Pular para o conteúdo principal

Disputar a política para fazê-la avançar

O que fazer com Chapadinha?


"Como é meu desejo escrever coisa útil para os que tiverem interesse, mais conveniente me pareceu buscar a verdade pelo fito das coisas, do que por aquilo que delas se venha supor"

(Maquiavel, em "O Príncipe")



O texto "A disputa política (em Chapadinha)", mesmo sendo mais conceitual do que opinativo, causou tanta polêmica que me instigou a aprofundar o debate. A maioria das polêmicas, diga-se, não está no texto, mas nas interpretações que cada um deu ao que escrevi. 

Defesa de alianças políticas foi entendido como apologia à corrupção. Questionamento sobre a falta de projetos políticos para o nosso município por parte de todos os pré-candidatos a prefeitos foi entendido como acomodação. A afirmação de que hoje não há condições objetivas para vencer a eleição majoritária municipal sem o apoio de pelo menos uma das duas maiores lideranças políticas do município  foi entendido como defesa de que está tudo bom demais. 

Porém, de todas as polêmicas, uma é verdadeira. Como afirmou o Dr. Ernani Maia, o texto é maquiavélico. Assim como Nicolas Maquiavel, na sua principal obra, "O Príncipe", não escrevi sobre como as coisas deveriam acontecer, mas como eles acontecem. 

Maquiavelicamente, meu texto expõe verdades que, mesmo incômodas, não deixam de serem verdades. Não negarei o óbvio, meus caros. Os agentes da disputa política podem se esgoelar com seus discursos indignados, com falso moralismo, com suas mais simples obrigações sendo expostas como grandes méritos ou tentando se mostrar como diferente de "tudo isso que está aí" (discurso que garantiu a eleição de Collor de 89), mas por trás de tudo isso o que há é a mesma disputa de poder de sempre. O que questiono, tautologicamente, é: o que se pretende fazer com este poder.

Chapadinha é a cidade pólo do Baixo Parnaíba, região que concentra a maior quantidade de pobres no Maranhão, estado com o maior índice de miséria no desigual Brasil. Nossos desafios são de tal ordem que será necessário mais do que asfalto ou discurso moralista para vencê-los.

Além dos desafios, temos potencialidades que saltam aos olhos. Nossa imensa zona rural pode fazer de nós referência em produção agrícola, os investimentos da Suzano gerarão capacitação, emprego e renda no município, podemos nos transformar num polo educacional (temos um campus da UFMA, faculdades particulares como a FAP, futuramente IFET e Senai), podemos inserir nossa região na rota turística com a construção das estradas para Barreirinhas e Aldeias Altas.

Enquanto isso a eleição se aproxima com candidatos discutindo questões pessoais, propriedades de suas famílias, acusações vazias e absolutamente nenhuma proposta concreta.


Mobilizemo-nos 

O filósofo Jean Paul Sartre, na sua mais conhecida frase diz: "Não importa o que fizeram com você. O que importa é o que você faz como aquilo que fizeram com você". Ou seja, não somos apenas sujeitos passivos, mas, necessariamente, ativos no processo político. Assim, reafirmo, não existe "classe política". A política é de todos nós, queiramos ou não.

Já no artigo 1º da Constituição está dito: "O poder emana do povo". E quando o povo se dá conta disso e se mobiliza para que os seus direitos sejam respeitados, não há poder econômico ou truculência que o segure. Mas quando se dá mais atenção à novela das 8 ou à rodada do campeonato de futebol do que aos acontecimentos públicos, o poder se concentra nas mãos de poucos, aqueles que convencionou-se chamar de classe política e que não passam de uma minoria que mantêm em suas mãos, emprestado, o poder que é de todos.

O maior desafio que temos, portanto, não é escolher entre os que sempre governaram, mas conscientizar o povo e nos mobilizar para fazermos as mudanças necessárias.



"O problema de quem não gosta de política, é que é sempre governado por quem gosta"

(Lula)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PACIENTES E PROFISSIONAIS DA SAÚDE RELATAM COLAPSO NA UPA DE CHAPADINHA

Os últimos dias têm sido de exaustão para quem está trabalhando na linha de frente do combate à Covid em Chapadinha. Profissionais da UPA relatam que a unidade entrou em colapso, os leitos estão lotados, pacientes aguardando nos corredores e os funcionários se sentindo impotentes diante o quadro. “Imagina o que é você se doar, prestar um serviço, ver gente morrendo todo dia e as pessoas continuarem suas vidas aglomerando”, desabafou um deles em rede social. Com quadro reduzido de funcionários, os servidores buscam fazer o que é possível, mas as dificuldades estão aumentando num grau insuportável. Enquanto isso pipocam nas redes sociais fotos e vídeos de pacientes e acompanhantes denunciando os problemas que estão enfrentando, principalmente com falta de médicos para atender a demanda crescente. A escala publicada pela Prefeitura mostra o quanto tem sido exigido dos profissionais. Apenas um médico por dia, sendo ora Dr. Kingsley Ifly, que na mesma data atende no HAPA , ora o Dr. Felipe

DE CORPO PRESENTE: FLÁVIO DINO REBATE BELEZINHA SOBRE INVESTIMENTO EM SAÚDE E AINDA QUER ASSUMIR A UPA

Durante cerimônia de inauguração de asfalto aplicado no município com emendas da deputada Dra. Thaiza, o governador Flávio Dino respondeu os ataques que a prefeita Belezinha fez contra ele no início da semana. A gestora havia afirmado em pronunciamento oficial que ainda não teve ajuda do governo do estado para cuidar da Saúde em Chapadinha nos seus primeiros meses de administração. Relembre: No seu discurso, a deputada Thaiza já havia criticado a gestão municipal por Chapadinha ter tido o maior número de óbitos por Covid no estado, mas Belezinha tentou evitar polêmica. Tigrona na internet, ela virou tchuchuca na frente do governador falando até em parcerias do estado com o município através do vice-governador Carlos Brandão. Veja: Flávio Dino estranhou a diferença de comportamento do mundo virtual para o mundo real. “Há pessoas que se transformam na internet. Elas na nossa frente são pessoas de bom senso, mas quando chegam na internet se transformam e se danam a mentir”: Mais a

2022: NOVOS E ANTIGOS NOMES ARTICULAM CANDIDATURAS À ASSEMBLEIA LEGISLATIVA EM CHAPADINHA E REGIÃO

Políticos e jornalistas só pensam naquilo: a próxima eleição. Os mandatos dos prefeitos eleitos no ano passado mal começaram e os grupos políticos já se preparam para medir forças na disputa pelas cadeiras dos deputados estaduais do Maranhão. Vejamos a situação dos principais nomes olhando a briga: Aluizio Santos : O articulador político do governo municipal não esconde sua pretensão e usa a mini-prefeitura instalada no antigo comitê de Belezinha para preparar sua pré-candidatura. Principal liderança do PL na região, Aluizio conta com a simpatia do deputado federal Josimar de Maranhãozinho e, segundo seus aliados, de 80% do grupo da prefeita. Projeta-se que ele partiria, em Chapadinha, dos 12.400 votos que Belezinha teve em 2018. Karoll Pontes : Carismática, a primeira-filha também é cogitada para a disputa. Teria quase todas as vantagens de Aluizio, além da simpatia do eleitor evangélico e uma relação inquebrantável com a mãe prefeita. Filiada ao antigo PRB, é mais próxima ao vice