Pular para o conteúdo principal

A CPMF caiu

Assim votaram os senadores:

Contra:

Adelmir Santana (DEM-DF)
Álvaro Dias (PSDB-PR)
Antonio Carlos Junior (DEM-BA)
Arthur Virgílio (PSDB-AM)
César Borges (PR-BA)
Cícero Lucena (PSDB-PB)
Demóstenes Torres (DEM-GO)
Eduardo Azeredo (PSDB-MG)
Efraim Morais (DEM-PB)
Eliseu Rezende (DEM-MG)
Expedito Junior (PR-RO)
Flexa Ribeiro (PSDB-PA)
Geraldo Mesquita (PMDB-AC)
Heráclito Fortes (DEM-PI)
Jarbas Vasconcellos (PMDB-PE)
Jayme Campos (DEM-MT)
João Tenório (PSDB-AL)
Jonas Pinheiro (DEM-MT)
José Agripino (DEM-RN)
José Nery (PSOL-PA)
Kátia Abreu (DEM-TO)
Lúcia Vânia (PSDB-GO)
Mão Santa (PMDB-PI)
Marco Maciel (DEM-PE)
Marconi Perillo (PSDB-GO)
Maria do Carmo Alves (DEM-SE)
Mario Couto (PSDB-PA)
Marisa Serrano (PSDB-MS)
Papaléo Paes (PSDB-AP)
Raimundo Colombo (DEM-SC)
Romeu Tuma (PTB-SP)
Rosalba Ciarlini (DEM-RN)
Sérgio Guerra (PSDB-PE)
Tasso Jereissati (PSDB-CE)

A favor

Almeida Lima (PMDB-SE)
Aloísio Mercadante (PT-SP)
Antonio Carlos Valadares (PSB-SE)
Augusto Botelho (PT-RR)
Cristovam Buarque (PDT-DF)
Delcídio Amaral (PT-MS)
Edson Lobão (PMDB-MA)
Eduardo Suplicy (PT-SP)
Epitácio Cafeteira (PTB-MA)
Euclydes Melo (PTB-AL)
Fatima Cleide (PT-RO)
Flavio Arns (PT-PR)
Francisco Dornelles (PP-RJ)
Gerson Camata (PMDB-ES)
Gilvam Borges (PMDB-AP)
Gim Argello (PTB-DF)
Ideli Salvatti (PT-SC)
Inácio Arruda (Pc do B-CE)
Jefferson Péres (PDT-AM)
João Durval (PDT-BA)
João Pedro (PT-AM)
João Ribeiro (PR-TO)
João Vicente Claudino (PTB-PI)
José Maranhão (PMDB-PB)
José Sarney (PMDB-AP)
Leomar Quintanilha (PMDB-TO)
Magno Malta (PR-ES)
Marcelo Crivella (PRB-RJ)
Neuto do Conto (PMDB-SC)
Osmar Dias (PDT-PR)
Patricia Saboya (PDT-CE)
Paulo Duque (PMDB-RJ)
Paulo Paim (PT-RS)
Pedro Simon (PMDB-RS)
Renan Calheiros (PMDB-AL)
Renato Casgrande (PSB-ES)
Romero Jucá (PMDB-RR)
Rosenana Sarney (PMDB-MA)
Sérgio Zambiasi (PTB-RS)
Serys Slhessarenko (PT-MT)
Sibá Machado (PT-AC)
Tião Viana (PT-AC)
Valdir Raupp (PMDB-RO)
Valter Pereira (PMDB-MS)
Wellington Salgado (PMDB-MG)

Resultado: 45 votos favoráveis e 34 contrários. Como eram necessário três quintos dos 80 possíveis votos, por se tratar de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) a CPMF deixará de ser cobrada assim que este ano findar.

Já declaramos apoio à CPMF. Ela é tão importante que não deveria ser prorrogada, mas sim instituída como permanente. É o único tributo insonegável, atinge os mais os ricos, representa uma receita considerável etc.

A não prorrogação da contribuição, como o Blog do Braga disse ontem, tem como pano de fundo a sucessão presidencial de 2010. A oposição tentou (e conseguiu) sabotar o governo Lula diminuindo suas receitas. Não que nós vamos voltar ao caos econômico, mas teríamos mais condições de fazer investimentos, aumentar os programas sociais e pagamentos da dívida com o dinheiro da CPMF.

Como conseqüência do fim da CPMF as taxas de juros não cairão tão cedo. Se duvidar a Selic pode até subir. A rigidez fiscal agora é coloca em dúvida e sua excelência o Mercado perde parte da confiança da economia tupiniquim.

Em resumo: Tentando atrapalhar o governo as oposições atrapalham o Estado brasileiro.

As oposições não votaram pensando no que é melhor para o país. E sim por questões do jogo político. O PSDB é o caso mais engraçado. "Não venham dizer que nós não negociamos", bradou o líder tucano no Senado Arthur Virgílio (PSDB-AM). É verdade. Sentaram para conversar com ministros, que cederam na maioria das reivindicações e nada. O PSDB disse que aceitaria a CPMF por apenas um ano e que durante este ano queria que fosse realizada uma reforma tributária. O presidente Lula disse que topava, mas o PSDB deu pra trás. O senador Mário Couto (PSDB-PA) disse que o governo deveria destinar toda a receita do "imposto do cheque" para a área da saúde. Virgílio, sempre ele, foi além. Disse que se o governo aceitasse essa condição seu partido votaria pela prorrogação. O governo topou de novo e o PSDB deu pra trás de novo. Ora, que diabos de negociação é essa?!

Alguns senadores chamaram a atenção pelo voto. O PSDB e o ex-PFL (DEM) conseguiram que todos seus senadores votassem contra o governo. Nessa brincadeira, alguns senadores de estados (que eles são eleitos para representar) em situação financeira calamitosa votaram para seus estados receberem menos receitas. João Tenório (PSDB-AL), Cícero Lucena (PSDB-PB) e Lúcia Vânia (PSDB-GO) estão entre estes.

O que resta agora é esperar que o Congresso realize uma reforma tributaria no ano que vem, que desonere, combata a sonagação, simplifique o sistema e faça justiça. Com ou sem a CPMF.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DE NOVO: BELEZINHA TENTA COMPRAR CANDIDATO A VEREADOR E É DENUNCIADA À POLÍCIA

Dinheiro entregue à Polícia Festejada nas redes sociais pela ex-prefeita Belezinha e seus partidários, a adesão do candidato a vereador Lucídio se revelou mais um escândalo que abuso de poder econômico. Anúncio de adesão pela manhã Horas depois do anúncio, Lucídio registrou Boletim de Ocorrência acusando a coligação adversária de lhe ter entregado R$ 5 mil para ele se deixar fotografar ao lado da candidata e apoiá-la. Ao registrar o BO, o candidato apresentou aos policiais o valor que lhe foi entregue, e áudios das conversas entre ele e intermediários da ex-prefeita. Num deles o conhecimento da candidata sobre as negociações é confirmado. A versão foi confirmada por uma testemunha que presenciou a entrega do dinheiro. Após perícias as provas deverão ser encaminhadas para o Ministério Público Eleitoral e nova denúncia de abuso de poder econômico deve ser apresentada contra a candidata. Denúncia feita à tarde Belezinha responde no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ação semelhante p

O que não te disseram sobre a "farra dos contracheques"

Enquanto a gritaria tomava conta das redes sociais, me dediquei a estudar a folha de pagamento da Prefeitura de Chapadinha e verifiquei alguns dados que precisam ser esclarecidos. Primeiro, nenhum vigia “recebe” R$ 6 mil. O presente do indicativo é usado para demonstrar ação continuada. E o vigia Marcelo Costa Abreu, segundo este mesmo Portal da Transparência que serve de fonte para pinçar informações pela metade e causar alvoroço, tem um salário de R$ 1.247,50. Nos meses de Setembro e Outubro ele recebeu gratificações para compensar outros serviços que ele teria prestado à administração municipal, segundo relato dele mesmo em áudio que circula nos grupos de WhatsApp. A tese de "rachadinha" cai por terra A realização destes trabalhos deve ser atestada, mas essa checagem desmonta a tese segunda qual ele receberia um grande salário para dividir com um ex-prefeito e um vereador. Outro dado que tem aparecido de maneira muito distorcida é a lotação de todos os

EM PRIMEIRA MÃO: EX-PREFEITA PERDE O MANDATO DE DEPUTADA

Durou pouco a passagem da ex-prefeita Ducilene Belezinha (PL) na Assembleia Legislativa do Maranhão. Ela havia sido empossada no cargo de deputada estadual no mês passado devendo favor ao deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL) que determinou que a esposa, Detinha (PL), saísse de licença. Ocorre que Belezinha foi apenas a quinta suplente da coligação, e sua a posse dependeu do falecimento de um deputado e a nomeação de três parlamentares no secretariado do governador Flávio Dino, mas um deles voltou ontem (6) para o legislativo, aliás, uma secretária: Ana do Gás (PCdoB). Parlamentar com votação expressiva em Chapadinha na eleição de 2014, quando teve o apoio do hoje prefeito Magno Bacelar, a comunista ocupava a Secretaria de Estado da Mulher, mas decidiu reassumir o mandato de deputada levando a ex-prefeita de volta à condição de suplente. Festejado com carreata organizada por seus apoiadores com pouquíssima participação popular, o mandato de Belezinha na Assembleia durou 13 dia