Pular para o conteúdo principal

Certezas nas dúvidas

Engraçado o quadro político do Distrito Federal para as eleições de 2010.

Há três grandes polos políticos na cidade hoje. Um polo azul, do ex-governador Joaquim Roriz, um polo vermelho, da esquerda, e um polo verde, governador Zé Arruda. Em todos, nada está definido até agora.

Joaquim Roriz, aquele que nunca perdeu uma eleição no DF, vê boa parte do PMDB, partido do qual ele é vice-presidente nacional, se rendendo aos encantos do governo Zé Arruda ($$$).

Zé Arruda foi candidato a governador em 2006 se comprometendo a apoiar seu vice, Paulo Octávio, em 2010. Arruda, como se sabe, não é de cumprir acordo (perguntem aos professores), mas ainda paira o fantasma deste acordo sobre sua pré-candidatura a reeleição.

Na esquerda, o chamado bloquinho (PSB, PDT e PCdoB) ensaia uma candidatura independente do PT, que, por sua vez, ainda sofre dificuldade para tomar a decisão que todos sabem que será tomada. O deputado federal Geraldo Magela insiste em manter seu nome como pré-candidato e o ex-ministro Agnelo Queiroz, diante da decisão do partido de só escolher candidatos onde não há consenso em março de 2010, anunciou que não disputará mais a indicação do partido para concorrer ao GDF. A essa altura esta movimentação diz pouca coisa, já que a disposição de lançado na disputa não é apenas dele, mas de mais de 70% do partido no DF.

Neste quadros de incertezas algumas coisas começando a parecer mais claras.

Roriz será candidato, nem que tenha que mudar de partido, e essa possível mudança não muda sua força eleitoral.

Paulo Octávio é o pato da história. Arruda candidatíssimo.

O PT lançará Agnelo para disputar o palácio do Buriti. O bloquinho deve acabar indo junto.

Uma destas forças ficará de fora do segundo turno e qualquer uma delas pode ganhar.

2010 já começou.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que não te disseram sobre a "farra dos contracheques"

Enquanto a gritaria tomava conta das redes sociais, me dediquei a estudar a folha de pagamento da Prefeitura de Chapadinha e verifiquei alguns dados que precisam ser esclarecidos.
Primeiro, nenhum vigia “recebe” R$ 6 mil. O presente do indicativo é usado para demonstrar ação continuada. E o vigia Marcelo Costa Abreu, segundo este mesmo Portal da Transparência que serve de fonte para pinçar informações pela metade e causar alvoroço, tem um salário de R$ 1.247,50. Nos meses de Setembro e Outubro ele recebeu gratificações para compensar outros serviços que ele teria prestado à administração municipal, segundo relato dele mesmo em áudio que circula nos grupos de WhatsApp.
A realização destes trabalhos deve ser atestada, mas essa checagem desmonta a tese segunda qual ele receberia um grande salário para dividir com um ex-prefeito e um vereador.
Outro dado que tem aparecido de maneira muito distorcida é a lotação de todos os servidores como funcionários do gabinete do prefeito. Na verdade…

PRIMEIRA CHAPA CONFIRMADA: HIGOR E MARCELO MARINHEIRO

Nem o isolamento social imposto pela pandemia de Covid-19 freou as articulações políticas. Respeitando as restrições e orientações da Organização Mundial da Saúde, o empresário Higor da Universidade Infantil e o vereador Marcelo Marinheiro se encontraram na manhã desta segunda-feira (30) e definiram que formarão chapa visando as pré-candidaturas a prefeito e vice-prefeito de Chapadinha nas eleições de 2020.
Em contato com o Blog do Braga, a dupla afirmou que já vinha conversando nas últimas semanas e que tomaram a decisão após análise das últimas pesquisas de intenção de voto, que indicariam a viabilidade da composição.
Em meio às incertezas jurídicas de outros concorrentes, Chapadinha ganha a primeira chapa 100% definida e ficha-limpa para as próximas eleições. Após o término do período de isolamento social proposto pela OMS os pré-candidatos informarão o calendário de eventos destinados à propagação das suas plataformas políticas.
“Por enquanto, nos cabe apenas desejar a todos mui…

Uma decisão que não se sustenta

Há tempos o município dava sinais de que conseguiria manter o calendário de pagamento dos servidores públicos de acordo com a promessa de campanha do prefeito Magno Bacelar, com 10 dias dentro do mês trabalho. Ontem a Prefeitura anunciou que todos os servidores receberão no limite previsto em lei e as reações foram instantâneas.
Até a aliada presidente da Câmara, professora Vera, já se pronunciou duramente repudiando a decisão do prefeito. “Não vejo justificativa para a medida da Prefeitura de transferir os pagamentos para o 5º dia útil do mês subsequente”, declarou em redes sociais.
Apesar de não haver ilegalidade no anúncio, algumas considerações precisam ser feitas. A primeira, e mais importante neste momento de pandemia, é que nunca foi tão necessário escalonar o pagamento. Para evitar aglomerações ainda maiores nas agências bancárias, os servidores de diferentes órgãos deveriam receber em dias alternados.
Em segundo lugar, a crise econômica agravada pela pandemia de Covid-19 po…