Pular para o conteúdo principal

O tiro saiu pela culatra


As principais lideranças da mídia conservadora, neoliberal e de direita do país se reuniram no início do mês no fórum "Democracia e Liberdade de Expressão" realizado no Instituto Milenium.

O fórum contou com presenças como Hélio Costa, Roberto Civita, Demétrio Magnoli, Arnaldo Jabor, Marcelo Madureira (?), Reinaldo Azevedo, William Waack, Fernando Gabeira, Otávio Frias Filho, Carlos Alberto Sardenberg, entre outros. Só faltou o Bruno Kazuhiro. Foi mais ou menos como uma "Marcha da Família com Deus pela Liberdade", só que desta vez com todo mundo sentado.

Uma das principais falas foi a do bobo da corte, Arnaldo Jabor. O cineasta frustrado convocou os presentes para uma "guerra ideológica" e deu a linha: "Nossa atitude tem que agressiva", ordenou. Em outras palavras, o comando é porrada na Dilma, no PT e nos aliados todo dia até a eleição. O Lula? Bem, o Lula já é um caso perdido pra eles.

É nessa conjuntura que nós assistimos nas últimas semanas o surgimento do "caso Eletronet", dos ataques ao ex-prefeito de Belo Horizonte Fernando Pimentel, ao tesoureiro nacional do PT, João Vaccari e, mais recentemente, ao ex-ministro Agnelo Queiroz.

As acusações contra Agnelo, além de inconsistentes e baseadas em fontes em off do tipo "amigos de Durval", "assessores de Roriz" e "integrantes da coordenação da campanha de Arruda em 2006", chamam a atenção por uma questão temporal. Foram publicadas a uma semana das prévias que o PT-DF promoverá dia 21 de março para escolher o candidato do partido ao governo do Distrito Federal.

Não é ncessário muito esforço psicológico para concluir que a matéria é plantada. Alguém, com interesse em prejudicar a pré-candidatura de Agnelo, abasteceu os jornalistas com informações suficientes para criar uma pauta. Um encontro com Roriz, um encontro com Durval e uma quadra de tênis construida no lugar errado. Era só isso.

O encontro com Roriz teria sido para firmar um pacto de não agressão que possibilitasse centrar fogo no adversário comum e mais forte: Arruda. O encontro com Durval é a mesma baboseira que os apoiadores do deputado Geraldo Magela, o outro concorrente nas prévias, vêem tentando usar como um grande pecado cometido por Agnelo desde o início do ano. A construção da quadra foi um erro que Agnelo admitiu, mandou desfazerem há meses e desfeito está.

Durante a conversa com os jornalistas outra questão surgiu: Agnelo teria renda suficiente para comprar a casa de R$ 400 mil que comprou no final de 2006? O ex-ministro mostrou seus extratos bancários e declarações de imposto de renda, que comprovam que sim, mas não soube explicar satisfatoriamente aos ouvidos dos jornalistas.

Vindas ao público, as denúncias não destruíram a pré-candidatura do ex-comunista, pelo contrário. A certeza de que a publicação da matéria foi uma vilania arquitetada para prejudicar sua pré-campanha fez de Agnelo ainda mais favorito na disputa do que antes.

A suspeita de que o próprio Magela teria sido a fonte das informações para a revista Época nunca será confirmada, mas está lançada no ar. Se foi mesmo o deputado, ele merece ser expulso do partido. Se não foi ele, tenho pena do coitado, pois, mesmo sendo inocente, ficou parecendo culpado. E não adianta se sair com pirotecnia dizendo que o repórter está livre do sigilo de fonte e que pode entregá-lo se as informações tiverem isso passadas por ele. Um jornalista sério não o faria.

Muitos outros escândalo surgirão daqui até outubro contra o PT e contra petistaa. Aqui no Distrito Federal há uma série de denúncias contra quase todos os políticos da cidade nas prateleiras das redações prontas para serem publicadas e martelarem o prego que se destacar.

A eleição será quente.

Comentários

Kleber Vinicius disse…
Braga,

Parabéns, você está cada vez melhor!
Anônimo disse…
"Uma das principais falas foi a do bobo da corte, Arnaldo Jabor. O cineasta frustrado"
cineasta frustrado.
acho que a ofensa não corresponde, ele adaptou o roteiro e dirigiu Toda Nudez Será Castigada, não é um cineasta frustrado.

Postagens mais visitadas deste blog

O que não te disseram sobre a "farra dos contracheques"

Enquanto a gritaria tomava conta das redes sociais, me dediquei a estudar a folha de pagamento da Prefeitura de Chapadinha e verifiquei alguns dados que precisam ser esclarecidos.
Primeiro, nenhum vigia “recebe” R$ 6 mil. O presente do indicativo é usado para demonstrar ação continuada. E o vigia Marcelo Costa Abreu, segundo este mesmo Portal da Transparência que serve de fonte para pinçar informações pela metade e causar alvoroço, tem um salário de R$ 1.247,50. Nos meses de Setembro e Outubro ele recebeu gratificações para compensar outros serviços que ele teria prestado à administração municipal, segundo relato dele mesmo em áudio que circula nos grupos de WhatsApp.
A realização destes trabalhos deve ser atestada, mas essa checagem desmonta a tese segunda qual ele receberia um grande salário para dividir com um ex-prefeito e um vereador.
Outro dado que tem aparecido de maneira muito distorcida é a lotação de todos os servidores como funcionários do gabinete do prefeito. Na verdade…

PRIMEIRA CHAPA CONFIRMADA: HIGOR E MARCELO MARINHEIRO

Nem o isolamento social imposto pela pandemia de Covid-19 freou as articulações políticas. Respeitando as restrições e orientações da Organização Mundial da Saúde, o empresário Higor da Universidade Infantil e o vereador Marcelo Marinheiro se encontraram na manhã desta segunda-feira (30) e definiram que formarão chapa visando as pré-candidaturas a prefeito e vice-prefeito de Chapadinha nas eleições de 2020.
Em contato com o Blog do Braga, a dupla afirmou que já vinha conversando nas últimas semanas e que tomaram a decisão após análise das últimas pesquisas de intenção de voto, que indicariam a viabilidade da composição.
Em meio às incertezas jurídicas de outros concorrentes, Chapadinha ganha a primeira chapa 100% definida e ficha-limpa para as próximas eleições. Após o término do período de isolamento social proposto pela OMS os pré-candidatos informarão o calendário de eventos destinados à propagação das suas plataformas políticas.
“Por enquanto, nos cabe apenas desejar a todos mui…

Uma decisão que não se sustenta

Há tempos o município dava sinais de que conseguiria manter o calendário de pagamento dos servidores públicos de acordo com a promessa de campanha do prefeito Magno Bacelar, com 10 dias dentro do mês trabalho. Ontem a Prefeitura anunciou que todos os servidores receberão no limite previsto em lei e as reações foram instantâneas.
Até a aliada presidente da Câmara, professora Vera, já se pronunciou duramente repudiando a decisão do prefeito. “Não vejo justificativa para a medida da Prefeitura de transferir os pagamentos para o 5º dia útil do mês subsequente”, declarou em redes sociais.
Apesar de não haver ilegalidade no anúncio, algumas considerações precisam ser feitas. A primeira, e mais importante neste momento de pandemia, é que nunca foi tão necessário escalonar o pagamento. Para evitar aglomerações ainda maiores nas agências bancárias, os servidores de diferentes órgãos deveriam receber em dias alternados.
Em segundo lugar, a crise econômica agravada pela pandemia de Covid-19 po…