Pular para o conteúdo principal

Erik Marinho rebate acusações. "César Bello faz jornalismo fedorento"

Meus amigos de Chapadinha,


Nos últimos dias tenho sido vítima de uma campanha sórdida, via internet, que procura macular minha imagem perante a sociedade maranhense, principalmente perante o povo da minha terra querida, Chapadinha. Apesar de não apresentarem nenhuma prova que ateste qualquer conduta reprovável de minha parte, tive meu envolvido em um factóide relacionado a Secretaria de Educação. Também fui alvo de especulações a respeito de meu patrimônio, adquirido ao longo de vários anos de trabalho como profissional do Direito.

A princípio - e dado o caráter especulatório de tais afirmações, travestidas de matérias jornalísticas - não pensei em responder, já que o caso me parecia mais adequado ser tratado na via judicial. Mas em respeito ao povo do Maranhão e principalmente de Chapadinha, resolvi fazer alguns esclarecimentos. Creio que estes serão suficientes para dirimir eventuais dúvidas quantos aos fatos aventados. O resto será resolvido no fórum adequado: a Justiça.

De fato, recebi o jornalista Cesar Belo para uma conversa. Na ocasião, prestei todos os esclarecimentos necessários sobre os fatos que ele apontava no seu blog. Especificamente sobre minha casa ao qual ele se refere, foi adquirida no ano de 2008, mediante financiamento junto a Caixa Econômica Federal - CEF. Do mesmo modo, o veículo SW4, também financiada no ano de 2008 junto ao Banco Finasa. Apesar dos esclarecimentos, para minha surpresa e indignação, as informações foram publicadas de maneira distorcida. E mais: depois de fazer ilações a respeito da minha conduta, o jornalista disse que “havia muitas contradições”. Não apontou, porém, nenhuma dessas contradições. Apenas conclui apressadamente, como quem tem nítido interesse em prejudicar alguém, que os papéis supostamente remetidos à Procuradoria Geral do Estado - PGE “devem revelar detalhes de uma possível denúncia”.

Ora, vejam só. Mesmo admitindo não haver denuncia alguma, na ânsia de querer me atingir, o jornalista toma para si o papel de juiz ou de autoridade policial e acaba afirmando categoricamente em seu texto, não como alguém que está investigando os fatos, mas como alguém que já tem plena “consciência” do que ocorreu: “o caso com certeza é de polícia”.

Diante dessa manipulação grotesca, a primeira pergunta que me vem à mente é a seguinte: quem está por trás dessa armação? Não é difícil imaginar, uma vez que - apesar da complexidade do xadrez político – é possível perceber a movimentação dos peões e dos cavalos. Mas como não sou leviano nem faço acusações sem provas, prefiro não acusar ninguém precipitadamente.

De uma forma ou de outra, o que o senhor Cesar Belo pratica é um jornalismo fedorento. Podre na raiz, porque não tem compromisso com a verdade dos fatos, mas sim com interesses escusos. São esses que ditam as regras desse jogo sujo, baseado na manipulação e na mentira. São esses interesses que jogam abaixo o manual de “ética” jornalística e que lamentavelmente é seguido à risca pelo senhor Cesar Belo quando quer jogar seus excrementos na rede mundial de computadores. O resultado não poderia ser outro: um monte de acusações sem uma mísera prova, tendo como base simples comentários, todos eles anônimos. Enfim: pura especulação.

Como se vê, o senhor Cesar Belo não apenas participa diretamente, mas dá vazão a essa espécie de terrorismo verbal tão comum em tempos de internet. Pergunto: ao estimular esse tiroteio contra mim está o senhor praticando jornalismo sério, investigativo? É obvio que não.

No entanto, tenho minha consciência tranqüila, pois sei que nada fiz de errado ao longo da minha vida profissional e pública. Tenho plena confiança na justiça de Deus e na justiça terrena. Sei que a verdade sempre prevalecerá. Por isso agradeço a solidariedade de amigos, familiares e, principalmente, do povo de Chapadinha que eu tanto amo. Tenho absoluta certeza de que tudo será esclarecido.

Um abraço a todos!
Erik Marinho

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que não te disseram sobre a "farra dos contracheques"

Enquanto a gritaria tomava conta das redes sociais, me dediquei a estudar a folha de pagamento da Prefeitura de Chapadinha e verifiquei alguns dados que precisam ser esclarecidos.
Primeiro, nenhum vigia “recebe” R$ 6 mil. O presente do indicativo é usado para demonstrar ação continuada. E o vigia Marcelo Costa Abreu, segundo este mesmo Portal da Transparência que serve de fonte para pinçar informações pela metade e causar alvoroço, tem um salário de R$ 1.247,50. Nos meses de Setembro e Outubro ele recebeu gratificações para compensar outros serviços que ele teria prestado à administração municipal, segundo relato dele mesmo em áudio que circula nos grupos de WhatsApp.
A realização destes trabalhos deve ser atestada, mas essa checagem desmonta a tese segunda qual ele receberia um grande salário para dividir com um ex-prefeito e um vereador.
Outro dado que tem aparecido de maneira muito distorcida é a lotação de todos os servidores como funcionários do gabinete do prefeito. Na verdade…

PRIMEIRA CHAPA CONFIRMADA: HIGOR E MARCELO MARINHEIRO

Nem o isolamento social imposto pela pandemia de Covid-19 freou as articulações políticas. Respeitando as restrições e orientações da Organização Mundial da Saúde, o empresário Higor da Universidade Infantil e o vereador Marcelo Marinheiro se encontraram na manhã desta segunda-feira (30) e definiram que formarão chapa visando as pré-candidaturas a prefeito e vice-prefeito de Chapadinha nas eleições de 2020.
Em contato com o Blog do Braga, a dupla afirmou que já vinha conversando nas últimas semanas e que tomaram a decisão após análise das últimas pesquisas de intenção de voto, que indicariam a viabilidade da composição.
Em meio às incertezas jurídicas de outros concorrentes, Chapadinha ganha a primeira chapa 100% definida e ficha-limpa para as próximas eleições. Após o término do período de isolamento social proposto pela OMS os pré-candidatos informarão o calendário de eventos destinados à propagação das suas plataformas políticas.
“Por enquanto, nos cabe apenas desejar a todos mui…

Uma decisão que não se sustenta

Há tempos o município dava sinais de que conseguiria manter o calendário de pagamento dos servidores públicos de acordo com a promessa de campanha do prefeito Magno Bacelar, com 10 dias dentro do mês trabalho. Ontem a Prefeitura anunciou que todos os servidores receberão no limite previsto em lei e as reações foram instantâneas.
Até a aliada presidente da Câmara, professora Vera, já se pronunciou duramente repudiando a decisão do prefeito. “Não vejo justificativa para a medida da Prefeitura de transferir os pagamentos para o 5º dia útil do mês subsequente”, declarou em redes sociais.
Apesar de não haver ilegalidade no anúncio, algumas considerações precisam ser feitas. A primeira, e mais importante neste momento de pandemia, é que nunca foi tão necessário escalonar o pagamento. Para evitar aglomerações ainda maiores nas agências bancárias, os servidores de diferentes órgãos deveriam receber em dias alternados.
Em segundo lugar, a crise econômica agravada pela pandemia de Covid-19 po…