Pular para o conteúdo principal

Confesso, comprei uma Veja

Depois de vários anos, comprei neste último fim de semana um exemplar da revista Veja. Curiosidade, como dizem na minha terra, ainda mata.

O que me motivou foi a revelação, como denúncia, de que o delegado Protógenes Queiroz teria declarado ao Ministério Público que a operação Satiagraha foi gerada por determinação do presidente da República.

Até hoje fiquei pensando. Comentar ou não comentar? Repercutir ou não repercutir? Dar ou não toda essa moral para Veja. Resolvi falar, mas não se acostumem.

Me assustei. Não com as denúncias, mas com o fato de ainda haver pessoas que levam a sério o que é publicado ali. Cada palavra, cada vírgula é claramente colocada ali para tentar demorabilizar a operação Satiagraha.

"Protógenes (...) fez uma revelação que, se verdadeira, pode vir a ter consequências graves" (pag. 72)

Quais? Ora, nos bastidores sempre se soube quem é Daniel Dantas, muito graças ao ex-ministro Luiz Gushiken. A partir de 2004, com a deflagração da Operação Chacal, na qual Dantas já quase ia preso, a presidência da República foi municiada, por parte a Abin, de informações que a levaram a pedir que a Polícia Federal aprofundasse investigações.

E daí? Qual a ilegalidade? Nenhuma, muito pelo contrário. Se assim mesmo tudo ocorreu, a Abin e o presidente da República nada mais fizeram do que cumprir suas obrigações.

Outra denúncia. Protógenes teria declarado também que o juiz Fausto De Sanctis e o procurador Rodrigo De Grandis sabiam da participação de servidores da Abin na operação. O juiz e o procurador, porém, negam. Esta "revelação" é descrita pela revista como incômoda.

Três pontos, que supostamente foram comprovados entre as declarações de Protógenes ao MP e publicação, são frisados em seguida: 1) a participação dos espiões da Abin foi muito mais intensa do que uma simples colaboração; 2) os agentes da Abin foram acionados para dar a forma de relatório a escutas telefônicas legiais e ilegais; 3) Eles seguiram autoridades e vigiaram suspeitos. (pág. 74)

Ora, Protógenes estava elaborando uma investigação da maior importância e seus superiores da Polícia Federal, depois da ida de Paulo Lacerda para a Abin, estavam lhe sabotando e tirando-lhe estrutura para realizar a operação. Assim, o delegado foi buscar, legalmente, auxílio onde poderia encontrar. Na Abin, componente do Sistema Brasileiro de Inteligência, assim como a PF. Se, para superar as dificuldades que estava tendo dentro da própria instituição, ele contou com a participação de um, dois, cinco, quinze, oitenta ou duzentos servidores da Abin nas investigações. Isto é um detalhe. A participação deles foi legal.

Outra coisa, não há ainda qualquer prova de que houve uma escuta telefônica ilegal sequer no decorrer das investigações comandadas por Protógenes.

Expedito Filho continua a reportagem com uma série de raciocínios que só fazem sentido na sua própria cabeça e depois sentencia: "Prorrogada por mais sessenta dias, a CPI dos Grampos é o foro próprio para que essas perguntas sejam feitas e respondidas". Em outras palavras, o melhor lugar para buscar a verdade é na CPI onde o banqueiro Daniel Dantas disse se sentir em casa.

No final da reportagem, Expedito transcreve uma fala de Raul Jungmann (PPS-PE), ex-ministro do governo Efeagacê que teve sua campanha financiada pelo presidente do Opportunity, dizendo que "(...) a operação realmente não tinha nenhum limite ou controle". São sempre essas mesmas figuras. Jungmann, Itagiba, Gilmar Mendes...

Protógenes voltará à CPI do Itagiba , aquela na qual Dantas disse se sentir em casa, no dia 1º de abril e promete "dar nomes as bois".

Quem vier, verá.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DE NOVO: BELEZINHA TENTA COMPRAR CANDIDATO A VEREADOR E É DENUNCIADA À POLÍCIA

Dinheiro entregue à Polícia Festejada nas redes sociais pela ex-prefeita Belezinha e seus partidários, a adesão do candidato a vereador Lucídio se revelou mais um escândalo que abuso de poder econômico. Anúncio de adesão pela manhã Horas depois do anúncio, Lucídio registrou Boletim de Ocorrência acusando a coligação adversária de lhe ter entregado R$ 5 mil para ele se deixar fotografar ao lado da candidata e apoiá-la. Ao registrar o BO, o candidato apresentou aos policiais o valor que lhe foi entregue, e áudios das conversas entre ele e intermediários da ex-prefeita. Num deles o conhecimento da candidata sobre as negociações é confirmado. A versão foi confirmada por uma testemunha que presenciou a entrega do dinheiro. Após perícias as provas deverão ser encaminhadas para o Ministério Público Eleitoral e nova denúncia de abuso de poder econômico deve ser apresentada contra a candidata. Denúncia feita à tarde Belezinha responde no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ação semelhante p

PACIENTES E PROFISSIONAIS DA SAÚDE RELATAM COLAPSO NA UPA DE CHAPADINHA

Os últimos dias têm sido de exaustão para quem está trabalhando na linha de frente do combate à Covid em Chapadinha. Profissionais da UPA relatam que a unidade entrou em colapso, os leitos estão lotados, pacientes aguardando nos corredores e os funcionários se sentindo impotentes diante o quadro. “Imagina o que é você se doar, prestar um serviço, ver gente morrendo todo dia e as pessoas continuarem suas vidas aglomerando”, desabafou um deles em rede social. Com quadro reduzido de funcionários, os servidores buscam fazer o que é possível, mas as dificuldades estão aumentando num grau insuportável. Enquanto isso pipocam nas redes sociais fotos e vídeos de pacientes e acompanhantes denunciando os problemas que estão enfrentando, principalmente com falta de médicos para atender a demanda crescente. A escala publicada pela Prefeitura mostra o quanto tem sido exigido dos profissionais. Apenas um médico por dia, sendo ora Dr. Kingsley Ifly, que na mesma data atende no HAPA , ora o Dr. Felipe

EXPOSTA A MÁQUINA DE COMPRA DE APOIOS DE BELEZINHA

Quem dizia que já estava com a eleição decidida abriu a carteira para tentar vencer na força do dinheiro.  O Blog do Alexandre Pinheiro publicou uma séria de mensagens e áudios envolvendo personagens da campanha da ex-prefeita Belezinha que explicam as últimas declarações de apoio à candidata. Leia aqui a matéria. Só sorrisos Denunciada à Polícia por ter tentado comprar o apoio do candidato a vereador Lucídio Santos por R$ 5 mil, Belezinha tem alegado ter sido alvo de uma armação, mas os diálogos expostos agora comprovam que a iniciativa de negociar com ele partiu de um dos seus partidários presente na foto que anunciava a adesão de Lucídio. (Áudios no final deste texto) Nos áudios o candidato chega a descartar a possibilidade de acordo (vídeo 1), mas o articulador Aluízio Santos insiste em conversar pessoalmente e noutro momento Lucídio aparece agradecendo a Shicleiton Sousa (vídeo 2) pelos R$ 5 mil posteriormente entregues à Polícia. Sem imagens e com áudio de pouca qualidade,