Pular para o conteúdo principal

Confesso, comprei uma Veja

Depois de vários anos, comprei neste último fim de semana um exemplar da revista Veja. Curiosidade, como dizem na minha terra, ainda mata.

O que me motivou foi a revelação, como denúncia, de que o delegado Protógenes Queiroz teria declarado ao Ministério Público que a operação Satiagraha foi gerada por determinação do presidente da República.

Até hoje fiquei pensando. Comentar ou não comentar? Repercutir ou não repercutir? Dar ou não toda essa moral para Veja. Resolvi falar, mas não se acostumem.

Me assustei. Não com as denúncias, mas com o fato de ainda haver pessoas que levam a sério o que é publicado ali. Cada palavra, cada vírgula é claramente colocada ali para tentar demorabilizar a operação Satiagraha.

"Protógenes (...) fez uma revelação que, se verdadeira, pode vir a ter consequências graves" (pag. 72)

Quais? Ora, nos bastidores sempre se soube quem é Daniel Dantas, muito graças ao ex-ministro Luiz Gushiken. A partir de 2004, com a deflagração da Operação Chacal, na qual Dantas já quase ia preso, a presidência da República foi municiada, por parte a Abin, de informações que a levaram a pedir que a Polícia Federal aprofundasse investigações.

E daí? Qual a ilegalidade? Nenhuma, muito pelo contrário. Se assim mesmo tudo ocorreu, a Abin e o presidente da República nada mais fizeram do que cumprir suas obrigações.

Outra denúncia. Protógenes teria declarado também que o juiz Fausto De Sanctis e o procurador Rodrigo De Grandis sabiam da participação de servidores da Abin na operação. O juiz e o procurador, porém, negam. Esta "revelação" é descrita pela revista como incômoda.

Três pontos, que supostamente foram comprovados entre as declarações de Protógenes ao MP e publicação, são frisados em seguida: 1) a participação dos espiões da Abin foi muito mais intensa do que uma simples colaboração; 2) os agentes da Abin foram acionados para dar a forma de relatório a escutas telefônicas legiais e ilegais; 3) Eles seguiram autoridades e vigiaram suspeitos. (pág. 74)

Ora, Protógenes estava elaborando uma investigação da maior importância e seus superiores da Polícia Federal, depois da ida de Paulo Lacerda para a Abin, estavam lhe sabotando e tirando-lhe estrutura para realizar a operação. Assim, o delegado foi buscar, legalmente, auxílio onde poderia encontrar. Na Abin, componente do Sistema Brasileiro de Inteligência, assim como a PF. Se, para superar as dificuldades que estava tendo dentro da própria instituição, ele contou com a participação de um, dois, cinco, quinze, oitenta ou duzentos servidores da Abin nas investigações. Isto é um detalhe. A participação deles foi legal.

Outra coisa, não há ainda qualquer prova de que houve uma escuta telefônica ilegal sequer no decorrer das investigações comandadas por Protógenes.

Expedito Filho continua a reportagem com uma série de raciocínios que só fazem sentido na sua própria cabeça e depois sentencia: "Prorrogada por mais sessenta dias, a CPI dos Grampos é o foro próprio para que essas perguntas sejam feitas e respondidas". Em outras palavras, o melhor lugar para buscar a verdade é na CPI onde o banqueiro Daniel Dantas disse se sentir em casa.

No final da reportagem, Expedito transcreve uma fala de Raul Jungmann (PPS-PE), ex-ministro do governo Efeagacê que teve sua campanha financiada pelo presidente do Opportunity, dizendo que "(...) a operação realmente não tinha nenhum limite ou controle". São sempre essas mesmas figuras. Jungmann, Itagiba, Gilmar Mendes...

Protógenes voltará à CPI do Itagiba , aquela na qual Dantas disse se sentir em casa, no dia 1º de abril e promete "dar nomes as bois".

Quem vier, verá.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

BELEZINHA ASFALTOU ATÉ O CAMINHO PARA A REELEIÇÃO

Passada a eleição estadual, o único grupo vencedor em Chapadinha foi o que já ocupa a Prefeitura. O resto se dividiu entre sobreviventes, humilhados e aposentados. Após ter sido a candidata a deputada estadual mais votada da história do município em 2018, com 12.403 votos, Belezinha alargou o recorde com os 18.548 votos de Aluizio Santos, elegendo-o para o cargo e vendo os adversários absolutamente perdidos. Se na eleição anterior os demais grupos se dividiram em 8 candidaturas acima da faixa de 500 votos, somando 17.752, desta vez foram 11 candidaturas e apenas 15.109 votos. A pulverização e o desempenho fraco já demonstram que a oposição teria dificuldade de derrotar a prefeita mesmo se conseguisse uma improvável união para 2024. Entre os derrotados da eleição destacam-se os ex-prefeitos. Dr. Magno Bacelar passou pelo segundo constrangimento seguido (e desnecessário) sem conseguir mais do que 679 votos para Adriano Sarney e Isaías Fortes, que ficou aquém do prometido a Davi Bra

ALUIZIO SANTOS FALA SOBRE SUA SAÚDE

O secretário Aluizio Santos concedeu entrevista ao programa Alerta Geral, apresentado pelo jornalista Luis Carlos Jr. na rádio Cultura de Chapadinha, nesta manhã (10) e tratou do assunto que já estava dominando as rodas de conversa da política local: seu estado de saúde. Segundo o relato, desde o mês de junho ele estava acompanhando o aumento de dois linfonodos na sua virilha e decidiu, com a equipe de médicos que o acompanha em Chapadinha, pela remoção cirúrgica de ambos. O procedimento aconteceu no dia 25 de outubro e desde então ele ficou em repouso. O diagnóstico conclusivo sobre o tratamento de saúde ao qual ele precisará se submeter deverá ser apresentado em 10 dias, mas Aluizio tem voltado às atividades políticas, inclusive às articulações da sua pré-candidatura a deputado estadual. Assista o vídeo da entrevista no final da matéria.   ENTENDA O QUADRO A íngua é o inchaço dos linfonodos, pequenos órgãos do sistema linfático que atuam na defesa do organismo humano prod

FLÁVIO DINO INAUGURA IEMA E PEDE QUE BELEZINHA ENTREGUE UPA AO ESTADO

Nesta manhã Chapadinha recebeu Flávio Dino pela última vez antes de deixar o cargo de governador. Antes de seguir para outros municípios da região entregando outros aparelhos públicos, o socialista inaugurou a unidade local do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IEMA), e a cerimônia foi movimentada, principalmente nos seus bastidores! Ausente do evento supostamente por motivo de saúde Belezinha foi representada pelo vice-prefeito que ouviu do governador novo apelo para que o município entregue a gestão da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) para o governo do estado. “Eu não olho quem é o prefeito, eu não olho partido. O meu partido é o Maranhão e por isso eu sempre estarei a disposição da cidade de Chapadinha”, disse em discurso. Confira:   O governador já tinha se colocado a disposição para assumir a responsabilidade da UPA na sua última visita a Chapadinha e o vice-prefeito até foi às redes sociais defender a entrega da unidade. Ambos foram ignorados por Be