Pular para o conteúdo principal

Agressão de Aécio ou a Aécio?


O jornalista Juca Kfouri publicou por volta do meio dia de 1º de novembro uma nota em seu blogue (acesse aqui) denunciando que o governador de Minas Gerais, Aécio Neves, teria dado um empurrão e um tapa na sua acompanhante na festa da Calvin Klein, no Hotel Fasano, no Rio de Janeiro. A festa ocorreu uma semana antes de Juca publicar a nota.

A jornalista Joyce Pascowitch publicara nota no dia seguinte à festa (26/10), mas não citava nomes (acesse aqui). Dizia:

"Um dos convidados mais importantes e famosos da festa que o estilista Francisco Costa, da Calvin Klein, deu na piscina do hotel Fasano, no Rio, nesse domingo, acabou estrelando uma cena que deixou todos os convidados constrangidos. * Visivelmente alterado, ele deu um tapa na moça que o acompanhava - namorada dele há algum tempo. Ela caiu no chão, levantou e revidou a agressão. A plateia era grande e alguns chegaram a separar o casal para apartar a briga. O clima, claro, ficou muito pesado"

Depois da nota de Kfouri a assessoria de imprensa de Aécio desmentiu a informação e a classificou como caluniosa.

Bem, estranho seria se a assessoria de imprensa de um pré-candidato a presidente da República dissesse: "É verdade, Aécio bateu numa mulher". Ainda mais sendo que não há fotos, vídeos e o caso pode ser facilmente abafado. E covenhamos, quantos casos existem que todo mundo sabe, mas que são abafados pro conveniência?

Alguém aí pode me dizer de que foi o deputado Luís Eduardo Magalhães faleceu? Parada cardíaca? Igual a da Cássia Eller?

Deixa pra lá. Voltemos ao caso Aécio Neves.

O governador mineiro não é um político qualquer. Ele é pré-candidato a presidência e jornalista adora falar de eleição. Desde de 2006 fala-se em 2010 e quando a eleição passar falar-se-á sobre 2014 até este chegar e assim por diante.

Assim, a imprensa anti-serrista (formada principalmente por Rodrigo Vianna, Luiz Carlos Azenha e Paulo Henrique Amorim) não quer saber se Aécio bateu ou não bateu na sua acompanhante/namorada. A imprensa anti-serrista está preocupada porque esta notícia é ótima para o governador José Serra na disputa interna pela indicação para candidato a presidência pelo PSDB.

José Serra, como se sabe, é um craque em destruir reputações. Perguntem à Roseana Sarney e ao Ciro Gomes.

Isto, porém, não anula o fato de que Aécio pode ter agredido fisicamente uma mulher. "Ah, mas ela negou ter sido agredida". E daí? Quantas negam, escondem?

Eu não posso afirmar que o fato aconteceu ou que não. Apenas quem lá estava. Joyce Pascowitch e Juca Kfouri ou lá estavam ou lá tinham fontes, não inventariam o fato do nada.

E além do mais, por que Juca Kfouri, um dos jornalistas mais sérios do país, faria uma acusação como esta utilizando nada além da própria reputação? Seria Juca membro do "Sistema Serra de Comunicação"? Não creio. Nesta história toda, Juca é o mais respeitável.

Serra, imprensa anti-serrista, Aécio, namorada do Aécio... não compraria um carro usado de nenhum destes.



PS: Este blogue faz questão de deixar claro que torce muito para que José Serra seja o candidato tucano à presidência da República.

Comentários

Por quê você prefere Serra? cha que el tem menos chances?
Pra te dizer a verdade minha intuição acha que Aécio tem mais chances também. Essa mesma intuição acredita que Casagrande é favorito para governador mesmo como dissidente. Mas as pesquisas recall estão aí.
Eduardo Braga disse…
Você poderia fazer um texto sobre a sucessão estadual de ES para eu publicar aqui hein.

Tenho amigos aí que juram de pé juntos que o Casagrande não tem chance

Postagens mais visitadas deste blog

DE NOVO: BELEZINHA TENTA COMPRAR CANDIDATO A VEREADOR E É DENUNCIADA À POLÍCIA

Dinheiro entregue à Polícia Festejada nas redes sociais pela ex-prefeita Belezinha e seus partidários, a adesão do candidato a vereador Lucídio se revelou mais um escândalo que abuso de poder econômico. Anúncio de adesão pela manhã Horas depois do anúncio, Lucídio registrou Boletim de Ocorrência acusando a coligação adversária de lhe ter entregado R$ 5 mil para ele se deixar fotografar ao lado da candidata e apoiá-la. Ao registrar o BO, o candidato apresentou aos policiais o valor que lhe foi entregue, e áudios das conversas entre ele e intermediários da ex-prefeita. Num deles o conhecimento da candidata sobre as negociações é confirmado. A versão foi confirmada por uma testemunha que presenciou a entrega do dinheiro. Após perícias as provas deverão ser encaminhadas para o Ministério Público Eleitoral e nova denúncia de abuso de poder econômico deve ser apresentada contra a candidata. Denúncia feita à tarde Belezinha responde no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ação semelhante p

O que não te disseram sobre a "farra dos contracheques"

Enquanto a gritaria tomava conta das redes sociais, me dediquei a estudar a folha de pagamento da Prefeitura de Chapadinha e verifiquei alguns dados que precisam ser esclarecidos. Primeiro, nenhum vigia “recebe” R$ 6 mil. O presente do indicativo é usado para demonstrar ação continuada. E o vigia Marcelo Costa Abreu, segundo este mesmo Portal da Transparência que serve de fonte para pinçar informações pela metade e causar alvoroço, tem um salário de R$ 1.247,50. Nos meses de Setembro e Outubro ele recebeu gratificações para compensar outros serviços que ele teria prestado à administração municipal, segundo relato dele mesmo em áudio que circula nos grupos de WhatsApp. A tese de "rachadinha" cai por terra A realização destes trabalhos deve ser atestada, mas essa checagem desmonta a tese segunda qual ele receberia um grande salário para dividir com um ex-prefeito e um vereador. Outro dado que tem aparecido de maneira muito distorcida é a lotação de todos os

EM PRIMEIRA MÃO: EX-PREFEITA PERDE O MANDATO DE DEPUTADA

Durou pouco a passagem da ex-prefeita Ducilene Belezinha (PL) na Assembleia Legislativa do Maranhão. Ela havia sido empossada no cargo de deputada estadual no mês passado devendo favor ao deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL) que determinou que a esposa, Detinha (PL), saísse de licença. Ocorre que Belezinha foi apenas a quinta suplente da coligação, e sua a posse dependeu do falecimento de um deputado e a nomeação de três parlamentares no secretariado do governador Flávio Dino, mas um deles voltou ontem (6) para o legislativo, aliás, uma secretária: Ana do Gás (PCdoB). Parlamentar com votação expressiva em Chapadinha na eleição de 2014, quando teve o apoio do hoje prefeito Magno Bacelar, a comunista ocupava a Secretaria de Estado da Mulher, mas decidiu reassumir o mandato de deputada levando a ex-prefeita de volta à condição de suplente. Festejado com carreata organizada por seus apoiadores com pouquíssima participação popular, o mandato de Belezinha na Assembleia durou 13 dia