Pular para o conteúdo principal

A saída está na comunidade

Desde sua criação por Darcy Ribeiro, a UnB tem servido de exemplo. Foi ela que deu início a diversas mudanças na estrutura e no funcionamento do sistema universitário brasileiro. A atual administração do reitor Timothy Mulholland estava dando continuidade a essa história, até a decisão equivocada de retomar ao velho hábito de manter apartamento funcional para o reitor e de desperdiçar recursos para mobiliar esse apartamento.

Mesmo que nenhum ato ilegal tenha sido cometido, houve clara falta de ética nas prioridades na canalização de recursos para o apartamento funcional, em detrimento de gastos mais urgentes e comprometidos com as atividades-fim e o bem-estar da comunidade. Além das prioridades equivocadas, a decisão feriu gravemente a imagem da instituição e ofuscou realizações positivas de uma história que vem trazendo importantes mudanças na UnB, inclusive realizadas pelo reitor Timothy.

Devemos prestar reconhecimento à atual administração da UnB pelo que vem fazendo. Mas precisamos também reconhecer o grave erro cometido, suas conseqüências e a obrigação que a instituição tem de sair dessa situação e defender sua autonomia, ameaçada pelo desprestígio e pela presença da polícia e de interventores no câmpus — o que só acontecia durante a ditadura. O único caminho para retomar o prestígio da UnB e garantir sua autonomia é recolocar seu destino e sua condução nas mãos da comunidade, debatendo as denúncias que pesam sobre a Finatec e sobre os gastos com o apartamento a ser destinado aos reitores.

Ao reitor, de imediato, cabem quatro ações: a) substituir sua defesa, baseada na legalidade, pelo reconhecimento do erro cometido, e pedir desculpas; b) aceitar o debate com toda a comunidade, consultando professores, alunos e servidores sobre as medidas a serem tomadas para corrigir a presente situação, evitar que ela se repita e recuperar a imagem da instituição; c) abrir ao escrutínio da comunidade e da sociedade as contas de todos os órgãos da UnB e entidades afins, desde 1985; d) dedicar-se integralmente a esse debate, liberando-se das atividades normais de reitor, de modo a evitar a interrupção do dia-a-dia da administração e os projetos em andamento.

À comunidade, cabe: a) reconhecer que tem estado alienada e omissa, entregando os destinos da instituição apenas aos dirigentes; perguntar-se como é possível que a comunidade acadêmica só tenha sabido desses fatos pelos jornais, graças ao Ministério Público; b) retomar a participação e o debate, sem se limitar a esse fato, refletindo sobre a perda de compromisso público que caracteriza as funções estatais brasileiras; reconhecer que o mais grave é que esses erros sejam legais; como era legal a escravidão; como ainda é legal termos 16 milhões de analfabetos e, ao mesmo tempo, 4,5 milhões de universitários; é legal que apenas um terço de nossos jovens terminem o ensino médio; é legal pagar salários baixos aos professores da educação básica; promover gastos luxuosos em prédios públicos do Judiciário, Legislativo e Executivo; são legais as lixeiras caras que existem nos palácios do setor público, sob o olhar omisso de todos.

Além de denunciar o erro do reitor, a comunidade acadêmica não pode ficar omissa diante da corrupção nas prioridades e do corporativismo dos dirigentes e da comunidade, que olham para suas instituições como se o mundo não existisse além dos seus limites. O debate não deve se limitar ao apartamento do reitor, nem ao que aconteceu dentro do câmpus. Nem pode se reduzir à classificação dos fatos como legais ou ilegais. É preciso discutir se foram corretos e éticos.

Sem desculpar aqueles que, utilizando fundações paralelas, tomam decisões que causam desperdício, precisamos reconhecer que há muito mais austeridade nas unidades públicas de ensino superior do que nos demais órgãos estatais brasileiros. Nem devemos esquecer que nós, universitários, temos ficado omissos diante da vergonhosa falta de ética nas prioridades que caracteriza a administração pública brasileira.

Não podemos deixar que a crise diminua o valor e o prestígio da UnB, nem deixar que esse erro sirva para estigmatizar toda a comunidade universitária brasileira que, sem recursos, tem conseguido levar adiante o desenvolvimento científico e tecnológico do Brasil. Isso depende de cada aluno, dirigente, professor, servidor. Eles precisam pedir desculpas por sua alienação ante a administração. E o reitor deve pedir desculpas por seu grave erro, e colocar o futuro da UnB nas mãos da comunidade.

Cristovam Buarque,
Ex-reitor da Universidade de Brasília (UnB), ex-governador do Distrito Federal e senador da República pelo PDT

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

BELEZINHA ASFALTOU ATÉ O CAMINHO PARA A REELEIÇÃO

Passada a eleição estadual, o único grupo vencedor em Chapadinha foi o que já ocupa a Prefeitura. O resto se dividiu entre sobreviventes, humilhados e aposentados. Após ter sido a candidata a deputada estadual mais votada da história do município em 2018, com 12.403 votos, Belezinha alargou o recorde com os 18.548 votos de Aluizio Santos, elegendo-o para o cargo e vendo os adversários absolutamente perdidos. Se na eleição anterior os demais grupos se dividiram em 8 candidaturas acima da faixa de 500 votos, somando 17.752, desta vez foram 11 candidaturas e apenas 15.109 votos. A pulverização e o desempenho fraco já demonstram que a oposição teria dificuldade de derrotar a prefeita mesmo se conseguisse uma improvável união para 2024. Entre os derrotados da eleição destacam-se os ex-prefeitos. Dr. Magno Bacelar passou pelo segundo constrangimento seguido (e desnecessário) sem conseguir mais do que 679 votos para Adriano Sarney e Isaías Fortes, que ficou aquém do prometido a Davi Bra

ALUIZIO SANTOS FALA SOBRE SUA SAÚDE

O secretário Aluizio Santos concedeu entrevista ao programa Alerta Geral, apresentado pelo jornalista Luis Carlos Jr. na rádio Cultura de Chapadinha, nesta manhã (10) e tratou do assunto que já estava dominando as rodas de conversa da política local: seu estado de saúde. Segundo o relato, desde o mês de junho ele estava acompanhando o aumento de dois linfonodos na sua virilha e decidiu, com a equipe de médicos que o acompanha em Chapadinha, pela remoção cirúrgica de ambos. O procedimento aconteceu no dia 25 de outubro e desde então ele ficou em repouso. O diagnóstico conclusivo sobre o tratamento de saúde ao qual ele precisará se submeter deverá ser apresentado em 10 dias, mas Aluizio tem voltado às atividades políticas, inclusive às articulações da sua pré-candidatura a deputado estadual. Assista o vídeo da entrevista no final da matéria.   ENTENDA O QUADRO A íngua é o inchaço dos linfonodos, pequenos órgãos do sistema linfático que atuam na defesa do organismo humano prod

FLÁVIO DINO INAUGURA IEMA E PEDE QUE BELEZINHA ENTREGUE UPA AO ESTADO

Nesta manhã Chapadinha recebeu Flávio Dino pela última vez antes de deixar o cargo de governador. Antes de seguir para outros municípios da região entregando outros aparelhos públicos, o socialista inaugurou a unidade local do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IEMA), e a cerimônia foi movimentada, principalmente nos seus bastidores! Ausente do evento supostamente por motivo de saúde Belezinha foi representada pelo vice-prefeito que ouviu do governador novo apelo para que o município entregue a gestão da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) para o governo do estado. “Eu não olho quem é o prefeito, eu não olho partido. O meu partido é o Maranhão e por isso eu sempre estarei a disposição da cidade de Chapadinha”, disse em discurso. Confira:   O governador já tinha se colocado a disposição para assumir a responsabilidade da UPA na sua última visita a Chapadinha e o vice-prefeito até foi às redes sociais defender a entrega da unidade. Ambos foram ignorados por Be