Pular para o conteúdo principal

Não seria do jogo

Há alguns dias escrevi aqui sobre o tal lance no qual o jogador Thierry Henry arrumou a bola com a mão antes de cruzar para o zagueiro Gallas marcar o gol que classificou a França pra Copa do Mundo e tirou a coitada da Irlanda.

Disse naquela ocasião: "Sinceramente, isto é do futebol. Não é da vida, não é da política, não é nem exemplo pra ninguém, mas é do futebol. Na pelada, "pediu pra parar, parou". No futebol, o juiz apitou para o lance, não apitou segue o jogo. (...) A não ser quanto é uma questão de direito, não creio que o jogador deva ser obrigado a se acusar."

E mantenho minha posição.

Se um jogador marca um gol sabendo que está em posição de empedimento e o bandeirinha não marca a irregularidade ele deve avisar o juiz pra anular o gol? Não. É do jogo.

Mas e se o jogador chuta à meta adversária, a bola bate na rede pela lado de fora e o juiz assinala gol? Bem, isso não é o jogo.

Um time entregar uma partida, seja pelo motivo que for, não é do jogo.

A partida disputa logo mais entre Flamengo/TV Globo e o Grêmio entrará para história, isto é certo. Basta saber se lá na frente, quando lembrarmos desta parte o gremista poderá permanecer de cabeça erguida, com honra.

Podem dizer: "E os times que jogam com time reserva no meio do campeonato para poupar o titular para outras competições?".

Estes, meus caros, o fazem para "poupar o time titular para outras competições", não para entregar a partida, para bular o caminho natural do esporte e evitar que um terceiro time de beneficie.


Grêmio X Chapadinha

O caso do Chapadinha, que perdeu por 11 X 0 levando 9 gols nos últimos 10 minutos de jogo na segunda divisão do campeonato maranhense ficou famoso até no exterior. Não tem falta de iluminação que explique o fato, até porque se não havia refletores no estádio a falta de iluminação era para os dois times.

O Chapadinha entregou o jogo. Se houve alguma negociação envolvendo dinheiro ou se o clube queria apenas impedir que o Moto Clube, rebaixado no início desse ano, voltasse à primeira divisão do maranhense já no ano que vem eu não sei, mas o que importa é que o Chapadinha entregou o jogo.

Resultado: O Chapadinha foi banido do futebol!


Qual seria a diferença pra máfia do apito?

O ex-árbitro Edilson Pereira de Carvalho se envolveu com uma máfia que manipulava resultados de partidas de futebol para ganhar dinheiro com apostas. As manipulações de Edilson, inclusive, fizeram com que o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) anulasse as 11 partidas que ele havia apitado no Brasileirão de 2005. A remarcação das partidas foi decisiva para que o Corinthians fosse o campeão daquele ano.

Edilson, obviamente, foi banido do futebol.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DE NOVO: BELEZINHA TENTA COMPRAR CANDIDATO A VEREADOR E É DENUNCIADA À POLÍCIA

Dinheiro entregue à Polícia Festejada nas redes sociais pela ex-prefeita Belezinha e seus partidários, a adesão do candidato a vereador Lucídio se revelou mais um escândalo que abuso de poder econômico. Anúncio de adesão pela manhã Horas depois do anúncio, Lucídio registrou Boletim de Ocorrência acusando a coligação adversária de lhe ter entregado R$ 5 mil para ele se deixar fotografar ao lado da candidata e apoiá-la. Ao registrar o BO, o candidato apresentou aos policiais o valor que lhe foi entregue, e áudios das conversas entre ele e intermediários da ex-prefeita. Num deles o conhecimento da candidata sobre as negociações é confirmado. A versão foi confirmada por uma testemunha que presenciou a entrega do dinheiro. Após perícias as provas deverão ser encaminhadas para o Ministério Público Eleitoral e nova denúncia de abuso de poder econômico deve ser apresentada contra a candidata. Denúncia feita à tarde Belezinha responde no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ação semelhante p

EM PRIMEIRA MÃO: EX-PREFEITA PERDE O MANDATO DE DEPUTADA

Durou pouco a passagem da ex-prefeita Ducilene Belezinha (PL) na Assembleia Legislativa do Maranhão. Ela havia sido empossada no cargo de deputada estadual no mês passado devendo favor ao deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL) que determinou que a esposa, Detinha (PL), saísse de licença. Ocorre que Belezinha foi apenas a quinta suplente da coligação, e sua a posse dependeu do falecimento de um deputado e a nomeação de três parlamentares no secretariado do governador Flávio Dino, mas um deles voltou ontem (6) para o legislativo, aliás, uma secretária: Ana do Gás (PCdoB). Parlamentar com votação expressiva em Chapadinha na eleição de 2014, quando teve o apoio do hoje prefeito Magno Bacelar, a comunista ocupava a Secretaria de Estado da Mulher, mas decidiu reassumir o mandato de deputada levando a ex-prefeita de volta à condição de suplente. Festejado com carreata organizada por seus apoiadores com pouquíssima participação popular, o mandato de Belezinha na Assembleia durou 13 dia

ORINALDO ANUNCIA ROMPIMENTO COM MAGNO E APOIO A HIGOR ALMEIDA

O ex-vereador Orinaldo Araújo, esposo da vereadora Missecley, gravou hoje mensagem para anunciar seu desligamento do grupo político do prefeito Magno Bacelar. Ao lado de três dos seus quatro filhos Orinaldo afirmou que ainda não conversou com o Higor Almeida, mas apoiará sua candidatura. “É o que candidato que representa realmente aquilo que a gente pensa, aquilo que a gente quer pro nosso município”, afirmou. Havia chamado a atenção do meio político as ausências de Orinaldo e Missecley do primeiro comício de campanha do prefeito, realizado no bairro em que eles moram e têm forte base eleitoral. A insegurança jurídica da candidatura do prefeito e o forte desgaste apresentado nas pesquisas de opinião devem gerar novas adesões nos próximos dias.