Pular para o conteúdo principal

Adianta querer mudança sem querer mudar?


O fracasso do governo Belezinha não pode ser visto como consequência apenas dos defeitos da gestora ou daqueles que a rodeiam, é necessário vermos a forma com a qual foi eleita e o que a sociedade esperava dela para poder estar hoje elogiando-a.

Conforme equilibrada análise do advogado Almir Moreira em recente entrevista à rádio Mirante, três fatores determinaram a eleição de Belezinha. 1. A votação histórica que Isaías Fortes tem e não mediu esforços para transferir. 2. Desejo de mudança contra um governo mal avaliado. 3. Uso e abuso do poder econômico.

A força de Isaías Fortes é um fenômeno político que não pode ser analisado assim num pequeno texto num blog, e quanto ao flagrante abuso do poder econômico a Justiça vai se pronunciar muito em breve. Quero comentar é a promessa de mudança, tão presente nos discursos dos palanques e tão falha na prática.

Empossada no cargo, a prefeita inchou a folha de pagamento com centenas de contratos ilegais para cumprir os acordos que fizera para ser eleita. E aqui é que entra o meu questionamento. Seria eleita sem se comprometer em transformar a prefeitura num cabide de empregos? Não é uma pergunta retórica, eleitor. É dúvida mesmo. 

Não é possível fazer um bom governo com os compromissos que a prefeita fez para se eleger, isso é certo, mas será que alguém conseguiria ser eleito prefeito(a) sem fazer tais compromissos? Algum candidato a prefeito poderia desfilar pela cidade dizendo que o acesso aos empregos na prefeitura devem ser, em cumprimento à lei, por meio de concurso público? Alguém seria eleito prefeito dizendo a cada eleitor que não pode lhe dar "uma ajuda" com sacos de cimento, milheiros de telha e de tijolo, receitas médicas, combustíveis, mudanças e toda sorte de pedidos que os eleitores fazem e que são expressamente proibidos por lei aos candidatos?

Como já disse, a prefeita que está aí não me parece uma pessoa ruim. É, como um soluço, um mal menor e passageiro, talvez até mais passageiro do que se pensa. Prometeu mudança, mas se elegeu num sistema viciado, governa como todos os outros tentando compensar as perdas da campanha. E quando ele passar, caro leitor, vamos eleger outro prefeito com essa mesma cultura política? Virá outro endinheirado prometendo mudanças, mas distribuindo "ajudas" e se comprometendo em usar a máquina pública com o mesmo patrimonialismo de sempre?

"Talvez" o problema não seja Belezinha, hein. A classe política que nós temos é consequência da sociedade que somos. Não adianta reclamar dos "políticos" e alimentar esse ciclo vicioso. Mais importante do que se opor a A ou B é romper com essa forma de fazer política. 

Os empregos na estrutura da prefeitura devem ser o mínimo possível para que possam haver investimentos e gastos públicos dentro do município (sem funil) para fazer o dinheiro circular na cidade e reabilitando nossa economia. É claro que o cidadão que se emprega na prefeitura por meio de concurso ou no mercado local porque a economia vai bem não guarda gratidão ao gestor como aquele que é "agraciado" com um contrato, mas é em situações como essa que se diferem os políticos comuns, que pensam na eleição seguinte e acabam fazendo mal a si e ao local que governam, e aqueles grandes políticos que pensam na geração seguinte, em fazer aquilo que é o bem para a cidade e terão êxito (ou não) nas urnas como consequência do bem que fizeram para o coletivo. 

Não é fácil, mas é necessário. O Sermão da Montanha nos ensinou que "larga é a porta e espaçoso é o caminho que conduz a perdição. E muitos entram por ela". Foi também a escolha desta prefeita.

Chapadinha elegeu uma candidata prometendo mudanças e abusando do poder econômico. Espero que o fracasso desse governo não desacredite diante do povo a possibilidade de mudanças, mas sim qualquer candidato que tentar fazer do dinheiro seu principal cabo eleitoral. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DE NOVO: BELEZINHA TENTA COMPRAR CANDIDATO A VEREADOR E É DENUNCIADA À POLÍCIA

Dinheiro entregue à Polícia Festejada nas redes sociais pela ex-prefeita Belezinha e seus partidários, a adesão do candidato a vereador Lucídio se revelou mais um escândalo que abuso de poder econômico. Anúncio de adesão pela manhã Horas depois do anúncio, Lucídio registrou Boletim de Ocorrência acusando a coligação adversária de lhe ter entregado R$ 5 mil para ele se deixar fotografar ao lado da candidata e apoiá-la. Ao registrar o BO, o candidato apresentou aos policiais o valor que lhe foi entregue, e áudios das conversas entre ele e intermediários da ex-prefeita. Num deles o conhecimento da candidata sobre as negociações é confirmado. A versão foi confirmada por uma testemunha que presenciou a entrega do dinheiro. Após perícias as provas deverão ser encaminhadas para o Ministério Público Eleitoral e nova denúncia de abuso de poder econômico deve ser apresentada contra a candidata. Denúncia feita à tarde Belezinha responde no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ação semelhante p

O que não te disseram sobre a "farra dos contracheques"

Enquanto a gritaria tomava conta das redes sociais, me dediquei a estudar a folha de pagamento da Prefeitura de Chapadinha e verifiquei alguns dados que precisam ser esclarecidos. Primeiro, nenhum vigia “recebe” R$ 6 mil. O presente do indicativo é usado para demonstrar ação continuada. E o vigia Marcelo Costa Abreu, segundo este mesmo Portal da Transparência que serve de fonte para pinçar informações pela metade e causar alvoroço, tem um salário de R$ 1.247,50. Nos meses de Setembro e Outubro ele recebeu gratificações para compensar outros serviços que ele teria prestado à administração municipal, segundo relato dele mesmo em áudio que circula nos grupos de WhatsApp. A tese de "rachadinha" cai por terra A realização destes trabalhos deve ser atestada, mas essa checagem desmonta a tese segunda qual ele receberia um grande salário para dividir com um ex-prefeito e um vereador. Outro dado que tem aparecido de maneira muito distorcida é a lotação de todos os

EM PRIMEIRA MÃO: EX-PREFEITA PERDE O MANDATO DE DEPUTADA

Durou pouco a passagem da ex-prefeita Ducilene Belezinha (PL) na Assembleia Legislativa do Maranhão. Ela havia sido empossada no cargo de deputada estadual no mês passado devendo favor ao deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL) que determinou que a esposa, Detinha (PL), saísse de licença. Ocorre que Belezinha foi apenas a quinta suplente da coligação, e sua a posse dependeu do falecimento de um deputado e a nomeação de três parlamentares no secretariado do governador Flávio Dino, mas um deles voltou ontem (6) para o legislativo, aliás, uma secretária: Ana do Gás (PCdoB). Parlamentar com votação expressiva em Chapadinha na eleição de 2014, quando teve o apoio do hoje prefeito Magno Bacelar, a comunista ocupava a Secretaria de Estado da Mulher, mas decidiu reassumir o mandato de deputada levando a ex-prefeita de volta à condição de suplente. Festejado com carreata organizada por seus apoiadores com pouquíssima participação popular, o mandato de Belezinha na Assembleia durou 13 dia