blog do Braga, a dupla afirmou que já vinha conversando nas últimas semanas e que tomaram a decisão após análise das últimas pesquisas de intenção de voto, que indicariam a viabilidade da composição.
Em meio às incertezas jurídicas de outros concorrentes, Chapadinha ganha a primeira chapa 100% definida e ficha-limpa para as próximas eleições. Após o término do período de isolamento social proposto pela OMS os pré-candidatos informarão o calendário de eventos destinados à propagação das suas plataformas políticas.
“Por enquanto, nos cabe apenas desejar a todos mui…

Uma decisão que não se sustenta

Há tempos o município dava sinais de que conseguiria manter o calendário de pagamento dos servidores públicos de acordo com a promessa de campanha do prefeito Magno Bacelar, com 10 dias dentro do mês trabalho. Ontem a Prefeitura anunciou que todos os servidores receberão no limite previsto em lei e as reações foram instantâneas.
Até a aliada presidente da Câmara, professora Vera, já se pronunciou duramente repudiando a decisão do prefeito. “Não vejo justificativa para a medida da Prefeitura de transferir os pagamentos para o 5º dia útil do mês subsequente”, declarou em redes sociais.
Apesar de não haver ilegalidade no anúncio, algumas considerações precisam ser feitas. A primeira, e mais importante neste momento de pandemia, é que nunca foi tão necessário escalonar o pagamento. Para evitar aglomerações ainda maiores nas agências bancárias, os servidores de diferentes órgãos deveriam receber em dias alternados.
Em segundo lugar, a crise econômica agravada pela pandemia de Covid-19 po…