Pular para o conteúdo principal

De estratégia e sacanagem ele entende


Há um triunvirato que dá calafrios do senhor Daniel Dantas. O delegado Protógenes Queiroz, o juiz Fausto De Sanctis, e o procurador Rodrigo De Grandis.

Pois na última sexta-feira, De Grandis entregou a De Sanctis uma denúncia contra Daniel Dantas e sua curriola como desdobramento à operação Satiagraha, comandada por Protógenes.

Sobre Dantas pesam denúncias por formação de quadrilha e organização criminosa, gestão fraudulenta de instituição financeira, evasão de divisas e lavagem de dinheiro. Entre os demais denunciados estão Verônica Dantas, irmã de Daniel, e o testa de fer... digo, o presidente do Opportunity, Dório Ferman, também conhecido por ajudar as campanhas eleitorais de Marcelo Itagiba (PMDB-RJ) e Raul Jungmann (PPS-PE). Humberto Bráz, Carla Cico e Roberto Amaral (não o ex-ministro, o ex-dirigente da construtora Andrade Gutierrez) também não foram esquecidos por De Grandis.

E não pensem que o calvário de Dantas está próximo do fim. As investigações da Satiagraha continuarão e De Grandis ainda pediu a abertura de três novos inquéritos.

Um para aprofundar as investigações sobre os figuras suspeitas, porém ainda não denunciadas, como o ex-cunhado de Dantas (e amigo de Heráclito Fortes) Carlos Rodenburg e o advogado e ex-deputado Luis Eduardo Greenhalgh.

O segundo para investigar a compra da Brasil Telecom pela Oi, na qual estima-se que Dantas teria levado R$ 1 bi.

E um terceiro para investigar a participação de brasileiros que tinha, ilegalmente, cotas do Opportunity Fund, sediado nas Ilhas Cayman.



A participação no suposto mensalão

Diz a denúncia de De Grandis que Carlos Rodenburg, ex-cunhado de Dantas, teria procurado o publicitário (?) Marcos Valério queixando-se do relacionamento ruim entre o governo Lula e o grupo Opportunity. Valério, então, teria feito uma "ponte" entre Rodenburg e Delúbio Soares, à época tesoureiro do PT.

Os dois se encontraram e o emissário do Opportunity teria pedido a Delúbio que tentasse aparar as arestas (leia-se Luiz Gushiken) entre o governo com o grupo. Delúbio teria confirmado que a impressão do governo em relação ao grupo de Dantas era realmente ruim. A denúncia não aprofunda nada além disso.

A denúncia também afirma que a Brasil Telecom, na época controlada pelo Opportunity, tinha contratos com a SMP&B, empresa de Marcos Valério. O contrato teria sido firmado por indicação de Carla Cico, aconselhada por Humberto Bráz.



E a imprensa?

Claro, não poderia faltar a participação de alguém da imprensa.

Em trecho destacado da denúncia aparece a seguinte transcrição de uma fala de Daniel Dantas durante um telefonema:

- Daí sairia uma matéria paga de 7 itens, agora na 1ª PAG. Dos jornais, por o estrago aumentou; (...) acho que de estratégia e sacanagem entendo um pouco, pelo amor de Deus: Aja já.

Mais adiante, com base nas documentações apreendidas, De Grandis afirma que Roberto Amaral era pago por DD e pagava jornalistas. Dois são citados, Giba Um e CLÁUDIO HUMBERTO.

Comentários

Kleber Vinicius disse…
Braga, parabéns pelo blog.
Tenho o lido todos os dias.

Ainda tem muita coisa sobre o mensalão que ainda não sabemos, mas devagar vão aparecendo.

Talvez seja por isso que o governo tenha dado tanto apoio a esse bandido (Daniel Dantas).
Duro agora será aguentar as mirabolâncias jurídicas que o supremo capacho de Dantas já deve estar tentando criar para liberar o "Capo" de mais essa enrascada.

Agora com dois processos, Dantas (teoricamente) estaria em maus lençóis porque o crime passa a assumir um caráter de continuidade (como aconteceu com a Daslu e sua dona) o que agrava muito a pena e as consequências em um processo penal.

Infelizmente, muito pouco pode ser esperado em relação a punições para esse senhor enquanto seu principal servidor não for desmascarado e removido da Suprema Corte brasileira.
Cássio Augusto disse…
Companheiro... meu Blog foi processado pela administração municipal de Nova Londrina... acesse e se puder... divulgue!!!

Postagens mais visitadas deste blog

O que não te disseram sobre a "farra dos contracheques"

Enquanto a gritaria tomava conta das redes sociais, me dediquei a estudar a folha de pagamento da Prefeitura de Chapadinha e verifiquei alguns dados que precisam ser esclarecidos.
Primeiro, nenhum vigia “recebe” R$ 6 mil. O presente do indicativo é usado para demonstrar ação continuada. E o vigia Marcelo Costa Abreu, segundo este mesmo Portal da Transparência que serve de fonte para pinçar informações pela metade e causar alvoroço, tem um salário de R$ 1.247,50. Nos meses de Setembro e Outubro ele recebeu gratificações para compensar outros serviços que ele teria prestado à administração municipal, segundo relato dele mesmo em áudio que circula nos grupos de WhatsApp.
A realização destes trabalhos deve ser atestada, mas essa checagem desmonta a tese segunda qual ele receberia um grande salário para dividir com um ex-prefeito e um vereador.
Outro dado que tem aparecido de maneira muito distorcida é a lotação de todos os servidores como funcionários do gabinete do prefeito. Na verdade…

PRIMEIRA CHAPA CONFIRMADA: HIGOR E MARCELO MARINHEIRO

Nem o isolamento social imposto pela pandemia de Covid-19 freou as articulações políticas. Respeitando as restrições e orientações da Organização Mundial da Saúde, o empresário Higor da Universidade Infantil e o vereador Marcelo Marinheiro se encontraram na manhã desta segunda-feira (30) e definiram que formarão chapa visando as pré-candidaturas a prefeito e vice-prefeito de Chapadinha nas eleições de 2020.
Em contato com o Blog do Braga, a dupla afirmou que já vinha conversando nas últimas semanas e que tomaram a decisão após análise das últimas pesquisas de intenção de voto, que indicariam a viabilidade da composição.
Em meio às incertezas jurídicas de outros concorrentes, Chapadinha ganha a primeira chapa 100% definida e ficha-limpa para as próximas eleições. Após o término do período de isolamento social proposto pela OMS os pré-candidatos informarão o calendário de eventos destinados à propagação das suas plataformas políticas.
“Por enquanto, nos cabe apenas desejar a todos mui…

Uma decisão que não se sustenta

Há tempos o município dava sinais de que conseguiria manter o calendário de pagamento dos servidores públicos de acordo com a promessa de campanha do prefeito Magno Bacelar, com 10 dias dentro do mês trabalho. Ontem a Prefeitura anunciou que todos os servidores receberão no limite previsto em lei e as reações foram instantâneas.
Até a aliada presidente da Câmara, professora Vera, já se pronunciou duramente repudiando a decisão do prefeito. “Não vejo justificativa para a medida da Prefeitura de transferir os pagamentos para o 5º dia útil do mês subsequente”, declarou em redes sociais.
Apesar de não haver ilegalidade no anúncio, algumas considerações precisam ser feitas. A primeira, e mais importante neste momento de pandemia, é que nunca foi tão necessário escalonar o pagamento. Para evitar aglomerações ainda maiores nas agências bancárias, os servidores de diferentes órgãos deveriam receber em dias alternados.
Em segundo lugar, a crise econômica agravada pela pandemia de Covid-19 po…