Pular para o conteúdo principal

Veja e suas previsões

No dia 2 de maio de 2001, a revista Veja chegou às bancas com a matéria "O efeito da popularidade". "A imagem desgastada não impede que FHC emplaque seu candidato no topo da corrida de 2002", dizia o sutiã da matéria.

Naquela época o instituto Sensus dava a avaliação positiva do Efeagacê em 29,7% e apenas 15% dos eleitores diziam-se dispostos a votar no candidato indicado pelo então presidente, segundo estudo realizado pelo próprio PSDB.

Trecho da matéria de Veja:

"Pesquisas de opinião, lembra o diretor do Ibope, Carlos Augusto Montenegro (grifo meu), são o retrato de um dia. Ou seja, o que se vê hoje pode desaparecer amanhã. (...) Mas sabe-se que sua posição (a da popularidade de Efeagacê) vai dar a medida da influência de FHC na próxima eleição. A respeito disso, existe uma idéia que se vem tornando consensual sobre a sucessão de 2002. Salvo um desastre de qualquer natureza, diferentemente do que parece, quem quer que seja o candidato apoiado por FHC em 2002 será um adversário poderoso."

O fim desta história todo o mundo sabe. Lula quase ganha no primeiro turno e massacra o candidato tucano no segundo turno.

Nesta semana a mesma revista veio as bancas com uma matéria bem diferente. "Lula não fará seu sucessor", diz a manchete com aspas. A frase não é da revista, ela jamais seria irresponsável ao ponto de afirmar algo assim tão categoricamente. A frase é o entrevistado. Quem? Carlos Augusto Montenegro.

A matéria começa com um perfil de Montenegro. Segue:

"Carlos Augusto Montenegro é um dos mais experientes analistas do cenário político nacional. Presidente do Ibope (instituto ligado à rede globo, grifo meu), empresa que virou sinônimo de pesquisa de opinião pública no Brasil, ele acompanhou com lupa todas as eleições realizadas no país desde a volta à democracia, em 1985. Agora, faltando pouco mais de um ano para a sucessão presidencial, Montenegro faz uma análise que o consagrará se acertar"

Um gênio, em resumo. Um homem preparado, eu diria.

O guru diz no meio da entrevista: "Sua reeleição (de Lula) foi um plebiscito para decidir se deveria continuar governando mais quatro anos ou não. Mas tudo indica que agora ele não fará o sucessor justamente por causa da mesmice na qual o PT mergulhou".

Depois disso vem a grande pérola:

"Faltando um ano para as eleições, o governador de São Paulo, José Serra, lidera as pesquisas. Ele tem cerca de 40% das intenções de voto. Em 1998, também faltando um ano para a eleição, o líder de então, Fernando Henrique Cardoso, ganhou. Em 2002, também um ano antes, Lula liderava - e venceu. O mesmo aconteceu em 2006. Isso, claro, não é uma regra, mas certamente uma tendência. Um candidato que foi deputado constituinte, senador, ministro duas vezes, prefeito da maior cidade do país e governador do maior colégio eleitoral é naturalmente favorito. Ele pode cair? Pode. Mas pode subir também."

Cómico, se não fosse trágico. Trágico porque este senhor preside um instituto de pesquisa de opinião pública no qual o povo brasileiro de fato confia e que influencia suas posições.

Ora, por ter sido tudo isso que Montenegro lembra José Serra aparece com essa suposta intenção de voto nas pesquisas. O que, na verdade, não passa de recall. Todo mundo já o conhece, ele não tem mais espaço pra subir, pelo contrário, não para de cair.

Essas previsões são, na verdade, torcida. Errou em 2002 e errará em 2010.

Comentários

Acho que Serra não leva. Mas dilma também não tem chance. Eles só terão oportunidade de conseguirem realmente passar doprimeiro turno. A candidatura de Marina pode tirar votos dos dois e, se ela mudar alguns aspectos de sua imagem e sua plataforma, pode até crescer al´me do que o pessoal vem prevendo.

Dilma nunca decolou, essa é a verdade, não tem carisma e não empolga. Serra é um velho conhecido e só de parar de fazer as besteiras que anda fazendo vai conseguir alguma coisa nessa eleição.

Tudo vai depender do cenário que o país e os candidatos estierem enfrentando no ano que vem e é ainda muito prematuro para fazer qualquer previsão. Até lá; muita coisa pode acontecer.
Eduardo Braga disse…
Discordo, meu caro Arthurius,

Marina terá os votos que o Cristovam teve na última eleição e, no máximo, os da vareadora Heloísa Helena, se esta não for candidata.

Em 2010 o debate será mais de projetos do que de pessoas. Nem Dilma nem Serra tem carisma, mas eles representam projetos políticos claros. Um amplamente rejeitado pela maioria do povo brasileiro, o outro aprovado por mais de 70%.

Aposto em Dilma.

Postagens mais visitadas deste blog

DE NOVO: BELEZINHA TENTA COMPRAR CANDIDATO A VEREADOR E É DENUNCIADA À POLÍCIA

Dinheiro entregue à Polícia Festejada nas redes sociais pela ex-prefeita Belezinha e seus partidários, a adesão do candidato a vereador Lucídio se revelou mais um escândalo que abuso de poder econômico. Anúncio de adesão pela manhã Horas depois do anúncio, Lucídio registrou Boletim de Ocorrência acusando a coligação adversária de lhe ter entregado R$ 5 mil para ele se deixar fotografar ao lado da candidata e apoiá-la. Ao registrar o BO, o candidato apresentou aos policiais o valor que lhe foi entregue, e áudios das conversas entre ele e intermediários da ex-prefeita. Num deles o conhecimento da candidata sobre as negociações é confirmado. A versão foi confirmada por uma testemunha que presenciou a entrega do dinheiro. Após perícias as provas deverão ser encaminhadas para o Ministério Público Eleitoral e nova denúncia de abuso de poder econômico deve ser apresentada contra a candidata. Denúncia feita à tarde Belezinha responde no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ação semelhante p

EM PRIMEIRA MÃO: EX-PREFEITA PERDE O MANDATO DE DEPUTADA

Durou pouco a passagem da ex-prefeita Ducilene Belezinha (PL) na Assembleia Legislativa do Maranhão. Ela havia sido empossada no cargo de deputada estadual no mês passado devendo favor ao deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL) que determinou que a esposa, Detinha (PL), saísse de licença. Ocorre que Belezinha foi apenas a quinta suplente da coligação, e sua a posse dependeu do falecimento de um deputado e a nomeação de três parlamentares no secretariado do governador Flávio Dino, mas um deles voltou ontem (6) para o legislativo, aliás, uma secretária: Ana do Gás (PCdoB). Parlamentar com votação expressiva em Chapadinha na eleição de 2014, quando teve o apoio do hoje prefeito Magno Bacelar, a comunista ocupava a Secretaria de Estado da Mulher, mas decidiu reassumir o mandato de deputada levando a ex-prefeita de volta à condição de suplente. Festejado com carreata organizada por seus apoiadores com pouquíssima participação popular, o mandato de Belezinha na Assembleia durou 13 dia

ORINALDO ANUNCIA ROMPIMENTO COM MAGNO E APOIO A HIGOR ALMEIDA

O ex-vereador Orinaldo Araújo, esposo da vereadora Missecley, gravou hoje mensagem para anunciar seu desligamento do grupo político do prefeito Magno Bacelar. Ao lado de três dos seus quatro filhos Orinaldo afirmou que ainda não conversou com o Higor Almeida, mas apoiará sua candidatura. “É o que candidato que representa realmente aquilo que a gente pensa, aquilo que a gente quer pro nosso município”, afirmou. Havia chamado a atenção do meio político as ausências de Orinaldo e Missecley do primeiro comício de campanha do prefeito, realizado no bairro em que eles moram e têm forte base eleitoral. A insegurança jurídica da candidatura do prefeito e o forte desgaste apresentado nas pesquisas de opinião devem gerar novas adesões nos próximos dias.