Pular para o conteúdo principal

E se houvesse reação...

Hoje completam-se 45 anos passados do golpe militar de 1964, que derrubou o governo João Goulart e instaurou a ditadura militar no Brasil.

Foi um golpe muito estranho. Não tenho notícia de outro país que passou por um golpe de Estado e que no dia seguinte teve reunião do Congresso Nacional. Ouça aqui o áudio do então presidente do Senado, Auro de Moura Andrade, sentenciando que Jango teria deixado a nação "acéfala", declarando a posse na presidência da República do então presidente da Câmara Ranieri Mazzili e dando um caráter institucional a algo que aconteceu na marra, mas sem violência.

Jango, acuado pelo movimentos golpistas, "exilou-se" no Rio Grande do Sul, governado a época pelo seu cunhado Leonel Brizola e deixou o país logo após o golpe. Brizola pretendia realizar um movimento de resistência, mas o próprio João Goulart recusou "para evitar um derramamente de sangue".

Ora, mesmo que houvesse um derramamente de sangue, a democracia deveria ter sido defendida. E, perdendo ou ganhando, o movimento de resistência seria um marco na história brasileira. Uma das piores consequências da ditadura que se seguiu foi a criação de uma geração extramente alienada, o que reflete na vida política brasileira ainda hoje. Com a resistência a tendência seria exatamente o contrário.


O governo

Vale a pena lembrar o que foi o governo de João Goulart. Ele foi eleito vice-presidente e assumiu depois de Jânio Quadros renunciar, apesar de já ali terem havido movimentações golpista para evitar sua posse.

Jando tinha ministro notáveis como Darcy Ribeiro na Casa Civil e Celso Furtado no Planejamento, que lançou o plano trienal, que pretendia solucionar os problemas estruturais do país com as reformas de base, entre as quais:

Reforma educacional: Visava combater oanalfabetismo com a multiplicação nacional das pioneiras experiências do Método Paulo Freire. O governo também se propunha a realizar uma reforma universitária e proibiu o funcionamento de escolas particulares. Foi imposto que 15% da renda produzida no Brasil seria direcionada à educação;
Reforma tributária: Controle da remessa de lucros das empresas multinacionais para o exterior; o lucro deveria ser reinvestido no Brasil;
Reforma eleitoral: Extensão do direito de voto aos analfabetos e aos militares de baixa patente.
Reforma agrária: Terras com mais de 600 hectares seriam desapropriadas e redistribuídas à população pelo governo. Neste momento, a população agrária era maior do que a urbana.

Não é difícil saber porque ele foi derrubado.

Comentários

Como é cara-palida "se não haveria derramamento de sangue"... Pelo que me consta da história e de todos os que tombaram, houve do mesmo jeito! Talvez de uma forma mais covarde.
Eduardo Braga disse…
O receio era de se deflagrar uma guerra civil.

Postagens mais visitadas deste blog

BELEZINHA ASFALTOU ATÉ O CAMINHO PARA A REELEIÇÃO

Passada a eleição estadual, o único grupo vencedor em Chapadinha foi o que já ocupa a Prefeitura. O resto se dividiu entre sobreviventes, humilhados e aposentados. Após ter sido a candidata a deputada estadual mais votada da história do município em 2018, com 12.403 votos, Belezinha alargou o recorde com os 18.548 votos de Aluizio Santos, elegendo-o para o cargo e vendo os adversários absolutamente perdidos. Se na eleição anterior os demais grupos se dividiram em 8 candidaturas acima da faixa de 500 votos, somando 17.752, desta vez foram 11 candidaturas e apenas 15.109 votos. A pulverização e o desempenho fraco já demonstram que a oposição teria dificuldade de derrotar a prefeita mesmo se conseguisse uma improvável união para 2024. Entre os derrotados da eleição destacam-se os ex-prefeitos. Dr. Magno Bacelar passou pelo segundo constrangimento seguido (e desnecessário) sem conseguir mais do que 679 votos para Adriano Sarney e Isaías Fortes, que ficou aquém do prometido a Davi Bra

FLÁVIO DINO INAUGURA IEMA E PEDE QUE BELEZINHA ENTREGUE UPA AO ESTADO

Nesta manhã Chapadinha recebeu Flávio Dino pela última vez antes de deixar o cargo de governador. Antes de seguir para outros municípios da região entregando outros aparelhos públicos, o socialista inaugurou a unidade local do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IEMA), e a cerimônia foi movimentada, principalmente nos seus bastidores! Ausente do evento supostamente por motivo de saúde Belezinha foi representada pelo vice-prefeito que ouviu do governador novo apelo para que o município entregue a gestão da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) para o governo do estado. “Eu não olho quem é o prefeito, eu não olho partido. O meu partido é o Maranhão e por isso eu sempre estarei a disposição da cidade de Chapadinha”, disse em discurso. Confira:   O governador já tinha se colocado a disposição para assumir a responsabilidade da UPA na sua última visita a Chapadinha e o vice-prefeito até foi às redes sociais defender a entrega da unidade. Ambos foram ignorados por Be

ALUIZIO SANTOS FALA SOBRE SUA SAÚDE

O secretário Aluizio Santos concedeu entrevista ao programa Alerta Geral, apresentado pelo jornalista Luis Carlos Jr. na rádio Cultura de Chapadinha, nesta manhã (10) e tratou do assunto que já estava dominando as rodas de conversa da política local: seu estado de saúde. Segundo o relato, desde o mês de junho ele estava acompanhando o aumento de dois linfonodos na sua virilha e decidiu, com a equipe de médicos que o acompanha em Chapadinha, pela remoção cirúrgica de ambos. O procedimento aconteceu no dia 25 de outubro e desde então ele ficou em repouso. O diagnóstico conclusivo sobre o tratamento de saúde ao qual ele precisará se submeter deverá ser apresentado em 10 dias, mas Aluizio tem voltado às atividades políticas, inclusive às articulações da sua pré-candidatura a deputado estadual. Assista o vídeo da entrevista no final da matéria.   ENTENDA O QUADRO A íngua é o inchaço dos linfonodos, pequenos órgãos do sistema linfático que atuam na defesa do organismo humano prod