Pular para o conteúdo principal

Suicídio ou eutanásia

A União Democrática Nacional (UDN) não tinha nada de democrática. Era um partido golpista, de direita e reacionário. Sua principal liderança, Carlos Lacerda, o corvo, entrou para a história como alguém que quis de todas as formas chegar à presidência da República, mas nunca conseguiu.

Apoiaram o golpe de 64 acreditando que a "revolução" duraria pouco tempo e quando voltasse a "normalidade democrática" poderiam, enfim, chegar onde sempre quiseram.

Com o aprofundamento do regime e a decretação do bipartidarismo, os udenistas passaram a compor a Aliança Renovadora Nacional (ARENA), que não tinha nada de renovadora e dava apoio político ao regime dos generais.

No inicío da reabertura política, a reforma partidária acabou com o bipartidariamos e a Arena virou o Partido Democrático Social (PDS), que não tinha nada de democrático, nem de social. Sigla do presidente João Figueiredo, o partido lançou a candidatura de Paulo Maluf para a presidência da República no colégio eleitoral, em 1985.

Como sempre há ratos a roer a corda e deixar o návio ao primeiro sinal de naufrágio, um racha do partido apoiou a candidatura que tinha cheiro de vitória, de Tancredo Neves (PMDB).

Esse racha chamou-se Frente Liberal e depois virou, criativamente, o Partido da Frente Liberal (PFL).

Desgastado e em fase de enxugamento, o PFL mudou de nome de novo e se auto-intitulou "Democratas". Colocaram um político relativamente jovem, Rodrigo Maia, como presidente nacional do partido, mudaram a identidade visual, tudo para tentar ser o que não são, um partido moderno, ético e democrático.

O partido tem feito dura oposição ao governo Lula usando principalmente a bandeira do moralismo.


E a própria carne?

Há alguns meses, o deputado Edmar Moreira, então filiado ao partido, discordou da candidatura oficial da bancada à 2ª vice-presidência da Câmara Federal, concorreu ao cargo e foi eleito. Meses depois foi acusado de sonegar a posse de um castelo e o partido o expulsou.

Agora, com as acusações contra o seu único governador, José Roberto Arruda, e seu vice Paulo Octávio a postura não tem sido a mesma.

Não são acusações quaisquer. Este é o escândalo mais bem documentado da história da política brasileira. Há vídeos e áudios que deixam clara a participação de Arruda em esquemas nada republicanos. Por que o ex-PFL não o expulsou? Por que sofrer este forte desgaste?

Três questões tem que ser lembradas.

Primeiro o fato de que Paulo Octávio é um mega empresário, um dos homens mais ricos do país e tem grande capacidade de levantar dinheiro para o partido.

Segundo o fato de que Arruda é o único (último?) governador do partido e tem colocado dentro do seu governo gente do partido de outros estados como o ex-senador José Jorge (PE), que foi presidente da Companhia Energética de Brasília (CEB), Cássio Taniguchi (PR), deputado federal e ex-prefeito de Curitiba, e o deputado federal Alceni Guerra (PR), que foi secretário de Educação.

E terceira e mais importante. Nada garante que o dinheiro movimentado irregularmente pelo esquema de Brasília não tenha rojado para outros estados, principalmente nas eleições municipais do ano passado.


O dilema do ex-PFL

Se o partido não expulsar Arruda sofrerá mais ainda um enorme desgaste político. Pra quem passou os últimos anos apontando o dedo para supostos desvios éticos do governo federal, ter seu único governador engolido politicamente por um escândalo como este e ainda manter o apoio a ele, este pode ser um golpe definitivo.

Ao se colocar como sub-legenda nacional do PSDB e se negar a sequer tentar a viabilização de um projeto de governo e um projeto de poder próprio, o ex-PFL só pode querer indicar o vice da chapa tucana e manter uma bancada de pelo menos 50 deputados federais e 15 senadores. Porém, com a desmoralização total do partido, eles correm o risco de nem o vice da chapa tucana emplacarem.

Por outro lado, se expulsão Arruda este será o golpe final na carreira dele e não parece haver disposição dele de cair sozinho. Tendo ou não irrigado contas e campanhas do ex-PFL de outros estados, Arruda pode sair jogando panetone no ventilador.

Ó duvida cruel.

Comentários

Gabriel disse…
Eu acho que o fato de fazer oposição ao governo Lula dá ao ex-PFL um status melhor que "partido de aluguel" como o PP e o PTB. À longo prazo, será sabido que fizeram a escolha certa ao não se comportar fisiologicamente e fazer oposição. Quanto a questão da moralidade, eles superam. Basta fazer como o PT fez no mensalão.
Unknown disse…
irmao... cade a reportagem sobre a ocupacao???
Eduardo Braga disse…
Luana, só vou escrever sobre o tema quando a JPT e o PT tomarem uma posição oficial.

A posição tomada, claro, não muda o que escreverei, apenas vou esperar

Postagens mais visitadas deste blog

DE NOVO: BELEZINHA TENTA COMPRAR CANDIDATO A VEREADOR E É DENUNCIADA À POLÍCIA

Dinheiro entregue à Polícia Festejada nas redes sociais pela ex-prefeita Belezinha e seus partidários, a adesão do candidato a vereador Lucídio se revelou mais um escândalo que abuso de poder econômico. Anúncio de adesão pela manhã Horas depois do anúncio, Lucídio registrou Boletim de Ocorrência acusando a coligação adversária de lhe ter entregado R$ 5 mil para ele se deixar fotografar ao lado da candidata e apoiá-la. Ao registrar o BO, o candidato apresentou aos policiais o valor que lhe foi entregue, e áudios das conversas entre ele e intermediários da ex-prefeita. Num deles o conhecimento da candidata sobre as negociações é confirmado. A versão foi confirmada por uma testemunha que presenciou a entrega do dinheiro. Após perícias as provas deverão ser encaminhadas para o Ministério Público Eleitoral e nova denúncia de abuso de poder econômico deve ser apresentada contra a candidata. Denúncia feita à tarde Belezinha responde no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ação semelhante p

EM PRIMEIRA MÃO: EX-PREFEITA PERDE O MANDATO DE DEPUTADA

Durou pouco a passagem da ex-prefeita Ducilene Belezinha (PL) na Assembleia Legislativa do Maranhão. Ela havia sido empossada no cargo de deputada estadual no mês passado devendo favor ao deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL) que determinou que a esposa, Detinha (PL), saísse de licença. Ocorre que Belezinha foi apenas a quinta suplente da coligação, e sua a posse dependeu do falecimento de um deputado e a nomeação de três parlamentares no secretariado do governador Flávio Dino, mas um deles voltou ontem (6) para o legislativo, aliás, uma secretária: Ana do Gás (PCdoB). Parlamentar com votação expressiva em Chapadinha na eleição de 2014, quando teve o apoio do hoje prefeito Magno Bacelar, a comunista ocupava a Secretaria de Estado da Mulher, mas decidiu reassumir o mandato de deputada levando a ex-prefeita de volta à condição de suplente. Festejado com carreata organizada por seus apoiadores com pouquíssima participação popular, o mandato de Belezinha na Assembleia durou 13 dia

ORINALDO ANUNCIA ROMPIMENTO COM MAGNO E APOIO A HIGOR ALMEIDA

O ex-vereador Orinaldo Araújo, esposo da vereadora Missecley, gravou hoje mensagem para anunciar seu desligamento do grupo político do prefeito Magno Bacelar. Ao lado de três dos seus quatro filhos Orinaldo afirmou que ainda não conversou com o Higor Almeida, mas apoiará sua candidatura. “É o que candidato que representa realmente aquilo que a gente pensa, aquilo que a gente quer pro nosso município”, afirmou. Havia chamado a atenção do meio político as ausências de Orinaldo e Missecley do primeiro comício de campanha do prefeito, realizado no bairro em que eles moram e têm forte base eleitoral. A insegurança jurídica da candidatura do prefeito e o forte desgaste apresentado nas pesquisas de opinião devem gerar novas adesões nos próximos dias.