Pular para o conteúdo principal

Avanços em prol da Reforma Política



As iniciativas do PT do ex-presidente Lula são a prova mais evidente de que continuamos quase como a única força política realmente interessada na luta pela reforma política, fonte principal da corrupção no país. Agora que Lula se reuniu com os partidos aliados - PC do B, PSB e PDT - para acertar um projeto mínimo de reforma política viável e com condições de ser aprovado na Câmara dos Deputados, é possível dizer que avançamos.

As medidas em pauta nesta última reunião não exigem emenda constitucional e quórum qualificado. As principais propostas acordadas dizem respeito ao financiamento público e o voto misto em lista e nominal. Houve progressos, ainda, em outras importantes propostas. As quatro bancadas – PT, PC do B, PSB e PDT – acertaram que irão defendê-las no Congresso.

Também houve consenso sobre a defesa da redução do mandato de senador para 4 anos (a partir de 2018) e a idade mínima de 35 para 30 anos. No caso do mandato de deputados, a  redução acordada permitiria que assumissem seus cargos aos 18 anos. Ficou decidido, também, a defesa pela mudança da data das posses (para 5, 10 e 15 de janeiro) e que cada senador tenha apenas um suplente. O critério aprovado seria indicar o candidato a deputado mais votado do mesmo partido e Estado do senador.
Fim das coligações proporcionais

Outros pontos comuns são a defesa do fim das coligações em 2016 - uma aberração bem brasileira - e do aumento da participação popular. Nesse sentido, os partidos querem a redução da exigência de coleta de assinaturas de 1 milhão para 500 mil. "Não é simples construir consensos, mas acho que avançamos", afirmou Eduardo Campos, governador de Pernambuco e presidente do PSB.

"Houve muitos consensos entre nós, o principal deles é o financiamento público exclusivo de campanha, que é a melhor maneira de combater a corrupção", acrescentou Rui Falcão, deputado estadual em São Paulo e presidente nacional do PT.

Chama a atenção a baixa divulgação da mídia, que parece não se interessar pelo tema, a não ser para defender o voto distrital, fazendo campanha, como o faz abertamente a revista Veja.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que não te disseram sobre a "farra dos contracheques"

Enquanto a gritaria tomava conta das redes sociais, me dediquei a estudar a folha de pagamento da Prefeitura de Chapadinha e verifiquei alguns dados que precisam ser esclarecidos.
Primeiro, nenhum vigia “recebe” R$ 6 mil. O presente do indicativo é usado para demonstrar ação continuada. E o vigia Marcelo Costa Abreu, segundo este mesmo Portal da Transparência que serve de fonte para pinçar informações pela metade e causar alvoroço, tem um salário de R$ 1.247,50. Nos meses de Setembro e Outubro ele recebeu gratificações para compensar outros serviços que ele teria prestado à administração municipal, segundo relato dele mesmo em áudio que circula nos grupos de WhatsApp.
A realização destes trabalhos deve ser atestada, mas essa checagem desmonta a tese segunda qual ele receberia um grande salário para dividir com um ex-prefeito e um vereador.
Outro dado que tem aparecido de maneira muito distorcida é a lotação de todos os servidores como funcionários do gabinete do prefeito. Na verdade…

PRIMEIRA CHAPA CONFIRMADA: HIGOR E MARCELO MARINHEIRO

Nem o isolamento social imposto pela pandemia de Covid-19 freou as articulações políticas. Respeitando as restrições e orientações da Organização Mundial da Saúde, o empresário Higor da Universidade Infantil e o vereador Marcelo Marinheiro se encontraram na manhã desta segunda-feira (30) e definiram que formarão chapa visando as pré-candidaturas a prefeito e vice-prefeito de Chapadinha nas eleições de 2020.
Em contato com o Blog do Braga, a dupla afirmou que já vinha conversando nas últimas semanas e que tomaram a decisão após análise das últimas pesquisas de intenção de voto, que indicariam a viabilidade da composição.
Em meio às incertezas jurídicas de outros concorrentes, Chapadinha ganha a primeira chapa 100% definida e ficha-limpa para as próximas eleições. Após o término do período de isolamento social proposto pela OMS os pré-candidatos informarão o calendário de eventos destinados à propagação das suas plataformas políticas.
“Por enquanto, nos cabe apenas desejar a todos mui…

Uma decisão que não se sustenta

Há tempos o município dava sinais de que conseguiria manter o calendário de pagamento dos servidores públicos de acordo com a promessa de campanha do prefeito Magno Bacelar, com 10 dias dentro do mês trabalho. Ontem a Prefeitura anunciou que todos os servidores receberão no limite previsto em lei e as reações foram instantâneas.
Até a aliada presidente da Câmara, professora Vera, já se pronunciou duramente repudiando a decisão do prefeito. “Não vejo justificativa para a medida da Prefeitura de transferir os pagamentos para o 5º dia útil do mês subsequente”, declarou em redes sociais.
Apesar de não haver ilegalidade no anúncio, algumas considerações precisam ser feitas. A primeira, e mais importante neste momento de pandemia, é que nunca foi tão necessário escalonar o pagamento. Para evitar aglomerações ainda maiores nas agências bancárias, os servidores de diferentes órgãos deveriam receber em dias alternados.
Em segundo lugar, a crise econômica agravada pela pandemia de Covid-19 po…