Pular para o conteúdo principal

CPMF - Perdas e ganhos

O Síndico do edifício onde moro deu a seguinte informação ao final da reunião da Assembléia Geral: “já que a maioria não concordou com a instituição da taxa extra, vamos deixar de fazer as melhorias pretendidas por parte dos moradores”. Quem ganhou? Quem perdeu? Houve ganhadores e perdedores? A maioria assim decidiu.

Assim é no nosso condomínio, assim é para uma comunidade qualquer, assim é para o país. Algumas coisas, necessariamente, deixarão de ser feitas. Estabeleçamos prioridades: se o nível de investimento na economia é tradicionalmente baixo, não podemos reduzi-lo, sob pena de travarmos o crescimento econômico; como é socialmente desejável que todos os brasileiros tenham o mínimo de suas necessidades satisfeitas, não se pode nem pensar em cortes no bolsa-família; as transferências obrigatórias, o próprio nome já indica, têm que ser cumpridas. Restam as transferências voluntárias e a “queima de gorduras” nas despesas de custeio.

É preciso desmistificar o propalado excesso de receita do governo. Uma família pode viver com uma renda de R$ 1000,00; essa família viverá melhor se a sua renda aumentar para R$ 5.000. O que vai diferir é o nível de vida, é o padrão de bem estar dos seus membros. Analogamente, mais dinheiro arrecadado significa a possibilidade de melhorar o padrão de vida de milhões de brasileiros que precisam do Estado.

Não se pode participar do jogo de sedução de opositores que afirmam que o governo gasta demais. Mesmo porque quando um orçamento é aprovado pelo Congresso Nacional, a despesa é igual à receita. Esta é uma condição, imposta por uma lei (nr. 6420) que vigora desde 1964. Como a despesa, segundo a lei, se constitui numa autorização, fica o governo autorizado, de antemão, a gastar aquilo que for arrecadado. Quando há excesso de arrecadação, ele precisa de nova autorização legislativa para realizar os gastos.

No entanto, durante a execução orçamentária, no exercício financeiro, que vai do primeiro ao último dia de cada ano civil, é feito um esforço para que a receita supere a despesa propiciando as condições para se saldar os juros e parte da dívida interna – esse é o tal superávit primário.

Sem os recursos da CPMF, fica sacrificada a geração do superávit primário, ficam sacrificados os serviços que o Estado propicia nas áreas de saúde e de educação.

Os reflexos para a economia não podem ser vistos apenas dessa forma. Existe um mercado financeiro que é bastante sensível a essas mudanças. Refletirá na bolsa de valores, com uma possível queda no seu desempenho e o fluxo de capitais externos só será aliviado porque nos Estados Unidos a taxa de juros foi reduzida em mais 0,25%.

São várias as funções da CPMF, ressaltando-se o fato de ser inibidora da sonegação. Isto pode se constituir em fator de preocupação para muitos.

Parece, e é, uma contradição o fato do Poder Legislativo ter aprovado a regulamentação da Emenda 29, que destina mais R$ 24 bilhões para a saúde e, ao mesmo tempo, retira o dinheiro para o mesmo setor.

É preciso ter cuidado, também, com uma informação que ouvi hoje de um comentarista da CBN, segundo o qual é melhor o dinheiro nas mãos das pessoas, na sociedade, do que entregá-lo ao governo. E mais ainda: o dinheiro que cada um pagaria por conta da CPMF poderia ser empregado no pagamento de um bom plano de saúde! No ponto máximo desta ilação, governo não arrecadaria recursos; governo sem recursos não existiria razão da sua existência, o que seria um regime anárquico. Por outro lado o governo não exerceria a sua função distributiva, pois os mais abastados teriam direito aos serviços de saúde pagos por aquilo que ele contribuiria para oferecer tais serviços aos mais pobres.

Assim, os pobres deixam de ganhar. E, em economia, deixar de ganhar significa perder.


Newton Braga,
Professor de economia do Instituto de Educação Superior de Brasília (IESB)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DE NOVO: BELEZINHA TENTA COMPRAR CANDIDATO A VEREADOR E É DENUNCIADA À POLÍCIA

Dinheiro entregue à Polícia Festejada nas redes sociais pela ex-prefeita Belezinha e seus partidários, a adesão do candidato a vereador Lucídio se revelou mais um escândalo que abuso de poder econômico. Anúncio de adesão pela manhã Horas depois do anúncio, Lucídio registrou Boletim de Ocorrência acusando a coligação adversária de lhe ter entregado R$ 5 mil para ele se deixar fotografar ao lado da candidata e apoiá-la. Ao registrar o BO, o candidato apresentou aos policiais o valor que lhe foi entregue, e áudios das conversas entre ele e intermediários da ex-prefeita. Num deles o conhecimento da candidata sobre as negociações é confirmado. A versão foi confirmada por uma testemunha que presenciou a entrega do dinheiro. Após perícias as provas deverão ser encaminhadas para o Ministério Público Eleitoral e nova denúncia de abuso de poder econômico deve ser apresentada contra a candidata. Denúncia feita à tarde Belezinha responde no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ação semelhante p

EM PRIMEIRA MÃO: EX-PREFEITA PERDE O MANDATO DE DEPUTADA

Durou pouco a passagem da ex-prefeita Ducilene Belezinha (PL) na Assembleia Legislativa do Maranhão. Ela havia sido empossada no cargo de deputada estadual no mês passado devendo favor ao deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL) que determinou que a esposa, Detinha (PL), saísse de licença. Ocorre que Belezinha foi apenas a quinta suplente da coligação, e sua a posse dependeu do falecimento de um deputado e a nomeação de três parlamentares no secretariado do governador Flávio Dino, mas um deles voltou ontem (6) para o legislativo, aliás, uma secretária: Ana do Gás (PCdoB). Parlamentar com votação expressiva em Chapadinha na eleição de 2014, quando teve o apoio do hoje prefeito Magno Bacelar, a comunista ocupava a Secretaria de Estado da Mulher, mas decidiu reassumir o mandato de deputada levando a ex-prefeita de volta à condição de suplente. Festejado com carreata organizada por seus apoiadores com pouquíssima participação popular, o mandato de Belezinha na Assembleia durou 13 dia

ORINALDO ANUNCIA ROMPIMENTO COM MAGNO E APOIO A HIGOR ALMEIDA

O ex-vereador Orinaldo Araújo, esposo da vereadora Missecley, gravou hoje mensagem para anunciar seu desligamento do grupo político do prefeito Magno Bacelar. Ao lado de três dos seus quatro filhos Orinaldo afirmou que ainda não conversou com o Higor Almeida, mas apoiará sua candidatura. “É o que candidato que representa realmente aquilo que a gente pensa, aquilo que a gente quer pro nosso município”, afirmou. Havia chamado a atenção do meio político as ausências de Orinaldo e Missecley do primeiro comício de campanha do prefeito, realizado no bairro em que eles moram e têm forte base eleitoral. A insegurança jurídica da candidatura do prefeito e o forte desgaste apresentado nas pesquisas de opinião devem gerar novas adesões nos próximos dias.