Pular para o conteúdo principal

Lupi, o gauche

Carlos Lupi é uma figura interessante. Entrou na política quando conheceu Leonel Brizola por meio da sua profissão na época: jornaleiro. Depois disso virou pupilo do caudilho. Foi secretário municipal no governo de Marcello Alencar frente à prefeitura do Rio de Janeiro e secretário estadual no governo Garotinho.

Foi também protagonista de um desses absurdos que só vemos na política brasileira. Quando Roberto Saturnino Braga foi eleito senador da República em 1998, Lupi era seu primeiro suplente e ouvira a promessa de que os dois dividiriam o mandato. Saturnino acabou cumprindo o mandato até o último dia. Quando ele mesmo foi candidato a uma cadeira na Câmara alta, em 2002, ficou em 10º lugar.

Virou figura nacional com a morte do seu mentor, em 2004 sucedendo-o na presidência do PDT, cargo que ocupa até hoje. Tudo muito certo, tudo muito bem. Até o dia em que seu partido o indicou para virar ministro do Trabalho e o presidente Lula, sempre obediente aos apelos fisiológicos dos partidos, o nomeou. De lá pra cá a Comissão de Ética Pública o advertiu várias vezes que ser ministro de Estado e presidente de partido ao mesmo tempo é incompatível. Ele sempre fez ouvido de mercador.

Agora a comissão decidiu enviar mensagem a sua excelência o presidente da República, a quem, segundo o artigo 84º da Constituição, compete privativamente o poder de nomear e exonerar ministros. Na mensagem a comissão deverá recomendar a demissão do ministro.

O que fará Lula? Vai se indispor com um partido da sua base aliada? Um partido cujos senadores, sem exceção, votaram a favor da prorrogação da CPMF?

O problema de Lupi não é legal. Não há uma linha na constituição ou em qualquer lei que declare incompatíveis os cargos que Lupi ocupa. O problema é meramente ético, segundo a própria comissão de ética pública.

Sem entrar no mérito de se é ético ou não alguém acumular estas funções e tomando a conclusão da comissão como correta vários outros ministros deveriam estar encrencados também. O ministro das Cidades Márcio Forte é 8º vice-presidente do Partido Progressista, o ministro da Cultura Gilberto Gil é conselheiro do Partido Verde, os ministros Luiz Dulci, Marta Suplicy e Paulo Bernardo são membros do diretório nacional do Partido dos Trabalhadores. Ora, se não pode ser presidente nacional também não deveria poder nenhum outro cargo partidário.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que não te disseram sobre a "farra dos contracheques"

Enquanto a gritaria tomava conta das redes sociais, me dediquei a estudar a folha de pagamento da Prefeitura de Chapadinha e verifiquei alguns dados que precisam ser esclarecidos.
Primeiro, nenhum vigia “recebe” R$ 6 mil. O presente do indicativo é usado para demonstrar ação continuada. E o vigia Marcelo Costa Abreu, segundo este mesmo Portal da Transparência que serve de fonte para pinçar informações pela metade e causar alvoroço, tem um salário de R$ 1.247,50. Nos meses de Setembro e Outubro ele recebeu gratificações para compensar outros serviços que ele teria prestado à administração municipal, segundo relato dele mesmo em áudio que circula nos grupos de WhatsApp.
A realização destes trabalhos deve ser atestada, mas essa checagem desmonta a tese segunda qual ele receberia um grande salário para dividir com um ex-prefeito e um vereador.
Outro dado que tem aparecido de maneira muito distorcida é a lotação de todos os servidores como funcionários do gabinete do prefeito. Na verdade…

PRIMEIRA CHAPA CONFIRMADA: HIGOR E MARCELO MARINHEIRO

Nem o isolamento social imposto pela pandemia de Covid-19 freou as articulações políticas. Respeitando as restrições e orientações da Organização Mundial da Saúde, o empresário Higor da Universidade Infantil e o vereador Marcelo Marinheiro se encontraram na manhã desta segunda-feira (30) e definiram que formarão chapa visando as pré-candidaturas a prefeito e vice-prefeito de Chapadinha nas eleições de 2020.
Em contato com o Blog do Braga, a dupla afirmou que já vinha conversando nas últimas semanas e que tomaram a decisão após análise das últimas pesquisas de intenção de voto, que indicariam a viabilidade da composição.
Em meio às incertezas jurídicas de outros concorrentes, Chapadinha ganha a primeira chapa 100% definida e ficha-limpa para as próximas eleições. Após o término do período de isolamento social proposto pela OMS os pré-candidatos informarão o calendário de eventos destinados à propagação das suas plataformas políticas.
“Por enquanto, nos cabe apenas desejar a todos mui…

Uma decisão que não se sustenta

Há tempos o município dava sinais de que conseguiria manter o calendário de pagamento dos servidores públicos de acordo com a promessa de campanha do prefeito Magno Bacelar, com 10 dias dentro do mês trabalho. Ontem a Prefeitura anunciou que todos os servidores receberão no limite previsto em lei e as reações foram instantâneas.
Até a aliada presidente da Câmara, professora Vera, já se pronunciou duramente repudiando a decisão do prefeito. “Não vejo justificativa para a medida da Prefeitura de transferir os pagamentos para o 5º dia útil do mês subsequente”, declarou em redes sociais.
Apesar de não haver ilegalidade no anúncio, algumas considerações precisam ser feitas. A primeira, e mais importante neste momento de pandemia, é que nunca foi tão necessário escalonar o pagamento. Para evitar aglomerações ainda maiores nas agências bancárias, os servidores de diferentes órgãos deveriam receber em dias alternados.
Em segundo lugar, a crise econômica agravada pela pandemia de Covid-19 po…