Pular para o conteúdo principal

Palmeiras, Serra e o conto da CBF

"A Fifa pode dizer o que quiser em relação aos campeões mundiais de clubes. O mundo sabe bem quem são eles

O MILAN é tetracampeão mundial de clubes depois de derrotar, com sobras, o Boca Juniors, vítima de um rigor exagerado da Fifa que não permitiu a participação de Riquelme em seu torneio, mesmo que ele tenha disputado a Libertadores pela equipe portenha. Indiscutíveis 4 a 2.


Mas o Milan é tetracampeão só para nós, amantes do futebol. Porque pela Fifa não é não. Para a entidade, o Milan é o primeiro clube europeu a ser campeão mundial, depois que três clubes brasileiros o foram de 2000 para cá.


Decisão do Comitê Executivo da Fifa, registre-se, algo bem mais sério do que a produção dos jornalistas que fazem sua página na internet, com mais erros do que os deste colunista -que, ao menos, não trabalha para nenhum órgão "oficial".


Por mais que os europeus sempre tenham tratado a Copa Intercontinental como tal, o fato é que a América do Sul sempre a tratou como equivalente ao título mundial.


E por quê?


Porque era. E é.

América do Sul que ganhou 25 dos 47 títulos interclubes disputados com os europeus e nove, a metade, das Copas do Mundo de seleções e que, portanto, deve ser levada em conta por quem cuida da cultura do futebol mundial.


Ou alguém vai nos convencer de que o Santos de Pelé, o Flamengo de Zico, o Grêmio de Renato Gaúcho e o São Paulo de Telê não foram campeões mundiais?


Bobagem. E das grossas.


A decisão tem, porém, o efeito de ser mais uma demonstração de como é pouco sério o presidente da CBF, que informou, com pompa e circunstância, em palácio, ao governador de São Paulo, que o Palmeiras seria reconhecido como campeão mundial por ter vencido a Copa Rio em 1951.


Serra, serra, serrador, serra o papo do governador, brincou Ricardo Teixeira com o palestrino militante que ora ocupa o posto mais alto do Estado mais importante do país.

E José Serra acreditou, apesar de não poder ser ingênuo alguém que já foi presidente da UNE, deputado federal, senador, secretário de Estado, ministro, candidato à Presidência da República etc. Acreditou tanto que serrou (sem trocadilhos, hein) fileiras com outros 11 governadores no convescote homologatório, em Zurique, que anunciou o Brasil como sede da Copa de 2014.

E até aceitou convite para entregar a Rogério Ceni o troféu de craque do ano na festa da CBF, no Rio, embora, no último instante, tenha preferido ir a Belo Horizonte se encontrar com Aécio Neves.

Trocou seis por meia dúzia, é verdade, mas ficou em seu mundo, com falsidades de outro tipo.
Será que Serra pedirá desculpas aos seus camaradas palmeirenses?

Ou, mais importante, será que Serra se convencerá de que São Paulo não tem por que se curvar diante da CBF, mas, ao contrário, só exigir a parte que lhe cabe na Copa de 2014, sem rapapés diante de gente tão despreocupada com a seriedade?

Porque não só seus eleitores ficarão ao seu lado caso haja alguma retaliação como, também, é óbvio que, se Teixeira puder escolher entre ele e Aécio Neves, entre São Paulo e Minas, a escolha já está feita.

E o Palmeiras perderá de novo."


Juca Kfouri

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que não te disseram sobre a "farra dos contracheques"

Enquanto a gritaria tomava conta das redes sociais, me dediquei a estudar a folha de pagamento da Prefeitura de Chapadinha e verifiquei alguns dados que precisam ser esclarecidos.
Primeiro, nenhum vigia “recebe” R$ 6 mil. O presente do indicativo é usado para demonstrar ação continuada. E o vigia Marcelo Costa Abreu, segundo este mesmo Portal da Transparência que serve de fonte para pinçar informações pela metade e causar alvoroço, tem um salário de R$ 1.247,50. Nos meses de Setembro e Outubro ele recebeu gratificações para compensar outros serviços que ele teria prestado à administração municipal, segundo relato dele mesmo em áudio que circula nos grupos de WhatsApp.
A realização destes trabalhos deve ser atestada, mas essa checagem desmonta a tese segunda qual ele receberia um grande salário para dividir com um ex-prefeito e um vereador.
Outro dado que tem aparecido de maneira muito distorcida é a lotação de todos os servidores como funcionários do gabinete do prefeito. Na verdade…

PRIMEIRA CHAPA CONFIRMADA: HIGOR E MARCELO MARINHEIRO

Nem o isolamento social imposto pela pandemia de Covid-19 freou as articulações políticas. Respeitando as restrições e orientações da Organização Mundial da Saúde, o empresário Higor da Universidade Infantil e o vereador Marcelo Marinheiro se encontraram na manhã desta segunda-feira (30) e definiram que formarão chapa visando as pré-candidaturas a prefeito e vice-prefeito de Chapadinha nas eleições de 2020.
Em contato com o Blog do Braga, a dupla afirmou que já vinha conversando nas últimas semanas e que tomaram a decisão após análise das últimas pesquisas de intenção de voto, que indicariam a viabilidade da composição.
Em meio às incertezas jurídicas de outros concorrentes, Chapadinha ganha a primeira chapa 100% definida e ficha-limpa para as próximas eleições. Após o término do período de isolamento social proposto pela OMS os pré-candidatos informarão o calendário de eventos destinados à propagação das suas plataformas políticas.
“Por enquanto, nos cabe apenas desejar a todos mui…

Uma decisão que não se sustenta

Há tempos o município dava sinais de que conseguiria manter o calendário de pagamento dos servidores públicos de acordo com a promessa de campanha do prefeito Magno Bacelar, com 10 dias dentro do mês trabalho. Ontem a Prefeitura anunciou que todos os servidores receberão no limite previsto em lei e as reações foram instantâneas.
Até a aliada presidente da Câmara, professora Vera, já se pronunciou duramente repudiando a decisão do prefeito. “Não vejo justificativa para a medida da Prefeitura de transferir os pagamentos para o 5º dia útil do mês subsequente”, declarou em redes sociais.
Apesar de não haver ilegalidade no anúncio, algumas considerações precisam ser feitas. A primeira, e mais importante neste momento de pandemia, é que nunca foi tão necessário escalonar o pagamento. Para evitar aglomerações ainda maiores nas agências bancárias, os servidores de diferentes órgãos deveriam receber em dias alternados.
Em segundo lugar, a crise econômica agravada pela pandemia de Covid-19 po…