Pular para o conteúdo principal

STF decidiu, mais uma vez, com a faca no pescoço

Após o Supremo Tribunal Federal (STF) julgar e aceitar a denúncia feita pelo então procurador-geral da República Antonio Fernando Barros e Silva de Souza contra os 40 envolvidos no escândalo do valerioduto, o ministro Ricardo Lewandowski confessou durante um telefonema num jantar em Brasília que os membros da Corte haviam votado "com a faca no pescoço", ou seja, pressionados para aceitar as denúncias. Clique aqui e lembre.

A pressão sobre os ministros da Suprema Corte naquele julgamento foi tamanha que nenhum dos denunciados escapou de virar réu. Mesmo aqueles sabidamente inocentes, como o ex-ministro Luiz Gushiken.

Nesta semana o STF voltar a julgar "com a faca no pescoço" e considerou válida para estas eleições a norma que proíbe a candidatura de quem tenha renunciado a um mandato para fugir de cassação, prevista na famosa lei "Ficha Limpa".

Esta lei, é sempre bom lembrar, é casuística, anti-democrática e inconstitucional. Aprovada às pressas a menos de seis meses das eleições, é um absurdo que ela valha para as eleições deste outubro e principalmente que tenha valor retroativo.

O caso específico julgado pelo STF é o do deputado Jáder Barbalho (PMDB), eleito pelo povo do Pará para voltar ao Senado da República. Jáder foi considerado "ficha suja" porque renunciou ao mandato de senador em 2001, envolto em denúncias de corrupção.

Mas peraí. Quando ele renunciou ao mandato, sabia de todas as implicações daquele ato. Ele deixaria o Senado, seu suplente seria convocado para cumprir o resto do mandato e só. Agora, quase dez anos depois do evento, mudaram o peso daquela sua decisão pessoal e voluntária.

O absurdo é tão grande que o senador Flexa Ribeiro (PSDB) votou favorável a este projeto em maio sabendo que em outubro disputaria a eleição no Pará e que seus dois principais adversários, o próprio Jáder Barbalho e o deputado Paulo Rocha (PT), ficariam inelegível por consequência desta lei.

Resultado: Jáder, com quase 1 milhão e 800 mil votos, ficará de fora e Marinor Brito (Psol), com menos da metade disso, 700 mil votos, será empossada.


Não defendo aqui o deputado Jáder Barbalho, mas sim a democracia e se foi ele quem o povo escolheu, é ele quem deve ser o eleito.


O julgamento do STF abre um precedente perigoso. Os guardiões da Constituição julgaram válido que os legisladores escolham seus adversários em disputas futuras com base em eventos passados. E parece que todo mundo acha isso normal.


O caminho para limpar a política não é atropelando a Constituição, nem tutelando o eleitor. O processo político numa democracia acontece de baixo pra cima, não de cima para baixo, como parece quererem.

Visivelmente constrangido ao declarar o resultado do julgamento, o presidente do STF, ministro César Peluso, disse: "A história nos julgará". Na minha opinião erraram e erraram feio em nome da imagem do Tribunal perante a opinião pública.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que não te disseram sobre a "farra dos contracheques"

Enquanto a gritaria tomava conta das redes sociais, me dediquei a estudar a folha de pagamento da Prefeitura de Chapadinha e verifiquei alguns dados que precisam ser esclarecidos.
Primeiro, nenhum vigia “recebe” R$ 6 mil. O presente do indicativo é usado para demonstrar ação continuada. E o vigia Marcelo Costa Abreu, segundo este mesmo Portal da Transparência que serve de fonte para pinçar informações pela metade e causar alvoroço, tem um salário de R$ 1.247,50. Nos meses de Setembro e Outubro ele recebeu gratificações para compensar outros serviços que ele teria prestado à administração municipal, segundo relato dele mesmo em áudio que circula nos grupos de WhatsApp.
A realização destes trabalhos deve ser atestada, mas essa checagem desmonta a tese segunda qual ele receberia um grande salário para dividir com um ex-prefeito e um vereador.
Outro dado que tem aparecido de maneira muito distorcida é a lotação de todos os servidores como funcionários do gabinete do prefeito. Na verdade…

PRIMEIRA CHAPA CONFIRMADA: HIGOR E MARCELO MARINHEIRO

Nem o isolamento social imposto pela pandemia de Covid-19 freou as articulações políticas. Respeitando as restrições e orientações da Organização Mundial da Saúde, o empresário Higor da Universidade Infantil e o vereador Marcelo Marinheiro se encontraram na manhã desta segunda-feira (30) e definiram que formarão chapa visando as pré-candidaturas a prefeito e vice-prefeito de Chapadinha nas eleições de 2020.
Em contato com o Blog do Braga, a dupla afirmou que já vinha conversando nas últimas semanas e que tomaram a decisão após análise das últimas pesquisas de intenção de voto, que indicariam a viabilidade da composição.
Em meio às incertezas jurídicas de outros concorrentes, Chapadinha ganha a primeira chapa 100% definida e ficha-limpa para as próximas eleições. Após o término do período de isolamento social proposto pela OMS os pré-candidatos informarão o calendário de eventos destinados à propagação das suas plataformas políticas.
“Por enquanto, nos cabe apenas desejar a todos mui…

Uma decisão que não se sustenta

Há tempos o município dava sinais de que conseguiria manter o calendário de pagamento dos servidores públicos de acordo com a promessa de campanha do prefeito Magno Bacelar, com 10 dias dentro do mês trabalho. Ontem a Prefeitura anunciou que todos os servidores receberão no limite previsto em lei e as reações foram instantâneas.
Até a aliada presidente da Câmara, professora Vera, já se pronunciou duramente repudiando a decisão do prefeito. “Não vejo justificativa para a medida da Prefeitura de transferir os pagamentos para o 5º dia útil do mês subsequente”, declarou em redes sociais.
Apesar de não haver ilegalidade no anúncio, algumas considerações precisam ser feitas. A primeira, e mais importante neste momento de pandemia, é que nunca foi tão necessário escalonar o pagamento. Para evitar aglomerações ainda maiores nas agências bancárias, os servidores de diferentes órgãos deveriam receber em dias alternados.
Em segundo lugar, a crise econômica agravada pela pandemia de Covid-19 po…