Pular para o conteúdo principal

Pequeno demais para dois


O governador de Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB), em carta enviada ao presidente nacional do seu partido, senador Sérgio Guerra (PE), anunciou: "Deixo a partir deste momento a condição de pré-candidato do PSDB à Presidência da República".

Aécio não diz na carta que rumo tomará em 2010 e nem sequer cita o nome do governo de São Paulo, José Serra. Não houve, pelo menos na escrita da carta, nenhuma preocupação em demonstrar apoio à pré-candidatura remanescente.

O que se percebe nas entrelinhas da carta são críticas veladas ao oponente interno e a reafirmação da certeza que seu nome era o melhor: "Ao apresentar o meu nome, o fiz com a convicção, partilhada por vários companheiros, de que poderia contribuir para uma construção política diferente, com um perfil de alianças mais amplo do que aquele que se insinua no horizonte".

Apesar de agradecer à condução de Sérgio Guerra, Aécio deixou clara sua insatisfação com a não realização das prévias internas. "Defendi as préivas como importante processo de revitalização da noosa prática política. Não as realizamos, como propus, seja por dificuldades operacionais de um partido de dimensão nacional, seja pela legítima opção da direção partidária pela busca de outras formas de decisão". Só eu li o "legítima" com alto teor de sarcasmo?


Então tá definido?
Tá nada. O que o Serra vai fazer agora? Se assumir como candidato? Duvido. Não se assumindo abre espaço para Aécio, ouvindo "as roucas vozes das ruas" voltar pra disputar e se ganhar não vai ficar parecendo que só foi escolhido porque Serra não quis ser o candidato.

Antes de ser tucano, Aécio Neves é mineiro. E por isso mesmo, escrevem, não será vice de Serra. Ou só se serve pão de queijo no Palácio do Jaburu? Do golpe de 64 pra cá nós tivemos nove vice-presidentes da República, cinco eram mineiros (José Maria Alckmin, Pedro Aleixo, Aureliano Chaves, Itamar Franco e José de Alencar). Minas Gerais não aguentar mais ser um vice-estado, ainda mais vice de São Paulo, ainda mais vice do Serra.

Caminhos não faltam
Se Aécio voltar pra disputa, for escolhido candidato e ganhar, ótimo pra ele.

Se Aécio voltar pra disputa, for escolhido candidato e perder. Bem, virou o nome nacional do bloco PSDB-DEM e amplia forças com partidos do campo lulista. Será a maior liderança da direita brasileira.

Se Aécio voltar pra disputa e não for escolhido candidato, o Serra não vai ter 50 votos em Minas Gerais.

Se Aécio não voltar pra disputa e for candidato (eleito, é claro) a senador há dois cenários.

Serra não sendo eleito presidente, Aécio já começa a andar o país pensando em 2014.
Serra sendo eleito presidente, Aécio já começa a andar o país pensando em 2018, tempo não lhe falta.

Mas, punhemos a possibilidade de Aécio topar ser vice de Serra, como tanto quer a "Bolha de S. Paulo". O que diabos o neto de Tancredo ganharia com isso? Correriam a chance de perder, e se ganham eles estariam num cargo vazio e submetido ao Serra.

Aécio não é o Alckmin, não vai se subordinar a Serra e as chances do fernandista ser eleito presidente continuam caindo.

Quem aprendeu com Tancredo entende tudo de política.

Comentários

Eduardo Braga disse…
Itamar nasceu durante uma viagem marítima entre Salvador e Rio de Janeiro e acabou sendo registrado na Bahia.

O navio era um Ita. Por isso ele recebeu o nome de Itamar.

Mas Itamar fez carreira em Juiz de Fora (MG) e destacou-se pelos hábitos mineiros, inclusive o hábito de comer pão de queijo.
Kleber Vinicius disse…
Parabéns,

análise a qual concordo!

Se Aécio for candidato, ganha!
Gabriel disse…
Com Aécio fora, a disputa fica definivamente sem nenhum direitista. Será Dilma, Serra Ciro e Marina. Bom pra alguns, ruim para outros

Postagens mais visitadas deste blog

PACIENTES E PROFISSIONAIS DA SAÚDE RELATAM COLAPSO NA UPA DE CHAPADINHA

Os últimos dias têm sido de exaustão para quem está trabalhando na linha de frente do combate à Covid em Chapadinha. Profissionais da UPA relatam que a unidade entrou em colapso, os leitos estão lotados, pacientes aguardando nos corredores e os funcionários se sentindo impotentes diante o quadro. “Imagina o que é você se doar, prestar um serviço, ver gente morrendo todo dia e as pessoas continuarem suas vidas aglomerando”, desabafou um deles em rede social. Com quadro reduzido de funcionários, os servidores buscam fazer o que é possível, mas as dificuldades estão aumentando num grau insuportável. Enquanto isso pipocam nas redes sociais fotos e vídeos de pacientes e acompanhantes denunciando os problemas que estão enfrentando, principalmente com falta de médicos para atender a demanda crescente. A escala publicada pela Prefeitura mostra o quanto tem sido exigido dos profissionais. Apenas um médico por dia, sendo ora Dr. Kingsley Ifly, que na mesma data atende no HAPA , ora o Dr. Felipe

DE CORPO PRESENTE: FLÁVIO DINO REBATE BELEZINHA SOBRE INVESTIMENTO EM SAÚDE E AINDA QUER ASSUMIR A UPA

Durante cerimônia de inauguração de asfalto aplicado no município com emendas da deputada Dra. Thaiza, o governador Flávio Dino respondeu os ataques que a prefeita Belezinha fez contra ele no início da semana. A gestora havia afirmado em pronunciamento oficial que ainda não teve ajuda do governo do estado para cuidar da Saúde em Chapadinha nos seus primeiros meses de administração. Relembre: No seu discurso, a deputada Thaiza já havia criticado a gestão municipal por Chapadinha ter tido o maior número de óbitos por Covid no estado, mas Belezinha tentou evitar polêmica. Tigrona na internet, ela virou tchuchuca na frente do governador falando até em parcerias do estado com o município através do vice-governador Carlos Brandão. Veja: Flávio Dino estranhou a diferença de comportamento do mundo virtual para o mundo real. “Há pessoas que se transformam na internet. Elas na nossa frente são pessoas de bom senso, mas quando chegam na internet se transformam e se danam a mentir”: Mais a

Secretariado sem Paulo Neto, Levi ou Josimar

Parece que Belezinha aprendeu com erros do passado e compôs uma equipe de secretários com pessoas da sua confiança nos postos mais importantes. Está de volta sua irmã Deusilene Pontes na Secretaria de Finanças e seu braço direito Aluísio Santos na Articulação Política. Desta vez ele não assumirá Obras para ficar mais livre na tarefa de viabilizar o próprio nome como pré-candidato a deputado estadual. Enquanto isso, nenhum nome anunciado como indicação do deputado Paulo Neto. Derrotado em Mata Roma e nos outros municípios da região, Paulo não terá vida fácil para conseguir espaço na única prefeitura onde ajudou a eleger uma aliada. Outro limado na composição do governo foi o vice-prefeito, ausente na cerimônia de nomeação dos secretários. Depois de tentar articular o nome da própria esposa para a presidência da Câmara e vê-la ficar fora da mesa diretora, Dr Levi não indicou uma pessoa para o primeiro escalão do governo. O único nome do PCdoB na equipe é a ex-vereadora Francisca Ag