Pular para o conteúdo principal

A Criança e o Direito de Brincar

*Roberto Mauro Gurgel Rocha

O dia 31de maio além de representar o encerramento do mês dedicado à Maria, mãe de Jesus é igualmente consagrado à comemoração do direito de brincar, certamente um dos direitos humanos mais específicos da infância.

Lamentavelmente, quando se fala do brincar, associa-se a ideia somente ao lazer, ao lúdico e se secundariza a questão do aprender, um aprendizado da própria vida. Anísio Teixeira, prefaciando a obra Vida e Educação de John Dewey o célebre filósofo e educador norte americano, destacava como pontos basilares de sua obra pedagógica que “não deve haver nenhuma separação entre vida e educação. As crianças não estão, num dado momento, sendo preparadas para a vida e, em outro vivendo.”
E alertava para o fato de que “vida em condição integral e educação são o mesmo” e enfatizava que:

“a escola deve assumir a feição de uma comunidade em miniatura, ensinado em situações de comunicação de umas as outras pessoas, e de cooperação entre elas visando propósitos comuns.”

Prestando bem atenção a forma como as crianças aprendem durante a primeira infância e sobre todo o processo da vivência de suainfantil, verifica-se que o brincar tem uma dimensão educativa bem maior que os momentos da educação formal, sisuda, rotineira e, em alguns casos, até deseducadora que se observa em muitas escolas em outros níveis e modalidades da educação básica e na educação superior...

O brincar é para criança, é o momento de aprender a viver, a conviver, é a experiência livre de descobrir o mundo, sendo o momento em que aprende a interpretar sua realidade em seu nível de observação, em síntese, a ver, julgar e, em decorrência ao agir...

Muitos dirão que se está diante de uma visão exagerada e irreal da importância do brincar. Indubitavelmente, esta é a visão da quase totalidade dos que estãoinseridos no mundo dos adultos. A rotina da vida, a roda viva das responsabilidades da cidadania, levam ao cidadão comum a esquecer que ele também tem o direito ao brincar e se não utilizar o equilíbrio entre o trabalho e o se divertir, tem como consequência o estresse, a falta de ânimo e a perda de sentido do direito de viver. Deve-se reconhecer no brincar o exercício da alegria.

Mas, voltando às crianças, certamente se elas a partir de sua mais tenra idade pudessem se organizar, fazer passeatas, greves ou outras formas de reinvindicações, pediriam condições apropriadas ao exercício de seu direito de brincar, brincar alegres e felizes. Reivindicariam em seus bairros, no entorno de suas escolas, tanto na zona urbana como rural, a existência de praças, de espaços para o exercício de desportos, bibliotecas infantis, ludotecas ou brinquedotecas, enfim locais onde possam viver efetivamente e com prazer a articulação entre a vida e a educação/aprendizado. E os municípios maranhenses precisam bastante de avançar na criação desta estrutura lúdica básica para um aprender a viver feliz...

Leve-se em conta em relação ao direito ao brincar, o que estabelecem as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil, fixadas pela Resolução nº 5, do Conselho Nacional de Educação, em 17 de dezembro de 2009, que em seu Art. 8º, estabelece:

“A proposta pedagógica das instituições de Educação Infantil deve ter como objetivo, garantir à criança acesso a processos de apropriação, renovação e articulação de conhecimentos e aprendizagens de diferentes linguagens, assim como o direito à dignidade, à brincadeira,eà convivência e à interação com outras crianças.”

E no mesmo Artigo, em seu parágrafo 3º, inciso V, enfatiza como necessária a vivência de uma adequada pedagogia da infância, a importância de “prever a oferta de brinquedos e equipamentos que respeitem as características ambientais e sócio culturais da comunidade”.

É indispensável que se coloque em prática estas Diretrizes Nacionais para a Educação Infantil com seus 13 artigos, bem como, é indispensável que se definam Diretrizes Estaduais para o Maranhão e Diretrizes Municipais, em consonância com o que estabelecem a Constituição Brasileira e a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDB, quando falam em Regime de Colaboração.

Quem sabe vivenciando a educação infantil em sua essência, valorizando o brincar, dando condições à existência de diferentes espaços educativos, não se estará tomando medidas preventivas contra a violência, a falta de um saber cuidar do mundo e de seus seres vivos? Acredita-se que assim se estará trabalhando por uma educação para a paz, a favor da defesa do meio ambiente, formando seres felizes, e que trabalhem na direção da construção de um mundo novo mais justo e humano...

Viva o Dia Internacional pelo Direito de Brincar.

*Roberto Mauro Gurgel Rocha: Vice-Presidente da Organização Mundial para a Educação Pré-Escolar d Brasil, Membro do Conselho Estadual de Educação do Maranhão.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DE NOVO: BELEZINHA TENTA COMPRAR CANDIDATO A VEREADOR E É DENUNCIADA À POLÍCIA

Dinheiro entregue à Polícia Festejada nas redes sociais pela ex-prefeita Belezinha e seus partidários, a adesão do candidato a vereador Lucídio se revelou mais um escândalo que abuso de poder econômico. Anúncio de adesão pela manhã Horas depois do anúncio, Lucídio registrou Boletim de Ocorrência acusando a coligação adversária de lhe ter entregado R$ 5 mil para ele se deixar fotografar ao lado da candidata e apoiá-la. Ao registrar o BO, o candidato apresentou aos policiais o valor que lhe foi entregue, e áudios das conversas entre ele e intermediários da ex-prefeita. Num deles o conhecimento da candidata sobre as negociações é confirmado. A versão foi confirmada por uma testemunha que presenciou a entrega do dinheiro. Após perícias as provas deverão ser encaminhadas para o Ministério Público Eleitoral e nova denúncia de abuso de poder econômico deve ser apresentada contra a candidata. Denúncia feita à tarde Belezinha responde no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ação semelhante p

O que não te disseram sobre a "farra dos contracheques"

Enquanto a gritaria tomava conta das redes sociais, me dediquei a estudar a folha de pagamento da Prefeitura de Chapadinha e verifiquei alguns dados que precisam ser esclarecidos. Primeiro, nenhum vigia “recebe” R$ 6 mil. O presente do indicativo é usado para demonstrar ação continuada. E o vigia Marcelo Costa Abreu, segundo este mesmo Portal da Transparência que serve de fonte para pinçar informações pela metade e causar alvoroço, tem um salário de R$ 1.247,50. Nos meses de Setembro e Outubro ele recebeu gratificações para compensar outros serviços que ele teria prestado à administração municipal, segundo relato dele mesmo em áudio que circula nos grupos de WhatsApp. A tese de "rachadinha" cai por terra A realização destes trabalhos deve ser atestada, mas essa checagem desmonta a tese segunda qual ele receberia um grande salário para dividir com um ex-prefeito e um vereador. Outro dado que tem aparecido de maneira muito distorcida é a lotação de todos os

EM PRIMEIRA MÃO: EX-PREFEITA PERDE O MANDATO DE DEPUTADA

Durou pouco a passagem da ex-prefeita Ducilene Belezinha (PL) na Assembleia Legislativa do Maranhão. Ela havia sido empossada no cargo de deputada estadual no mês passado devendo favor ao deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL) que determinou que a esposa, Detinha (PL), saísse de licença. Ocorre que Belezinha foi apenas a quinta suplente da coligação, e sua a posse dependeu do falecimento de um deputado e a nomeação de três parlamentares no secretariado do governador Flávio Dino, mas um deles voltou ontem (6) para o legislativo, aliás, uma secretária: Ana do Gás (PCdoB). Parlamentar com votação expressiva em Chapadinha na eleição de 2014, quando teve o apoio do hoje prefeito Magno Bacelar, a comunista ocupava a Secretaria de Estado da Mulher, mas decidiu reassumir o mandato de deputada levando a ex-prefeita de volta à condição de suplente. Festejado com carreata organizada por seus apoiadores com pouquíssima participação popular, o mandato de Belezinha na Assembleia durou 13 dia