Pular para o conteúdo principal

O Velho e o Novo


Por: Almir Moreira – Advogado 

Vi no blog do Braga bom debate sobre aspecto da conjuntura política local, eleições do próximo ano, claro, a eleição para prefeito. Sobre conjuntura, inclusive, qualquer um pode opinar. Parece com futebol todo mundo é técnico. Contudo, se querem levar a coisa um pouco mais profundamente considerações sobre a estrutura e a superestrutura, elementos da sociedade, não podem ser desconsiderados para formulação da análise do momento histórico. Grosso modo, economia e cultura (visto aqui reduzida; valores morais, organização social, religião, política e estado) precisam entrar na conta para a análise da conjuntura. Se a abordagem não se der desta forma o idealismo campeia frouxo, e o que poderia ser uma análise forte para compreensão do momento histórico com consequente definição de uma tática para superá-lo não passará de um arremedo de boas intenções. Não basta idealizar. É preciso compreender. O idealismo é uma praga, pois foge da realidade histórica, renega-a.

O avanço da economia e da democracia dá os primeiros passos para uma melhor e maior sofisticação da cultura política no País. Nossa terra vai no embalo. Aos poucos uma nova sociedade civil vai se formando, o aprofundamento do regime de liberdades e a necessidade do capitalismo, neste estágio, exige aumento quantitativo e qualitativo do mercado, moldam uma sociedade mais exigente e vigilante, certamente. Mas tudo isso, embora alvissareiro, ainda é incipiente.  Lembrem-se, ainda tem gente e muita gente quebrando coco babaçu, fazendo roça no toco, pescando na moita, enfim, gente vivendo com os pés e a cabeça na idade quase da pedra lascada. Não esqueçam, nossa rede de organização social e política, sindicatos, partidos e associações beira o corporativismo e o assistencialismo.  

O confronto político ainda está reduzido, em grande parte - maioria absoluta -, sobretudo no norte\nordeste na existência de grupos mais ou menos iguais ideologicamente, apoiados em figuras místicas ou populares (populistas). No geral, não passam de duas bandas ou dois Partidos, ou dois grupos, como queiram. Claro, é preciso estimular a atuação de novos atores por conta dessas mudanças, mas também em muitas situações, e aqui incluo a Chapada, diante do malogro de tentativas últimas da sobrevida exclusiva de novos grupos políticos na cena eleitoral, às vezes é melhor participar da política real como aliado daquele que mais se aproxima do novo do que correr para a aventura.

 Nada mais justo a manifestação de um grupo de pessoas e até de partidos do campo democrático pela participação na próxima eleição com candidatura própria. Mas entre o ideal e o real, no geral, há um fosso de enorme profundidade, antes um mau acordo político do que uma boa intenção que não leve a lugar nenhum, e ainda possa correr riscos de atrasar cada vez mais o processo democrático e de participação do popular na nova concepção de gestão pública que vai se formando. 

Participar do pleito politicamente é a palavra da vez na conjuntura política, mas como parceiro e não como coadjuvante, há muitas formas para isto se concretizar basta criatividade e altivez quando da consumação de eventual aliança. O negócio meus amigos, é a formação destas alianças, geralmente as confundem com adesão, e aí quem não se compromissa fica a reboque de quem tem mais força.

O fato, gente, é que por estas bandas o pensamento do Padre Antonio Vieira a respeito dos talentos ainda guarda traços de verdade: “Neste mundo conturbado, quem tem muito dinheiro, por mais inepto que seja, tem talento e préstimos para tudo; quem não tem dinheiro, por mais talento que tenha, não presta para nada.” Vieira radicalizou, pensou com base na sociedade de seu tempo, mas tal pensamento guardadas as devidas proporções encaixa-se no abordado acima, os traços do atraso ideológico ainda persistem e só serão rompidos na convivência lado a lado entre o novo e o velho.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que não te disseram sobre a "farra dos contracheques"

Enquanto a gritaria tomava conta das redes sociais, me dediquei a estudar a folha de pagamento da Prefeitura de Chapadinha e verifiquei alguns dados que precisam ser esclarecidos.
Primeiro, nenhum vigia “recebe” R$ 6 mil. O presente do indicativo é usado para demonstrar ação continuada. E o vigia Marcelo Costa Abreu, segundo este mesmo Portal da Transparência que serve de fonte para pinçar informações pela metade e causar alvoroço, tem um salário de R$ 1.247,50. Nos meses de Setembro e Outubro ele recebeu gratificações para compensar outros serviços que ele teria prestado à administração municipal, segundo relato dele mesmo em áudio que circula nos grupos de WhatsApp.
A realização destes trabalhos deve ser atestada, mas essa checagem desmonta a tese segunda qual ele receberia um grande salário para dividir com um ex-prefeito e um vereador.
Outro dado que tem aparecido de maneira muito distorcida é a lotação de todos os servidores como funcionários do gabinete do prefeito. Na verdade…

PRIMEIRA CHAPA CONFIRMADA: HIGOR E MARCELO MARINHEIRO

Nem o isolamento social imposto pela pandemia de Covid-19 freou as articulações políticas. Respeitando as restrições e orientações da Organização Mundial da Saúde, o empresário Higor da Universidade Infantil e o vereador Marcelo Marinheiro se encontraram na manhã desta segunda-feira (30) e definiram que formarão chapa visando as pré-candidaturas a prefeito e vice-prefeito de Chapadinha nas eleições de 2020.
Em contato com o Blog do Braga, a dupla afirmou que já vinha conversando nas últimas semanas e que tomaram a decisão após análise das últimas pesquisas de intenção de voto, que indicariam a viabilidade da composição.
Em meio às incertezas jurídicas de outros concorrentes, Chapadinha ganha a primeira chapa 100% definida e ficha-limpa para as próximas eleições. Após o término do período de isolamento social proposto pela OMS os pré-candidatos informarão o calendário de eventos destinados à propagação das suas plataformas políticas.
“Por enquanto, nos cabe apenas desejar a todos mui…

Uma decisão que não se sustenta

Há tempos o município dava sinais de que conseguiria manter o calendário de pagamento dos servidores públicos de acordo com a promessa de campanha do prefeito Magno Bacelar, com 10 dias dentro do mês trabalho. Ontem a Prefeitura anunciou que todos os servidores receberão no limite previsto em lei e as reações foram instantâneas.
Até a aliada presidente da Câmara, professora Vera, já se pronunciou duramente repudiando a decisão do prefeito. “Não vejo justificativa para a medida da Prefeitura de transferir os pagamentos para o 5º dia útil do mês subsequente”, declarou em redes sociais.
Apesar de não haver ilegalidade no anúncio, algumas considerações precisam ser feitas. A primeira, e mais importante neste momento de pandemia, é que nunca foi tão necessário escalonar o pagamento. Para evitar aglomerações ainda maiores nas agências bancárias, os servidores de diferentes órgãos deveriam receber em dias alternados.
Em segundo lugar, a crise econômica agravada pela pandemia de Covid-19 po…