Pular para o conteúdo principal

As opções do PT de Chapadinha

É lamentável, para o partido e para a cidade, que o PT de Chapadinha não tenha consigo viabilizar uma candidatura própria para as eleições de outubro. Poderíamos colaborar com o debate e disputar pra valer se tivéssemos mobilizado as entidades da sociedade civil organizada, a academia e a juventude do campo e da cidade em debate sobre o modo petista de governar e sua adequação à realidade local.

O cenário para esta construção já era por si só adverso e foi piorado por graves erros táticos. A consequência é que o partido definirá seu caminho numa conjuntura fortemente polarizada entre os dois grupos tradicionais da política local.

O mais coerente seria a manutenção da aliança com o governo, visto que o partido participa da atual administração, contou com o apoio do deputado Magno Bacelar para comandar a Unidade Regional de Educação e teria condições, a depender da formação das coligações proporcionais, de eleger dois ou até três vereadores, feito que seria histórico. 

Mas as coisas não são tão simples assim (se fossem, não seria o PT). Há quem defenda, ainda envergonhadamente, a aliança com o grupo Isaías-Dulcilene. Além de ser difícil explicar para o eleitor tamanho cavalo de pau na trajetória a esta altura do debate, o cenário da disputa proporcional não é nada animador para a oposição. 

Se há quem apoie aliança com Isaías-Dulcilene, há também a possibilidade do partido apoiar a candidatura do ex-deputado Vagner Pessoa. Por que não?

No meio de tudo isso, a bem de se evitar o desgaste interno, cresce a possibilidade de o partido não apoiar formalmente nenhuma candidatura majoritária, liberar os candidatos a vereador e sua militância para apoiarem quem achar melhor e focar na disputa proporcional. Essa opção, contudo, tiraria do partido a possibilidade de emplacar a vice de alguma das chapas e um dos seus principais trunfos na negociação política, o tempo de rádio concedido ao candidato a prefeito apoiado pela legenda é o maior de todos os partidos.

Alguém ousa apostar qual será o caminho escolhido?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que não te disseram sobre a "farra dos contracheques"

Enquanto a gritaria tomava conta das redes sociais, me dediquei a estudar a folha de pagamento da Prefeitura de Chapadinha e verifiquei alguns dados que precisam ser esclarecidos.
Primeiro, nenhum vigia “recebe” R$ 6 mil. O presente do indicativo é usado para demonstrar ação continuada. E o vigia Marcelo Costa Abreu, segundo este mesmo Portal da Transparência que serve de fonte para pinçar informações pela metade e causar alvoroço, tem um salário de R$ 1.247,50. Nos meses de Setembro e Outubro ele recebeu gratificações para compensar outros serviços que ele teria prestado à administração municipal, segundo relato dele mesmo em áudio que circula nos grupos de WhatsApp.
A realização destes trabalhos deve ser atestada, mas essa checagem desmonta a tese segunda qual ele receberia um grande salário para dividir com um ex-prefeito e um vereador.
Outro dado que tem aparecido de maneira muito distorcida é a lotação de todos os servidores como funcionários do gabinete do prefeito. Na verdade…

PRIMEIRA CHAPA CONFIRMADA: HIGOR E MARCELO MARINHEIRO

Nem o isolamento social imposto pela pandemia de Covid-19 freou as articulações políticas. Respeitando as restrições e orientações da Organização Mundial da Saúde, o empresário Higor da Universidade Infantil e o vereador Marcelo Marinheiro se encontraram na manhã desta segunda-feira (30) e definiram que formarão chapa visando as pré-candidaturas a prefeito e vice-prefeito de Chapadinha nas eleições de 2020.
Em contato com o Blog do Braga, a dupla afirmou que já vinha conversando nas últimas semanas e que tomaram a decisão após análise das últimas pesquisas de intenção de voto, que indicariam a viabilidade da composição.
Em meio às incertezas jurídicas de outros concorrentes, Chapadinha ganha a primeira chapa 100% definida e ficha-limpa para as próximas eleições. Após o término do período de isolamento social proposto pela OMS os pré-candidatos informarão o calendário de eventos destinados à propagação das suas plataformas políticas.
“Por enquanto, nos cabe apenas desejar a todos mui…

Uma decisão que não se sustenta

Há tempos o município dava sinais de que conseguiria manter o calendário de pagamento dos servidores públicos de acordo com a promessa de campanha do prefeito Magno Bacelar, com 10 dias dentro do mês trabalho. Ontem a Prefeitura anunciou que todos os servidores receberão no limite previsto em lei e as reações foram instantâneas.
Até a aliada presidente da Câmara, professora Vera, já se pronunciou duramente repudiando a decisão do prefeito. “Não vejo justificativa para a medida da Prefeitura de transferir os pagamentos para o 5º dia útil do mês subsequente”, declarou em redes sociais.
Apesar de não haver ilegalidade no anúncio, algumas considerações precisam ser feitas. A primeira, e mais importante neste momento de pandemia, é que nunca foi tão necessário escalonar o pagamento. Para evitar aglomerações ainda maiores nas agências bancárias, os servidores de diferentes órgãos deveriam receber em dias alternados.
Em segundo lugar, a crise econômica agravada pela pandemia de Covid-19 po…