Pular para o conteúdo principal

Nardoni, um monstro apaixonado

[Texto escrito por um leigo em Direito]

Terminado o circo que se forçou em torno do julgamento de Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá, eu permaneço com uma pulga atrás da orelha.

Não quero aqui inocentá-los, nem condená-los. Isto o júri popular já fez e deu-me a liberdade para chamá-los de assassinos, mas, sinceramente, há algo de muito estranho nessa história.

Na noite da morte da menina Isabella foi criada uma tese: A madrasta matou a criança e o pai a jogou pela janela para acobertar a esposa. Esta tese foi comprada pela opinião pública, que desde então não aceita a hipótese de refletir sobre qualquer coisa que vá contra ou mesmo que apenas não se encaixe por completo nessa tese.

Todos os indícios apontam para a culpa do casal, mas não necessariamente para a autoria de homicídio doloso triplamente qualificado por parte de ambos. Se Anna Jatobá esganou Isabela, ela a matou. Se Alexandre jogou o corpo da criança, já morta, pela janela, ele não a assassinou.

Consideram isso, Alexandre, que é advogado por formação, poderia se livrar da acusação de homicídio, creio. Alegaria que, vendo que havia perdido sua filha, e pensando nas duas outras crianças, não queria ter o resto da família dilacerada e, num momento de extremo nervosismo, agiu de forma desesperada jogando o corpo de Isabela pela janela.

Por que Alexandre Nardoni insistiu numa tese que lhe deu uma pena maior? Por amor a Anna Carolina? Em nome da verdade? Por que tinha esperança de ser inocentado?

A certeza que tenho é de que nós nunca saberemos o que realmente aconteceu naquele apartamento naquela noite, assim como não sabemos o que de fato ocorreu com Paulo César Farias, por exemplo.


O julgamento das ruas

Quem fica na frente de um fórum esperando pela primeira oportunidade para linchar o casal, seu advogado, algum familiar ou qualquer pessoa que não defenda a sumária condenação dos réus só grita "justiça" da boca pra fora.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DE NOVO: BELEZINHA TENTA COMPRAR CANDIDATO A VEREADOR E É DENUNCIADA À POLÍCIA

Dinheiro entregue à Polícia Festejada nas redes sociais pela ex-prefeita Belezinha e seus partidários, a adesão do candidato a vereador Lucídio se revelou mais um escândalo que abuso de poder econômico. Anúncio de adesão pela manhã Horas depois do anúncio, Lucídio registrou Boletim de Ocorrência acusando a coligação adversária de lhe ter entregado R$ 5 mil para ele se deixar fotografar ao lado da candidata e apoiá-la. Ao registrar o BO, o candidato apresentou aos policiais o valor que lhe foi entregue, e áudios das conversas entre ele e intermediários da ex-prefeita. Num deles o conhecimento da candidata sobre as negociações é confirmado. A versão foi confirmada por uma testemunha que presenciou a entrega do dinheiro. Após perícias as provas deverão ser encaminhadas para o Ministério Público Eleitoral e nova denúncia de abuso de poder econômico deve ser apresentada contra a candidata. Denúncia feita à tarde Belezinha responde no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ação semelhante p

O que não te disseram sobre a "farra dos contracheques"

Enquanto a gritaria tomava conta das redes sociais, me dediquei a estudar a folha de pagamento da Prefeitura de Chapadinha e verifiquei alguns dados que precisam ser esclarecidos. Primeiro, nenhum vigia “recebe” R$ 6 mil. O presente do indicativo é usado para demonstrar ação continuada. E o vigia Marcelo Costa Abreu, segundo este mesmo Portal da Transparência que serve de fonte para pinçar informações pela metade e causar alvoroço, tem um salário de R$ 1.247,50. Nos meses de Setembro e Outubro ele recebeu gratificações para compensar outros serviços que ele teria prestado à administração municipal, segundo relato dele mesmo em áudio que circula nos grupos de WhatsApp. A tese de "rachadinha" cai por terra A realização destes trabalhos deve ser atestada, mas essa checagem desmonta a tese segunda qual ele receberia um grande salário para dividir com um ex-prefeito e um vereador. Outro dado que tem aparecido de maneira muito distorcida é a lotação de todos os

EM PRIMEIRA MÃO: EX-PREFEITA PERDE O MANDATO DE DEPUTADA

Durou pouco a passagem da ex-prefeita Ducilene Belezinha (PL) na Assembleia Legislativa do Maranhão. Ela havia sido empossada no cargo de deputada estadual no mês passado devendo favor ao deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL) que determinou que a esposa, Detinha (PL), saísse de licença. Ocorre que Belezinha foi apenas a quinta suplente da coligação, e sua a posse dependeu do falecimento de um deputado e a nomeação de três parlamentares no secretariado do governador Flávio Dino, mas um deles voltou ontem (6) para o legislativo, aliás, uma secretária: Ana do Gás (PCdoB). Parlamentar com votação expressiva em Chapadinha na eleição de 2014, quando teve o apoio do hoje prefeito Magno Bacelar, a comunista ocupava a Secretaria de Estado da Mulher, mas decidiu reassumir o mandato de deputada levando a ex-prefeita de volta à condição de suplente. Festejado com carreata organizada por seus apoiadores com pouquíssima participação popular, o mandato de Belezinha na Assembleia durou 13 dia