Pular para o conteúdo principal

A CRISE E SUAS CONSEQUÊNCIAS

Se a locomotiva perde o rumo, o que será dos vagões que a seguem?

A grande preocupação da economia mundial é o desfecho da crise por que passa a economia americana. Apoiada no fabuloso de PIB superior a US$ 14 trilhões, grande importadora de produtos de todo o mundo, consumidora de 30% do petróleo mundial, qualquer vento mais forte que a castigue significa que os efeitos se farão repercutir nas diversas economias.

Quando um país comprador de produtos está mais rico, certamente que os outros países venderão mais para ele; para isso terá que aumentar o tamanho das suas fábricas e vão contratar mais funcionários, vão adquirir mais matéria prima, vão produzir mais e gerar mais renda. De forma contrária, se o comprador dos mesmos produtos está mais pobre, todos os efeitos listados acima ocorrerão de forma inversa.

A economia chinesa é a grande fornecedora de produtos para os Estados Unidos. Com isso, sofrerá um impacto muito forte.

O Brasil já teve os Estados Unidos como comprador de 25% de tudo que vendíamos para o exterior. Com a diversificação dos mercados, 19% das exportações brasileiras tem como destino o mercado americano. Assim como a China, sofreremos, ainda que numa dimensão menor.

De qualquer forma, grande parte do mundo atua como simples expectadores, protegendo-se, mas sem o poder de debelar a crise.

A extensão de tais perdas vai depender da extensão da crise da economia americana. Viu-se a ponta do iceberg, ele está ameaçando aparecer de corpo inteiro, mas não se conhece o seu tamanho.

Outro efeito negativo se refere à fuga de capitais que acontece nessas situações. Com isso, as economias vêem aumentada a sua vulnerabilidade, principalmente aquelas que não detêm uma grande quantidade de reservas internacionais. O Brasil dispõe hoje de aproximadamente US$ 185 bilhões. Sem dúvida uma situação muito confortável.

Parece, também, que os economistas e os bancos centrais aprenderam muito com asa crises anteriores. O pacote de medidas agora anunciado pelo FED pode fazer com que a locomotiva não descarrilhe, seus passageiros desembarquem felizes e nós, simples expectadores, possamos suspirar aliviados.

Newton Braga,
Professor de economia do Instituto de Educação Superior de Brasília (IESB)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PACIENTES E PROFISSIONAIS DA SAÚDE RELATAM COLAPSO NA UPA DE CHAPADINHA

Os últimos dias têm sido de exaustão para quem está trabalhando na linha de frente do combate à Covid em Chapadinha. Profissionais da UPA relatam que a unidade entrou em colapso, os leitos estão lotados, pacientes aguardando nos corredores e os funcionários se sentindo impotentes diante o quadro. “Imagina o que é você se doar, prestar um serviço, ver gente morrendo todo dia e as pessoas continuarem suas vidas aglomerando”, desabafou um deles em rede social. Com quadro reduzido de funcionários, os servidores buscam fazer o que é possível, mas as dificuldades estão aumentando num grau insuportável. Enquanto isso pipocam nas redes sociais fotos e vídeos de pacientes e acompanhantes denunciando os problemas que estão enfrentando, principalmente com falta de médicos para atender a demanda crescente. A escala publicada pela Prefeitura mostra o quanto tem sido exigido dos profissionais. Apenas um médico por dia, sendo ora Dr. Kingsley Ifly, que na mesma data atende no HAPA , ora o Dr. Felipe

DE CORPO PRESENTE: FLÁVIO DINO REBATE BELEZINHA SOBRE INVESTIMENTO EM SAÚDE E AINDA QUER ASSUMIR A UPA

Durante cerimônia de inauguração de asfalto aplicado no município com emendas da deputada Dra. Thaiza, o governador Flávio Dino respondeu os ataques que a prefeita Belezinha fez contra ele no início da semana. A gestora havia afirmado em pronunciamento oficial que ainda não teve ajuda do governo do estado para cuidar da Saúde em Chapadinha nos seus primeiros meses de administração. Relembre: No seu discurso, a deputada Thaiza já havia criticado a gestão municipal por Chapadinha ter tido o maior número de óbitos por Covid no estado, mas Belezinha tentou evitar polêmica. Tigrona na internet, ela virou tchuchuca na frente do governador falando até em parcerias do estado com o município através do vice-governador Carlos Brandão. Veja: Flávio Dino estranhou a diferença de comportamento do mundo virtual para o mundo real. “Há pessoas que se transformam na internet. Elas na nossa frente são pessoas de bom senso, mas quando chegam na internet se transformam e se danam a mentir”: Mais a

2022: NOVOS E ANTIGOS NOMES ARTICULAM CANDIDATURAS À ASSEMBLEIA LEGISLATIVA EM CHAPADINHA E REGIÃO

Políticos e jornalistas só pensam naquilo: a próxima eleição. Os mandatos dos prefeitos eleitos no ano passado mal começaram e os grupos políticos já se preparam para medir forças na disputa pelas cadeiras dos deputados estaduais do Maranhão. Vejamos a situação dos principais nomes olhando a briga: Aluizio Santos : O articulador político do governo municipal não esconde sua pretensão e usa a mini-prefeitura instalada no antigo comitê de Belezinha para preparar sua pré-candidatura. Principal liderança do PL na região, Aluizio conta com a simpatia do deputado federal Josimar de Maranhãozinho e, segundo seus aliados, de 80% do grupo da prefeita. Projeta-se que ele partiria, em Chapadinha, dos 12.400 votos que Belezinha teve em 2018. Karoll Pontes : Carismática, a primeira-filha também é cogitada para a disputa. Teria quase todas as vantagens de Aluizio, além da simpatia do eleitor evangélico e uma relação inquebrantável com a mãe prefeita. Filiada ao antigo PRB, é mais próxima ao vice