Pular para o conteúdo principal

A saída está na comunidade

Desde sua criação por Darcy Ribeiro, a UnB tem servido de exemplo. Foi ela que deu início a diversas mudanças na estrutura e no funcionamento do sistema universitário brasileiro. A atual administração do reitor Timothy Mulholland estava dando continuidade a essa história, até a decisão equivocada de retomar ao velho hábito de manter apartamento funcional para o reitor e de desperdiçar recursos para mobiliar esse apartamento.

Mesmo que nenhum ato ilegal tenha sido cometido, houve clara falta de ética nas prioridades na canalização de recursos para o apartamento funcional, em detrimento de gastos mais urgentes e comprometidos com as atividades-fim e o bem-estar da comunidade. Além das prioridades equivocadas, a decisão feriu gravemente a imagem da instituição e ofuscou realizações positivas de uma história que vem trazendo importantes mudanças na UnB, inclusive realizadas pelo reitor Timothy.

Devemos prestar reconhecimento à atual administração da UnB pelo que vem fazendo. Mas precisamos também reconhecer o grave erro cometido, suas conseqüências e a obrigação que a instituição tem de sair dessa situação e defender sua autonomia, ameaçada pelo desprestígio e pela presença da polícia e de interventores no câmpus — o que só acontecia durante a ditadura. O único caminho para retomar o prestígio da UnB e garantir sua autonomia é recolocar seu destino e sua condução nas mãos da comunidade, debatendo as denúncias que pesam sobre a Finatec e sobre os gastos com o apartamento a ser destinado aos reitores.

Ao reitor, de imediato, cabem quatro ações: a) substituir sua defesa, baseada na legalidade, pelo reconhecimento do erro cometido, e pedir desculpas; b) aceitar o debate com toda a comunidade, consultando professores, alunos e servidores sobre as medidas a serem tomadas para corrigir a presente situação, evitar que ela se repita e recuperar a imagem da instituição; c) abrir ao escrutínio da comunidade e da sociedade as contas de todos os órgãos da UnB e entidades afins, desde 1985; d) dedicar-se integralmente a esse debate, liberando-se das atividades normais de reitor, de modo a evitar a interrupção do dia-a-dia da administração e os projetos em andamento.

À comunidade, cabe: a) reconhecer que tem estado alienada e omissa, entregando os destinos da instituição apenas aos dirigentes; perguntar-se como é possível que a comunidade acadêmica só tenha sabido desses fatos pelos jornais, graças ao Ministério Público; b) retomar a participação e o debate, sem se limitar a esse fato, refletindo sobre a perda de compromisso público que caracteriza as funções estatais brasileiras; reconhecer que o mais grave é que esses erros sejam legais; como era legal a escravidão; como ainda é legal termos 16 milhões de analfabetos e, ao mesmo tempo, 4,5 milhões de universitários; é legal que apenas um terço de nossos jovens terminem o ensino médio; é legal pagar salários baixos aos professores da educação básica; promover gastos luxuosos em prédios públicos do Judiciário, Legislativo e Executivo; são legais as lixeiras caras que existem nos palácios do setor público, sob o olhar omisso de todos.

Além de denunciar o erro do reitor, a comunidade acadêmica não pode ficar omissa diante da corrupção nas prioridades e do corporativismo dos dirigentes e da comunidade, que olham para suas instituições como se o mundo não existisse além dos seus limites. O debate não deve se limitar ao apartamento do reitor, nem ao que aconteceu dentro do câmpus. Nem pode se reduzir à classificação dos fatos como legais ou ilegais. É preciso discutir se foram corretos e éticos.

Sem desculpar aqueles que, utilizando fundações paralelas, tomam decisões que causam desperdício, precisamos reconhecer que há muito mais austeridade nas unidades públicas de ensino superior do que nos demais órgãos estatais brasileiros. Nem devemos esquecer que nós, universitários, temos ficado omissos diante da vergonhosa falta de ética nas prioridades que caracteriza a administração pública brasileira.

Não podemos deixar que a crise diminua o valor e o prestígio da UnB, nem deixar que esse erro sirva para estigmatizar toda a comunidade universitária brasileira que, sem recursos, tem conseguido levar adiante o desenvolvimento científico e tecnológico do Brasil. Isso depende de cada aluno, dirigente, professor, servidor. Eles precisam pedir desculpas por sua alienação ante a administração. E o reitor deve pedir desculpas por seu grave erro, e colocar o futuro da UnB nas mãos da comunidade.

Cristovam Buarque,
Ex-reitor da Universidade de Brasília (UnB), ex-governador do Distrito Federal e senador da República pelo PDT

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DE NOVO: BELEZINHA TENTA COMPRAR CANDIDATO A VEREADOR E É DENUNCIADA À POLÍCIA

Dinheiro entregue à Polícia Festejada nas redes sociais pela ex-prefeita Belezinha e seus partidários, a adesão do candidato a vereador Lucídio se revelou mais um escândalo que abuso de poder econômico. Anúncio de adesão pela manhã Horas depois do anúncio, Lucídio registrou Boletim de Ocorrência acusando a coligação adversária de lhe ter entregado R$ 5 mil para ele se deixar fotografar ao lado da candidata e apoiá-la. Ao registrar o BO, o candidato apresentou aos policiais o valor que lhe foi entregue, e áudios das conversas entre ele e intermediários da ex-prefeita. Num deles o conhecimento da candidata sobre as negociações é confirmado. A versão foi confirmada por uma testemunha que presenciou a entrega do dinheiro. Após perícias as provas deverão ser encaminhadas para o Ministério Público Eleitoral e nova denúncia de abuso de poder econômico deve ser apresentada contra a candidata. Denúncia feita à tarde Belezinha responde no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ação semelhante p

EM PRIMEIRA MÃO: EX-PREFEITA PERDE O MANDATO DE DEPUTADA

Durou pouco a passagem da ex-prefeita Ducilene Belezinha (PL) na Assembleia Legislativa do Maranhão. Ela havia sido empossada no cargo de deputada estadual no mês passado devendo favor ao deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL) que determinou que a esposa, Detinha (PL), saísse de licença. Ocorre que Belezinha foi apenas a quinta suplente da coligação, e sua a posse dependeu do falecimento de um deputado e a nomeação de três parlamentares no secretariado do governador Flávio Dino, mas um deles voltou ontem (6) para o legislativo, aliás, uma secretária: Ana do Gás (PCdoB). Parlamentar com votação expressiva em Chapadinha na eleição de 2014, quando teve o apoio do hoje prefeito Magno Bacelar, a comunista ocupava a Secretaria de Estado da Mulher, mas decidiu reassumir o mandato de deputada levando a ex-prefeita de volta à condição de suplente. Festejado com carreata organizada por seus apoiadores com pouquíssima participação popular, o mandato de Belezinha na Assembleia durou 13 dia

ORINALDO ANUNCIA ROMPIMENTO COM MAGNO E APOIO A HIGOR ALMEIDA

O ex-vereador Orinaldo Araújo, esposo da vereadora Missecley, gravou hoje mensagem para anunciar seu desligamento do grupo político do prefeito Magno Bacelar. Ao lado de três dos seus quatro filhos Orinaldo afirmou que ainda não conversou com o Higor Almeida, mas apoiará sua candidatura. “É o que candidato que representa realmente aquilo que a gente pensa, aquilo que a gente quer pro nosso município”, afirmou. Havia chamado a atenção do meio político as ausências de Orinaldo e Missecley do primeiro comício de campanha do prefeito, realizado no bairro em que eles moram e têm forte base eleitoral. A insegurança jurídica da candidatura do prefeito e o forte desgaste apresentado nas pesquisas de opinião devem gerar novas adesões nos próximos dias.