Pular para o conteúdo principal

Luiz Fux, Paulo Vieira e o país que muda


O julgamento da Ação Penal 470 (vulgo "Mensalão") é transmitido, comentado e analisado pela grande mídia como um grande marco. Parece que nossos netos lerão na escola livros que dividirão a história brasileira entre "AJ" e "DJ" (antes do julgamento e depois do julgamento). 


Sob a ótica destes, as condenações de José Dirceu e José Genoíno encerram a era da impunidade, ninguém mais poderá dizer que não vivemos num país sério e a República finalmente completa sua instalação nessas terras tropicais. 

Se o agora presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, foi alçado a condição de Batman, o justiceiro cavaleiro das trevas, o ministro Luiz Fux é o seu Robin. 

Judeu, carioca, boa praça, lutador de Jiu-Jitsu, tocador de guitarra e, sobretudo, bonachão.

Luiz Fux revelou à jornalista Mônica Bêrgamo os caminhos que teve que percorrer para chegar à Suprema Corte. Não se sabe ainda se sob efeito de álcool, Fux revelou ter pedido o apoio de José Dirceu, João Paulo Cunha, João Pedro Stédile, Sérgio Cabral, Antônio Palocci, Delfim Neto e empresários. 

A Stédile, líder dos trabalhadores sem-terra, Fux pediu o apoio logo depois de ter feito uma conciliação com fazendeiros, a Palocci pediu apoio depois de ter votado em causa que gerou uma economia de R$ 20 bilhões ao governo. Assim mesmo, tomá lá, dá cá.

Nas conversas com petista, sempre que o assunto surgia, deixava dar a entender que votaria pela absolvição do núcleo político no julgamento do mensalão. Ao contrário, acompanhou os votos do relator em 109 de 112 ocasiões, nenhum outro chegou a tanto. 

Não por acaso, Barbosa quebrou o protocolo e o convidou para discursar na sua posse na presidência da Corte. Em retribuição, Fux pegou a guitarra na festa de comemoração e cantou "Um dia de domingo", de Tim Maia, em homenagem ao novo presidente.

No fim da história o espertão se deu bem. Depois de "bater na trave" três vezes, Fux sentenciou "Só na meritocracia não vai", fez o que pôde para ser nomeado, depois de empossado sucumbiu às pressões da mídia para ser paparicado como o número 2 da revolução moralista que toma conta do país. 

À cúpula petista, fica a lição. Desconfie quando um ministro do STF se aposentar e outro aparecer com essa história de "Eu preciso de te falar / Te encontrar / De qualquer jeito / Pra sentar e conversar".


Os chefes das quadrilhas

Com as confissões publicadas, o ministro que foi pedir apoio a José Dirceu e depois o condenou como chefe de quadrilha se aproxima de outra personagem que recentemente veio ao centro do noticiário com a mesma qualificação.

Em e-mail trocado com a ex-chefe de gabinete do escritório da Presidência da República em São Paulo, Rosemery Noronha, Paulo Vieira pediu para que ela intercedesse pela nomeação dele para o cargo de diretor da ANA (Agência Nacional de Águas) utilizando-se de uma máxima um tanto quanto fuxniana: "estou enviando o meu currículo com as informações que eu considerei mais pertinente ao cargo da ANA, apesar de sabermos que o currículo não é fator primordial".


A verdadeira mudança

Tudo isso, que sempre aconteceu nos bastidores, sendo trazido às vistas do grande público está mudando mesmo o país. Estamos deixando de ser um país hipócrita para ser um país cínico.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PACIENTES E PROFISSIONAIS DA SAÚDE RELATAM COLAPSO NA UPA DE CHAPADINHA

Os últimos dias têm sido de exaustão para quem está trabalhando na linha de frente do combate à Covid em Chapadinha. Profissionais da UPA relatam que a unidade entrou em colapso, os leitos estão lotados, pacientes aguardando nos corredores e os funcionários se sentindo impotentes diante o quadro. “Imagina o que é você se doar, prestar um serviço, ver gente morrendo todo dia e as pessoas continuarem suas vidas aglomerando”, desabafou um deles em rede social. Com quadro reduzido de funcionários, os servidores buscam fazer o que é possível, mas as dificuldades estão aumentando num grau insuportável. Enquanto isso pipocam nas redes sociais fotos e vídeos de pacientes e acompanhantes denunciando os problemas que estão enfrentando, principalmente com falta de médicos para atender a demanda crescente. A escala publicada pela Prefeitura mostra o quanto tem sido exigido dos profissionais. Apenas um médico por dia, sendo ora Dr. Kingsley Ifly, que na mesma data atende no HAPA , ora o Dr. Felipe

DE CORPO PRESENTE: FLÁVIO DINO REBATE BELEZINHA SOBRE INVESTIMENTO EM SAÚDE E AINDA QUER ASSUMIR A UPA

Durante cerimônia de inauguração de asfalto aplicado no município com emendas da deputada Dra. Thaiza, o governador Flávio Dino respondeu os ataques que a prefeita Belezinha fez contra ele no início da semana. A gestora havia afirmado em pronunciamento oficial que ainda não teve ajuda do governo do estado para cuidar da Saúde em Chapadinha nos seus primeiros meses de administração. Relembre: No seu discurso, a deputada Thaiza já havia criticado a gestão municipal por Chapadinha ter tido o maior número de óbitos por Covid no estado, mas Belezinha tentou evitar polêmica. Tigrona na internet, ela virou tchuchuca na frente do governador falando até em parcerias do estado com o município através do vice-governador Carlos Brandão. Veja: Flávio Dino estranhou a diferença de comportamento do mundo virtual para o mundo real. “Há pessoas que se transformam na internet. Elas na nossa frente são pessoas de bom senso, mas quando chegam na internet se transformam e se danam a mentir”: Mais a

2022: NOVOS E ANTIGOS NOMES ARTICULAM CANDIDATURAS À ASSEMBLEIA LEGISLATIVA EM CHAPADINHA E REGIÃO

Políticos e jornalistas só pensam naquilo: a próxima eleição. Os mandatos dos prefeitos eleitos no ano passado mal começaram e os grupos políticos já se preparam para medir forças na disputa pelas cadeiras dos deputados estaduais do Maranhão. Vejamos a situação dos principais nomes olhando a briga: Aluizio Santos : O articulador político do governo municipal não esconde sua pretensão e usa a mini-prefeitura instalada no antigo comitê de Belezinha para preparar sua pré-candidatura. Principal liderança do PL na região, Aluizio conta com a simpatia do deputado federal Josimar de Maranhãozinho e, segundo seus aliados, de 80% do grupo da prefeita. Projeta-se que ele partiria, em Chapadinha, dos 12.400 votos que Belezinha teve em 2018. Karoll Pontes : Carismática, a primeira-filha também é cogitada para a disputa. Teria quase todas as vantagens de Aluizio, além da simpatia do eleitor evangélico e uma relação inquebrantável com a mãe prefeita. Filiada ao antigo PRB, é mais próxima ao vice