Pular para o conteúdo principal

Pela Coerência


Brasil – Maranhão – Chapadinha

Depois de uma liderança carismática e com a qual o povo brasileiro se identifica como o companheiro Lula, a eleição de sua sucessora, a presidente Dilma Rousseff, elevou ainda mais o debate político para um caráter programático. Sua eleição foi a vitória e consolidação do projeto político petista em âmbito nacional e o fortalecimento do partido para os desafios deste novo Brasil que estamos construindo. Em 2010, aumentamos nossa participação em governos estaduais, além de termos eleito a maior bancada de deputados federais e a segunda do Senado Federal, antigo guardião das forças conservadoras.

Seguindo a mesma linha política da disputa federal, a aliança PT-PMDB foi vitoriosa nas eleições estaduais maranhenses levando o companheiro petista Washington Luiz ao posto de vice-governador do nosso estado. Washington Luiz tem tido participação ativa no governo, principalmente na interlocução com a sociedade e os movimentos sociais. Essa atuação tem sido determinante para repactuar as relações internas no PT do Maranhão. Pelo seu estilo conciliador, ele foi escolhido pelo partido para disputar a eleição municipal em São Luís com o apoio de uma ampla coligação partidária e chances reais de levar o partido, pela primeira vez, ao comando da administração da nossa capital.

Este fortalecimento nacional e estadual deve ser enraizado em cada um dos 217 municípios do estado do Maranhão para viabilizarmos em longo prazo o partido também como alternativa real de poder para o estado, inclusive em Chapadinha, cidade estratégica da região do Baixo Parnaíba e em forte expansão econômica.

O PT fez uma opção histórica de ser um partido de massas, enraizado nos movimentos sociais, nos sindicatos e igrejas. Crescemos aos poucos nestes mais de 30 anos de história e reconhecemos, principalmente depois da vitória de Lula em 2002, a necessidade tática de ampliarmos no arco de alianças para vencermos eleições proporcionais e majoritárias viabilizando as mudanças sociais que o país tem vivido nesta última década.


2008-2012

Hoje, decidimos nossa tática para as eleições de 2012 reféns dos erros e dos acertos cometidos nos últimos quatro anos. Cometemos um equívoco de análise no lançamento da nossa candidatura própria nas eleições de 2008 e ao não priorizarmos a eleição de vereadores naquele ano. Lançamos sete candidatos e obtivemos 1435 votos, o que não é uma quantidade desprezível em cenários decididos cada vez mais acirradamente.

Sem representante no legislativo municipal, os candidatos do PT-MA a deputado estadual conseguiram 1.276 votos em Chapadinha e os candidatos a deputado federal 1.474 votos. Todas essas votações citadas seriam insuficientes para eleger um vereador nesta próxima eleição, já que o coeficiente eleitoral poderá chegar a 3.000 votos.

Com a vitória da chapa PT-PMDB na disputa estadual, o PT abriu diálogo com várias administrações municipais ligadas ao grupo da governadora Roseana Sarney e em Chapadinha não foi diferente. Depois de um longo processo de debates e negociações públicas, o Diretório Municipal decidiu institucionalmente pelo apoio à administração da prefeita Danúbia Carneiro. A partir daí, com o diálogo com o deputado estadual Magno Bacelar e com seu grupo político, viabilizamos a criação da agência do SINE (Sistema Nacional de Emprego) no município, dando segurança a empregados e a empregadores no processo de criação de emprego e renda pelo qual passa nosso município.

Reivindicação petista junto à administração municipal, o repasse percentual ao Fundo da Infância e Adolescência (FIA) foi triplicado com a entrada do partido no governo, mostrando que as bandeiras que levantamos são as mesmas quando oposição e quando governo.

O trabalho apresentado pelos nossos quadros nas Secretarias de Trabalho e Renda, Assistência Social e Projetos Especiais se destacaram e chamaram a atenção de aliados e adversários. Além disso, com o apoio do deputado estadual Magno Bacelar, conquistamos o comando da Unidade Regional de Educação de Chapadinha, reivindicada desde o início da aliança estadual PT-PMDB.


Relações históricas

Consciente de que a eleição não será uma disputa entre candidatos, mas sim uma disputa entre grupos políticos, precisamos levar em conta a incoerência histórica que seria o PT se aliar ao grupo político comandado pelo ex-prefeito Isaías Fortes, sob qual governo sofremos diversos ataques e perseguições.

O atraso dos salários do funcionalismo público, por mais absurdo que fosse, era apenas um dos sintomas do caos instalado na administração municipal da época, tempo no qual o município estagnou economicamente e a política social se baseava no assistencialismo direto aos correligionários do poder enquanto a maior parte do povo vivia na miséria.

Se nunca havíamos nos aliados a nenhum dos dois grupos, a resistência ao grupo do ex-prefeito Isaías Fortes sempre foi muito maior e seria inexplicável politicamente uma aliança justamente quando o partido está aliado ao grupo oposto, ocupando espaços nos governos municipal e estadual.

A postura recente do partido fez com que vários companheiros tenham sido alvo de duros e levianos ataques de partidários da oposição, inclusive no campo pessoal, reforçando a avaliação de que nenhuma falha do governo atual justificaria politicamente uma aliança com a oposição.


2012-2016

Com a decisão partidária de não ter candidatura própria nas eleições deste ano, devemos focar na construção de uma candidatura petista forte para disputarmos a prefeitura de Chapadinha com chances reais de vitória em 2016. Essa construção não pode esperar, sob risco de chegarmos às próximas eleições na mesma circunstância que nos encontramos hoje.

Precisamos abrir o partido a novas filiações e aumentar nossa inserção nos movimentos sociais. Além de constituir instrumento estratégico para a classe trabalhadora, precisamos mobilizar a juventude nas lutas cotidianas por uma educação pública universal e de qualidade e a geração de emprego e renda com respeito ao meio ambiente. Devemos conquistar mandatos legislativos que se destaquem pelo modo petista de legislar em diálogo permanente com as bases.

A de se considerar que na eleição passada, as coligações proporcionais que apoiaram a candidatura de Danúbia Carneiro tiveram 40,76% dos votos, a coligação que apoiou Dr. Levi teve 22,57%, a coligação que apoiou Dr. Talvane teve 13,66% e a coligação que apoiou Joana Leal teve 0,74%, somando 77,73% dos votos válidos. Com 22,27% dos votos, a chapa da oposição conseguiu duas das dez vagas em disputa.

Na eleição deste ano, a oposição deve contar com quatro partidos (PRB, PTB, PRP, PTC) e o governo 14 partidos (PR, PSB, PV, PMDB, PDT, PPS, PSDB, PP, DEM, PSD, PSC, PSDC, PRTB, PHS). Com 15 vagas em disputa e isolada, a oposição deve alcançar três vagas (no máximo quatro, com o apoio do PT).

Assim, defendemos que o PT componha uma coligação majoritariamente formada por partidos de esquerda e centro-esquerda, sem vereadores no mandato e que proporcione a eleição de companheiros petistas para a Câmara Municipal.

Se quisermos construir uma Chapadinha mais justa e organizada administrada a partir de 2017 por um governo democrático e popular petista, não podemos nos atrelar a uma candidatura na qual não há espaço de decisão para forças que não fazem parte do núcleo do grupo político liderado pelo ex-prefeito Isaías Fortes.

Uma decisão do PT de aliança com o grupo do ex-prefeito Isaías Fortes iria na contramão do momento político que vivemos, visto que mesmo os partidos da chamada “3ª via”, com os quais já estivemos em vários outros momentos e que no início do debate pré-eleitoral eram simpáticos à candidata da oposição, já decidiram pelo apoio à candidatura do governo.

Mesmo conscientes dos erros (e dos acertos) da atual administração precisamos ter maturidade política suficiente para tomar nossa decisão pensando tática e estrategicamente no melhor caminho para o partido e para a cidade a médio e longo prazo.

Somados todos esses fatores às incertezas quanto à candidatura que será escolhida pela oposição na convenção oficial defendemos que o Partido dos Trabalhadores de Chapadinha apoie a candidatura a prefeito do deputado Magno Augusto Bacelar Nunes (PV).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que não te disseram sobre a "farra dos contracheques"

Enquanto a gritaria tomava conta das redes sociais, me dediquei a estudar a folha de pagamento da Prefeitura de Chapadinha e verifiquei alguns dados que precisam ser esclarecidos.
Primeiro, nenhum vigia “recebe” R$ 6 mil. O presente do indicativo é usado para demonstrar ação continuada. E o vigia Marcelo Costa Abreu, segundo este mesmo Portal da Transparência que serve de fonte para pinçar informações pela metade e causar alvoroço, tem um salário de R$ 1.247,50. Nos meses de Setembro e Outubro ele recebeu gratificações para compensar outros serviços que ele teria prestado à administração municipal, segundo relato dele mesmo em áudio que circula nos grupos de WhatsApp.
A realização destes trabalhos deve ser atestada, mas essa checagem desmonta a tese segunda qual ele receberia um grande salário para dividir com um ex-prefeito e um vereador.
Outro dado que tem aparecido de maneira muito distorcida é a lotação de todos os servidores como funcionários do gabinete do prefeito. Na verdade…

Uma decisão que não se sustenta

Há tempos o município dava sinais de que conseguiria manter o calendário de pagamento dos servidores públicos de acordo com a promessa de campanha do prefeito Magno Bacelar, com 10 dias dentro do mês trabalho. Ontem a Prefeitura anunciou que todos os servidores receberão no limite previsto em lei e as reações foram instantâneas.
Até a aliada presidente da Câmara, professora Vera, já se pronunciou duramente repudiando a decisão do prefeito. “Não vejo justificativa para a medida da Prefeitura de transferir os pagamentos para o 5º dia útil do mês subsequente”, declarou em redes sociais.
Apesar de não haver ilegalidade no anúncio, algumas considerações precisam ser feitas. A primeira, e mais importante neste momento de pandemia, é que nunca foi tão necessário escalonar o pagamento. Para evitar aglomerações ainda maiores nas agências bancárias, os servidores de diferentes órgãos deveriam receber em dias alternados.
Em segundo lugar, a crise econômica agravada pela pandemia de Covid-19 po…

PRIMEIRA CHAPA CONFIRMADA: HIGOR E MARCELO MARINHEIRO

Nem o isolamento social imposto pela pandemia de Covid-19 freou as articulações políticas. Respeitando as restrições e orientações da Organização Mundial da Saúde, o empresário Higor da Universidade Infantil e o vereador Marcelo Marinheiro se encontraram na manhã desta segunda-feira (30) e definiram que formarão chapa visando as pré-candidaturas a prefeito e vice-prefeito de Chapadinha nas eleições de 2020.
Em contato com o Blog do Braga, a dupla afirmou que já vinha conversando nas últimas semanas e que tomaram a decisão após análise das últimas pesquisas de intenção de voto, que indicariam a viabilidade da composição.
Em meio às incertezas jurídicas de outros concorrentes, Chapadinha ganha a primeira chapa 100% definida e ficha-limpa para as próximas eleições. Após o término do período de isolamento social proposto pela OMS os pré-candidatos informarão o calendário de eventos destinados à propagação das suas plataformas políticas.
“Por enquanto, nos cabe apenas desejar a todos mui…