Pular para o conteúdo principal

Adianta querer mudança sem querer mudar?


O fracasso do governo Belezinha não pode ser visto como consequência apenas dos defeitos da gestora ou daqueles que a rodeiam, é necessário vermos a forma com a qual foi eleita e o que a sociedade esperava dela para poder estar hoje elogiando-a.

Conforme equilibrada análise do advogado Almir Moreira em recente entrevista à rádio Mirante, três fatores determinaram a eleição de Belezinha. 1. A votação histórica que Isaías Fortes tem e não mediu esforços para transferir. 2. Desejo de mudança contra um governo mal avaliado. 3. Uso e abuso do poder econômico.

A força de Isaías Fortes é um fenômeno político que não pode ser analisado assim num pequeno texto num blog, e quanto ao flagrante abuso do poder econômico a Justiça vai se pronunciar muito em breve. Quero comentar é a promessa de mudança, tão presente nos discursos dos palanques e tão falha na prática.

Empossada no cargo, a prefeita inchou a folha de pagamento com centenas de contratos ilegais para cumprir os acordos que fizera para ser eleita. E aqui é que entra o meu questionamento. Seria eleita sem se comprometer em transformar a prefeitura num cabide de empregos? Não é uma pergunta retórica, eleitor. É dúvida mesmo. 

Não é possível fazer um bom governo com os compromissos que a prefeita fez para se eleger, isso é certo, mas será que alguém conseguiria ser eleito prefeito(a) sem fazer tais compromissos? Algum candidato a prefeito poderia desfilar pela cidade dizendo que o acesso aos empregos na prefeitura devem ser, em cumprimento à lei, por meio de concurso público? Alguém seria eleito prefeito dizendo a cada eleitor que não pode lhe dar "uma ajuda" com sacos de cimento, milheiros de telha e de tijolo, receitas médicas, combustíveis, mudanças e toda sorte de pedidos que os eleitores fazem e que são expressamente proibidos por lei aos candidatos?

Como já disse, a prefeita que está aí não me parece uma pessoa ruim. É, como um soluço, um mal menor e passageiro, talvez até mais passageiro do que se pensa. Prometeu mudança, mas se elegeu num sistema viciado, governa como todos os outros tentando compensar as perdas da campanha. E quando ele passar, caro leitor, vamos eleger outro prefeito com essa mesma cultura política? Virá outro endinheirado prometendo mudanças, mas distribuindo "ajudas" e se comprometendo em usar a máquina pública com o mesmo patrimonialismo de sempre?

"Talvez" o problema não seja Belezinha, hein. A classe política que nós temos é consequência da sociedade que somos. Não adianta reclamar dos "políticos" e alimentar esse ciclo vicioso. Mais importante do que se opor a A ou B é romper com essa forma de fazer política. 

Os empregos na estrutura da prefeitura devem ser o mínimo possível para que possam haver investimentos e gastos públicos dentro do município (sem funil) para fazer o dinheiro circular na cidade e reabilitando nossa economia. É claro que o cidadão que se emprega na prefeitura por meio de concurso ou no mercado local porque a economia vai bem não guarda gratidão ao gestor como aquele que é "agraciado" com um contrato, mas é em situações como essa que se diferem os políticos comuns, que pensam na eleição seguinte e acabam fazendo mal a si e ao local que governam, e aqueles grandes políticos que pensam na geração seguinte, em fazer aquilo que é o bem para a cidade e terão êxito (ou não) nas urnas como consequência do bem que fizeram para o coletivo. 

Não é fácil, mas é necessário. O Sermão da Montanha nos ensinou que "larga é a porta e espaçoso é o caminho que conduz a perdição. E muitos entram por ela". Foi também a escolha desta prefeita.

Chapadinha elegeu uma candidata prometendo mudanças e abusando do poder econômico. Espero que o fracasso desse governo não desacredite diante do povo a possibilidade de mudanças, mas sim qualquer candidato que tentar fazer do dinheiro seu principal cabo eleitoral. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

BELEZINHA ASFALTOU ATÉ O CAMINHO PARA A REELEIÇÃO

Passada a eleição estadual, o único grupo vencedor em Chapadinha foi o que já ocupa a Prefeitura. O resto se dividiu entre sobreviventes, humilhados e aposentados. Após ter sido a candidata a deputada estadual mais votada da história do município em 2018, com 12.403 votos, Belezinha alargou o recorde com os 18.548 votos de Aluizio Santos, elegendo-o para o cargo e vendo os adversários absolutamente perdidos. Se na eleição anterior os demais grupos se dividiram em 8 candidaturas acima da faixa de 500 votos, somando 17.752, desta vez foram 11 candidaturas e apenas 15.109 votos. A pulverização e o desempenho fraco já demonstram que a oposição teria dificuldade de derrotar a prefeita mesmo se conseguisse uma improvável união para 2024. Entre os derrotados da eleição destacam-se os ex-prefeitos. Dr. Magno Bacelar passou pelo segundo constrangimento seguido (e desnecessário) sem conseguir mais do que 679 votos para Adriano Sarney e Isaías Fortes, que ficou aquém do prometido a Davi Bra

ALUIZIO SANTOS FALA SOBRE SUA SAÚDE

O secretário Aluizio Santos concedeu entrevista ao programa Alerta Geral, apresentado pelo jornalista Luis Carlos Jr. na rádio Cultura de Chapadinha, nesta manhã (10) e tratou do assunto que já estava dominando as rodas de conversa da política local: seu estado de saúde. Segundo o relato, desde o mês de junho ele estava acompanhando o aumento de dois linfonodos na sua virilha e decidiu, com a equipe de médicos que o acompanha em Chapadinha, pela remoção cirúrgica de ambos. O procedimento aconteceu no dia 25 de outubro e desde então ele ficou em repouso. O diagnóstico conclusivo sobre o tratamento de saúde ao qual ele precisará se submeter deverá ser apresentado em 10 dias, mas Aluizio tem voltado às atividades políticas, inclusive às articulações da sua pré-candidatura a deputado estadual. Assista o vídeo da entrevista no final da matéria.   ENTENDA O QUADRO A íngua é o inchaço dos linfonodos, pequenos órgãos do sistema linfático que atuam na defesa do organismo humano prod

FLÁVIO DINO INAUGURA IEMA E PEDE QUE BELEZINHA ENTREGUE UPA AO ESTADO

Nesta manhã Chapadinha recebeu Flávio Dino pela última vez antes de deixar o cargo de governador. Antes de seguir para outros municípios da região entregando outros aparelhos públicos, o socialista inaugurou a unidade local do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IEMA), e a cerimônia foi movimentada, principalmente nos seus bastidores! Ausente do evento supostamente por motivo de saúde Belezinha foi representada pelo vice-prefeito que ouviu do governador novo apelo para que o município entregue a gestão da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) para o governo do estado. “Eu não olho quem é o prefeito, eu não olho partido. O meu partido é o Maranhão e por isso eu sempre estarei a disposição da cidade de Chapadinha”, disse em discurso. Confira:   O governador já tinha se colocado a disposição para assumir a responsabilidade da UPA na sua última visita a Chapadinha e o vice-prefeito até foi às redes sociais defender a entrega da unidade. Ambos foram ignorados por Be