Pular para o conteúdo principal

A disputa política (em Chapadinha)


Apesar do discurso fácil que coloca todos os problemas do mundo como culpa dos "políticos", como se houvesse uma classe de seres humanos separada do resto e a atividade política fosse exclusividade dela, é necessário analisarmos as questões de forma mais profunda para não acabarmos fazendo coro com as bravatas de quem se utiliza deste expediente para fazer prevalecer seus interesses, geralmente, nada republicanos.

A política não é suja, nem limpa. Ela é um instrumento que pode ser utilizada da forma que bem entender quem tiver o poder. Daí a importância da legítima disputa democrática de poder. E ao chegar a esta conclusão podemos dividir as questões centrais da disputa política em duas. Como alcançar o poder e para que alcançá-lo. 

Na democracia quem governa é a maioria. Ou seja, quem quiser obter o poder político que componha um grupo capaz de aglutinar mais da metade da sociedade em questão. E num país cuja principal marca é a diversidade, é praticamente impossível chegar a este patamar sem acumular contradições. Pense, caro leitor, nas suas convicções pessoais e políticas e imagine a formação de um grupo grande o suficiente para ter o apoio de mais da metade da sociedade e que concorde com todas essas suas convicções. Duvido.

Todavia, as contradições inerentes à disputa política não devem impedir a atuação se houver um propósito. Para vencer as eleições em 2002, o presidente Lula teve de se aliar a setores antes distantes. Sim, Lula, ex-líder sindicalista, escolheu um empresário, José Alencar, para o posto de vice na sua chapa, mesmo este tendo sido vaiado na convenção nacional do PT pela ala radical do partido. Sim, Lula contou com o apoio de Sarney e companhia, mesmo sendo adversários históricos. Tudo como parte da tática para vencer as eleições e aplicar no governo federal o modo petista de governar. O resultado está aí: um país em franco desenvolvimento econômico, com mais de 12 milhões de empregos formais gerados em 8 anos, com cerca de 30 milhões de brasileiros deixando a condição de miséria e um Estado respeitado em todo o mundo.


Não é que os fins justificam os meios, é que há de haver algum fim

Em Chapadinha a disputa eleitoral de aproxima sem ninguém dizer o que pretende fazer com o poder em mãos. O governo fala em continuidade após 12 anos no poder, a oposição se posa de indignada utilizando-se das mesmas práticas que diz condenar e uma terceira via, pelo que já disse no terceiro parágrafo, me parece hoje despropositada. 

É pra continuar o que? Mais importante, é pra mudar o que? Pra onde? Disputar por disputar, alcançar o poder pelo poder, votar por votar? Assim o povo acaba dando outra razão pelo seu voto e os candidatos ainda reclamarão dos eleitores.

Se querem enganar, que o façam direito. E não apenas se encondam atrás do discurso moralista que se encaixa na boca de qualquer Demóstenes. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DE NOVO: BELEZINHA TENTA COMPRAR CANDIDATO A VEREADOR E É DENUNCIADA À POLÍCIA

Dinheiro entregue à Polícia Festejada nas redes sociais pela ex-prefeita Belezinha e seus partidários, a adesão do candidato a vereador Lucídio se revelou mais um escândalo que abuso de poder econômico. Anúncio de adesão pela manhã Horas depois do anúncio, Lucídio registrou Boletim de Ocorrência acusando a coligação adversária de lhe ter entregado R$ 5 mil para ele se deixar fotografar ao lado da candidata e apoiá-la. Ao registrar o BO, o candidato apresentou aos policiais o valor que lhe foi entregue, e áudios das conversas entre ele e intermediários da ex-prefeita. Num deles o conhecimento da candidata sobre as negociações é confirmado. A versão foi confirmada por uma testemunha que presenciou a entrega do dinheiro. Após perícias as provas deverão ser encaminhadas para o Ministério Público Eleitoral e nova denúncia de abuso de poder econômico deve ser apresentada contra a candidata. Denúncia feita à tarde Belezinha responde no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ação semelhante p

PACIENTES E PROFISSIONAIS DA SAÚDE RELATAM COLAPSO NA UPA DE CHAPADINHA

Os últimos dias têm sido de exaustão para quem está trabalhando na linha de frente do combate à Covid em Chapadinha. Profissionais da UPA relatam que a unidade entrou em colapso, os leitos estão lotados, pacientes aguardando nos corredores e os funcionários se sentindo impotentes diante o quadro. “Imagina o que é você se doar, prestar um serviço, ver gente morrendo todo dia e as pessoas continuarem suas vidas aglomerando”, desabafou um deles em rede social. Com quadro reduzido de funcionários, os servidores buscam fazer o que é possível, mas as dificuldades estão aumentando num grau insuportável. Enquanto isso pipocam nas redes sociais fotos e vídeos de pacientes e acompanhantes denunciando os problemas que estão enfrentando, principalmente com falta de médicos para atender a demanda crescente. A escala publicada pela Prefeitura mostra o quanto tem sido exigido dos profissionais. Apenas um médico por dia, sendo ora Dr. Kingsley Ifly, que na mesma data atende no HAPA , ora o Dr. Felipe

EXPOSTA A MÁQUINA DE COMPRA DE APOIOS DE BELEZINHA

Quem dizia que já estava com a eleição decidida abriu a carteira para tentar vencer na força do dinheiro.  O Blog do Alexandre Pinheiro publicou uma séria de mensagens e áudios envolvendo personagens da campanha da ex-prefeita Belezinha que explicam as últimas declarações de apoio à candidata. Leia aqui a matéria. Só sorrisos Denunciada à Polícia por ter tentado comprar o apoio do candidato a vereador Lucídio Santos por R$ 5 mil, Belezinha tem alegado ter sido alvo de uma armação, mas os diálogos expostos agora comprovam que a iniciativa de negociar com ele partiu de um dos seus partidários presente na foto que anunciava a adesão de Lucídio. (Áudios no final deste texto) Nos áudios o candidato chega a descartar a possibilidade de acordo (vídeo 1), mas o articulador Aluízio Santos insiste em conversar pessoalmente e noutro momento Lucídio aparece agradecendo a Shicleiton Sousa (vídeo 2) pelos R$ 5 mil posteriormente entregues à Polícia. Sem imagens e com áudio de pouca qualidade,