Pular para o conteúdo principal

E se houvesse reação...

Hoje completam-se 45 anos passados do golpe militar de 1964, que derrubou o governo João Goulart e instaurou a ditadura militar no Brasil.

Foi um golpe muito estranho. Não tenho notícia de outro país que passou por um golpe de Estado e que no dia seguinte teve reunião do Congresso Nacional. Ouça aqui o áudio do então presidente do Senado, Auro de Moura Andrade, sentenciando que Jango teria deixado a nação "acéfala", declarando a posse na presidência da República do então presidente da Câmara Ranieri Mazzili e dando um caráter institucional a algo que aconteceu na marra, mas sem violência.

Jango, acuado pelo movimentos golpistas, "exilou-se" no Rio Grande do Sul, governado a época pelo seu cunhado Leonel Brizola e deixou o país logo após o golpe. Brizola pretendia realizar um movimento de resistência, mas o próprio João Goulart recusou "para evitar um derramamente de sangue".

Ora, mesmo que houvesse um derramamente de sangue, a democracia deveria ter sido defendida. E, perdendo ou ganhando, o movimento de resistência seria um marco na história brasileira. Uma das piores consequências da ditadura que se seguiu foi a criação de uma geração extramente alienada, o que reflete na vida política brasileira ainda hoje. Com a resistência a tendência seria exatamente o contrário.


O governo

Vale a pena lembrar o que foi o governo de João Goulart. Ele foi eleito vice-presidente e assumiu depois de Jânio Quadros renunciar, apesar de já ali terem havido movimentações golpista para evitar sua posse.

Jando tinha ministro notáveis como Darcy Ribeiro na Casa Civil e Celso Furtado no Planejamento, que lançou o plano trienal, que pretendia solucionar os problemas estruturais do país com as reformas de base, entre as quais:

Reforma educacional: Visava combater oanalfabetismo com a multiplicação nacional das pioneiras experiências do Método Paulo Freire. O governo também se propunha a realizar uma reforma universitária e proibiu o funcionamento de escolas particulares. Foi imposto que 15% da renda produzida no Brasil seria direcionada à educação;
Reforma tributária: Controle da remessa de lucros das empresas multinacionais para o exterior; o lucro deveria ser reinvestido no Brasil;
Reforma eleitoral: Extensão do direito de voto aos analfabetos e aos militares de baixa patente.
Reforma agrária: Terras com mais de 600 hectares seriam desapropriadas e redistribuídas à população pelo governo. Neste momento, a população agrária era maior do que a urbana.

Não é difícil saber porque ele foi derrubado.

Comentários

Como é cara-palida "se não haveria derramamento de sangue"... Pelo que me consta da história e de todos os que tombaram, houve do mesmo jeito! Talvez de uma forma mais covarde.
Eduardo Braga disse…
O receio era de se deflagrar uma guerra civil.

Postagens mais visitadas deste blog

DE NOVO: BELEZINHA TENTA COMPRAR CANDIDATO A VEREADOR E É DENUNCIADA À POLÍCIA

Dinheiro entregue à Polícia Festejada nas redes sociais pela ex-prefeita Belezinha e seus partidários, a adesão do candidato a vereador Lucídio se revelou mais um escândalo que abuso de poder econômico. Anúncio de adesão pela manhã Horas depois do anúncio, Lucídio registrou Boletim de Ocorrência acusando a coligação adversária de lhe ter entregado R$ 5 mil para ele se deixar fotografar ao lado da candidata e apoiá-la. Ao registrar o BO, o candidato apresentou aos policiais o valor que lhe foi entregue, e áudios das conversas entre ele e intermediários da ex-prefeita. Num deles o conhecimento da candidata sobre as negociações é confirmado. A versão foi confirmada por uma testemunha que presenciou a entrega do dinheiro. Após perícias as provas deverão ser encaminhadas para o Ministério Público Eleitoral e nova denúncia de abuso de poder econômico deve ser apresentada contra a candidata. Denúncia feita à tarde Belezinha responde no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ação semelhante p

EM PRIMEIRA MÃO: EX-PREFEITA PERDE O MANDATO DE DEPUTADA

Durou pouco a passagem da ex-prefeita Ducilene Belezinha (PL) na Assembleia Legislativa do Maranhão. Ela havia sido empossada no cargo de deputada estadual no mês passado devendo favor ao deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL) que determinou que a esposa, Detinha (PL), saísse de licença. Ocorre que Belezinha foi apenas a quinta suplente da coligação, e sua a posse dependeu do falecimento de um deputado e a nomeação de três parlamentares no secretariado do governador Flávio Dino, mas um deles voltou ontem (6) para o legislativo, aliás, uma secretária: Ana do Gás (PCdoB). Parlamentar com votação expressiva em Chapadinha na eleição de 2014, quando teve o apoio do hoje prefeito Magno Bacelar, a comunista ocupava a Secretaria de Estado da Mulher, mas decidiu reassumir o mandato de deputada levando a ex-prefeita de volta à condição de suplente. Festejado com carreata organizada por seus apoiadores com pouquíssima participação popular, o mandato de Belezinha na Assembleia durou 13 dia

ORINALDO ANUNCIA ROMPIMENTO COM MAGNO E APOIO A HIGOR ALMEIDA

O ex-vereador Orinaldo Araújo, esposo da vereadora Missecley, gravou hoje mensagem para anunciar seu desligamento do grupo político do prefeito Magno Bacelar. Ao lado de três dos seus quatro filhos Orinaldo afirmou que ainda não conversou com o Higor Almeida, mas apoiará sua candidatura. “É o que candidato que representa realmente aquilo que a gente pensa, aquilo que a gente quer pro nosso município”, afirmou. Havia chamado a atenção do meio político as ausências de Orinaldo e Missecley do primeiro comício de campanha do prefeito, realizado no bairro em que eles moram e têm forte base eleitoral. A insegurança jurídica da candidatura do prefeito e o forte desgaste apresentado nas pesquisas de opinião devem gerar novas adesões nos próximos dias.