Pular para o conteúdo principal

Auxílio-reclusão e bolsa-bandido


A expansão do acesso à internet e a popularização das chamadas "redes sociais" representam avanços para a democratização da comunicação tirando o oligopólio das mãos das empresas familiares que dominam o setor com seus interesses econômicos, políticos e ideológicos.

Porém, é necessário muito cuidado com as informações que se espalham rapidamente pela rede, dificultando a identificação das fontes, o chamado "viral". Muitas vezes eles são compartilhados por bem-intencionados, mas criados ou distorcidos por mal-intencionados. Basta uma rápida pesquisa em mecanismos como o google para se perceber que boa parte das frases que vêm sendo atribuídas aos deputados Marco Feliciano e, principalmente, Jean Wyllys, são falsas, por exemplo.

Mais do que suas excelências, quem vem tendo suas informações seguidamente distorcidas nas redes sociais nos últimos tempos é o "Auxílio-reclusão", benefício social criado pela lei 3.807 de 26 de agosto de 1960

Tratado como "bolsa-bandido", os virais que tem se espalhado afirmam que os presos brasileiros receberiam R$ 971,78 por mês, valor acima do salário mínimo. A ideia de quem criou o viral é dizer que o Brasil é um país absurdo, no qual o preso é mais valorizado que o trabalhador e que o benefício incentiva a criminalidade.

Que se levantem contra um benefício voltado para os pobres não é novidade, nem surpresa, principalmente com a vitória cultural da ideologia "bandido bom, é bandido morto", mas é necessário esclarecer alguns pontos. 

O auxílio-reclusão não é destinado a nenhum preso. É um benefício destinados aos dependentes de um trabalhador, contribuinte com o INSS, que venha a ser preso. 

Imaginemos duas circunstâncias. 

Uma mulher pobre vítima de violência doméstica. Além da afetividade que geralmente resiste em relação ao seu agressor enquanto ela tem esperança da violência cessar, ela se coloca numa encruzilhada quando perde essa esperança. Como as mulheres são ensinadas desde a infância pela sociedade machista a serem dependentes dos seus maridos, muitas vezes (não conhecem o auxílio-reclusão e) deixam de denunciá-los para não ficar sem o "provedor do lar". A existência do benefício e a informação correta sobre ele é o que muitas vezes permite que ela se liberte da condição de refém domiciliar e tome coragem para denunciar e exigir a punição do agressor.

Ainda assim, há aqueles que são contra. 

Imaginemos então uma segunda situação. Esta mesma mulher do primeiro cenário, cansada da violência doméstica denuncia o seu agressor e ele fica preso. Ela e seus filhos ficam sem benefício, sem amparo algum, ficam na miséria. No limite da luta pela sobrevivência, um deles arranja uma arma e, três dias antes de completar 18 anos de idade, vai assaltar um transeunte numa ruela próxima ao centro da cidade. Trêmulo, nervoso na sua primeira tentativa de crime, o jovem acaba atirando e matando o assaltado, que poderia ser um outro jovem ou um ente querido seu, caro leitor. 

Em meio à sua dor, você poderia gritar por "justiça" e exigir a redução da maioridade penal repetindo o discurso dos programas policialescos de Datena ou Marcelo Resende sem perceber que foi exatamente essa ideologia conservadora de combate aos Direitos Humanos que lhe colocou nessa dor e gera ainda mais violência. 

É necessário rompermos com a visão reacionária. O auxílio-reclusão, repito, é destinado aos dependentes de trabalhadores pobres que sejam presos. É, portanto, uma conquista social e, por isso, incomoda tanto.

Comentários

Anônimo disse…
Alguém poderia me dizer se a família que teve o seu gestor morto por algum destes bandidos tem alguma lei que der direito a esta família ter alguma renda para se manter. O correto seria colocar o bandido/assassino para trabalhar e gerar renda para manter as duas familias.. Bando de fazedores de leis e intelectuais de merda!!!
Anônimo disse…
eu nao sou contra se fazer uma Politica Social para a familia do infrator, sem levar em conta a sua infração, mas dar o dinheiro nao é a solução. A solução é investir fortemente na educação de qualidade. Estamos vivendo uma onda da "bolsa" e estamos criando uma população que tem coisas, mas nao tem formação. O PT, sempre tao contra tudo, mantem o auxilio reclusao e nao faz mais nada pelo preso e por sua familia.
Kevin Edevean disse…
Por favor, tome vergonha na cara.
Defender contraventor é coisa de contraventor.
Defender bandido é coisa de bandido.
Auxílio é o caralho!
Tem que meter fogo no ato da prisão e colocar ordem nesse puteiro!


Postagens mais visitadas deste blog

DE NOVO: BELEZINHA TENTA COMPRAR CANDIDATO A VEREADOR E É DENUNCIADA À POLÍCIA

Dinheiro entregue à Polícia Festejada nas redes sociais pela ex-prefeita Belezinha e seus partidários, a adesão do candidato a vereador Lucídio se revelou mais um escândalo que abuso de poder econômico. Anúncio de adesão pela manhã Horas depois do anúncio, Lucídio registrou Boletim de Ocorrência acusando a coligação adversária de lhe ter entregado R$ 5 mil para ele se deixar fotografar ao lado da candidata e apoiá-la. Ao registrar o BO, o candidato apresentou aos policiais o valor que lhe foi entregue, e áudios das conversas entre ele e intermediários da ex-prefeita. Num deles o conhecimento da candidata sobre as negociações é confirmado. A versão foi confirmada por uma testemunha que presenciou a entrega do dinheiro. Após perícias as provas deverão ser encaminhadas para o Ministério Público Eleitoral e nova denúncia de abuso de poder econômico deve ser apresentada contra a candidata. Denúncia feita à tarde Belezinha responde no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ação semelhante p

EM PRIMEIRA MÃO: EX-PREFEITA PERDE O MANDATO DE DEPUTADA

Durou pouco a passagem da ex-prefeita Ducilene Belezinha (PL) na Assembleia Legislativa do Maranhão. Ela havia sido empossada no cargo de deputada estadual no mês passado devendo favor ao deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL) que determinou que a esposa, Detinha (PL), saísse de licença. Ocorre que Belezinha foi apenas a quinta suplente da coligação, e sua a posse dependeu do falecimento de um deputado e a nomeação de três parlamentares no secretariado do governador Flávio Dino, mas um deles voltou ontem (6) para o legislativo, aliás, uma secretária: Ana do Gás (PCdoB). Parlamentar com votação expressiva em Chapadinha na eleição de 2014, quando teve o apoio do hoje prefeito Magno Bacelar, a comunista ocupava a Secretaria de Estado da Mulher, mas decidiu reassumir o mandato de deputada levando a ex-prefeita de volta à condição de suplente. Festejado com carreata organizada por seus apoiadores com pouquíssima participação popular, o mandato de Belezinha na Assembleia durou 13 dia

ORINALDO ANUNCIA ROMPIMENTO COM MAGNO E APOIO A HIGOR ALMEIDA

O ex-vereador Orinaldo Araújo, esposo da vereadora Missecley, gravou hoje mensagem para anunciar seu desligamento do grupo político do prefeito Magno Bacelar. Ao lado de três dos seus quatro filhos Orinaldo afirmou que ainda não conversou com o Higor Almeida, mas apoiará sua candidatura. “É o que candidato que representa realmente aquilo que a gente pensa, aquilo que a gente quer pro nosso município”, afirmou. Havia chamado a atenção do meio político as ausências de Orinaldo e Missecley do primeiro comício de campanha do prefeito, realizado no bairro em que eles moram e têm forte base eleitoral. A insegurança jurídica da candidatura do prefeito e o forte desgaste apresentado nas pesquisas de opinião devem gerar novas adesões nos próximos dias.