Pular para o conteúdo principal

A tragédia e o vale-tudo

Ainda enlutado pela tragédia que vitimou os nove chapadinhenses no acidente em Vila Nova dos Martírios (MA), escrevo algumas linhas sobre o comportamento humano diante do estado de crise.

Antes, faço um testemunho. Estive na região do acidente durante a campanha eleitoral do ano passado acompanhando meu então candidato a deputado federal, Raimundo Monteiro, e quase sofremos um acidente próximo a São Pedro D'água Branca. Posso, portanto, atestar que as rodovias dali, como de quase todo o Maranhão, são perigosas e o risco é dobrado pela inoperância do poder público e pela imprudência dos condutores.

Dito isso, sigo ao tema principal do texto.

No momento em que aconteceu o acidente, na sexta-feira, estava em São Luís (MA) e recebi uma ligação da assessoria da prefeita desmarcando o compromisso que teríamos no sábado e informando que ela estava a caminho do local do acidente. Só a noite tive detalhes do ocorrido pela internet. 

A prefeita Danúbia Carneiro e a vereadora Francisca Aguiar foram pra Imperatriz e Açailândia, só com a roupa do corpo, e trabalharam agilizando o processo de liberação dos corpos, que haviam ficado horas expostos no local no acidente, no asfalto, sob sol quente. 

Além de uma ação de humanidade, Danúbia agiu de acordo com o cargo que ocupa hoje. Como autoridade máxima de Chapadinha, fez o que estava ao seu alcance para que o momento de dor dos familiares e amigos das vítimas não fosse ainda maior.

Porém, por mais incrível que pareça, há quem tente utilizar uma situação dessas como instrumentos da luta política. Com acusações de que ela teria "procurado mídia" e textos afirmando que "político só aparece quando tem tragédia, e buscando benefício próprio". 

Ora, me parece um tanto quanto óbvio que as autoridades públicas não podem se omitir nos momentos de crise, que devem estar presentes e agir com a tranquilidade e a firmeza necessária de cada momento. 

É lamentável a postura de quem ataca seu adversário indiscriminadamente ignorando até o momento de dor e luto da cidade. Por mais que seja bom fazer campanha, há momentos em que todos temos que descer do palanque e nos desarmarmos da disputa política, até porque não é crível que este tipo de postura renda lucro eleitorais. Mas mesmo se rendesse, mesmo que fosse necessário este tipo de artimanha para vencer uma eleição, melhor seria uma derrota que demonstrasse grandiosidade política e polidez moral. 


A cobertura jornalística

Se, num momento como esse, é repudiável o vale-tudo político, também não se deve utilizar de todas as armas em nome de audiência. 

Ser jornalista é tarefa difícil e noticiar um evento que ocorreu a mais de mil quilômetro com uma cidade toda ávida por qualquer informação é um verdadeira desafio, no qual a tarefa mais difícil é escolher o que publicar e o que não publicar. Infelizmente, vários dos meus diletos colegas blogueiros falharam nessa tarefa. 

Publicar fotos de pessoas mortas, com seus corpos em estado de decomposição, vídeos de pessoas dilaceradas e agonizando sem socorro é desrespeito aos falecidos e ao direito de privacidade.

Se a única meta for a audiência ou, poderá defender outro, "dar ao público aquilo que ele quer ver", pois bem, mas para uma convivência civilizada é necessário o respeito ao próximo e aos direitos individuais, incluído aí o direito a privacidade, com o agravante dos indivíduos estarem em circunstância de máxima vulnerabilidade. 

Num contexto onde não é mais necessário o diploma para exercer o jornalismo, qualquer pessoa pode criar o seu espaço virtual para divulgar o que bem entender e não há regulamentação da mídia, precisamos refletir melhor sobre o papel, a importância e a responsabilidade dos jornalistas e/ou blogueiros.

Comentários

blog do foguinho disse…
parabens seu texto é a pura realidae
Ranierik Galvão disse…
Concordo com td que vc falou.
Anônimo disse…
concordo com vc em alguns aspecetoos, mas regulamentar a imprensa (jornalista, blogueiro e etc,) é censurar. Não existe democracia sem imprensa livre.

Postagens mais visitadas deste blog

DE NOVO: BELEZINHA TENTA COMPRAR CANDIDATO A VEREADOR E É DENUNCIADA À POLÍCIA

Dinheiro entregue à Polícia Festejada nas redes sociais pela ex-prefeita Belezinha e seus partidários, a adesão do candidato a vereador Lucídio se revelou mais um escândalo que abuso de poder econômico. Anúncio de adesão pela manhã Horas depois do anúncio, Lucídio registrou Boletim de Ocorrência acusando a coligação adversária de lhe ter entregado R$ 5 mil para ele se deixar fotografar ao lado da candidata e apoiá-la. Ao registrar o BO, o candidato apresentou aos policiais o valor que lhe foi entregue, e áudios das conversas entre ele e intermediários da ex-prefeita. Num deles o conhecimento da candidata sobre as negociações é confirmado. A versão foi confirmada por uma testemunha que presenciou a entrega do dinheiro. Após perícias as provas deverão ser encaminhadas para o Ministério Público Eleitoral e nova denúncia de abuso de poder econômico deve ser apresentada contra a candidata. Denúncia feita à tarde Belezinha responde no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ação semelhante p

O que não te disseram sobre a "farra dos contracheques"

Enquanto a gritaria tomava conta das redes sociais, me dediquei a estudar a folha de pagamento da Prefeitura de Chapadinha e verifiquei alguns dados que precisam ser esclarecidos. Primeiro, nenhum vigia “recebe” R$ 6 mil. O presente do indicativo é usado para demonstrar ação continuada. E o vigia Marcelo Costa Abreu, segundo este mesmo Portal da Transparência que serve de fonte para pinçar informações pela metade e causar alvoroço, tem um salário de R$ 1.247,50. Nos meses de Setembro e Outubro ele recebeu gratificações para compensar outros serviços que ele teria prestado à administração municipal, segundo relato dele mesmo em áudio que circula nos grupos de WhatsApp. A tese de "rachadinha" cai por terra A realização destes trabalhos deve ser atestada, mas essa checagem desmonta a tese segunda qual ele receberia um grande salário para dividir com um ex-prefeito e um vereador. Outro dado que tem aparecido de maneira muito distorcida é a lotação de todos os

EM PRIMEIRA MÃO: EX-PREFEITA PERDE O MANDATO DE DEPUTADA

Durou pouco a passagem da ex-prefeita Ducilene Belezinha (PL) na Assembleia Legislativa do Maranhão. Ela havia sido empossada no cargo de deputada estadual no mês passado devendo favor ao deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL) que determinou que a esposa, Detinha (PL), saísse de licença. Ocorre que Belezinha foi apenas a quinta suplente da coligação, e sua a posse dependeu do falecimento de um deputado e a nomeação de três parlamentares no secretariado do governador Flávio Dino, mas um deles voltou ontem (6) para o legislativo, aliás, uma secretária: Ana do Gás (PCdoB). Parlamentar com votação expressiva em Chapadinha na eleição de 2014, quando teve o apoio do hoje prefeito Magno Bacelar, a comunista ocupava a Secretaria de Estado da Mulher, mas decidiu reassumir o mandato de deputada levando a ex-prefeita de volta à condição de suplente. Festejado com carreata organizada por seus apoiadores com pouquíssima participação popular, o mandato de Belezinha na Assembleia durou 13 dia