Pular para o conteúdo principal

STF decidiu, mais uma vez, com a faca no pescoço

Após o Supremo Tribunal Federal (STF) julgar e aceitar a denúncia feita pelo então procurador-geral da República Antonio Fernando Barros e Silva de Souza contra os 40 envolvidos no escândalo do valerioduto, o ministro Ricardo Lewandowski confessou durante um telefonema num jantar em Brasília que os membros da Corte haviam votado "com a faca no pescoço", ou seja, pressionados para aceitar as denúncias. Clique aqui e lembre.

A pressão sobre os ministros da Suprema Corte naquele julgamento foi tamanha que nenhum dos denunciados escapou de virar réu. Mesmo aqueles sabidamente inocentes, como o ex-ministro Luiz Gushiken.

Nesta semana o STF voltar a julgar "com a faca no pescoço" e considerou válida para estas eleições a norma que proíbe a candidatura de quem tenha renunciado a um mandato para fugir de cassação, prevista na famosa lei "Ficha Limpa".

Esta lei, é sempre bom lembrar, é casuística, anti-democrática e inconstitucional. Aprovada às pressas a menos de seis meses das eleições, é um absurdo que ela valha para as eleições deste outubro e principalmente que tenha valor retroativo.

O caso específico julgado pelo STF é o do deputado Jáder Barbalho (PMDB), eleito pelo povo do Pará para voltar ao Senado da República. Jáder foi considerado "ficha suja" porque renunciou ao mandato de senador em 2001, envolto em denúncias de corrupção.

Mas peraí. Quando ele renunciou ao mandato, sabia de todas as implicações daquele ato. Ele deixaria o Senado, seu suplente seria convocado para cumprir o resto do mandato e só. Agora, quase dez anos depois do evento, mudaram o peso daquela sua decisão pessoal e voluntária.

O absurdo é tão grande que o senador Flexa Ribeiro (PSDB) votou favorável a este projeto em maio sabendo que em outubro disputaria a eleição no Pará e que seus dois principais adversários, o próprio Jáder Barbalho e o deputado Paulo Rocha (PT), ficariam inelegível por consequência desta lei.

Resultado: Jáder, com quase 1 milhão e 800 mil votos, ficará de fora e Marinor Brito (Psol), com menos da metade disso, 700 mil votos, será empossada.


Não defendo aqui o deputado Jáder Barbalho, mas sim a democracia e se foi ele quem o povo escolheu, é ele quem deve ser o eleito.


O julgamento do STF abre um precedente perigoso. Os guardiões da Constituição julgaram válido que os legisladores escolham seus adversários em disputas futuras com base em eventos passados. E parece que todo mundo acha isso normal.


O caminho para limpar a política não é atropelando a Constituição, nem tutelando o eleitor. O processo político numa democracia acontece de baixo pra cima, não de cima para baixo, como parece quererem.

Visivelmente constrangido ao declarar o resultado do julgamento, o presidente do STF, ministro César Peluso, disse: "A história nos julgará". Na minha opinião erraram e erraram feio em nome da imagem do Tribunal perante a opinião pública.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DE NOVO: BELEZINHA TENTA COMPRAR CANDIDATO A VEREADOR E É DENUNCIADA À POLÍCIA

Dinheiro entregue à Polícia Festejada nas redes sociais pela ex-prefeita Belezinha e seus partidários, a adesão do candidato a vereador Lucídio se revelou mais um escândalo que abuso de poder econômico. Anúncio de adesão pela manhã Horas depois do anúncio, Lucídio registrou Boletim de Ocorrência acusando a coligação adversária de lhe ter entregado R$ 5 mil para ele se deixar fotografar ao lado da candidata e apoiá-la. Ao registrar o BO, o candidato apresentou aos policiais o valor que lhe foi entregue, e áudios das conversas entre ele e intermediários da ex-prefeita. Num deles o conhecimento da candidata sobre as negociações é confirmado. A versão foi confirmada por uma testemunha que presenciou a entrega do dinheiro. Após perícias as provas deverão ser encaminhadas para o Ministério Público Eleitoral e nova denúncia de abuso de poder econômico deve ser apresentada contra a candidata. Denúncia feita à tarde Belezinha responde no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ação semelhante p

O que não te disseram sobre a "farra dos contracheques"

Enquanto a gritaria tomava conta das redes sociais, me dediquei a estudar a folha de pagamento da Prefeitura de Chapadinha e verifiquei alguns dados que precisam ser esclarecidos. Primeiro, nenhum vigia “recebe” R$ 6 mil. O presente do indicativo é usado para demonstrar ação continuada. E o vigia Marcelo Costa Abreu, segundo este mesmo Portal da Transparência que serve de fonte para pinçar informações pela metade e causar alvoroço, tem um salário de R$ 1.247,50. Nos meses de Setembro e Outubro ele recebeu gratificações para compensar outros serviços que ele teria prestado à administração municipal, segundo relato dele mesmo em áudio que circula nos grupos de WhatsApp. A tese de "rachadinha" cai por terra A realização destes trabalhos deve ser atestada, mas essa checagem desmonta a tese segunda qual ele receberia um grande salário para dividir com um ex-prefeito e um vereador. Outro dado que tem aparecido de maneira muito distorcida é a lotação de todos os

EM PRIMEIRA MÃO: EX-PREFEITA PERDE O MANDATO DE DEPUTADA

Durou pouco a passagem da ex-prefeita Ducilene Belezinha (PL) na Assembleia Legislativa do Maranhão. Ela havia sido empossada no cargo de deputada estadual no mês passado devendo favor ao deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL) que determinou que a esposa, Detinha (PL), saísse de licença. Ocorre que Belezinha foi apenas a quinta suplente da coligação, e sua a posse dependeu do falecimento de um deputado e a nomeação de três parlamentares no secretariado do governador Flávio Dino, mas um deles voltou ontem (6) para o legislativo, aliás, uma secretária: Ana do Gás (PCdoB). Parlamentar com votação expressiva em Chapadinha na eleição de 2014, quando teve o apoio do hoje prefeito Magno Bacelar, a comunista ocupava a Secretaria de Estado da Mulher, mas decidiu reassumir o mandato de deputada levando a ex-prefeita de volta à condição de suplente. Festejado com carreata organizada por seus apoiadores com pouquíssima participação popular, o mandato de Belezinha na Assembleia durou 13 dia