Pular para o conteúdo principal

A debandada anunciada

Ao se encerrar este mês de dezembro, a prefeita de Chapadinha, Danúbia Carneiro, alcançará a metade do tempo previsto para a sua administração sem ainda demonstrar nenhum grande sucesso no cargo.

Líder de um governo cuja definição mais complacente é medíocre, Danúbia apostava que as coisas mudariam de rumo com a eleição certa de seu aliado político, Magno Bacelar, a uma cadeira na Assembléia Legislativa do Estado.

Para espanto de ambos, as urnas não reservaram a Magno posto melhor do que uma segunda suplência sem vistas de assumir o cargo*.

Este cenário só me faz crer que a segunda metade do governo Danúbia será de qualidade tão pueril quanto a primeira. E aqui não estou falando de jóias, calotes ou qualquer outra questão menor. Trato aqui de serviços públicos, de cuidado com a cidade e com os cidadãos.

Não generalizo a incompetência entre os membros do governo. Creio até que há cinco ou seis peças ali presentes que mantêm o mínimo de condição intelectual da administração. O problema de Danúbia é que, avistando ao longe o triste fim deste governo, seus aliados, incluídas as peças chaves, devem deixar o barco e procurar melhor abrigo para as disputas futuras.


*Magno deve ficar de fora

A governadora convidou apenas um deputado estadual do chapão, Max Barros (DEM), para voltar a fazer parte do governo, dando assim espaço para o primeiro suplente, Tatá Milhomem (DEM) assumir o posto. Magno seria o próximo agraciado com a convocação de pelo menos mais um deputado para o secretariado, mas Roseana não demonstra disposição em fazê-lo, pelo contrário. Ricardo Murad (PMDB), que poderia voltar para a Saúde, deve ser o novo presidente da Assembléia e Raimundo Cutrim (DEM), que poderia voltar para a Segurança, deve apoiar a manutenção de Aluísio Mendes no posto.

Além disso, suplentes com votações inferiores à do "nota 10" já foram convidados para postos de destaque na administração estadual. A última saída seria o comando da Gerência Regional do Baixo Parnaíba, mas a luta fratricida entre os grupos políticos de Chapadinha deve fazer com que a governadora chame alguém de outro município para comandar a unidade do Baixo Parnaíba.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que não te disseram sobre a "farra dos contracheques"

Enquanto a gritaria tomava conta das redes sociais, me dediquei a estudar a folha de pagamento da Prefeitura de Chapadinha e verifiquei alguns dados que precisam ser esclarecidos.
Primeiro, nenhum vigia “recebe” R$ 6 mil. O presente do indicativo é usado para demonstrar ação continuada. E o vigia Marcelo Costa Abreu, segundo este mesmo Portal da Transparência que serve de fonte para pinçar informações pela metade e causar alvoroço, tem um salário de R$ 1.247,50. Nos meses de Setembro e Outubro ele recebeu gratificações para compensar outros serviços que ele teria prestado à administração municipal, segundo relato dele mesmo em áudio que circula nos grupos de WhatsApp.
A realização destes trabalhos deve ser atestada, mas essa checagem desmonta a tese segunda qual ele receberia um grande salário para dividir com um ex-prefeito e um vereador.
Outro dado que tem aparecido de maneira muito distorcida é a lotação de todos os servidores como funcionários do gabinete do prefeito. Na verdade…

PRIMEIRA CHAPA CONFIRMADA: HIGOR E MARCELO MARINHEIRO

Nem o isolamento social imposto pela pandemia de Covid-19 freou as articulações políticas. Respeitando as restrições e orientações da Organização Mundial da Saúde, o empresário Higor da Universidade Infantil e o vereador Marcelo Marinheiro se encontraram na manhã desta segunda-feira (30) e definiram que formarão chapa visando as pré-candidaturas a prefeito e vice-prefeito de Chapadinha nas eleições de 2020.
Em contato com o Blog do Braga, a dupla afirmou que já vinha conversando nas últimas semanas e que tomaram a decisão após análise das últimas pesquisas de intenção de voto, que indicariam a viabilidade da composição.
Em meio às incertezas jurídicas de outros concorrentes, Chapadinha ganha a primeira chapa 100% definida e ficha-limpa para as próximas eleições. Após o término do período de isolamento social proposto pela OMS os pré-candidatos informarão o calendário de eventos destinados à propagação das suas plataformas políticas.
“Por enquanto, nos cabe apenas desejar a todos mui…

Uma decisão que não se sustenta

Há tempos o município dava sinais de que conseguiria manter o calendário de pagamento dos servidores públicos de acordo com a promessa de campanha do prefeito Magno Bacelar, com 10 dias dentro do mês trabalho. Ontem a Prefeitura anunciou que todos os servidores receberão no limite previsto em lei e as reações foram instantâneas.
Até a aliada presidente da Câmara, professora Vera, já se pronunciou duramente repudiando a decisão do prefeito. “Não vejo justificativa para a medida da Prefeitura de transferir os pagamentos para o 5º dia útil do mês subsequente”, declarou em redes sociais.
Apesar de não haver ilegalidade no anúncio, algumas considerações precisam ser feitas. A primeira, e mais importante neste momento de pandemia, é que nunca foi tão necessário escalonar o pagamento. Para evitar aglomerações ainda maiores nas agências bancárias, os servidores de diferentes órgãos deveriam receber em dias alternados.
Em segundo lugar, a crise econômica agravada pela pandemia de Covid-19 po…