Pular para o conteúdo principal

Partido e família rachados


Além da política nacional, acompanho também a política de alguns estado em particular. Em especial a do Rio Grande do Norte. Por três motivos: É um estado com grande quantidade de lideranças nacionais, é o estado natal de minha esposa, é muito pitoresca.

Na última eleição municipal, o PT lançou, pela quarta vez consecutiva, o nome da deputada Fátima Bezerra na disputa pela prefeitura da capital, Natal. Fátima teve o apoio de um presidente bem avaliado, de uma governadora bem avaliada, de um prefeito bem avaliado, do então presidente do Senado Federal. Até o apoio da Globo, controlada nas terras potiguares pela família Alves, Fátima teve o apoio. Resultado: perdeu no primeiro turno para Micarla de Souza (PV), uma jovem dona/apresentadora de TV e filha de político, o já falecido ex-senador Carlos Alberto de Souza.

Micarla, é bom lembrar, tinha o apoio do senador José Agripino Maia (DEM). Portanto, esta e a eleição de Silvio Mendes (PSDB) em Teresina foram as duas únicas derrotas lulistas em capitais nordestinas no ano passado. O "tucano" João Castelo (PSDB), vale lembrar, se elegeu prefeito de São Luis com o slogan "Sou Lula, voto Castelo".

Para a eleição de outubro há dois postulantes ao cargo de governador já colocados na disputa. O vice-governador Iberê Ferreira (PSB) e a senadora Rosalba Ciarlini (DEM). Anunciam também a disposição de concorrer o deputado federal João Maia (PR), irmão do ex-diretor-geral do Senado Agaciel Maia, e o presidente da Assembléia Legislativa, Robinson Faria (PMN), pai do deputado federal Fábio Faria (PMN), pegador de apresentadoras de TV e enrolado no "escândalo da farra aérea".

Robinson, ex-aliado da governadora, deve apoiar a candidata de oposição, Rosalba, que lidera as pesquisas. Talvez seja até seu candidato a vice. A João Maia galtará fôlego para manter uma candidatura de terceira via e ele deverá permanecer no grupo de apoio de Wilma.

Porém, o interessante mesmo nestes dias da político potiguar é a disputa pelas vagas no Senado e a disputa interna no PMDB.

Na briga pelas duas vagas no Senador concorrerão três pesos pesados. A governadora em fim de segundo mandato, Wilma de Faria, e os dois fortes senadores, José Agripino Maia, líder do DEM, e Garibaldi Filho (foto), ex-presidente do Senado.

O líder do PMDB na Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves, é Lula até debaixo d'água. Para não desagradar o presidente e manter aceso seu sonho de presidir a Câmara dos Deputados defende o alinhamento com a candidatura do campo lulista, isto é, a de Iberê. Seu primo senador, Garibaldi Filho, porém, já fechou acordo com Agripino Maia. Um apoiará o outro e ambos apoiarão Rosalba.

Confirmando este quadro, o PT, ao lado de Wilma pode lançar um candidato a senador também. Provavelmente, o ex-presidente do diretório estadual Geraldo Pinto ou o ex-vereador da capital Fernando Lucena.


Quais os motivos de Garibaldi?

A relação com Wilma é ruim. Em 2006, ele disputou acirradamente o governo do estado contra Wilma e perdeu. Em 2008, o senador e a governadora apoiaram Fátima Bezerra para prefeita de Natal e quebraram a cara.

A relação Rosalba é ótimo. Além da democrata ter sido eleita em 2006 apoiando-o para o governo, uma eleição sua para o governo do estado daria quatro anos de mandato no Senado para Garibaldo Alves, seu suplente e pai da Garibaldi Filho.



Foto: Agência Brasil

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DE NOVO: BELEZINHA TENTA COMPRAR CANDIDATO A VEREADOR E É DENUNCIADA À POLÍCIA

Dinheiro entregue à Polícia Festejada nas redes sociais pela ex-prefeita Belezinha e seus partidários, a adesão do candidato a vereador Lucídio se revelou mais um escândalo que abuso de poder econômico. Anúncio de adesão pela manhã Horas depois do anúncio, Lucídio registrou Boletim de Ocorrência acusando a coligação adversária de lhe ter entregado R$ 5 mil para ele se deixar fotografar ao lado da candidata e apoiá-la. Ao registrar o BO, o candidato apresentou aos policiais o valor que lhe foi entregue, e áudios das conversas entre ele e intermediários da ex-prefeita. Num deles o conhecimento da candidata sobre as negociações é confirmado. A versão foi confirmada por uma testemunha que presenciou a entrega do dinheiro. Após perícias as provas deverão ser encaminhadas para o Ministério Público Eleitoral e nova denúncia de abuso de poder econômico deve ser apresentada contra a candidata. Denúncia feita à tarde Belezinha responde no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ação semelhante p

EM PRIMEIRA MÃO: EX-PREFEITA PERDE O MANDATO DE DEPUTADA

Durou pouco a passagem da ex-prefeita Ducilene Belezinha (PL) na Assembleia Legislativa do Maranhão. Ela havia sido empossada no cargo de deputada estadual no mês passado devendo favor ao deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL) que determinou que a esposa, Detinha (PL), saísse de licença. Ocorre que Belezinha foi apenas a quinta suplente da coligação, e sua a posse dependeu do falecimento de um deputado e a nomeação de três parlamentares no secretariado do governador Flávio Dino, mas um deles voltou ontem (6) para o legislativo, aliás, uma secretária: Ana do Gás (PCdoB). Parlamentar com votação expressiva em Chapadinha na eleição de 2014, quando teve o apoio do hoje prefeito Magno Bacelar, a comunista ocupava a Secretaria de Estado da Mulher, mas decidiu reassumir o mandato de deputada levando a ex-prefeita de volta à condição de suplente. Festejado com carreata organizada por seus apoiadores com pouquíssima participação popular, o mandato de Belezinha na Assembleia durou 13 dia

ORINALDO ANUNCIA ROMPIMENTO COM MAGNO E APOIO A HIGOR ALMEIDA

O ex-vereador Orinaldo Araújo, esposo da vereadora Missecley, gravou hoje mensagem para anunciar seu desligamento do grupo político do prefeito Magno Bacelar. Ao lado de três dos seus quatro filhos Orinaldo afirmou que ainda não conversou com o Higor Almeida, mas apoiará sua candidatura. “É o que candidato que representa realmente aquilo que a gente pensa, aquilo que a gente quer pro nosso município”, afirmou. Havia chamado a atenção do meio político as ausências de Orinaldo e Missecley do primeiro comício de campanha do prefeito, realizado no bairro em que eles moram e têm forte base eleitoral. A insegurança jurídica da candidatura do prefeito e o forte desgaste apresentado nas pesquisas de opinião devem gerar novas adesões nos próximos dias.