Pular para o conteúdo principal

Aprovação ao SUS é mais alta do que supomos


Vocês viram que surpreendente a pesquisa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) sobre o grau de satisfação dos usuários do SUS, com a nossa principal rede de saúde pública? Ao contrário do que todos imaginam, mais de 30% dos que o utilizam aprovam o sistema que, em muitos dos itens pesquisados conquista, por exemplo, uma aprovação semelhante à atribuída aos setores financeiros, aéreos e de telecomunicações.

Segundo o IPEA, em 2010, entre os que utilizaram o sistema público de saúde ou acompanharam algum parente que dele necessitou, cerca de 30,4% disseram que o SUS é bom ou muito bom, enquanto 27,6% o consideraram ruim ou muito ruim.

A média não é a ideal, obviamente, mas mostra claramente que a percepção catastrófica da saúde pública no Brasil está bastante equivocada, e que esta é mais uma visão dos que não precisam usar o SUS. Prova disso é que o maior índice de desaprovação ao sistema está justamente entre aqueles que não utilizaram seus serviços no último ano.

O IPEA revela que neste grupo, 34,3% afirmaram que o sistema é ruim e muito ruim, enquanto 19,2% consideraram-no bom ou muito bom. Veja o quadro abaixo:


Image



Fonte: Ipea


Considerando os que utilizaram o SUS e os que não o utilizaram, num universo de 2.773 pessoas de todos os Estados, temos o seguinte quadro: 28,9% dos entrevistados consideram o SUS muito bom ou bom; 28,5% que seus serviços são ruins ou muito ruins; e 42,6% classificaram-no como regular.

Saúde da Família, o mais alto índice de aprovação

Destaca-se nesta pesquisa, ainda, a alta avaliação conferida pelos usuários do programa Saúde da Família do governo federal - 80,7% consideram o acompanhamento feito por suas equipes bom ou muito bom.

Também é alta a avaliação da distribuição de remédios gratuitos, considerada boa por 69,6% dos que dela se utilizaram. Já as emergências e postos de saúde foram aprovados por 48% e 45% dos entrevistados respectivamente; e desaprovados (ruins ou muito ruins) por 31%.

Vale destacar que o SUS foi melhor avaliado no que se refere ao acesso gratuito dos serviços de saúde (52,7%), atendimento universal (48%) e distribuição gratuita dos medicamentos (32,8%). Já os aspectos negativos apontados são a falta de médicos (58,1%), a demora nos atendimentos nos postos de saúde ou hospitais (35,4%) e também em consultas com especialistas (33,8%).

Não deixem de conferir a íntegra da pesquisa disponível no site do IPEA.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PACIENTES E PROFISSIONAIS DA SAÚDE RELATAM COLAPSO NA UPA DE CHAPADINHA

Os últimos dias têm sido de exaustão para quem está trabalhando na linha de frente do combate à Covid em Chapadinha. Profissionais da UPA relatam que a unidade entrou em colapso, os leitos estão lotados, pacientes aguardando nos corredores e os funcionários se sentindo impotentes diante o quadro. “Imagina o que é você se doar, prestar um serviço, ver gente morrendo todo dia e as pessoas continuarem suas vidas aglomerando”, desabafou um deles em rede social. Com quadro reduzido de funcionários, os servidores buscam fazer o que é possível, mas as dificuldades estão aumentando num grau insuportável. Enquanto isso pipocam nas redes sociais fotos e vídeos de pacientes e acompanhantes denunciando os problemas que estão enfrentando, principalmente com falta de médicos para atender a demanda crescente. A escala publicada pela Prefeitura mostra o quanto tem sido exigido dos profissionais. Apenas um médico por dia, sendo ora Dr. Kingsley Ifly, que na mesma data atende no HAPA , ora o Dr. Felipe

DE CORPO PRESENTE: FLÁVIO DINO REBATE BELEZINHA SOBRE INVESTIMENTO EM SAÚDE E AINDA QUER ASSUMIR A UPA

Durante cerimônia de inauguração de asfalto aplicado no município com emendas da deputada Dra. Thaiza, o governador Flávio Dino respondeu os ataques que a prefeita Belezinha fez contra ele no início da semana. A gestora havia afirmado em pronunciamento oficial que ainda não teve ajuda do governo do estado para cuidar da Saúde em Chapadinha nos seus primeiros meses de administração. Relembre: No seu discurso, a deputada Thaiza já havia criticado a gestão municipal por Chapadinha ter tido o maior número de óbitos por Covid no estado, mas Belezinha tentou evitar polêmica. Tigrona na internet, ela virou tchuchuca na frente do governador falando até em parcerias do estado com o município através do vice-governador Carlos Brandão. Veja: Flávio Dino estranhou a diferença de comportamento do mundo virtual para o mundo real. “Há pessoas que se transformam na internet. Elas na nossa frente são pessoas de bom senso, mas quando chegam na internet se transformam e se danam a mentir”: Mais a

2022: NOVOS E ANTIGOS NOMES ARTICULAM CANDIDATURAS À ASSEMBLEIA LEGISLATIVA EM CHAPADINHA E REGIÃO

Políticos e jornalistas só pensam naquilo: a próxima eleição. Os mandatos dos prefeitos eleitos no ano passado mal começaram e os grupos políticos já se preparam para medir forças na disputa pelas cadeiras dos deputados estaduais do Maranhão. Vejamos a situação dos principais nomes olhando a briga: Aluizio Santos : O articulador político do governo municipal não esconde sua pretensão e usa a mini-prefeitura instalada no antigo comitê de Belezinha para preparar sua pré-candidatura. Principal liderança do PL na região, Aluizio conta com a simpatia do deputado federal Josimar de Maranhãozinho e, segundo seus aliados, de 80% do grupo da prefeita. Projeta-se que ele partiria, em Chapadinha, dos 12.400 votos que Belezinha teve em 2018. Karoll Pontes : Carismática, a primeira-filha também é cogitada para a disputa. Teria quase todas as vantagens de Aluizio, além da simpatia do eleitor evangélico e uma relação inquebrantável com a mãe prefeita. Filiada ao antigo PRB, é mais próxima ao vice