Pular para o conteúdo principal

Disputar a política para fazê-la avançar

O que fazer com Chapadinha?


"Como é meu desejo escrever coisa útil para os que tiverem interesse, mais conveniente me pareceu buscar a verdade pelo fito das coisas, do que por aquilo que delas se venha supor"

(Maquiavel, em "O Príncipe")



O texto "A disputa política (em Chapadinha)", mesmo sendo mais conceitual do que opinativo, causou tanta polêmica que me instigou a aprofundar o debate. A maioria das polêmicas, diga-se, não está no texto, mas nas interpretações que cada um deu ao que escrevi. 

Defesa de alianças políticas foi entendido como apologia à corrupção. Questionamento sobre a falta de projetos políticos para o nosso município por parte de todos os pré-candidatos a prefeitos foi entendido como acomodação. A afirmação de que hoje não há condições objetivas para vencer a eleição majoritária municipal sem o apoio de pelo menos uma das duas maiores lideranças políticas do município  foi entendido como defesa de que está tudo bom demais. 

Porém, de todas as polêmicas, uma é verdadeira. Como afirmou o Dr. Ernani Maia, o texto é maquiavélico. Assim como Nicolas Maquiavel, na sua principal obra, "O Príncipe", não escrevi sobre como as coisas deveriam acontecer, mas como eles acontecem. 

Maquiavelicamente, meu texto expõe verdades que, mesmo incômodas, não deixam de serem verdades. Não negarei o óbvio, meus caros. Os agentes da disputa política podem se esgoelar com seus discursos indignados, com falso moralismo, com suas mais simples obrigações sendo expostas como grandes méritos ou tentando se mostrar como diferente de "tudo isso que está aí" (discurso que garantiu a eleição de Collor de 89), mas por trás de tudo isso o que há é a mesma disputa de poder de sempre. O que questiono, tautologicamente, é: o que se pretende fazer com este poder.

Chapadinha é a cidade pólo do Baixo Parnaíba, região que concentra a maior quantidade de pobres no Maranhão, estado com o maior índice de miséria no desigual Brasil. Nossos desafios são de tal ordem que será necessário mais do que asfalto ou discurso moralista para vencê-los.

Além dos desafios, temos potencialidades que saltam aos olhos. Nossa imensa zona rural pode fazer de nós referência em produção agrícola, os investimentos da Suzano gerarão capacitação, emprego e renda no município, podemos nos transformar num polo educacional (temos um campus da UFMA, faculdades particulares como a FAP, futuramente IFET e Senai), podemos inserir nossa região na rota turística com a construção das estradas para Barreirinhas e Aldeias Altas.

Enquanto isso a eleição se aproxima com candidatos discutindo questões pessoais, propriedades de suas famílias, acusações vazias e absolutamente nenhuma proposta concreta.


Mobilizemo-nos 

O filósofo Jean Paul Sartre, na sua mais conhecida frase diz: "Não importa o que fizeram com você. O que importa é o que você faz como aquilo que fizeram com você". Ou seja, não somos apenas sujeitos passivos, mas, necessariamente, ativos no processo político. Assim, reafirmo, não existe "classe política". A política é de todos nós, queiramos ou não.

Já no artigo 1º da Constituição está dito: "O poder emana do povo". E quando o povo se dá conta disso e se mobiliza para que os seus direitos sejam respeitados, não há poder econômico ou truculência que o segure. Mas quando se dá mais atenção à novela das 8 ou à rodada do campeonato de futebol do que aos acontecimentos públicos, o poder se concentra nas mãos de poucos, aqueles que convencionou-se chamar de classe política e que não passam de uma minoria que mantêm em suas mãos, emprestado, o poder que é de todos.

O maior desafio que temos, portanto, não é escolher entre os que sempre governaram, mas conscientizar o povo e nos mobilizar para fazermos as mudanças necessárias.



"O problema de quem não gosta de política, é que é sempre governado por quem gosta"

(Lula)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que não te disseram sobre a "farra dos contracheques"

Enquanto a gritaria tomava conta das redes sociais, me dediquei a estudar a folha de pagamento da Prefeitura de Chapadinha e verifiquei alguns dados que precisam ser esclarecidos.
Primeiro, nenhum vigia “recebe” R$ 6 mil. O presente do indicativo é usado para demonstrar ação continuada. E o vigia Marcelo Costa Abreu, segundo este mesmo Portal da Transparência que serve de fonte para pinçar informações pela metade e causar alvoroço, tem um salário de R$ 1.247,50. Nos meses de Setembro e Outubro ele recebeu gratificações para compensar outros serviços que ele teria prestado à administração municipal, segundo relato dele mesmo em áudio que circula nos grupos de WhatsApp.
A realização destes trabalhos deve ser atestada, mas essa checagem desmonta a tese segunda qual ele receberia um grande salário para dividir com um ex-prefeito e um vereador.
Outro dado que tem aparecido de maneira muito distorcida é a lotação de todos os servidores como funcionários do gabinete do prefeito. Na verdade…

PRIMEIRA CHAPA CONFIRMADA: HIGOR E MARCELO MARINHEIRO

Nem o isolamento social imposto pela pandemia de Covid-19 freou as articulações políticas. Respeitando as restrições e orientações da Organização Mundial da Saúde, o empresário Higor da Universidade Infantil e o vereador Marcelo Marinheiro se encontraram na manhã desta segunda-feira (30) e definiram que formarão chapa visando as pré-candidaturas a prefeito e vice-prefeito de Chapadinha nas eleições de 2020.
Em contato com o Blog do Braga, a dupla afirmou que já vinha conversando nas últimas semanas e que tomaram a decisão após análise das últimas pesquisas de intenção de voto, que indicariam a viabilidade da composição.
Em meio às incertezas jurídicas de outros concorrentes, Chapadinha ganha a primeira chapa 100% definida e ficha-limpa para as próximas eleições. Após o término do período de isolamento social proposto pela OMS os pré-candidatos informarão o calendário de eventos destinados à propagação das suas plataformas políticas.
“Por enquanto, nos cabe apenas desejar a todos mui…

Uma decisão que não se sustenta

Há tempos o município dava sinais de que conseguiria manter o calendário de pagamento dos servidores públicos de acordo com a promessa de campanha do prefeito Magno Bacelar, com 10 dias dentro do mês trabalho. Ontem a Prefeitura anunciou que todos os servidores receberão no limite previsto em lei e as reações foram instantâneas.
Até a aliada presidente da Câmara, professora Vera, já se pronunciou duramente repudiando a decisão do prefeito. “Não vejo justificativa para a medida da Prefeitura de transferir os pagamentos para o 5º dia útil do mês subsequente”, declarou em redes sociais.
Apesar de não haver ilegalidade no anúncio, algumas considerações precisam ser feitas. A primeira, e mais importante neste momento de pandemia, é que nunca foi tão necessário escalonar o pagamento. Para evitar aglomerações ainda maiores nas agências bancárias, os servidores de diferentes órgãos deveriam receber em dias alternados.
Em segundo lugar, a crise econômica agravada pela pandemia de Covid-19 po…