Pular para o conteúdo principal

A dupla personalidade mora do lado de lá

Metade apóia por causa do Isaías, outra metade
porque jura que ela não tem nada a ver com ele
Se a provocação viesse do que mora em Santa Inês, do que mora no Mato Grosso, do que mora em Presidente Dutra ou do peba enrustido que mora em Vargem Grande, eu não cairia nela, mas como quem está me chamando pra discussão é o líder da manifestação da tenda, aceito o desafio em nome do bom debate. 

Não penso em mudar a opinião de quem se cega pela paixão política ou coisa do gênero, mas o bom debate favorece a democracia e é preciso que não se deixe as distorções históricas prevalecerem. Porém, antes de contar as coisas como elas aconteceram, me cabe um repúdio. 

Ao usar a palavra "adolescente" como pejorativa para atacar um adversário político, o líder da manifestação dos seis aumenta minha convicção, como militante dos movimentos de juventude, que o meu lugar é no PT. E só um partido como o PT, que defende a participação ativa, crítica e mobilizada da juventude no processo político, poderia ter indicado para comandar a Secretaria Municipal de Assistência Social um quadro em tão tenra idade. Os critérios para indicações políticas no PTB devem ser, digamos, mais familiares.

Voltando aos fatos que tentaram distorcer, vamos recapitular como as coisas aconteceram (e não como eu acho que aconteceram e mesmo não tendo certeza vou publicar de qualquer jeito porque convém ao meu grupo político). Ao voltar para Chapadinha, escrevi e publiquei neste Blogue o texto "Quebrando a polarização" (clique aqui e leia) em novembro do ano retrasado. Expliquei ali porque acreditava que era possível criar uma candidatura alternativa aos dois grupos dominantes da política chapadinhense. 

Havia (e ainda há, para aqueles que ainda acreditam nesta possibilidade) um problema. Não existia uma liderança natural para personificar este projeto e o PT deveria buscá-la. Assim, vários dos que então se colocavam como pré-candidatos foram procurados e sondados, entre eles a empresária Dulcilene Pontes. Não foi outra pessoa, senão este que aqui escreve quem lhe perguntou se ela toparia liderar uma candidatura alternativa aos dois grupos dominantes. A resposta dela foi clara. "Não, quem está me colocando como pré-candidata é o Isaías", disse-nos. E discorreu os cargos que deveriam ser ocupados por indicações do líder num possível governo dela. Perguntem a ela, sei que não desmentirá a história como aconteceu.


Cientes de que não seria possível "quebrar a polarização", e mostrando maturidade política, decidimos fazer alianças e o diálogo com o governo foi o que melhor prosperou. Impomos pré-condições, como o aumento dos recursos do Fundo Municipal da Infância e Adolescência (FIA), a criação da agênia do Sine (Sistema Nacional de Emprego) e fecharmos o acordo. Só o tempo dirá se fizemos a melhor escolha política. Até aqui estou convicto de que foi o melhor caminho para nos fortalecermos a ponto de merecermos tanta atenção e incomodarmos tanto quem não está conosco.



Surgiu a liderança e não é a Belezinha


Minha cara pra quem estava no palanque
 do Isaías em 2008 e agora "defende" Dulcilene
 dizendo que não é ele que vai governar

Não há nada de errado naqueles que apoiam a pré-candidatura de Dulcilene, longe disso. Ambíguo é quem defende a candidatura dela falando em novidade. Como a ex-candidata a deputada estadual Isamara Menezes afirmou no facebook, ela tem grande experiência nos bastidores da política (o que não tem nada a ver com o enriquecimento dela, seus maldosos) e é liderada pelo ex-prefeito Isaías Fortes. O potencial eleitoral do ex-prefeito todo mundo sabe que é enorme, mas o pacote vem completo. Além do votos, sua liderança trás a rejeição dos que não querem que ele volte ao poder.


A única possibilidade de novidade neste eleição tem nome e sobrenome: Doracy Reis. A ex-promotora se aposentou da carreira no Ministério Público e coloca seu nome a disposição dos que ainda pensam em quebrar a polarização. Se conseguir se viabilizar, mudar todo o xadrez político e na divisão dos adversário pode lograr êxito. 

Doracy pode ser a liderança natural que faltava quando o PT decidiu pela aliança ao governo.



Azul e vermelho da rebater as inverdades

O PT que era ferrenho opositor da atual administração


E ferrenho opositor da administração do grupo anterior, mas se estivesse decidido se aliar com eles seriam alvo de palmas.




Dizem que Chapadinha não vai bem mas que existem cidades piores. Que argumentação tola 


Tática velha de escolher a argumentação do adversário. Nunca vi ninguém do PT dizer isso. Chapadinha melhorou muito depois da posse do hoje deputado estadual Magno Bacelar. Quem inventou a estranha tese de que Chapadinha melhorou porque todo lugar melhora mesmo foi o peba enrustido, mesmo havendo tantos exemplos em municípios vizinhos que o desmentem.




Vangloriam-se de programas federais que na realidade existem em todas as cidades de todo o país.


Programa de qual governo federal? Qual? De qual partido? Ah tá.



Esse PT mais responsável e adulto quer lançar uma candidatura própria de terceira via para conseguir destronar Danúbia e Magno


Ou pra evitar a volta do grupo político anterior?


Foto: Reprodução da Internet

Comentários

Neldan de Araujo Oliveira disse…
Na verdade, sua sabedoria foi tremenda ao escrever essa resposta.
Ninguém joga pedra em quem está morto.
Parabens para o PT, ou seja, todo partido, que hoje, provoca ciumes por fazer um bom trabalho. Fazer com competencia, com amor e que consegue receber elogios do povo.

Parabéns para nós.

Postagens mais visitadas deste blog

DE NOVO: BELEZINHA TENTA COMPRAR CANDIDATO A VEREADOR E É DENUNCIADA À POLÍCIA

Dinheiro entregue à Polícia Festejada nas redes sociais pela ex-prefeita Belezinha e seus partidários, a adesão do candidato a vereador Lucídio se revelou mais um escândalo que abuso de poder econômico. Anúncio de adesão pela manhã Horas depois do anúncio, Lucídio registrou Boletim de Ocorrência acusando a coligação adversária de lhe ter entregado R$ 5 mil para ele se deixar fotografar ao lado da candidata e apoiá-la. Ao registrar o BO, o candidato apresentou aos policiais o valor que lhe foi entregue, e áudios das conversas entre ele e intermediários da ex-prefeita. Num deles o conhecimento da candidata sobre as negociações é confirmado. A versão foi confirmada por uma testemunha que presenciou a entrega do dinheiro. Após perícias as provas deverão ser encaminhadas para o Ministério Público Eleitoral e nova denúncia de abuso de poder econômico deve ser apresentada contra a candidata. Denúncia feita à tarde Belezinha responde no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ação semelhante p

EM PRIMEIRA MÃO: EX-PREFEITA PERDE O MANDATO DE DEPUTADA

Durou pouco a passagem da ex-prefeita Ducilene Belezinha (PL) na Assembleia Legislativa do Maranhão. Ela havia sido empossada no cargo de deputada estadual no mês passado devendo favor ao deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL) que determinou que a esposa, Detinha (PL), saísse de licença. Ocorre que Belezinha foi apenas a quinta suplente da coligação, e sua a posse dependeu do falecimento de um deputado e a nomeação de três parlamentares no secretariado do governador Flávio Dino, mas um deles voltou ontem (6) para o legislativo, aliás, uma secretária: Ana do Gás (PCdoB). Parlamentar com votação expressiva em Chapadinha na eleição de 2014, quando teve o apoio do hoje prefeito Magno Bacelar, a comunista ocupava a Secretaria de Estado da Mulher, mas decidiu reassumir o mandato de deputada levando a ex-prefeita de volta à condição de suplente. Festejado com carreata organizada por seus apoiadores com pouquíssima participação popular, o mandato de Belezinha na Assembleia durou 13 dia

ORINALDO ANUNCIA ROMPIMENTO COM MAGNO E APOIO A HIGOR ALMEIDA

O ex-vereador Orinaldo Araújo, esposo da vereadora Missecley, gravou hoje mensagem para anunciar seu desligamento do grupo político do prefeito Magno Bacelar. Ao lado de três dos seus quatro filhos Orinaldo afirmou que ainda não conversou com o Higor Almeida, mas apoiará sua candidatura. “É o que candidato que representa realmente aquilo que a gente pensa, aquilo que a gente quer pro nosso município”, afirmou. Havia chamado a atenção do meio político as ausências de Orinaldo e Missecley do primeiro comício de campanha do prefeito, realizado no bairro em que eles moram e têm forte base eleitoral. A insegurança jurídica da candidatura do prefeito e o forte desgaste apresentado nas pesquisas de opinião devem gerar novas adesões nos próximos dias.