Pular para o conteúdo principal

Chico Vigilante é reeleito presidente do PT-DF

O ex-deputado Chico Vigilante venceu a eleição para a presidência do diretório do Distrito Federal do Partido dos Trabalhadores.

Seu adversário, Lenildo Moraes, disse que não disputaria a votação, mas não oficializou a decisão e a votação teve que acontecer para mandar a formalidade do processo.

Mesmo sem disputa, quase de 1500 militantes petistas compareceram às urnas, dos quais quase 72 insistiram em votar no candidato desistente e 1299 foram reafirmar a vitória de Chico Vigilante.

Como os apoiadores de Lenildo prometem entrar com pedidos de recursos para serem realizados exames sobre as assinaturas de eleitores em duas zonais, a data da posse ainda não está definida.

Comentários

Anônimo disse…
Senhor deputado, intervenha no processo de moradia do DF que está sendo
> dirigido por tantos desonestos, À começar que a Associação Pró Movimento
> Vida de Samambaia< AMMVS presidida indiretamente por Carlos Roberto de
> Oliveira - diz-me militante do PT, e sua filha Daniela Kelly de Oliveira,
> venderam as cotas de vagas para apartamentos e casas para cooperativas e
> associações que ficaram fora do processo por valores que variam de R$
> 2.000,00 à R$ 4.000,00. O Eia-Rima foi cobrado R$ 150,00 cento e cinquenta
> reais por cada associado, basta multiplicar por 4889 pessoas na época, se
> custou trezentos mil reais como cada associado pagou 150,00, para onde foi
> parar o resto do dinheiro. Basta verificar as transações em números na conta
> do desempregado Carlos Roberto de Oliveira, no Banco do Brasil, com certeza
> não condiz com a realidade de uma pessoa desempregada. Outro fato de suma
> importância é que está atualmente sendo cobrado pela AMMVS, em boleto
> bancário da CEF R$ 180,00 ( cento e oitenta reais de cada associado),
> segundo eles é para gerenciar o processo relativo à área da União no Riacho
> Fundo II. Será necessário 1 milhão para gerenciar uma associação que recebeu
> uma área de graça? Basta telefonar para lá e dizer que é associado e que
> quer pegar o boleto , o telefone de lá é 3562-1611, provavelmente a Daniela
> atenderá a ligação. A conta onde está sendo feita a cobrança de R$ 180,00
> por associado é da Caixa Econômica Federal 4167 870 00000251-0 e aquele que
> não pagar está sendo ameaçado de ser excluído do processo. As cotas
> referentes aos apartamentoe e casas foram distribuídas de acordo com o
> prestígio político de cada presidente, por isso o Sr. Batista das
> Cooperativas ganhou mais de 400 unidades, e existe associação que ficou com
> somente 2 atendimentos. Será que o Ministério Público nunca fiscalizará este
> processo? Se fiscalizasse este não sairia do papel diante de tantas
> irregularidades
Anônimo disse…
Um processo que nunca foi fiscalizado pelo MPU e que vem se aprofundando cada vez mais nas irregularidades, não bastasse tanto lucro em cima dos cooperados, agora os mesmos estão sendo jogados de lado e embora possuam contratos com as construtoras registrados em cartório, estão vendo seus endereços serem ocupados por construções de terceiros que usaram laranjas para comprar lotes vendidos pela AMMVS por um valor de R$ 60.000,00 cada.Cadê a justiça de nosso país.

Postagens mais visitadas deste blog

O que não te disseram sobre a "farra dos contracheques"

Enquanto a gritaria tomava conta das redes sociais, me dediquei a estudar a folha de pagamento da Prefeitura de Chapadinha e verifiquei alguns dados que precisam ser esclarecidos.
Primeiro, nenhum vigia “recebe” R$ 6 mil. O presente do indicativo é usado para demonstrar ação continuada. E o vigia Marcelo Costa Abreu, segundo este mesmo Portal da Transparência que serve de fonte para pinçar informações pela metade e causar alvoroço, tem um salário de R$ 1.247,50. Nos meses de Setembro e Outubro ele recebeu gratificações para compensar outros serviços que ele teria prestado à administração municipal, segundo relato dele mesmo em áudio que circula nos grupos de WhatsApp.
A realização destes trabalhos deve ser atestada, mas essa checagem desmonta a tese segunda qual ele receberia um grande salário para dividir com um ex-prefeito e um vereador.
Outro dado que tem aparecido de maneira muito distorcida é a lotação de todos os servidores como funcionários do gabinete do prefeito. Na verdade…

PRIMEIRA CHAPA CONFIRMADA: HIGOR E MARCELO MARINHEIRO

Nem o isolamento social imposto pela pandemia de Covid-19 freou as articulações políticas. Respeitando as restrições e orientações da Organização Mundial da Saúde, o empresário Higor da Universidade Infantil e o vereador Marcelo Marinheiro se encontraram na manhã desta segunda-feira (30) e definiram que formarão chapa visando as pré-candidaturas a prefeito e vice-prefeito de Chapadinha nas eleições de 2020.
Em contato com o Blog do Braga, a dupla afirmou que já vinha conversando nas últimas semanas e que tomaram a decisão após análise das últimas pesquisas de intenção de voto, que indicariam a viabilidade da composição.
Em meio às incertezas jurídicas de outros concorrentes, Chapadinha ganha a primeira chapa 100% definida e ficha-limpa para as próximas eleições. Após o término do período de isolamento social proposto pela OMS os pré-candidatos informarão o calendário de eventos destinados à propagação das suas plataformas políticas.
“Por enquanto, nos cabe apenas desejar a todos mui…

Uma decisão que não se sustenta

Há tempos o município dava sinais de que conseguiria manter o calendário de pagamento dos servidores públicos de acordo com a promessa de campanha do prefeito Magno Bacelar, com 10 dias dentro do mês trabalho. Ontem a Prefeitura anunciou que todos os servidores receberão no limite previsto em lei e as reações foram instantâneas.
Até a aliada presidente da Câmara, professora Vera, já se pronunciou duramente repudiando a decisão do prefeito. “Não vejo justificativa para a medida da Prefeitura de transferir os pagamentos para o 5º dia útil do mês subsequente”, declarou em redes sociais.
Apesar de não haver ilegalidade no anúncio, algumas considerações precisam ser feitas. A primeira, e mais importante neste momento de pandemia, é que nunca foi tão necessário escalonar o pagamento. Para evitar aglomerações ainda maiores nas agências bancárias, os servidores de diferentes órgãos deveriam receber em dias alternados.
Em segundo lugar, a crise econômica agravada pela pandemia de Covid-19 po…